O Royal Champagne reabrindo juntando Champagne, gastronomia e bem estar

A vista deslumbrante sobre os vinhedos, marca registrada do hotel

Depois de quatro anos de obras, e de muitas hesitações referente as bandeiras do spa e do próprio hotel, o Royal Champagne reabriu as suas portas no último dia 15 de julho. Antigo “relais de poste”, hotel tradicional e emblemático da Champagne onde até Napoleão teria sido hospedado, Relais & Châteaux de longa data, é herdeiro de uma longa tradição. Ele impressiona em primeiro lugar pela a vista deslumbrante que oferece sobre os vinhedos da Champagne tombados pela UNESCO, o vale do Rio Marne carregado de História, a abadia de Hautvillers assombrada por Dom Pérignon, e os telhados de Epernay, berço das marcas mais cotadas do famosíssimo espumante. Seja nos 1500 metros quadrados de terraços, nas varandas dos 49 quartos, nas mesas do restaurante Bellevue, ou na piscina do spa, essa paisagem continua sendo a marca registrada do hotel.

Luz e espaço nos quartos e nas suites

Foi também essa paisagem que convenceu em 2014 um casal de americanos, Denise e Mark Nunnely, de investir no hotel, valorizando sua fachada histórica mas construindo uma nova ala desenhada pelo o arquiteto Giovanni Pace. Já famoso na Champagne pelas suas obras vanguardistas com as casas Moët & Chandon e Janisson, ele desenhou um conjunto integrado nos vinhedos, combinando a pedra clara da Champagne e o vidro para respeitar a natureza do local. Com cores claras, carvalho e motivos vegetais, muita luz e design tradicional, a decoração interna leva o Champagne até na assinatura de Sybille de Margerie, arquiteta de interior cuja família é dona da casa Taittinger (e foi também proprietária dos saudosos Hotéis Concorde).

Nas paredes do restaurante, as mulheres do Napoleão lembram a Historia do hotel

Nos nomes dos espaços, na decoração do bar ou do restaurante e até na louça, o Royal Champagne quer lembrar as suas origens e a História da sua terra. A suite master de 107 m2 chama se Joséphine, primeira esposa e grande amor do Napoleão, o afresco do teto do bar representa tropas reais- talvez o próprio regimento chamado Royal Champagne – dos tempos da monarquia, e retratos das mulheres que influenciaram a vida do imperador vestem as paredes da espetacular sala do restaurante gastronômico.  A louça de Limoges, especialmente desenhada para o hotel,  foi decorada  pela Maison Fragile com as cartas escritas por ele para Joséphine e para a condessa polonesa Marie Walewska.

Na horta do Artur, um pique nique gastronômico

Com um bar e dois restaurantes, o Royal Champagne oferece varias opções gastronômicas e o chef Jean-Denis Rieubland tem muitas ambições, sempre combinando o savoir-faire francês com um toque de modernidade e a valorização dos produtos regionais. Queijos de cabra, lentilhas, aspargos e ervas aromáticas são produzidos a poucos quilômetros do hotel, dentro do parque regional da Montagne de Reims, na horta do Artur, um hortigranjeiro bio que pode até lhe organizar um piquenique  Com um menu começando a 39 Euros, Rieubland, ex chef do Negresco de Nice, já esta seduzindo os visitantes com pratos criativos em volta de cordeiro, foie gras ou lagostinhas.

La piscine intérieure, plein cadre sur la vallée de la Marne

A faixada de vidro da piscina do spa deixa também aproveitar a paisagem

Único na região, querendo aproveitar a proximidade de Paris, o spa quer posicionar o hotel como um verdadeiro destino de bem estar. Depois de difíceis negociações, é finalmente gerenciado pela Biologique Recherche, parceira da Air France nos salões de La Première. O spa dispõe de infraestruturas e equipamentos completos em todo o andar térreo, com uma piscina coberta, nove cabines de tratamento – sendo uma para duas pessoas, uma jacuzzi, uma sauna seca e outra úmida, uma sala de fitness, e um bar de sucos, sendo previsto em breve uma segunda piscina externa. Um espaço excepcional consagrado ao bem estar dos visitantes, perfeito para completar as suas experiências enológicas e gastronômicas.

O arquiteto respeitou a natureza e a história do local

 

Degustação de Champagne nos terraços do hotel

Saint Emilion, história medieval, vinhedos tombados pela UNESCO e vinícolas de vanguarda

O campanário da igreja monolítica de Saint Emilion Credit OT Saint-Emilion_Steve Le Clech©

Desenhar um roteiro enoturístico nos arredores de Bordeaux é sem dúvidas uma tarefa muito pessoal, a escolha dependendo em primeiro lugar das preferências de cada um. Preferências entre as “appelations” – Entre deux mers, Medoc, Graves ou Rive droite-, preferências  entre as atividades a combinar com as degustações – cultura, shopping, praias ou simples passeios -, preferencias entre as visitas dos Châteaux ou a descoberta dos  vilarejos. Mas qual que seja o seu roteiro, ele não pode dispensar o encantadora cidade medieval de Saint Emilion. Cercada dos vinhedos epónimos, plantados principalmente de merlot (79%), cabernet franc (15%), e cabernet sauvignon, a cidade domina um planalto com sua arquitetura em pedras de cantaria.

