As trilhas, um turismo de pouco investimento e muita notoriedade


O GR 20 da Córsega, o Graal das trilhas francesas

Caminhar está na moda. Na América do Norte e na Europa, atraiu em 2018 de 15 à 30% dos turistas, levando muitos destinos a aproveitar a notoriedade das suas trilhas. Alem dos Caminhos de Santiago, o GR20 na Córsega, o Inca Trail do Peru ou o Long Trail na California  foram muito importantes para o desenvolvimento do turismo das suas regiões. Viraram atrativos e fontes de renda para municípios isolados onde  os moradores ajudam a criar experiências memoráveis. E novas trilhas estão virando destaques, como o  Grand Sentier no Canada,  o Great Ocean Walk na Australia ou os caminhos da peregrinação Shikoku no Japão. No Brasil o caminho da Mata Atlântica se prepara a percorrer 3800 quilômetros, virando ícone para cinco estados, do Parque Estadual do Desengano-RJ até o Parque Nacional dos Aparados da Serra-SC.

O caminho Inca cujas pedras levam para os misterios de Machu Pichu

Segundo um relatório de fevereiro 2019 da Organização Mundial do Turismo, as trilhas estão ganhando popularidade porque se encaixam nas novas tendencias do turismo: a procura do bem estar e dos cuidados do seu corpo, o sucesso do “slow travel” e do turismo de aventura, a vontade de intercambio com os moradores. São atividades chaves para o  turismo transformacional e ajudam a construir um ecoturismo com as menores pegadas ecológicas possíveis. O turismo de caminhada aproveita também o crescimento de novas modalidades esportivas, como a “trail running” – corrida “fora de pista”, em caminhos montanhosos com fortes declives -, ou  o “Nordic trail” – caminhada livre em qualquer tipo de terreno com o auxílio de dois bastões semelhantes aos utilizados no esqui -.

A Chapada Diamantino mostra uma grande variedade de trilhas

A OMT demostrou que as trilhas tragam muitos benefícios para os destinos que escolham de investir nessa atividade. Alem de interessar um publico muito importante e diverso – jovens, melhor idade, famílias, alta renda ou popular-, elas:

  • representam investimentos muito menor que outras modalidades esportivas,
  • exigem poucas infraestruturas pesadas ou operações logísticas complexas.
  • sendo bem administradas, são atividades eco responsáveis
  • combinam com as ofertas turísticas anteriores, ajudando a esticar as estadias e até as temporadas
  • são  muito utilizadas pelos proprios moradores para suas atividades esportivas ou seus lazeres

Os destinos bem sucedidos nesse mercado conseguiram preencher pelo menos quatro critérios imprescindíveis.

  • A atratividade: a fama das trilhas depende em primeiro lugar da beleza das suas paisagens, bem como da força dos pontos de interesso cultural que elas interligam. O máximo de manutenção e o mínimo de asfalta são também dois requisitos importantes.
  • Os serviços : a sinalização, a proximidade de instalações sanitárias, as opções de hospedagem devem responder as necessidades dos “hikers”.
  • A segurança : um policiamento eficaz, um nivel de (boa) frequentação suficiente,  uma reputação de tranquilidade junto aos moradores e ao público potencial  devem mostrar que as trilhas são perfeitamente seguras de dia e de noite, mesmo para quem viaja só.
  • O marketing e a promoção : a boa informação do público, as campanhas ou as promoções ajudam a construir a notoriedade. Os países escandinavos investiram muito na ajuda previa aos visitantes. Assim a Visit Greenlandpublica l’Ultimate Greenland Hiking Guide e  aconselha até sobre os comportamentos frente a um urso polar. Outros líderes do setor, o Peru ou a Noruega mostram nos seus sites como se preparar a enfrentar suas trilhas.

