Napoleão III (e Eugênia de Montijo) patrocinando mais um Palace francês…

Napoleão III e Eugênia de Montijo

Pelo número de estações turísticas inauguradas e de hotéis construídos durante o seu reinado, é de se perguntar se Napoleão III não foi de certa forma o pai do turismo francês. Foi por espírito pioneiro, por vontade de desenvolvimento, por favores concedidos a seus companheiros, ou por perdões a pedir à sua ciumenta esposa Eugênia de Montijo, que ele mandou criar ou ampliar estações como Biarritz, Deauville, Cabourg, Houlgate, Arcachon ou Le Touquet. Foi também para ela, madrinha do local que ela tinha descoberto durante uma viagem de Biarritz para sua Espanha natal, que ele decretou a abertura da estação termal de Eugénie-les-Bains. Recebendo hoje da Atout France a invejada distinção de Palace, o badaladíssimo hotel da cidade, os Prés d’Eugénie, se junta aos 24 hotéis franceses que beneficiam desse prestígio pelos próximos 5 anos.

Ambiance champêtre dans le parc. © Les Prés d'Eugénie.

O parque dos Prés d’Eugénie

Depois de um longo período de esquecimento, uma nova saga dos Prés d’Eugénie começou em 1966, quando a atual proprietária, Christine Guerard vem ajudar o seu pai a renovar o hotel e a se juntar aos Relais & Châteaux. Casada em 1972 com o brilhante chef Michel Guerard, ela conseguiu convencer o seu marido a deixar o já famoso bistrô estrelado que ele tinha aberto em Asnières, perto de Paris, e a experimentar as suas novas e revolucionárias ideias no restaurante do hotel. Chegando em Eugenie-les-Bains, e vendo os seus clientes tentarem seguir os regimes para emagrecer, ele inventou a “Grande Cuisine Minceur”, que logo conseguiu uma fama internacional. Recebendo uma primeira estrela Michelin em 1975, a segunda em 1976 e a terceira em 1977!

Michel Guérard dirige les cuisines. Depuis 1977, la Table des Prés d'Eugénie affiche 3 Macarons dans le guide Michelin. © C Clanet

Depois de muitas ampliações, os Prés d’ Eugénie são hoje um verdadeiro conjunto da excelência à francesa. Depois da restauração de um antigo convento do século XVIII em 1989, da Auberge de La Ferme aux Grives em 1993, da Ferme Thermale en 1996, dos Salões e das suítes da Imperatriz em 2009, do Instituto Michel Guerard e do Café Culinaire Mère Poule & Cie em 2013, os Prés d’Eugénie reúnem hoje uma equipe de 180 pessoas que gerenciam 5 prédios, 45 quartos e suítes, 8 jardins e parques, 3 restaurantes, um spa e um vinhedo, um total de 8 hectares de luxo e de elegância. E para quem não quer dispensar uma praia, Michel abriu no litoral dos Landes, a 100 quilômetros do hotel, um “Beach House”, onde os mais aventureiros encontrarão os mesmos valores.

O Beach House do Michel Guerard em Huchet

Às vezes desastroso e outras visionário, Napoleão III foi, sem dúvida, inspirado quando favoreceu o lançamento de Eugénie les Bains, sendo assim, um distante padrinho do Prés d’Eugénie, assim como ele havia sido o padrinho de outro hotel que viraria Palace, o hotel do Palais em Biarritz. Tendo incentivado a construção de numerosos hotéis, inclusive o Grand Hotel de Paris, onde um outro Imperador, Dom Pedro II, gostava de se hospedar, ele também ajudou na divulgação do turismo de praia e do termalismo, convidando políticos de toda Europa nas estações que ele frequentava. Foi assim a entrevista decisiva para o apoio da França, e a unidade italiana deve tudo à pequena cidade termal de Plombières, onde o Cavour conseguiu do Imperador o apoio militar necessário para liberar a Itália. Se esse papel do Napoleão III na promoção do turismo é, por vezes, esquecido, ele é sempre lembrado em Eugénie-les-Bains, nas comemorações da pequena cidade, na elegância ou no refinamento do Palace do Michel Guerard.
Jean-Philippe Pérol