Frente a Praça do Mercado, a Capela da Trinidade

Tombada pela UNESCO em 1999, Saint Emilion seduz o visitante com ruas estreitas subindo entre casas de pedras, mosteiros ou conventos centenários, lojas ou armazéns de vinhos. Depois de caminhar pela parte alta da cidade, vale a pena aproveitar a linda vista da Praça des Créneaux, e descer a rua do Tertre de la Tente, uma ladeira escorregante que leva até a Praça do Mercado. Lá fica a Capela da Trindade, com suas únicas pinturas da Idade Media, bem como a entrada da imperdível atração arquitetura da cidade: a igreja monolítica, com seu coro de onze metros de altura cavado no barranco, a maior igreja do género na Europa, construída a partir do século XI em cima do túmulo de um monge bretão chamado Emilion.

A simpatia dos restaurantes da Praça do Mercado

Se existem vários grandes restaurantes gastronômicos (inclusivo dois estrelados Michelin, o Relais & Châteaux Hostellerie de Plaisance e o Logis de la Cadène), e se algumas vinícolas dos arredores oferecem excelentes opções de almoços harmonizados com vista nos vinhedos ou nas adegas, os restaurantes da Praça são sempre minha escolha preferida. No ambiente descontraído das mesas espalhadas na calçada,  o meu predileto Le Bouchon apresenta não somente uns pratos simples da região – por exemplo um Foie Gras com frutas da estação-, mas um cardápio de vinhos excepcional, com preços interessantes dando oportunidades de provar tanto um Côtes de Castillon, um Roc de Cambes, um Tertre Roteboeuf ou um Cheval Blanc.

As adegas do Château Beauséjour

Além da cidade de Saint Emilion, a UNESCO também tombou os seus vinhedos, centenas de propriedades com nomes famosos no mundo inteiro ou ainda quase desconhecidos. Sendo recomendado de fazer reservas, e de ser aconselhado na escolha das adegas a visitar, é sempre mas fácil pedir a um especialista para organizar o seu roteiro.  Assim a Wine Paths , que escolheu duas vinícolas bem diferentes e extremamente interessantes pode ser o melhor caminho. A primeira é o Château Beauséjour Becot, um Premier Grand Cru Classé e uma propriedade onde o vinho já era produzido desde a época dos romanos. As impressionantes adegas cavadas na pedra calcaria oferecem perfeitas condições para  guardar as garrafas de vinho que os próprios donos estão elaborando.

A vinícola do Chateau La Dominique desenhada pelo Jean Nouvel

Para a segunda visita da tarde, o Chateau La Dominique é uma espetacular opção da Wine Paths. Considerada uma das mais belas propriedades de Saint Emilion desde o século XVIII, essa vinícola foi completamente renovada em 2013 quando os donos decidiram construir novos galpões combinando beleza, modernidade nos equipamentos e integração com a paisagem. O arquiteto Jean Nouvel venceu o desafio e conseguiu erguer frente aos vinhedos um prédio único, criativo, moderno, funcional, luminoso e além disso lindo, uma obra de arte considerada hoje uma das mais espetaculares adegas da região de Bordeaux. Um lugar ideal para degustar esse Grand Cru e fechar com chave de ouro um roteiro em Saint Emilion.

Um roteiro “História medieval e vinícolas modernas” consta nas ofertas da  Joelle,  especialista da Wine Paths em Saint Emilion, e pode ser reservado no site (com almoço numa vinícola, e visitas/degustações no Château Beauséjour Becot e no Château La Dominique).

5 dicas para aproveitar uma viagem numa região de vinhos

Degustação no Chateau Franc Mayne em Saint Emilion

De Bordeaux até a Toscana, ou do Vale do Douro até a Napa Valley, as regiões produtoras de vinho são cada vez mais procuradas para prazerosas experiências de viagem. Uma boa planificação é, porém, necessária para poder aproveitar ainda mais cada momento das férias. Segundo as operadoras especializadas, as regiões do mundo onde estão localizados os melhores vinhedos agradam a qualquer público e são geralmente extremamente pitorescas, sem precisar ser um enófilo experiente para aproveitar um roteiro de enoturismo. Conselheira em viagem “Food and Wine” na Alpine Travel of Saratoga, agência Virtuoso da Califórnia, Lynda Turley listou algumas dicas básicas para garantir o sucesso de uma viagem focada em vinhedos, vinícolas, adegas e vinhos.

