Destinos turísticos e gastronomias regionais, os sucessos interligados

 

Degustação de ostras no Etang de Thau

Degustação de ostras no Etang de Thau

A gastronomia e as bebidas locais enriquecem o patrimônio turístico e são sempre parte das campanhas promocionais, como sendo experiências-chave para aproveitar um destino. Uma boa chucrute vai ser um grande momento de uma viagem para Estrasburgo, um Grand Cru degustado no Bar da Praça de Saint-Emilion justificará uma viagem para Bordeaux, um copo de Chablis com uma “gougère” será um parada obrigatória na Borgonha, uma cavaquinha grelhada frente ao porto de Saint-Tropez ficará como a sua melhor imagem da Côte d’Azur, bem como um prato de ostras na beira do Etang de Thau agregará a noite inesquecível que vai lhe fazer lembrar para sempre sua viagem para Montpellier.

Paul Bocuse em Lyon, capitale francesa da gastronomia

Paul Bocuse em Lyon, capital francesa da gastronomia

Para 67% dos viajantes, a gastronomia é um critério importante para selecionar o seu destino, sendo sempre entre os dez mais citados. E para os brasileiros, a culinária francesa é a quinta razão mais lembrada para justificar uma viagem para França, 59% deles colocando experiência gastronômicas nos seus roteiros. Os sucessos  recentes de Lyon ou de Bordeaux junto aos turistas vindo do Brasil se devem sem dúvidas em grande parte para a primeira ao prestígio do Paul Bocuse, das suas grandes mesas estreladas (ou dos seus pequenos “bouchons”), e para a segunda a justificada fama dos vinhos de Pomerol, de Côtes de Bourg, de Pessac Leognan ou de Margaux.

O Rosé , seduzindo por ser o espirito da Provence

O Rosé, seduzindo por ser o espírito da Provence

Se é então indiscutível que a culinária reforça a atratividade dos destinos, não se deve subestimar o quanto a imagem de um destino pode ajudar na divulgação dos produtos regionais. O exemplo mais famoso é talvez o Rosé de Provence. Produzido há mais de dois milênios, esse Rosé é hoje um sucesso mundial, 141 milhões de garrafas, 16 milhões das quais são exportadas (1,7% no Brasil). Esse sucesso se deve talvez à qualidade das suas uvas, ao charme das suas cores, ou a originalidade dos seus aromas. Mas, quem gosta desse vinho gosta antes de tudo da Provence. Beber esse Rosé com alguns amigos em dia de sol é beber a Provence, beber as oliveiras, os campos de lavanda, beber os jogadores do “bocha” na praça do vilarejo ou o canto das cigarras. A força da imagem da região deu ao seu vinho um prestígio que o transformou.

A Volvic no Japão, ligando sua imagem com os vulcões da Auvergne

A Volvic no Japão, ligando sua imagem à dos vulcões da Auvergne

Muitos pratos ou produtos das gastronomias tradicionais devem sua popularidade à atratividade das imagens dos seus países ou das suas regiões de origem, consolidadas através do turismo, de lembranças de férias ou de festas inesquecíveis. Na França, é assim que a Córsega exporta os seus embutidos, a Britânia sua cidra, a Auvergne suas águas minerais, o Pais Basco o seu queijo de ovelha, ou os Alpes sua “fondue” ou seu Genepi. Exemplos que mostram que se a gastronomia é um grande atrativo dos destinos, o sucesso turístico pode também ser um grande atrativo para a divulgação de gastronomia de um território.

O Pâté de pommes de terre da Auvergne revisitado pelo chef Laurent Suaudeau

O Pâté de pommes de terre da Auvergne revisitado pelo chef Laurent Suaudeau

A influência dos destinos sobre a valorização das suas respectivas culinárias é ainda mais forte quando se trata de viajantes ou de consumidores com raízes familiares. E, devo confessar que a minha paixão pelo “Pâté de pommes de terre”, que eu já dividi com amigos em Nova Iorque, Quito, Manaus ou São Paulo, se deve muito mais ao meu amor e ao meu orgulho das minhas origens na Auvergne que pela qualidade gastronômica dessa torta de batatas coberta de creme de leite. Mais um destino que soube ajudar a popularizar a sua culinária!