A suíte imperial, homenageando Eugênia

No Rio Negro, os caminhos do Eldorado revisitados com charme e sustentabilidade

A piscina e o restaurante do Mirante do Gavião

Desde que foi descoberto em 1541 pelo Francisco Orellana, o Rio Negro sempre atraiu  viajantes e aventureiros. Espanhóis, portugueses, franceses, ingleses e holandeses  procuraram – e nunca encontraram-  as riquezas do El Dorado e os caminhos do lago Manoa. Procuraram – e encontraram- o canal do Cassiquiare, mítico defluente que interliga as bacias do Orinoco e do Rio Negro, delimitando as Guianas.  Nos primeiros tempos da colonização portuguesa, quando a capital ainda era Barcelos e quando Airão Velho ainda não tinha sido invadida pela (falsa) lenda das formigas, o Rio Negro foi a rota principal dos desbravadores buscando das “drogas do sertão”. E mesmo depois dos dois ciclos da borracha, os viajantes continuaram a percorrer o rio, procurando seja os peixes ornamentais seja os mistérios da Bela Adormecida ou dos Seis Lagos.

Por do sol em São Gabriel da Cachoeira

O turismo virou nos últimos anos uma das principais atividades da bacia do Rio Negro, com uma oferta dividida entre a pesca esportivo do Tucunaré na região de Barcelos – em barcos ou nos lodges especializados-, e as trilhas de aventura levando para São Gabriel e o Pico da Neblina. Mas frente as incertezas das pescarias – mudanças nos ritmos das águas e rarefação dos peixes grandes, e as precárias infraestruturas de turismo de aventura, era hora de ver novas opções aparecer, um turismo sustentável trazendo benefícios econômicos  e respeitando não somente os ecossistemas da região, mas  também o desenvolvimento sócio cultural das comunidades ribeirinhas. Essa escolha, combinada com o charme e até o luxo de um empreendimento excepcional, foi feita pelo Mirante do Gavião Amazon Lodge.

Cada detalhe do Mirante combina luxo e sustentabilidade. É a própria arquitetura do hotel, desenhado pelo Atelier O’Reilly mas inspirado dos barcos regionais e que foi realizado por marceneiros de Nova Airão. São os jardins paisagistas que respeitaram toda vegetação inicial, não sendo cortada uma só arvore durante a construção, e oferecem a cada hospede uma perfeita privacidade. São os quartos amplos com uma decoração regional enriquecida com alguns acessórios de conforto internacional -como um banheiro com ofurô- e uma varanda para gozar da vista espetacular. Surpresa ainda no restaurante gastronómico, com um cardápio assinado pela Debora Shornik misturando ingredientes amazônicos e receitas internacionais, e onde os pratos são servidos “a francesa”.

A suite Samauma do Mirante do Gavião

Nos novos caminhos turísticos abertos pelo Mirante do Gavião, as atividades e as excursões são também um grande ponto de destaque. O viajante vai descobrir  não só a natureza selvagem, mas também os seus moradores e as comunidades que vivem em comunhão com o rio e a floresta. Os guias e os tripulantes, todos oriundos da região, desenharam roteiros exclusivos durante os quais os intercâmbios,  espontâneos ou preparados na Fundação Almerinda Malaquias que trabalha em Nova Airão para reconciliar turismo, meio ambiente, geração de rendas, e respeito as culturas dos moradores. Com charme e sustentabilidade, o exemplo do Mirante do Gavião mostra que turismo pode ser um Eldorado do século 21,  abrindo novos caminhos nas beiras do Rio Negro.

Jean-Philippe Pérol

O Jacareaçu da Katerre com seus itinerarios saindo do Mirante

Oito tendências das viagens de luxo que estão chegando …

Os terraços do Palace Shangri La em Paris

Os terraços do Palace Shangri La em Paris

Para os profissionais, as viagens de luxo não são somente as viagens dos turistas com maior poder aquisitivo, nem somente os serviços deixando as melhores receitas, eles são também os melhores indicadores das novas preferencias dos viajantes, os precursores das futuras tendências. Estudando as viagens dos ricos Americanos há mais de dez anos, a Resonance, uma empresa especializada na promoção e no branding dos destinos, publicou uma interessante análises dessas evoluções, Num relatório “2016 Future of Luxury Travel” ela apresentou as principais tendências que traduzem as experiências, os desejos e as mudanças das viagens da classe A dos Estados Unidos e do mundo.