A Napa Valley, região pioneira no enoturismo

Três é o limite

Para Lynda, mesmo os mais convictos conhecedores de vinhos não devem visitar mais de três vinícolas durante um dia. Se passar deste número e multiplicar as visitas, as lembranças vão se misturar e será difícil de se lembrar de cada um dos vinhos degustados.

Pensar em contratar um guia

Quase todas as regiões produtoras de vinho têm serviços de guias especializados que conhecem as vinícolas e têm laços de trabalho ou de amizade com os produtores. Alguns destes guias são também motoristas e poderão assim livrar o visitante do terrível dilema: beber ou dirigir. Mesmo que o custo possa parecer pesado – uma média de US$ 500 por dia -, é um excelente investimento, especialmente quando se trata de um pequeno grupo de amigos ou de colegas que podem dividir a despesa. Lynda lembra que os guias realçam a experiência dos viajantes, oferecendo uma visão local e contatos mais estreitos com os moradores. Eles podem ser reservados com antecedência com a agência de viagem ou no próprio destino com o concierge do hotel ou na vinícola.

Degustação na Vinícola Guaspari, em Espirito Santo do Pinhal

Regiões muito famosas, como a Toscana, a Provence ou Napa Valley podem ser invadidas pelos turistas. Se não for possível escolher uma época de baixa estação para viajar, é aconselhável agendar visitas em vinícolas menos conhecidas, onde os proprietários ou os enólogos terão mais disponibilidade para falar de seus vinhos e de seus segredos de fabricação. Uma outra opção interessante pode ser escolher regiões de vinhos menos conhecidas, como Santa Cruz Mountains, na Califórnia; Monticello, na Virgínia; Languedoc, na França;  ou Montevideu, no Uruguai.

Reservar antecipadamente

Muitas vinícolas famosas só aceitam visitas pré agendadas e as reservas devem ser feitas com algumas semanas de antecedência. Para evitar transtornos, e decepções, é importante reservar também um restaurante nas vizinhanças, em geral sempre lotado na alta estação.

Bodega do Borgo San Felice, Relais Châteaux na Toscana

Organizar outras atividades

Muitas destas regiões de vinhedos oferecem aos viajantes numerosas opções de lazer além do vinho, algumas são destinos turísticos perfeitos até para quem não bebe. Napa Valley tem uma rica oferta artística e muitas galerias de arte de alto nível. Alguns dos seus resorts, como o Meadowood Napa Valley, oferecem restaurantes estrelados, e spas com tratamentos à base de uvas. Em Bordeaux, a cidade brilha por sua arquitetura, sua vida cultural e sua gastronomia. Nos seus arredores o Sources de Caudalie tem o spa onde as sementes de uva são uma fonte de rejuvenescimento.  As colinas da Toscana ou da Borgonha atraem ciclistas, e muitas fazendas da Provence seduzem os turistas com degustações de azeites ou de queijos de cabra.

Esse artigo foi traduzido e adaptado de um artigo original de Shivani Vora no New York Times do 28 de Dezembro 2017

Napoleão III (e Eugênia de Montijo) patrocinando mais um Palace francês…

Napoleão III e Eugênia de Montijo

Pelo número de estações turísticas inauguradas e de hotéis construídos durante o seu reinado, é de se perguntar se Napoleão III não foi de certa forma o pai do turismo francês. Foi por espírito pioneiro, por vontade de desenvolvimento, por favores concedidos a seus companheiros, ou por perdões a pedir à sua ciumenta esposa Eugênia de Montijo, que ele mandou criar ou ampliar estações como Biarritz, Deauville, Cabourg, Houlgate, Arcachon ou Le Touquet. Foi também para ela, madrinha do local que ela tinha descoberto durante uma viagem de Biarritz para sua Espanha natal, que ele decretou a abertura da estação termal de Eugénie-les-Bains. Recebendo hoje da Atout France a invejada distinção de Palace, o badaladíssimo hotel da cidade, os Prés d’Eugénie, se junta aos 24 hotéis franceses que beneficiam desse prestígio pelos próximos 5 anos.

Ambiance champêtre dans le parc. © Les Prés d'Eugénie.

O parque dos Prés d’Eugénie

Depois de um longo período de esquecimento, uma nova saga dos Prés d’Eugénie começou em 1966, quando a atual proprietária, Christine Guerard vem ajudar o seu pai a renovar o hotel e a se juntar aos Relais & Châteaux. Casada em 1972 com o brilhante chef Michel Guerard, ela conseguiu convencer o seu marido a deixar o já famoso bistrô estrelado que ele tinha aberto em Asnières, perto de Paris, e a experimentar as suas novas e revolucionárias ideias no restaurante do hotel. Chegando em Eugenie-les-Bains, e vendo os seus clientes tentarem seguir os regimes para emagrecer, ele inventou a “Grande Cuisine Minceur”, que logo conseguiu uma fama internacional. Recebendo uma primeira estrela Michelin em 1975, a segunda em 1976 e a terceira em 1977!