Jean-Philippe Pérol

Chablis com "Gougère", o pão de queijo a francesa

Chablis com “Gougère”, o pão de queijo à francesa

Esse artigo foi inicialmente publicado no Blog “Points de vue”do autor na revista profissional on line Mercados e Eventos

No coração do Quartier latin, a criatividade do esqui a francesa!

Esqui acrobático na Praça Saint Sulpice

Esqui acrobático freestyle na Praça Saint Sulpice

Sempre popular, mas querendo conquistar novos seguidores mostrando a criatividade dos seus destinos, o esqui francês está inovando com inesperadas promoções, não somente nos mercados internacionais, mas também no próprio mercado domestico. Pela quarta vez, a associação France Montagnes vai tentar seduzir os mais difíceis dos clientes franceses, os moradores do Quartier Latin, e os turistas internacionais encontrados nas ruas da “Rive Gauche”de Paris, os “habitués” que caminham entre o tradicional (e badalado) café “Les deux magots” e a famosa (e chiquérrima) loja de departamento “Le Bon Marché”. Do dia 17 ao dia 20 de Novembro, será assim aberta  no coração de Paris  a temporada do inverno 2016/2017.

cover-twitter-sgdn

Saint Germain des Neiges, quarta edição do 17 ao 20 de Novembro

O acampamento dos profissionais de France  Montagnes vai ser montado na Praça Saint-Sulpice e nos seus arredores, nas ruas Princesse, Guisarde e des Canettes. Durante os 4 dias do “Saint Germain des neiges”, as ruas e as praças serão decoradas com os símbolos  do inverno, os bares virarão chalés com as cores dos grandes regiões do esqui francês – Alpes, Pirineus, Vosges, Jura ou Auvergne. A Praça vai se transformar numa estação de esqui, com numerosas atividades ofertas aos visitantes.

Big Air, uma das atividades gratuitas de Saint Germain des neiges

Big Air, uma das atividades gratuitas de Saint Germain des neiges

Com o apoio dos monitores da Escola Francesa do Esqui (ESF), os visitantes poderão experimentar o “Big Air”, a pista de trenó, o jardim das neves, o simulador de esqui alpino. a pista de esqui “cross-country” e  o estande de tiro com as carabinas do biatlo. Num canil, será possível ver vários cães de trenó, testemunhos do sucesso crescente desse esporte nas montanhas francesas. Durante os três dias do evento, serão também realizadas demonstrações de freestyle -esqui ou snowboard-. E para lembrar a importância cada vez maior do bem estar nas estações de esqui, um spa – com sauna e banho nórdico- será a principal novidade 2016 do Saint Germain des neiges. Os restaurantes dos arredores participam também da festa, oferecendo os pratos típicos da montanha francesa, incluindo as famosas “charcuteries”, ou as animadas raclettes ou fondues.

Todos os profissionais de France Montagnes esperam que o sucesso desse evento ajudará a demonstrar aos parisienses e aos numerosos turistas  que as estações de esqui dos Alpes e das outras montanhas franceses oferecem hoje muito mais que o simples esqui tradicional. Não somente pelas novas modalidades esportivas acessíveis a todos os níveis e todas as idades – do snowboard ao trenó ou do crosscountry ao freestyle-, mas também pelos numerosos equipamentos de lazer – espas, piscinas, espetáculos ou salas de festas- , os bares ou os restaurantes, que  estão mantendo os destinos das montanhas franceses como lideres criativos das “ferias de inverno” da atualidade.

Com Saint Germain des neiges, a montanha vai convencer seus futuros clientes

Com Saint Germain des neiges, a montanha vai convencer seus futuros clientes

A programação do Saint Germain des neiges 2016 será a seguinte:

Quinta feira, 17 de novembro:
14h00 : abertura

14h30 – 19h : Animações e atividades na Praça Saint-Sulpice

19h : Inauguração oficial

19h15 : Demonstração de freestyle pelos monitores da ESF

A partir das 19h, noites dos destinos e das estações nos restaurantes das ruas Guisarde, Princesse e des Canettes

Sexta feira, 18 de novembro:
14h – 19h : Animações et atividades na Praça Saint-Sulpice