As agencias apostam nas viagens multigerações

As agencias apostam nas viagens multigerações

Para viajantes de luxo, que já andaram pelo mundo inteiro, viajar é uma fonte de mudanças pessoais, precisando assim de experiências únicas. Para chegar a isso, alguns irão procurar fortes emoções sensoriais, outros escolherão a austeridade de um lugar isolado ou de um centro de yoga. Mas a viagem será sempre uma experiência pessoal e um reposicionamento, e não somente a transposição do seu quotidiano num lugar excepcional. Nos últimos anos, essa experiência é cada vez mais divida com varias gerações. É  o “togathering” que junta família e amigos, obrigando hotéis a oferecer suites cada vez maiores e mais numerosas, e residências de turismo a chegar a áreas de  até 1000 m2      

Na Air France, a experiencia do luxo no ar

Na Air France, a experiência do luxo no ar

Para esses viajantes exigindo o melhor, a viagem começa no avião. O luxo já começa no check-in e na sala VIP. Enquanto o avião é para outros um mal necessário para ir de um ponto A a um ponto B, ele deve ser para eles um momento tão agradável e exclusivo que aqueles que os esperam no destino. A pesquisa da Resonance mostrou que a procura do hotel também mudou. Enquanto o importante era somente o luxo interno do hotel,  a hospedagem leve hoje em consideração o meio ambiente, os arredores e os moradores do local com os quais o contato faz parte da experiência dos turistas.

Em Nantes, as "maquinas da ilha"espalhando arte nas ruas da cidade

Em Nantes, as “maquinas da ilha”espalhando arte nas ruas da cidade

As tendências do turismo de luxo mexem também com as atividades. A arte é agora fundamental, virando uma das principais motivações de viagem, não somente para visitar museus ou exposições mas para descobrir a alma dos bairros ou das cidades. A arte é única e rara, e isso é luxo. Ela deve integrar todas as componentes da viagem, inclusive a experiência hoteleira e até a gastronomia. Esses viajantes sendo mais sensíveis ao conforto e a saúde, o bem estar deve ser sempre presente, das formas tradicionais -yoga ou spa – até as suas mais novas propostas como os cruzeiros “saúde”, o “turismo voluntário”, ou as aulas de cozinha dietética. Seguindo o mesmo caminho, o esporte virou culto. Alem do golfe, outros esportes – maratonas ou esportes extremos- estão atraindo viajantes preocupados em melhorar sua condição física. E segundo o  Luxury Travel Report 78 % dos ricos americanos praticam algum tipo de esportes durante as suas ferias (a media dos viajantes sendo somente de 60 %).

Os agentes de viagem e os receptivos ficarão interessados em saber que, para o novo viajante de luxo, o conselho e as dicas são cada ano mais valorizados. Eles procuram especialistas que têm um profundo conhecimento das suas expectativas para poder organizar experiências únicas. O futuro pertencerá aos conselheiros capaz de combinar um forte relacionamento humano com um domínio inovador das tecnologias.

 Esse artigo foi traduzido e adaptado de um artigo original de Chantal Neault da na revista profissional on-line Reseau de veille en tourisme, Chaire de tourisme Transat 

Frente as Sources de Caudalies, as obras de arte dos vinhedos de Smith Haut Laffite

Frente as Sources de Caudalies, a arte nos vinhedos de Smith Haut Laffite

Cannes, alem do Festival, grandes hotéis e cantos exclusivos

Sob a presidência do australiano George Miller, que apresentou o ano passado o seu filme  “Mad Max Fury Road”, o Festival de Cannes foi inaugurado com  Café Society, um novo – e, como sempre, polemico- filme do Woody Allen. DSCN1410 - copieDurante onze dias, a cidade vai viver ao ritmo do cinema, se vestir de tuxedo ou de vestido longo, e celebrar a cultura, o luxo e a elegância. Segunda cidade francesa pelo numero de hotéis 4 ou 5 estrelas, tendo uma das maiores concentrações de lojas de grandes marcas, Cannes aproveita o Festival para mostrar a excelência e o chique do seu serviço, e as vezes as extravagâncias dos seus clientes. Dentro das mais famosas, um entrega de dois mil rosas para uma atriz cobiçada, uma encomenda de banheira cheia de leite de cabra para Faye Dunaway, ou a exigência de paredes azuis na suite de um ator galês que teve que ser pintada no ato.