Michel Guérard dirige les cuisines. Depuis 1977, la Table des Prés d'Eugénie affiche 3 Macarons dans le guide Michelin. © C Clanet

Depois de muitas ampliações, os Prés d’ Eugénie são hoje um verdadeiro conjunto da excelência à francesa. Depois da restauração de um antigo convento do século XVIII em 1989, da Auberge de La Ferme aux Grives em 1993, da Ferme Thermale en 1996, dos Salões e das suítes da Imperatriz em 2009, do Instituto Michel Guerard e do Café Culinaire Mère Poule & Cie em 2013, os Prés d’Eugénie reúnem hoje uma equipe de 180 pessoas que gerenciam 5 prédios, 45 quartos e suítes, 8 jardins e parques, 3 restaurantes, um spa e um vinhedo, um total de 8 hectares de luxo e de elegância. E para quem não quer dispensar uma praia, Michel abriu no litoral dos Landes, a 100 quilômetros do hotel, um “Beach House”, onde os mais aventureiros encontrarão os mesmos valores.

O Beach House do Michel Guerard em Huchet

Às vezes desastroso e outras visionário, Napoleão III foi, sem dúvida, inspirado quando favoreceu o lançamento de Eugénie les Bains, sendo assim, um distante padrinho do Prés d’Eugénie, assim como ele havia sido o padrinho de outro hotel que viraria Palace, o hotel do Palais em Biarritz. Tendo incentivado a construção de numerosos hotéis, inclusive o Grand Hotel de Paris, onde um outro Imperador, Dom Pedro II, gostava de se hospedar, ele também ajudou na divulgação do turismo de praia e do termalismo, convidando políticos de toda Europa nas estações que ele frequentava. Foi assim a entrevista decisiva para o apoio da França, e a unidade italiana deve tudo à pequena cidade termal de Plombières, onde o Cavour conseguiu do Imperador o apoio militar necessário para liberar a Itália. Se esse papel do Napoleão III na promoção do turismo é, por vezes, esquecido, ele é sempre lembrado em Eugénie-les-Bains, nas comemorações da pequena cidade, na elegância ou no refinamento do Palace do Michel Guerard.
Jean-Philippe Pérol

A suíte imperial, homenageando Eugênia

Diversificação da hospedagem virou chave do sucesso do turismo francês!

Paris plage, uma nova imagem da cidade luz!      @Loic Lagarde

Enquanto a França reencontra os turistas internacionais – 6% de crescimento das chegadas no primeiro semestre, com um destaque especial para o Brasil que teve um aumento de 22,7%, e um novo recorde de 89 milhões de turistas anunciados pelo ministro das relações exteriores-, uma das suas principais ambições é de oferecer hospedagens em sintonia com as novas exigências dos viajantes. Junto com os investimentos para melhorar a qualidade e a quantidade, os esforços bem sucedidos para diversificar as hospedagens são uma das principais razões da volta dos turistas tanto em Paris que nos principais destinos franceses.

O Restaurante do Mama Shelter de Paris

A criatividade dos novos alojamentos turísticos pode ser comprovada em muitos projetos, dos hotéis boutique até os “Mama Shelter” ou os “glamping”, mas duas categorias estão se destacando nesses esforços bem sucedidos combinando iniciativa dos profissionais e responsabilidade das autoridades para ampliar uma oferta respondendo a procura de viajantes  cada vez mais diversificados. O sucesso da “Distinction Palace” contribuiu muito para consolidar a liderança de Paris e da França na hotelaria de altíssimo padrão. Criada em 2014, essa categoria muito especial, premiando estabelecimentos já titulares de 5 estrelas assim selecionados por uma comissão de personalidades independentes, ja reune 23 hotéis – 10 em Paris, 12 nos outros destinos da Franca metropolitana e um em Saint Barthelemy.

As Sources de caudalie, um dos Palaces premiados em 2016

Exclusividade francesa, os “Palaces” foram não somente um reconhecimento do “savoir faire” desses profissionais do luxo, mas também um forte incentivo a renovação ou até a abertura de novos estabelecimentos. Em 2016, sete hotéis ganharam a distinção, vários deles muito acostumados  com brasileiros como o Eden Roc na Riviera, o Cheval d’Argent en Saint Barthelemy ou as Sources de Caudalie perto de Bordeaux. Para 2017 e 2018 mais candidatos estão se preparando, especialmente os lendários Hotel Lutetia e Hotel de Crillon. Construído em 1758, essa prestigiosa mansão, que foi transformado em hotel de luxo em 1909 e participou da aventura da Route du Bonheur e dos Relais & Châteaux, reabriu agora depois de dois anos de renovação.