14h – 19h : Demonstração de freestyle pelos monitores da ESF

A partir das 16h : Animações de bares e restaurantes dos arredores

A partir das 19h, noites dos destinos e das estações nos restaurantes das ruas Guisarde, Princesse e des Canettes

Sábado 19 de novembro:

10h – 19h : Animações et atividades na Praça Saint-Sulpice

10h – 19h : Demonstração de freestyle pelos monitores da ESF

A partir das 19h, noites dos destinos e das estações nos restaurantes das ruas Guisarde, Princesse e des Canettes

Domingo 20 de novembro:

10h – 17h : Animações et atividades na Praça Saint-Sulpice

10h – 17h : Demonstração de freestyle pelos monitores da ESF

vianney_thibaut-agence_zoom-0027

Quiosque de informação do Saint Germain des neiges

Em Aubusson, heranças de tecelãs, de templários e de pedreiros

 

Mas antiga tapeçaria de Aubusson

O “Millefleurs à la Licorne”, a mais antiga tapeçaria de Aubusson

Se não se sabe exatamente as origens da tapeçaria de Aubusson, –  artesãos árabes perdidos depois da derrota de Poitiers em 732, tecelãs flamengos contratados no século XIV, ou tradições milenares vindo da qualidade das águas ácidas do Rio Creuse- , é certo que a nova “Cité Internationale de la Tapisserie” abrira suas portas no início de Julho desse ano. Jean LurçatDeclarada pela UNESCO patrimônio imaterial da humanidade em 2009, a peculiar tapeçaria dos confins da Auvergne e do Limousin – e sua tecelagem em teares horizontais – vai assim oferecer a seus moradores e a seus visitantes um centro inovador misturando informação, pesquisa, formação profissional e um museu interativo. Alem de três peças excepcionais no seu hall de entrada – Aurore, premiada na Exposição de 1900, O Pássaro de Georges Braque, e uma das primeiras obras do mestre Jean Lurçat -, a Cité vai ter um acervo de 350 tapeçarias cobrindo sete séculos de Historia.

A futura Cité Internationale da tapeçaria de Aubusson

A futura Cité Internationale da tapeçaria de Aubusson

Com esse atrativo dinâmico, juntando tradições com modernidade e criação contemporânea , Aubusson quer construir uma nova imagem para seduzir seus futuros visitantes. Até agora, sendo exclusiva de uma clientela regional de conhecedores da tapeçaria, Arquitetura medieval em Aubussonela quer atrair novos viajantes, mais internacionais, mais interessados pela descoberta de expressões artísticas originais, mais dispostos a descobrir todas as riquezas do “savoir-faire” premiado pela UNESCO. Turistas mais interessados a procurar, nas numerosas lojinhas das ruas estreitas da cidade, as produções do artesanato local inspirado da lã, das tecelagens, das gravuras, sejam produções novas ou peças antigas encontrados num brechó ou num antiquário.

A ponte no Rio Creuse

A ponte no Rio Creuse

A Historia dos artesãos da Creuse, outrora Marche ou Combraille, é também marcada pelo “savoir-faire” dos seus pedreiros. Famosos por ter construídos todos os grandes monumentos de Paris, os “maçons creusois” mostraram os seus talentos nas igrejas romanas,  ou nas casas e nos castelos  dos dois ordens guerreiros, Templários e Hospitaleiros, que os poderosos monges-soldados administravam em toda a região da “Língua da Auvergne” . TORRE ZIZIM (PRINCIPE DJEM)No século XV, Pierre d’Aubusson, senhor da cidade, chegou a ser Grão Mestre dos Hospitaleiros, conseguiu vencer o cerco imposto poderoso sultão turco Bayezid “O Trovão”. Na volta,  trouxe  de Rhodes o imperial irmão “Djem”, encarcerado numa torre (a “Tour Zizim”)  que mandou arrumar especialmente  e que ainda pode ser visitada em Bourganeuf. Na própria cidade de Aubusson, o velho castelo, as faixadas de pedra, a torre do Relógio ou a ponte no Rio Creuse são para o viajante um perfeito cenário para curtir a memória  desses artesãos, pedreiros ou tecelãs, que a “Cité Internationale de la Tapisserie” vai ajudar a valorizar.