O Carlton Intercontinental

O Carlton Intercontinental

Mesmo se o Five Seas é badalado e o Novotel Montfleury charmoso, só alguns hotéis de Cannes simbolizam o Festival. O Carlton é o mais tradicional, aberto em 1911, tendo como investidor e cliente fiel o irmão do Imperador da Rússia, o Grande Duque Michel. Dessa época de glória o hotel ganhou seu nome (Carlton quer dizer o país do homem livre em norueguês) , guardou o seu salão tombado, os seus pratos de prata e a coroa imperial da sua louça. A lenda do hotel se juntou aos mitos de Cannes quando a Grace Kelly ou a Elizabeth Taylor. O Majestic é um outro endereço de prestigio ligada ao Festival. Frente ao tapete vermelho do “Palais des Festivals”, pertencendo ao grupo Barrière, ele foi aberto em 1926, completamente renovado em 2010 com uma decoração perfeitamente respeitada até hoje tanto na sua faixada que nos seus dois restaurantes, o Fouquet’s et a Petite Maison. O Martinez  Grand Hyatt é outro endereço tradicional da Croisette. Aberto em 1929, primeiro hotel francês com um elevador, ele é muito procurado pelo seu estrelado restaurante “La Palme d’Or” onde cada prato combina com uma louça de cerâmica especifica.

Mosteiro da Ilha Saint Honorat

Mosteiro da Ilha Saint Honorat

Mas, mesmo durante o Festival, o charme de Cannes continua sendo a sua diversidade e os seus   lugares escondidos onde a exclusividade e o intercâmbio com moradores são também o verdadeiro luxo. Uma das atividades mais exclusiva é conseguir sair a bordo dos barcos pesqueiros. Trinta deles ainda trabalham no porto de Cannes e aceitam alguns visitantes que podem sair no nascer do sol atras de douradas, de “rougets”, de lagostas ou de cavaquinhas. marche-forville-cannes-Depois da pescaria, e duma parada no Café de l’Horloge, os convidados podem seguir até o Mercado Forville para ver a venda nas barracas de produtos locais. Longe da Croisette, um outro passeio imperdível junta exclusividade e autenticidade: o mosteiro fortificado da ilha de  Saint-Honorat onde 21 monges recebem os visitantes amadores de espiritualidade, de passeios nos pinheirais e de degustações de vinhos produzidos no local. Saindo do porto onde acostam iates de milionários vindo do mundo inteiro, a somente 15 minutos dos borbulhas do Festival, essa visita – de um dia ou mais para quem quiser experimentar a hospitalidade dos monges- é sem dúvida uma das mais surpreendentes quanta a extraordinária diversidade da cidade  do Festival mais glamoroso do cinema mundial. Vive le Festival de Cannes!

O "Vieux Port" de Cannes

O “Vieux Port” de Cannes

Na Ilha Saint Honorat, 16 séculos de trabalho dos vinhedos

 Esse artigo foi inspirado de um artigo original do diário francês Le Figaro

Nas águas e nas terras do Limousin, algumas raízes do luxo francês …

Indo dos confins da Auvergne até os vinhedos de Bordeaux, o viajante olha umas paisagens de colinas verdes e de rios de águas pretas, campos de gado charolês ou limousin, e casas simples com paredes de granito. Ele nem sempre sabe que está atravessando uma da regiões que mais influenciou a industria do luxo francês, sendo até líder em setores específicos como a cerâmica – em Limoges – , a tapeçaria – em Aubusson-, e o couro – sapatos da Weston, luvas Morand ou cintos Daguet. Se foram por muito tempo ignorados ou até desprezados, os produtos locais conseguiram se impôr pela sua qualidade e sua autenticidade, e muitas grandes marcas do luxo, incluindo Prada ou Hermès, estão hoje valorizando o “made in Limousin“.

Serviço "Boulle"de Bernardaud

Serviço “Boulle”de Bernardaud

Foi no século XVIII, nas  minas de kaolim, quartz ou fedspath, que nasceu a porcelana de Limoges, e foi em 1842, com a chegada do americano David Haviland, que ela ficou conhecida no mundo inteiro tanto pela qualidade da própria parcela que pelas sutilezas das decorações – feitas com pincéis ou em cromolitografia- ou a nobreza das suas incrustações de ouro ou platina.Loja de fabrica da Bernardaud A fama do “Limoges” cresceu com a colaboração das principais fábricas com artistas conhecidos como Lalique, Dufy ou Sandoz, ou mais recentemente com grandes designers como Gagnère, Jeff Koons, ou Sophie Calle… A marca mais emblemática é sem duvidas Bernardaud, empresa criada em 1863 e pertencendo hoje a quinta geração da família . A antiga fábrica ainda pode ser visitada e lá se tem uma exposição de peças raras e uma imperdível loja de vendas diretas. Outras marcas de porcelanas famosas, como Haviland (Pavilhão da porcelana)  ou  Médard de Noblat (Espaço do mesmo nome) também recebem os visitantes.