O Hotel de Crillon agora renovado

As obras combinaram o total respeito da faixada e das partes tombadas do Hotel, as necessárias inovações para atender as exigências dos viajantes do século 21, e criatividade de grandes designers para os restaurantes (Minossian), os quartos (Vergniol) e as suites assinadas pelo Karl Lagerfeld que dedicou uma delas a sua gata Choupette …. O novo Crillon tem assim menos quartos (124 em vez de 147), mas com 33 suites e 10 suites “Signature” de altíssimo padrão. O restaurante gastronômico não fica mais no salão dos Embaixadores mas numa sala menor chamada L’Ecrin com o jovem chef Christopher Hache e uma adega de 43.000 garrafas. Nas novidades mais esperadas constam um bar espetacular,  uma piscina e um spa (num segundo subsolo cavado especialmente), bem como um “cigar loundge” para os amadores de charutos. Detalhes que ajudarão a reforçar a imagem de Paris no segmento de turismo de luxo.

Bordeaux, cidade pioneira na regulamentação dos alugueis C2C

Mas o provável novo recorde de turistas internacionais que a França deve atingir esse ano se deve também ao espetacular sucesso  de hospedagens alternativos que mostram a forte diversificação da oferta francesa. Assim a hospedagem não comercial (parentes e amigos), que chega a 34% dos pernoites, com um forte crescimento nos últimos anos  junto aos viajantes vindo da Asia ou das Américas ((o não comercial representa hoje 22,5% dos 8,2 milhões de pernoites de turistas brasileiros na França).  Assim os alugueis “de pessoa a pessoa” da AirBnb e dos seus concorrentes. Representando hoje 26,7% dos pernoites comerciais, essa forma de hospedagem atrai especialmente os  turistas provenientes dos Estados Unidos, da Australia e do Brasil (seriam mais de 1,5 milhões de pernoites de brasileiros). Agora mais regulamentada para respeitar tanto os concorrentes que os moradores, ela deve continuar a crescer, contribuindo a ampliar e diversificar a oferta de hospedagem na França. Uma diversificação que atrai novos viajantes e  consolida a  liderança francesa no turismo mundial.

Jean-Philippe Pérol

Esse artigo foi inicialmente publicado no Blog “Points de vue” do autor na revista profissional on line Mercados e Eventos

O glamping, glamour e camping, chegou com toda força

Encontros bem sucedidos mostram cultura e espiritualidade como novas tendências do turismo na Normandia

Perto da nova catedral, o centro antigo de Rouen

Perto da nova catedral, o centro antigo de Rouen

Recebendo o salão Rendez vous en France, o maior encontro do turismo francês – com 740 expositores e 892 agentes de viagens e operadores vindo do mundo inteiro, inclusive 40 brasileiros-, a cidade de Rouen e a região da Normandia mostraram que estão se consolidando como um grande destino do turismo francês. Foi, em primeiro lugar, um sucesso para Rouen que mostrou  que tinha muito que mostrar alem da força da memória de Joana d’Arc e do excepcional patrimônio histórico dos arredores da sua catedral. Convenceu  que era capacitada para organizar grandes eventos,  utilizando o Rio Sena para opções criativas de hospedagem e de passeios, envolvendo os moradores bem como os profissionais da cultura, da alimentação e do lazer.

A Ferme Saint Simeon, onde um Relais Châteaux guarde o ambiente criado pelos impressionistas

A Normandia atrai os visitantes pelo impressionismo, o atrativo turístico mor da região . É foi mesmo o famoso quadro “Impressão, sol nascendo”, pintado pelo Monet em Le Havre em 1872, que batizou esse movimento artístico. Monet escolheu a pequena cidade de Giverny onde trabalhou 43 anos no ateliê hoje aberto ao publico. Junto com ele, Corot foi trabalhar em Barbizon, Millet morou em Cherbourg e depois em Le Havre, Pissaro ficou em Eragny sur Epte, e o parisiense Renoir passava o verão no litoral normando. Todos esses artistas se encontravam  nos arredores de Dieppe ou de Honfleur, especialmente na Ferme Saint Simeon, hoje um Relais Châteaux que se orgulha de oferecer a seus visitantes o mesmo ambiente e o mesmo carinho que a Mère Toutain, então dona do local, oferecia aos primeiros “impressionistas”.

O Arcanjo dourado vigiando o Monte Saint Michel e os peregrinos

Mas os vários tours oferecidos aos participantes mostraram que a Normandia é mesmo um destino turístico internacional surpreendendo pela sua diversidade, com dois destaques: o turismo de memória nas praias do D-Day e no memorial de Caen, e o turismo  religioso. Para os viajantes em busca de espiritualidade, a Normandia oferece três lugares imperdíveis. O Monte Saint Michel passou por uma renovação completa, incluindo até o rejuvenescimento do Arcanjo dourado guardião do local. O monte recuperou sua vocação de ilha com a nova passarela, oferecendo uma paisagem excepcional e uns momentos de grandes emoções. Destino de peregrinações desde a sua fundação em 708, ele  é hoje um dos dez monumentos mais visitados da França, e o mais visitado fora de Paris.