Jean-Philippe Pérol

Curtindo as ruas de Aubusson

Curtindo as ruas de Aubusson

 

 

 

 

Vichy, procurando um futuro liberado do seu passado

VICHY_ville-fleurie

A entrada do Cassino Teatro

70 anos depois do fim da Segunda Guerra Mundial, a cidade de Vichy gostaria muito de ser lembrada por outro motivo que de ter sido escolhida pelo então Marechal Pétain para ser a capital do governo colaboracionista. Esse foi o vergonhoso rival pro-nazista da França Livre do governo pro-aliados do de Gaulle, refugiado em Londres. O Hotel du Parc durante a guerraLocalizado na antiga província do Bourbonnais, norte da atual Auvergne, Vichy já tentou atrair a atenção da mídia com muitas novas temáticas, inclusive a abertura de um Parque Omnisports, um dos maiores e dos mais  agradável conjunto esportivo da Europa. O seu centro de ensino do francês para estrangeiros recebe milhares de estudantes por ano. Produtos de beleza estampilhados com o nome da cidade começam a ser conhecidos nos Estados Unidos ou no Brasil. Seu cassino, construído em 1865, foi transformado num Centro de Convenções, e no ultimo mês de Agosto, a cidade foi a sede de um Ironman Triathlon com 3000 atletas vindo do mundo inteiro.

Parque Omnisports de Vichy

O Parque do Centro Esportivo

Mas enquanto Vichy tenta reconstruir o seu futuro e honrar seu passado cosmopolita de estação termal para aristocratas europeus e milionários americanos, os fantasmas da guerra reaparecem. Assim o itinerário do triathlon levou os corredores na frente do Hôtel du Parc onde ficava o escritório do Pétain, e a força dos símbolos parece ser maior que a realidade da cidade. Triathlon de VichyPorem, assim como Berlim, Vichy acha possível apagar a imagem dos anos sombrios da sua Historia, lembrando hoje que, se sediava o regime colaboracionista, tanto a Auvergne que o vizinho Limousin foram as regiões da França onde a Resistência  armada a ocupação alemã foi a mais importante. Lembra-se também que Vichy não tinha sido escolhida por motivos ideológicos, mas simplesmente por ser na época  a segunda cidade da Franca em capacidade hoteleira e um dos seus centros turísticos com os melhores equipamentos de comunicações.

Parque da Fonte de Celestin

As Galerias Cobertas do Parque das Fontes

O turismo em Vichy tem uma longa historia, desde o século XVII quando as princesas reais – a dinastia Bourbon é originaria da região – vinham aproveitaram as qualidades das águas para curar os seus reumatismos. Vichy festejando Napoleão IIILouis XVI mandou construir o primeiro centro de termalismo que foi depois ampliado pelo Napoleão. E foi o seu sobrinho Napoleão III, convencido pelo sucesso dum tratamento bem sucedido, que incentivou a construção do cassino e dos primeiros hotéis modernos. A Belle Epoque foi uma outra época de ouro para Vichy com as inaugurações da Opera, do Parque das Fontes e da sua Galeria coberta. A mistura do estilos arquitecturais, todos muito bem preservados, deu para as ruas da cidade seu tão especial ambiente melancólico. A Opera de VichyHoje rejuvenescida, a cidade está virando um destino turístico procurado da região Auvergne. Mas para abrir uma nova era, e superar definitivamente a trauma da guerra, seria talvez necessário enfrentar esse passado. Surgiu a ideia dum centro de pesquisa sobre a Resistência, aonde se mostraria que a ação duma única pessoa , resistindo a injustiça, pode fazer a diferencia. Poderia assim mostrar que Vichy não é somente localizada no coração da França, mas é também uma cidade onde bate o coração da França.

Esse artigo foi resumido, traduzido e adaptado de um artigo original de Jessica Bernstein no New York Times

O Rio Allier em Vichy. Na época de menino, o paraiso dos pescadores

O Rio Allier em Vichy. Na época de menino, o paraíso dos pescadores

A Auvergne (e a Costa Verde) nos “dez mais 2016” da Lonely Planet!