Campanha publicitaria dos mocassins da Weston

Campanha publicitaria da coleção “Le Moc” da Weston

Se as águas negras e ácidas do seus rios explicam a longa tradição de curtume do Limousin, a qualidade e o luxo dos seus produtos de couro vem ainda mais do savoir-faire dos seus artesãos e do talento de gerações de empresários. Botas de tira de cano curto da WestonAssim é a J.M.Weston, a incomparável marca de sapatos cuja fábrica foi fundada em 1891 pelo Edouard Blanchard, pegando o nome atual em 1904 quando o seu filho Eugene voltou dum estágio na empresa Goodyear em Weston, perto de Boston! Orgulhosa de continuar a trabalhar da forma mais tradicional – são 192 operações manuais para finalizar um par de sapatos-, a marca concentra sua produção nos modelos emblemáticos como os mocassins Le Moc’ – vedetes dos anos 60 – ou as botas de cano curto com suas tiras características . Hoje nome prestigioso do luxo francês, a Weston lançou em 2012 uma nova linha de produtos incluindo bolsas, cintos e carteiras que também pode ser encontrada na loja da fábrica de Limoges.

No ateliê da Agnelle

No ateliê da Agnelle

A 30 quilômetros de Limoges, uma outra surpresa espera o viajante em Saint-Junien, capital da luva de luxo francesa desde a idade média. Na pequena cidade encontram as mais tradicionais fábricas como Georges Morand, fornecendo hoje marcas famosas como Inès de la Fressange, Nina Ricci, Sonia Rykiel, e Thierry Muggler, ou Agnelle que produzem os modelos de Jean-Paul Gaultier, Christian Dior ou John Galliano, bem como o fabricante de cintos Daguet, todos com lojas de fábrica. A nova coleção DaguetO anúncio da Hermès, que já encomendava suas luvas na cooperativa “Ganterie de Saint Julien” mas que prepara a inauguração esse ano de um ateliê de fabricação de carteiras, mostrou que as mais famosas marcas mundiais estão acreditando na região. E se espera que a inauguração em Julho da ” Cité Internationale de la Tapisserie ” em Aubusson ajude a atrair também empresas do setor da lã e da moda. Enquanto os valores que definam o verdadeiro luxo estão mudando, deixando o “bling-bling” para voltar a autenticidade, a discrição, e a tranquilidade, os vales do Limousin vão atrair viajantes interessados em descobrir algumas inesperadas raízes do  luxo francês.

 Jean-Philippe Pérol

As aguas taninas debaixo da ponte de Senoueix

Águas pretas e taninas do Rio Thaurion  debaixo da ponte de Senoueix

Turismo na “Ile de Ré”, o luxo nascendo da simplicidade

Relais Châteaux em Saint Martin en Ré

A sofisticação dos turistas encontrados nos cais da marina, nas praias, nos bares ou nos restaurantes de Ars-en-Ré poderia parecer a mesma que em Saint Tropez, Biarritz ou Deauville. O viajante vai porem logo perceber que a Ile de Ré,  pequena ilha francesa a 200 quilômetros de Bordeaux, tem um ambiente e uma vida social bem diferentes. Bicicleta em Ars en RéChique aqui não é andar de Ferrari mas de bicicleta ou de Mehari (um carro popular fabricado pela Citröen nos anos sessenta), bem sucedido não é mostrar um iate de cem pés com dez marinheiros mas sair sozinho do antigo porto dirigindo o seu pequeno veleiro, gourmet não é correr atrás de restaurante gastronômico mas mostrar a seus amigos seus talentos de chefe amador. E no porto da cidade vizinha de Saint Martin en Ré, o Relais et Châteaux só tem 20 suites e quartos escondidos num prédio do século 17.

As fortificacões de Saint Martin, patrimônio mundial da Unesco

A historia faz parte do charme da ilha. Sede de muitos confrontos durante as guerras de religiões, cobiçada pelos inglês e os holandeses, a ilha foi completamente fortificada no final do século 17. Os oito quilômetros de muralhas e o porto fortificado de Saint Martin, construídos pelo famoso engenheiro militar Vauban, foram decretadas em 2008 “patrimônio mundial da humanidade”. Os viajantes gostam também do imponente Farol das Baleias.Farol das Baleias e arredores Subindo os seus 257 degraus, e seus 57 metros de altura, aproveita-se duma vista excepcional sobre as praias, o antigo farol do Vauban, e as “eclusas”, armadilhas de pedras usadas pelos pescadores desde a Idade Media para pegar peixes e crustáceos . Outrora terminal do trem que percorria a ilha, a parque do Farol é também centro de muitas atividades de lazer, bem como a sede de um simpático e concorrido festival de jazz durante o mês de Agosto.