A procissão levando a châsse – a historia de amor da Santa com o Brasil

Os brasileiros têm um carinho especial pela Santa Teresa e a cidade de Lisieux, sendo a quinta nacionalidade a visitar o  santuário. Se Teresa nunca teve ligação direta com o Brasil, mas a devoção de um dos seus conterrâneos, o jesuíta Henri Rubillon, radicado no Rio de Janeiro, divulgou o seu culto. Em 1919 recolheu dinheiro para mandar para o Carmel uma bandeira dentro de um magnifico cofre de madeira de lei. Com o sucesso popular dessa primeira arrecadação, as freiras sugeriram para o padre de presentear o relicário. A  grande mobilização dos devotos deu para financiar uma verdadeira obra de arte, a “châsse du Brésil”, toda de prata, ouro e ônix, onde foram colocadas em 1923 os restos mortais da Santa, homenageados numa procissão emocionante cada último sábado de Setembro.

Show de beleza e bom gosto nas ruas da cidade velha de Rouen

A espiritualidade da Normandia vive também em Rouen, nos passos da Joana d’Arc. A presencia da santa guerreira se vê em todos os cantos, caminhando nas ruas da cidade velha, visitando a torre onde ele ficou em cativeiro, parando  na praça do Velho mercado onde ela foi queimada no dia 30 de Maio de 1431, olhando a cruz erguida no local da fogueira, ou rezando na Igreja Sainte Jeanne d’Arc inaugurada em 1979. No antigo arcebispado, um surpreendente museu, o “Historial da Joana d’Arc”, conta aos visitantes toda a historia e os mitos da mais famosa das heroínas francesas. Rouen aproveita também seu passado para construir seu futuro, reinventando no Panorama XXL a arte das telas gigantes, ou utilizando a majestuosidade da sua catedral para organizar grandes eventos.

A catedral, um espetacular palco para eventos!

Encontros, turismo cultural, turismo de memória, ou turismo espiritual, há muito tempo interligada como Brasil, a Normandia mostrou nesses “Rendez-vous” bem sucedidos que tem tudo para crescer como destino predileto dos brasileiros. Brindando com sidra, ou comemorando com Calvádos?

Jean-Philippe Pérol

Alguns participantes dos Encontros Rendez vous en France

O Monte Saint Michel

O turismo culinario: uma experiência de gastronomia, cultura e sustentabilidade

Feira livre em Grandville na Normândia

Feira livre em Grandville na Normândia

Se a gastronomia sempre foi um forte atrativo para os turistas – chegando a ser citada por 62% dos brasileiros viajando para a França , perdendo só dos monumentos e da cultura-, os grandes encontros do paladar  eram reservados para os gourmets, conhecedores que integravam nos seus roteiros restaurantes de grandes chefes estrelados ou cursos da Cordon Bleu. Le-Cordon-Bleu-Kitchen1Com o crescente interesse dado pelos viajantes aos prazeres da mesa, a culinária virou uma forma de descoberta de um destino turístico e os profissionais – operadoras, receptivos ou agentes de viagem, estão agora oferecendo experiências gastronômicas que, alem de refeições saborosas ou de degustações de vinhos, incluem compras com chefes nas feiras livres, encontros com produtores locais, visitas de hortas ou até de apiários, convites em casa de moradores ou ensino de pratos tradicionais.

Uma pesquisa publicada no ano passado pela Adventure Travel Trade Association (ATTA) mostrou que a oferta de viagens com temática culinária  está atraindo todos os atores do turismo, incluindo os especialistas de aventuras ou de descobertas. blog_la_lozere_cet_immense_plateau_de_fromages_03Assim 281 operadoras de 54 países responderam que 50% dos seus clientes querem atividades ligadas a gastronomia, e que os circuitos incluindo experiências culinárias são mais procurados, especialmente pelos viajantes de mais de 50 anos, porque ajudam a entender melhor o destino, seus moradores e sua cultura. Em 46% dos itinerários, o foco não é tanto as refeições mas as tradições culinárias do destino, mas atividades conexas como visitas de fazendas, encontros com produtores, cursos de cozinha tradicional, descoberta de vinhedos ou de cervejarias, degustações de bebidas regionais.

Degustação de cachaças

Degustação de cachaças

A pesquisa da ATTA destacou também quais são as novas tendências que os profissionais estão percebendo junto aos viajantes  e que terão que ser integradas nos itinerários. EtalageDestaca-se uma refeição junto com moradores – ou até cozinhar com eles, a fabricação de uma bebida personalizada, um curso sobre os aromas específicos do destino, a criação de uma receita inspirada da gastronomia local, uma iniciação a colheita de frutas ou cogumelos selvagens. A culinária vira até um portão de entrada para descoberta de outras temáticas como a pesca, a caça, a medicina tradicional, a biodiversidade e  a sustentabilidade. Integrando agora a programação dos grandes atores de turismo, essas tendências já tinha sido antecipadas pelo hotelaria de luxo, do Pierre em Nova Iorque até oMISTURA 2012 RECORRIDO CON GASTON ACURIO PHOTO CREDIT: VICTOR IDROGO Les Sources de Caudalie em Bordeaux. Foram também muito bem definidas e divulgadas em 2014 pela associação dos Relais Châteaux no seu manifesto chamando para a criação de um mundo melhor através da gastronomia e da hospitalidade, e fazendo da preservação das gastronomias do mundo. Uma ambição que deve ser dividida não somente com todos os viajantes mas também por todos os profissionais do turismo.