 

O Puy de Dome e o Parque natural dos vulcões da Auvergne

O Puy de Dome e o Parque natural dos vulcões da Auvergne

Para os amantes da França, a publicação pela famosa editora estadounidense Lonely Planet dos dez destinos imperdíveis em 2016 foi uma boa surpresa. Lonely PlanetMesmo se as regiões escolhidas não foram nem um pouco tradicionais, foi sem duvidas uma façanha para Auvergne de ser a única francesa selecionada. Para o best-of 2016 da Lonely Planet, divulgado no dia 29 outubro, essas  “dez mais”  foram as seguintes: 1. Transilvânia, Roménia; 2. Islândia Ocidental; 3. Vale de Viñales, Cuba: 4. Regiões vinícolas de Friuli, Itália; 5. Ilha Waiheke, Nova Zelândia; 6. Auvergne, França; 7. Havaí; 8. Baviera, Alemanha; 9. Costa Verde, Brasil; 10. Santa Helena, territórios britânicos.

Os motivos da escolha da Auvergne pelos especialistas da editora são foram também divulgados. Eles gostaram das paisagens “dramaticamente vulcânicas” e dos espaços livres de turistas. Acharam a gastronomia local a altura da fama dos seus pratos típicos (buchada/tripoux, cozido/potée, purê de batata/alligot ou patê de batata),  mas também surpreendente  pela uma culinária criativo. Queijos da AuvergneUma criatividade que encontraram também na cultura “auvergnate”, já que Auvergne tem se reinventado com uma série de projetos artísticos ambiciosos, e um portfólio maior de aventuras na natureza, isso sem perder, segundo eles, o seu charme rural. Adoraram os vulcões, os queijos (Cantal, Saint Nectaire, Bleu, Fourme d’Ambert, Salers) bem como os parques, os vilarejos e os festivais de Aurillac, Clermont-Ferrand ou Puy-en-Velay. A simpatia e o humor dos “auvergnats” – os moradores da região que são, na França, comparados aos mineiros no Brasil- foram também destacados como grandes atrativos da região.

O “best-of 2016” sera, sem duvidas, muito bem recebidos no Brasil já que a Costa Verde, de Guaratiba até Trindade, ficou em nona posição na lista. Pensando nos milhares de turistas esperados para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, a editora foi seduzida pela proximidade da metrópole carioca, Laranjeiraso litoral ainda praticamente intocado, os morros cobertos de florestas cor de esmeralda, as numerosas ilhas tranquilas e as praias quase desertas. A Costa Verde, e mais especificamente a Ilha Grande, é destacada como um paraíso do ecoturismo e do turismo de aventura para os amantes da natureza e da adrenalina, com trilhas nos montes cobertos de mata fechada, passeios de caiaque entre fiordes tropicais desertos, ou mergulhos com peixes coloridos.

O Puy en Velay

Muito esperadas desde que foram lançadas há onze anos, as seleções da Lonely Planet misturam critérios ligados a projetos turísticos e a meio ambiente, AUZANCES BRASILcom um foque importante na atualidade (Cuba da abertura, Bavária dos 500 anos da cerveja, Havai dos 75 anos de Pearl Harbour ou Santa Helena do bicentenário do Napoleão)  Vindo depois de varias premiações francesas – quinta mais bela região segundo o canal de televisão M6, segunda mais dinâmica na Facebook e segundo lugar da catedral de Puy-en-Velay como monumento preferido dos franceses-, a menção honrosa dada a Auvergne será um grande incentivo para se preparar a receber mais turistas do mundo inteiro e especialmente do Brasil.

Outono na Auvergne

As cores do outono nas florestas da Auvergne

 

“Tour de France” 2016, privilegiando montanhas e riquezas turísticas

Mont-St-Michel

Depois de dois anos começando no exterior, na Holanda (Utrecht 2015) ou na Inglaterra (Leeds 2014), o “Tour de France” escolheu de homenagear uma das maiores atrações francesas, o Mont Saint Michel, para dar o inicio da sua 103a edição com uma etapa na Normandia, ligando a Maravilha do Ocidente e as praias do Dia D. O roteiro completo da mais prestigiosa corrida ciclista foi anunciado dia 20 de Outubro, com muitas surpresas para alegrar não somente os esportistas mas também os turistas.