A Ponte da Ile de Ré para La Rochelle

Hoje ligada ao continente por uma ponte de 3 quilômetros, a Ile de Ré ficou mas acessível. Mas se a população chega em Agosto a 200.000 habitantes, os vilarejos não perdem o seu tão peculiar ambiente onde o luxo sempre combina com a simplicidade.Venelles de Ars en Ré Nas “venelles” (assim se chamam as ruas da Ile de Ré) floridas, atrás das fachadas brancas e das portas discretas, escondem se casas de alto padrão (que podem ser alugadas), com piscinas e pátios arborizados . Nos mercados, nas feiras livres e nas lojas, pouco “show off”, a preferência vai sempre para produtos autênticos,  “Fleur de sel” das salinas da ilha, Pineau des Charentes (vinho branco produzido localmente e fortificado com Cognac), artesanato “rhétais” ou das regiões próximas (sejam Poitou, Bordelais, Vendée ou Britânia), vestuário útil e com muitas referencias ao mar e a marinha. Café du CommerceOs bares e restaurantes participam também do espírito da Ile de Ré. Seja para um café da manha no Café du Commerce ou no Le V, um aperitivo no Pirates ou no La Cabane de la Patache, um jantar no Fleur de Sel ou no Taxi Brousse, o serviço é sempre descontraído e personalizado. A sofisticação e a exclusividade são trazidos pelo próprio publico, vindo do Quartier latin de Paris, mas também do mundo inteiro, criando um “je ne sais quoi”  onde o verdadeiro luxo é gozar da simplicidade.

Jean-Philippe Pérol

Passeio de veleiro

Veleiro na Praia das Portas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Travel Week: em São Paulo, o luxo e os sonhos do mundo!

tetiaroaA quarta edição da São Paulo Travel Week não decepcionou os participantes que vieram para oferecer ou descobrir as últimas tendências do turismo de luxo nos cinco continentes. Mesmo antes de ver as maravilhas que cada um dos estandes reservou para os seus clientes, o visitante vive o luxo em cada um dos detalhes desse salão fora dos padrões comuns. fotoAlém da escolha a dedo dos participantes, difícil de dizer se é o charme vem da agua de coco servida nos cantos, do logotipo esbanjando criatividade e bem-estar, das palmeiras espalhadas nos corredores, ou dos bufês dieteticamente corretos, mas a Travel Week (merci Carolina Peres) soube criar um clima de elegância e de profissionalismo do mais alto padrão.

Entre as empresas presentes, todas selecionadas pelos organizadores em função do luxo oferecido, é também difícil escolher qual destino ou qual hotel representa o sonho de cada um. Pode ser o deslumbrante novo Shangri La de Londres, o glamouroso Cipriani de Veneza, o austero Monasterio de Cuzco, ou o Sofitel Santa Clara de Cartagena. Pode ser no Brasil o Hotel das Cataratas ou o baiano Txai.

hotel-chateau-de-la-messardiere-st-tropez-911-p11

A França mostrou porque ela é o primeiro destino turístico, anunciando as reaberturas do Plazza Athénée ou do Lutetia,  mostrando o charme de Saint Tropez  com o Chateau de la Messardière, ou da Provence com o Oustau de la Baumanière. 1_Megeve main square at night_flickr.pngTinha a França do esqui e do inverno com a charmosa Megève, ou a França do Caríbe com o requinte da Samanna em Saint Martin francês.

É justamente na França dos trópicos que está aparecendo um dos mais esperado lançamento do ano, o The Brando, em Tetiaroa. Nesse pequeno atol despovoado, a 60 kilómetros de Tahiti, que Marlon Brando descobriu depois da filmagem do filme  O grande motim do Bounty , e onde ele viveu até 1990, abrirá em julho desse ano  um resort único na Polinésia Francesa, mundialmente pioneiro em desenvolvimento sustentável .  13-08-TET-TFS-0314Só acessível de avião fretado, o The Brando terá 35 casas, com praias particulares que os hospedes vão dividir somente com tartarugas, arraias gigantes e pássaros exóticos. Em respeito ao local, a cultura polinesiana é sempre presente, seja na arquitetura das casas, no Spa ou no cardápio de um dos dois restaurantes, sendo o segundo de gastronomia francesa.  13-08-TET-1885Mas o The Brando não é somente um resort de altíssimo luxo, ele é um modelo pioneiro de tecnologia sustentável com um sistema de ar condicionado utilizando a água do mar, uma energia em parte solar e em parte proveniente de óleo de coco, e uma horta orgânica. O projeto prevê também a proteção dos peixes tropicais e da fauna marina do atol a partir dum centro de pesquisas científicas construído na ilha e que os hospedes poderão visitar.