Esse artigo foi traduzido e inspirado de um artigo original de Aude Lenoir no site profissional canadense Réseau de veille en tourisme – Chaire de tourisme Transat

Degustação de queijo em Saint Nectaire na Auvergne

Degustação de queijo em Saint Nectaire na Auvergne

VISIT FRENCH WINE, o novo site de encontros entre turismo e vinho!

route-des-vins-photo-aquitaine

Enoturismo na região de Bordeaux

Com os seus vinhos definidos pelos “terroirs”, a França é com certeza um dos países onde a combinação de um roteiro de viagem com uma descoberta de vinhedos é a mais atraente. O enoturismo da terra do Romanée Conti e do Beaujolais já atrai mais de 7,5 milhões de viajantes, sendo 3 milhões vindo do mundo inteiro – cerca de 30.000 do Brasil, mas ainda têm um extraordinário potencial de crescimento. EFlorence e Daniel Cathiardmpurrados pelo Conselho Superior do Enoturismo, presidido pela Florence Cathiard (dona do Château Smith Haut Lafitte), e pelo Cluster enoturismo da Atout France, liderado pelo Michel Bernard (do Château Beauchêne), 16 grandes marcas e 15 destinos vinícolas decidiram dar um novo impulso a essa atividade  que junta dois dos maiores sucessos da excelência francesa, o vinho e o turismo. Com uma oferta agora diversificada e consolidada, o lançamento do site visitfrenchwine.com mostrou a vontade dos vinhedos franceses de receber muito mais turistas internacionais.

cognac-st-brice-photo-dr

Os vinhedos de Saint Brice em Cognac

Vendo o sucesso de países concorrentes como os Estados Unidos na Napa Valley, Portugal no Vale do Douro ou a Argentina em Mendoza, um selo de qualidade “Vignobles et découvertes” foi lançado em 2009 para ajudar o visitante a escolher as vinícolas, as adegas, os passeios, os museus, os eventos, as festas, os Spas de “vinoterapia” e até os centros de congressos com as ofertas mais adaptadas para organizar os melhores roteiros de turismo e vinhos. logo_Vignobles et découvertes_pour plaque_0Outorgado pelo Conselho do Enoturismo para um prazo de 3 anos, o selo já é encontrado em 57 lugares da França. E se 61% dos visitantes ainda são franceses, todos eles já estão se preparando para um forte crescimento dos turistas vindo não somente da Europa mas também dos Estados Unidos, da China ou do Brasil. Profissionais desses países serão as vedetes do salão especializado, “Destination Vignobles”, que reunirá em Reims, dia 11 de Outubro, 120 expositores e 150 convidados.

Relais-Bernard-Loiseau-Jardin-vue-générale-@Anne-Demay-11

O Relais Châteaux Bernard Loiseau

No novo site www.visitfrenchwine.com, por enquanto em francês ou em inglês, mas em breve também em 17 idiomas, inclusive em português, os conteúdos serão selecionados para mostrar uma França calorosa, contemporânea, criativa, cultural, renovando sua oferta mesmo nas vinícolas ou no turismo. JPP ET ACHILLE NO SHLO site tem como ambição ajudar o visitante a definir e depois encontrar qual é a experiência que corresponderá melhor ao seu perfil e às suas vontades, levando ele em somente 3 cliques para uma seleção de ofertas dentro dos 18 vinhedos apresentados. Lugar de encontros entre o vinho, o turismo e os viajantes, o site vai também dar um destaque para as experiências de blogueiros convidados, bem como as opiniões de personalidades influentes no Facebook ou no Instagram (um hashtag #visitfrenchwine já está a disposição).

Jean-Philippe Pérol

Os vinhedos de Sainte Victoire

Os vinhedos de Sainte Victoire

Os 15 profissionais parceiros do projeto : AdVini (Gassier, Jeanjean, Ogier, Laroche, Cazes…), Gérard Bertrand, Château Smith Haut Lafitte, Château de Berne, Château Cordeillan Bages, Relais & Châteaux, Bernard Magret, Mumm, Perrier Jouet, Martell, Le Hameau Duboeuf, Le Château du Clos de Vougeot  , Rémy Martin,  Ackerman, Moet Hennessy (Moët&Chandon, Hennessy, Ruinart, Mercier, Dom Pérignon, Veuve Cliquot, Krug…).