O circioto do Tour de France 2016

O circuito do Tour de France 2016

A montanha vai ser muito prestigiada. O “Tour de France” chegará no dia 14 de Julho no temido Mont Ventoux, e passará sua ultima semana nos arredores do Mont-Blanc. No total serão nove etapas de montanhas, as mais dramáticas mas as mais queridas dos torcedores, com vinte e nove passos e quatro linhas de chegadas nos topos em Andorra, no Mont Ventoux, em Finhaut-Emosson e em Saint-Gervais Mont-Blanc. Uma das duas etapas do famoso “contra o relógio” será também disputado  perto do Mont-Blanc. E se oito etapas foram desenhadas nas planícies para ajudar os “sprinters”, é claro que essa nova edição do “Tour” vai, segundo o próprio Christian Prudhomme, diretor da corrida, favorecer os especialistas da montanha, seja nos Alpes, nos Pirenéus ou nos vulcões da Auvergne.

Grotte Chauvet

A Caverna do Pont d’Arc, replica da “Grotte Chauvet”, patrimonio da UNESCO

Se o “Tour” guardou um toque internacional, com breves passagens na Espanha, em Andorra e na Suíça, ele deu, esse ano, um cuidado especial na valorização das novidades e nas riquezas do turismo francês. Além do Mont Saint Michel e das praias da Normandia, terá algumas paradas em lugares especiais  que vão alegrar os seus seguidores. DSCN0049 - copieDestacam-se assim Carcassonne – com as suas muralhas fortificadas patrimônio mundial da UNESCO -, a Gruta Chauvet – também recentemente listada pela UNESCO-, ou a estação de esqui de Megève tão querida pelos brasileiros. No meio das 273 candidaturas de municípios querendo receber o “Tour”, os organizadores também escolheram alguns charmosos vilarejos como Sainte-Marie-du-Mont (Normandia), Arpajon-sur-Cère (Auvergne), L’Isle-Jourdain (Midi Pyrénées), Villars-les-Dombes (Jura), Moirans-en-Montagne (Jura), Finhaut (Suiça) —, talvez para se preparar melhor com o contrasta da tradicional chegada nos Champs-Elysées em Paris.

Jean-Philippe Pérol

Chegada do Tour de France nos Campos Eliseus

Chegada do Tour de France nos Campos Elísios

 

 

Auzances, centro do mundo

Voltar na terrinha e viver as suas raízes, uma das melhores (e maiores) razões de viajar!

Brasil à Francesa

DSCN4099

Paris, Montreal, Nova Iorque, Bordeaux… já morei em muitas cidades grandes, e cheguei à conclusão que São Paulo tem tudo que se pode se encontrar ai: energia, cultura, agitação, restaurantes, trabalho, contatos, shows, amigos do mundo inteiro…. Mas tem coisas que também não se encontram e que as vezes me dão saudades da França porque eu só as encontra lá. Lugares onde o tempo parece ter um outro ritmo, onde a minha historia e a historia da minha família parece gravada na pedra das casas e nos parralepipedos das ruas, onde cada cara encontrada na rua é de uma pessoa conhecida hà varias gerações, onde o sino da igreja faz parte do nosso ritmo de vida, onde uma simples compra na padaria vira um evento social e onde a casa da família é o ponto de encontro de numerosos primos . O que não tem aqui, são sensações únicas e características de lugares…

Ver o post original 302 mais palavras

A Auvergne na onda do moto-turismo!

Cresce pelo mundo a onda do moto-turismo, e no Brasil cada vez mais viagens de moto são propostas pelos especialistas ou pelas grandes operadoras. Na França, a região  Auvergne, lembrou o mês passado a atenção especial que dava desde 2008 a esses turistas bem peculiares, renovando tanto seus itinerários que sua promoção. VOXAN 1000 street scrambleCom uma longa tradição industrial no setor – dos sucessos dos pneus da Michelin até a efémera aventura das Voxan e dos seus impressionantes designs – , com estradas de muitas curvas atravessando  vulcões, rios, lagos ou pequenos vilarejos, com um circuito de reputação internacional em Charade, a região foi, desde 2008, pioneira em adaptar o seu turismo ao prazer dos motoqueiros

Castelo de Rocher

A região tem um site exclusivo para o moto-turismo. Oferecendo itinerários com “road books” de cortesia, auvergne-moto.fr  ajuda também a definir as etapas mais interessantes, a escolher os hotéis    disponíveis  para os moto-turistas e  suas motos, e  a fazer as reservas.Pagina Facebook da Auvergne Moto Respeitando as exigências especificas dos motoqueiros, os hotéis selecionados devem dispor de facilidades como estacionamento seguro ou material de manutenção. O site apresenta muitas informações praticas, mapas (incluindo atualização de GPS), endereços de concessionários, contatos nas federações ou associações, previsões meteorológicas. E se só exista por enquanto em francês, inglês e alemão, a pressão vai ser forte para pedir uma versão em português!