Com a Travel Week , o Brasil tem agora uma grande feira de turismo, competindo nos nichos de luxo com as grandes feiras de Cannes ou Las Vegas, e mostrando a força do mercado emissivo brasileiro, hoje um dos dez maiores do mundo. Ainda mais, esse maravilhoso evento da Carolina Peres mostrou a força do Brasil que dá certo. Vamos torcer para que a Reed, agora dona dessa Travel Week, guarde esse padrão de qualidade nos mínimos detalhes, e fica com esse espírito pioneiro – ou devo dizer bandeirante, para poder continuar a oferecer em São Paulo todos os sonhos do mundo.

instagram

Jean-Philippe Pérol

Magia do luxo agora nas paginas economicas!

Mostrando, se precisava, a importância que o turismo de luxo està tomando, Valor econômico publicou ontem um destacado artigo ilustrando as tendências do publico brasileiro, e as oportunidades da França nesse setor onde hotéis de luxo e ‘palaces’ estão acreditando no Brasil !
Extravagância é o que não falta no reduto cada vez mais amplo da chamada hotelaria de luxo. De jatinhos usados para translado, decorados com os mesmos adereços das suítes, a tendas armadas no meio da floresta para agradar a quem busca experiências insólitas, não há limites quando a ideia é capturar o público endinheirado. Fato é que de uma década para cá, a hotelaria de luxo transita da antiga aspiração aristocrática para uma realidade na qual o dinheiro dos emergentes é quem dita as regras. Com a banalização crescente de conceitos como “luxo” e “novo luxo”, para muita gente que atua no setor, talvez seja a hora de rever o significado desses standards.

“O tempo e o uso inadequado fazem algumas palavras adquirirem um tom meio pejorativo. Luxo é uma delas”, diz Lucita Marques da Costa, diretora da X-Mart Consultoria e Marketing em turismo. “A palavra costuma ser usada pela indústria de turismo para vender hotéis, onde basta ter uma piscina, lustres falsos de cristal – na verdade, de plástico – e imitações de obras de arte, para que tudo seja ‘um luxo’. No Brasil, o mesmo acontece com a palavra resort. Não a uso de jeito nenhum. Pois resort é sinônimo de áreas de lazer imensas, multidão, aulas e atividades de todo o tipo.”

Numa avaliação mais criteriosa, o que poderia ser considerado luxo na hotelaria é o encontro entre a paisagem e o produto. Nesse sentido, além da localização e de instalações adequadas, o hotel deve ter um staff capaz não só de servir bem, mas de ajudar o visitante a conhecer a região pelos olhos de quem a habita. Isso inclui informações e sugestões de programas que vão além do bê-á-bá dos guias mais conhecidos.

Se o desafio é reavaliar o conceito, uma das formas passa por estabelecer uma distinção entre o que é luxo material e subjetivo. E, antes de tudo, lembrar: os hóspedes que frequentam hotéis que, pelo preço, se enquadram nessa categoria, já possuem tudo o que encontrarão no quarto – televisores de grandes dimensões, canais internacionais à disposição, lençóis de mil fios de algodão egípcio e banheiros com produtos de grife.

“O luxo tem que ter um pouco de magia. Não uma louça de US$ 1 milhão”, acredita Jean-Philippe Pérol, diretor da Atout France para as Américas. Para ele, o refinamento pede um substrato cultural. “Há dois caminhos. Você pode pensar no Ritz como um produto perfeito. Ou conseguir visitar a gruta de Lascaux, algo dificílimo, e entender isso como um luxo extraordinário.”

Discutir esse assunto no Brasil é fundamental, diz Pérol, já que o país se tornou um ator importante na hotelaria de luxo internacional. “Os brasileiros, nos últimos anos, oscilam entre o quinto e sexto lugar entre os principais clientes do turismo de luxo. Se a gente pensar, existe algo engraçado nisso: sempre há mais brasileiros do que alemães nos hotéis de luxo de Paris, mas a cidade tem 20 vezes mais turistas alemães do que brasileiros.”