Os 16 destinos participantes : Alsâcia, Armagnac, Beaujolais, Bergerac, Bordeaux, Borgonha, Champagne, Cognac, Languedoc, Pays d’Oc, Provence, Roussillon, Savóia, Sul Oeste, Vale do Loire, Vale do Rhône.

 o incrível panorama doRoyal Champagne


O incrível panorama do Relais & Châteaux Royal Champagne

Cartão postal da Île de Ré

Brasil à Francesa

DSCN8441Entre vinhedos e salinas, a Île de Ré, na região Charente-Maritime, frente à La Rochelle, oferece um charme ao qual não resisti! Pequenas ruas cheias de casas enflorescidas cada uma mais linda que outra. As leis de proteção ambiental e arquitetural protegeram o patrimônio e a natureza e reforçaram  o estilo de viver característico do litoral atlântico. Em agosto passado, paramos alguns dias na casa de amigos, localizada no chiquerimo vilarejo de Ars-en-Ré onde se escondem os mais discretos artistas parisienses e os políticos, longe de Saint-Tropez e do tumultuo da Côte d’Azur. Aqui, você troca a Ferrari para a Mehari, e vai na feira de rua comprar ostras de bicicleta.DSCN8464

A ilha foi fortificada no final do século 17 pelo famoso Vauban e os oito quilômetros de muralhas e o porto fortificado de Saint Martin, foram decretadas em 2008 “patrimônio mundial da humanidade”. O farol das baleias é…

Ver o post original 254 mais palavras

Reveillon do Ano Novo, só com Champagne! … Mas qual ?

CHAMPAGNE PARA NOITE DE REVEILLON

Comemorado no Rio de Janeiro, em São Paulo, em Fortaleza, em Miami ou em Paris, um Reveillon a brasileira tem alguns itens básicos que não podem faltar: roupa branca, muitos amigos, lentilhas, uvas, romãs e Champagne francês.Reveillon no Rio Negro Essa primeira taça do Ano Novo é uma escolha importante, e vem sempre a pergunta: qual é a melhor Champagne para comemorar? Sendo que a resposta depende do paladar e da emoção de cada um, cada folião terá sem duvida sua própria resposta. Existem várias listas das melhores marcas de Champagne, nelas sempre constam Louis Roederer, Krug, Laurent-Perrier, Heidsieck, Veuve Clicquot, Taittinger, Perrier-Jouet, Pol Roger, Jacquesson, Moet et Chandon (com o Dom Perignon), Deutz e Ruinart. Mas é esse ultimo que sempre foi meu preferido,  especialmente para brindar no Ano Novo.

Ruinart-Blanc-de-Blancs

Essa paixão vem da historia peculiar e das características do próprio Ruinart. Fundada em 1729, quando o Louis XIV autorizou pela primeira vez o transporte do vinho espumante da região, Ruinart é a mais antiga “maison” da Champagne.  CARTAZ BELLE EPOQUEJá vendia mais de 30.000 garrafas em 1730, já estocava os seus vinhos nas “Crayeres” em 1750, e foi premiada pelo Rei Louis XVIII em 1817. Depois de dois séculos de prestigio, vieram as duas guerras que castigaram o leste da França, e ela quase desapareceu em 1946 quando o seu acervo se reduziu a 17 hectares de vinhedos e as 800 garrafas, sendo seus últimos dois clientes o famoso restaurante Maxim’s e a casa noturna Le Sphinx – o “Love Café” então favorito  dos políticos . A reconstrução demorou, e foi somente em 1963, depois da compra pela LVMH, que a marca começou a se reposicionar como um Champagne  de prestigio, com uma produção pequena atendendo um público de conhecedores. Nos anos setenta o Dom Ruinart já era, junto com o “Comtes de Champagne” e o “La Grande Dame”, Dom Ruinart Rosé 1998uma das Champagne servidos na Primeira Classe na Air France, e ela era encontrado também nos bares das melhores companhias de cruzeiro. O sucesso voltou mesmo nos anos 90 com um sabor consolidado em volta de uvas chardonnay, aromáticos e elegantes, vindo da Côte de Blancs e da Montagne de Reims, tanto nos R de Ruinart, no Rosé, no Blanc de Blanc que nos Dom Ruinart.

RELAIS CHATEAUX LES CRAYERES

Ter uma Champagne preferida é também muito influenciado pela emoções as quais ela foi associada, muitas vezes durante as viagens e mais ainda na própria região de Reims.Champagne de balão Brindar com uma taça de Ruinart para iniciar um jantar no Relais et Châteaux Les Crayeres, para comemorar com amigos, um passeio de balão em cima dos vinhedos, para acompanhar seus convidados numa noite de gala nas “crayeres” onde são guardadas as preciosas garrafas, ou para esperar  o por do sol desde a varanda do Royal Champagne, são experiências que ligam o viajante com a Champagne que presenciou esses momentos.  Agora, para acompanhar o seu próximo Reveillon, segue seus próprios gostos, e procure nas suas próprias lembranças e emoções de viagens qual é a sua melhor Champagne! Santé!

Jean-Philippe Pérol