Panorama do Puy de Dôme. Photo: Sentucq

Para melhorar a promoção do seu moto-turismo, a Auvergne realizou o clipe “L’Auvergne à moto” que mostra dois casais e uma mulher descubrindo a região com suas três motos durante um final de semana. Eles passeiam nas lindas estradas do passe da Croix Morand, seguindo o famoso “Pas de Peyrol” e terminando nos desfiladeiros do Rio Allier. SAUDADES DO PUY DE DÔMEEm parceria com Volcom media, criadores dos road-books, com o apoio das lojas Dafy Motos e do magazine especializado Moto Journal, o clipe jà atingiu um milhão de fãs, e ainda pode ser vista nas paginas  Facebook de “Auvergne à moto”. Outros vinte itinerários, alguns deles incluindo o lendário “Puy de Dôme”, o vulcão sagrado dos gauleses, são ilustrados com fotos. Pioneira na Franca do moto-turismo, a Auvergne espera assim continuar a atrair viajantes a procura de espaços, de autenticidade e de liberdade.

Jean-Philippe Pérol

DSCN4101

Cesta de pique nique num campo perto de Auzances (Creuse)

Na Thomas Cook, a “Pop-up store” anuncia a nova agencia de viagem!

 

www.antoinecibert.com

Nascer do sol na capital da Auvergne. Foto Antoine Cibert

Como será a agencia de viagem do futuro? A Thomas Cook France, herdeira do famoso grupo fundado pelo próprio Thomas Cook em 1841, decidiu tentar uma experiência inédita. Thomas CookNo shopping de Nacarat, perto de Clermont Ferrand, capital da Auvergne, inaugurou uma “pop-up store”, loja efémera que ficará aberta até o final de junho. Aproveitando a clientela de forte poder aquisitivo que frequenta as 78 lojas – algumas de marcas muito conhecidas como Sephora, Swarowski, Zara, H&M  ou Leroy Merlin- , a Thomas Cook quer atrair para as suas agencias de viagem um publico mais jovem e até então mais acostumado a comprar suas viagens diretamente na internet.

POP STORE CLERMONT

Mesmo se inspirado do design das lojas tradicionais da empresa, a pop-up store tem um visual muito aberto e bem aconchegante, deixando os clientes a vontade para sonhar e criar os seus roteiros de viagens. Numa tela digital, a Thomas Cook apresenta os últimos clips das suas campanhas publicitarias bem como vídeo dos parceiros ou dos destinos selecionados. thomas-cook-agence-ephemere-2Travel Glass (óculos com visão 360 graus) ficam a disposição dos visitantes para umas visitas inovadoras de locais ou de hotéis. As ofertas das operadoras são todas exclusivas, ou pelas tarifas concedidas ou pelos produtos apresentados, alguns tendo sido adaptados para ter saídas do aeroporto de Clermont Ferrand. Alem de grandes operadoras como a Jet tours (antiga subsidiaria da Air France, que chegou a ter charters para o Brasil), a Disney e Cruzeiros Costa apoiaram esse operação pioneira. E o Club Med – que pertence agora ao chinês Fosun, também acionista da Thomas Cook – não podia deixar de estar presente, apresentando um concurso de fotos de viagens.

Club Med Chine

A presencia do grupo chinês na mais antiga agencia de viagem do mundo vai sem duvida multiplicar as inovações nessa anciã do turismo mundial. A Fosun, que comprou 4,8% do grupo mas quer subir para 10% e mais, já anunciou alguns eixos de crescimento. Maiores sinergias para distribuição do Club Med, melhor aproveitamento dos sites de vendas on-line, crescimento das atividades de receptivo e investimentos conjuntos na hotelaria jà foram alguns das possibilidades levantadas. Nessa nova estratégia mundial, a pequena Pop-up store de Clermont Ferrand pegou uma importância inesperada. No Brasil, onde grandes movimentos envolvendo operadoras, agencias on line e agencias tradicionais estão sendo esperados pelo mercado, essas ideias novas também podem vingar.