A França é o único país a ter regulamentada uma categoria hoteleira fora da classificação por estrelas. É o segmento “palace”. Há 14 hotéis-palácio, que obtiveram essa distinção não só por questões arquitetônicas e históricas ou por cumprir exigências técnicas. Todos foram avaliados em visitas anônimas e foram aprovados por um júri, presidido por um acadêmico.
Jean-Philippe Pérol

O artigo completo da Maria da Paz Trefaut está em http://www.valor.com.br/cultura/3356452/para-quem-se-da-ao-luxo#ixzz2m8OGiybS

Cannes: a febre do luxo brasileiro merece perdurar!

IslBG

No próximo dia 2 de dezembro, começa em Cannes o International Luxury Travel Market,  um dos grandes encontros do Luxo e do Turismo. Durante três dias, a Croisette, o Palais des Festivals e os ‘palaces’ vão trocar os artistas de cinema ou os grandes publicitários pelos profissionais do trade. Com 18 hosted buyers em 2002 e 100 desse ano (incluindo 5 expositores), a presencia brasileira cresceu em proporção do mercado. O Brasil virou um dos cinco grandes países emissores do turismo de luxo (junto com Estados Unidos, China, Rússia e Oriente médio), muito cobiçado, especialmente pelos hotéis de luxo franceses.

IMG_4037Com mais de 250 expositores, a França està mostrando em Cannes que suas ambições no turismo de luxo não são somente uma estratégia da Atout France mas uma ambição de muitos parceiros de todos as regiões francesas, incluindo as mais distantes como Tahiti, Saint Barth, Saint Martin ou a Guadalupe. Conversando com eles, é claro que o Brasil continua sendo uma prioridade,mas é claro também que nos últimos meses, varias perguntas começaram a aparecer: será que, com um crescimento de um ou dois por cento, o Brasil ainda deve constar nos países emergentes onde devemos investir? e se continuamos a investir no Brasil,  será que ainda devemos apostar nos segmentos de luxo ou já é hora do turismo de massa?

Lida na imprensa internacional, a decepção com os resultados do turismo brasileiro na França devem ser relativizados. Mesmo sem atingir os 17 % dos mercados asiáticos ou mesmo os 13% da Rússia, os números vão crescer de quase 8%, muito acima dos mercados europeus que mal vao chegar a 2%. Os indicadores em termo de receitas ( +14% até agora), bem como as perspectivas a médio prazo continuam  excelentes. Os resultados excepcionais de alguns concorrentes, em primeiro lugar dos Estados Unidos que vão passar os dois milhões de visitantes brasileiros esse ano, e provavelmente atingir o seu objetivo de dois milhões e quinhentos mil antes de dezembro de 2016, confirmam essa força do mercado.

imagesFXW1086ANesse quadro, o luxo também vai continuar a crescer, e vai crescer mais rápido. Primeiro porque a Classe A, incluindo a A+, cresce naturalmente com a economia brasileira. Segundo  porque o setor do luxo, inclusivo nas viagens, beneficia do ‘effet sablier‘ (efeito ampulheta) que levem os consumidores a procurar cada vez mais os produtos dos dois extremos do leque de ofertas. Terceiro enfim porque o setor do luxo beneficia também de muitos consumidores ocasionais, o famoso ‘masstige’, que pode ser fundamental para alguns produtos de luxo: o cliente CVC  compra também perfumes da Dior ou lenços da Hermès …

Numa indústria onde o sonho também é fundamental, o luxo é um fator chave para a imagem da França. Claro que o A380 da Air France só tem 9 lugares na Primeira classe, mas eles ajudaram a contribuir a decisão de viagem doa outros 518 passageiros. E os brasileiros que passeiam na rue de la Paix ou na Place Vendôme acham nas vitrinas do Cartier ou do Chaumet um linda experiência de Paris.

DSCN1410Para o próximo ILTM de Cannes, tantos franceses como brasileiros podem ter uma total confiança no futuro do setor do luxo entre os dois paises. Mesmo com muita concorrência, a França tem como trunfo excepcional as duas dimensões fundamentais desse setor. Os produtos, claro, especialemente os grandes hotéis ou os palaces, mas também as maiores marcas que definem as tendências da moda no mundo. Mas o luxo é mais que isso, é também o charme, o glamour’, a emoção dum momento excepcional ou único, um momento exclusivo que cabe tão perfeitamente na cultura e na imagem da França. Sim, podemos ir para ILTM em Cannes que a França tem mesmo futuro nas viagens de luxo dos brasileiros!

Jean-Philippe Pérol