Jean-Philippe Pérol

PUY DE DÔME E VULCANIA

Na França, quarenta destinos turisticos?

chenonceau_6565_cmouton_crtcentrevaldeloire

No mundo globalizado, são mais de 300 destinos que tentam seduzir o viajante, uma concorrência que os grandes lugares de destaque como Nova Iorque, DSCN0921Londres, Las Vegas, a Grécia ou a Flórida aprenderam a respeitar com novas tendências levando turistas para Dubai, o Vietnã, Istambul ou amanha Cuba. Os grandes campeões do turismo europeu já contam com vários destinos nos seus territórios: a Itália têm Roma, Veneza, a Toscana, Milão ou Nápoles, a Espanha tem Barcelona, Madrid, a Andaluzia e Santiago.

Na França, a força mágica de Paris esconde ainda hoje os outros destinos do primeiro pais turístico do mondo,20082691_800x533_0 especialmente para os visitantes vindo de longe – assim, 85% dos brasileiros não saiam da capital. Portanto, segundo o Laurent Fabius, ministro das Relações exteriores encarregado do turismo, 40 regiões, territórios, departamentos, municípios ou sítios, reuniam as 4 condições para ser destinos turísticos internacionais: atratividade de pelos menos uma temática forte, boas infraestruturas de acesso, hospedagens e equipamentos de lazer, e uma marca internacional reconhecida.

Mont_St_Michel_+_Jetée_par_Marée_haute

Com “contratos de destinos” reunindo profissionais da área, foram anunciados os onze primeiros destinos escolhidos. Vários deles se encaixam perfeitamente nas tendências, nos lugares e nas temáticas já antecipadas pelos viajantes brasileiros na França. Patrimônio com fama mundial justificou colocar nessa primeira lista o Mont Saint Michel, a maravilha do Ocidente cujas obras de renovação vão acabar esse ano, bem como o Val de Loire, com seus castelos, seu Rio classificado pela Unesco e seus vinhedos alegres.

restaurant_by_night_bordeauxPatrimônio e vinhedos justificaram a inclusão na lista de Bordeaux e da Borgonha que oferecem hoje o melhor do turismo enológico e da gastronomia, com os acervos arquiteturas e culturais de duas grandes marcas internacionais. Capital da gastronomia francesa, Lyon não podia deixar de constar como um dos grandes destinos apresentado pelo ministro. hotel_du_palais_-_biarritz_0Entre as ondas do Atlântico e as montanhas bascas, a cidade de Biarritz apostou com sucesso na temática do Golfe para reforçar a atratividade do seu litoral. E os brasileiros não serão surpresos de ver que a Normandia, saudosa terra dos contrabandistas do pau-brasil, também entrou nessa lista, escolhendo como temática principal os seus pintores e o impressionismo.

Os familiares do esqui já esperavam os Alpes como um grande destino turístico internacional. DSCN8898E os vulcões da Auvergne mostraram a força do turismo de bem estar que aproveita os espaços e as águas saudáveis dessa minha região. As surpresas ficaram com os últimos da lista, o Jura e os Vosges, mais virados para a clientela de proximidade vindo da Alemanha ou da Suíça.

Os outros destinos e marcas internacionais que vão completar essa lista de 40 serão publicados em breve. Se, em cada um dos lugares escolhidos, será necessário um trabalho de todos os profissionais para melhorar os serviços e ampliar a promoção, a mensagem ficou clara para todos.giverny3 A França não quer mais ser somente o maior destino turístico do mundo, centralizado em volta de Paris. A França quer ser a terra a onde cada viajante poderá encontrar o seu destino turístico, descobrir as paisagens e o patrimônio que ele procurava, viver a temática que ele escolheu, junto com profissionais e moradores comprometidos com a promessa feita.

Jean-Philippe Pérol

10847656_706620689435420_1434642805410591563_o