Os caminhos da fé levando para Santiago

Esse artigo foi traduzido e adaptado de um artigo original de Claudine Barry na revista profissional on-line Reseau de veille en tourisme, Chaire de tourisme Transat 

Novidades e tendências do turismo de aventura

Cada vez mais popular junto aos viajantes de todas as idades e de qualquer orçamento, o turismo de aventura está de vento em poupa. Segundo a revista on line Reseau de Veille, cinco tendências se destacaram em 2018 para explicar esse entusiasmo. A primeira foi  o crescimento da natureza e do meio ambiente na frente das temáticas mais procuradas. As atividades verdes são consideradas fontes de bem estar físico e mental,  momentos ideais para favorecer as emoções positivas da luz e do verde. A natureza coloca também seus fãs na primeira linha das ações contra as mudanças climáticas, as operadoras sendo cuidadosas nos detalhes mostrando o seu empenho. A popularidade do turismo de aventura cresceu também com a Instagram onde oferece algumas das fotos ou dos selfies mais espetaculares.

Domes Charlevoix, novos hospedagens misturando design e ecologia

Na dinâmica do glamping, novos hospedagens juntando qualidade, design e ecologia, estão se multiplicando. Escolhendo lugares privilegiados, arquitetos e designers dão o maior cuidado a valorização do local,  a otimização da luz, a utilização de materiais recicláveis e de energias alternativas. Algumas ofertas procuram ser simples, como  o hotel CABN, na Austrália, com trailers de madeiras privilegiando o conforto e a menor pegada ecológica, ou as casas da Getaway que oferecem essa simplicidade perto das grandes cidades dos Estados Unidos. No Quebec, a Dômes Charlevoix, está propondo quartos de luxo com design inspirado dos iglus esquimós. A criatividade do setor é impressionante, incluindo casas flutuantes nos EE-UU, malocas ribeirinhas na China e até cabanas cobertas de espelhos na mata canadense.

As operadoras de turismo estão também  investindo em ofertas originais para viajantes que procuram experiências diferençadas ou até únicas. Durante o verão da Alaska, o resort Tordrillo Mountain Lodge oferece pacotes de helibiking, de helihiking ou de helifishing. Na região de Vancouver, a Glacier Raft Company  consegue um acesso exclusivo ao Rio Kicking Horse, chegando de helicóptero e descendo depois num raft. A pesca esportiva de caiaque está renovando a imagem dessa atividade e atraia novas clientelas, inclusive no Amazonas com a pousada Juma Lodge. O snowyoga – ioga na neve- ganha muitos adeptos e tem seus lugares prediletos em Boulder, no Colorado, na Finlândia, onde alterna com o ioga de areia, ou em  Montreal com as ofertas da POP Spirit nos parques da cidade.

Instalações icônicas ajudam a renovar o turismo de aventura

O turismo de aventura está também se renovando com instalações icónicas, estruturas inesperadas que melhoram a experiência dos visitantes e incrementam as emoções. É por exemplo o caso da ponte suspensa Charles Kuonen, exclusiva para pedestres, com 500 metros de comprimentos que apimentam a trilha de Zermatt a Grächen, na Suíça. Em Manaus, a torre de aço do MUSA, com seus 42 metros de altura, 242 degraus e 81 mde base, rivaliza em majestade com as grandes árvores da floresta e já virou uma das incontornáveis atrações do Estado do Amazonas. Na Dinamarca, o Camp Adventure Park está querer ir mais alto com uma torre de 45 metros de altura e um design espetacular para observar a cobertura da mata nórdica de Zealand.

Até agora atividade privilegiada de jovens adultos esportistas, o turismo de aventura procura agora atrair alem dos estereótipos. Travel Oregon abriu um site apresentando opções de esqui, mountain bike, caiaque ou até alpinismo para deficientes físicos. Parks Victoria, na Austrália, está fazendo testes com as Canopy — Eco Sleeper Pods, unidades de hospedagem com design contemporâneo acessíveis para deficientes. Reivindicando o acesso de todos, gordos ou magros, fortes ou fracos, jovens ou velhos, homens ou mulheres, a atividades esportivas, os  Unlikely Hiker já contam 58 000 seguidores na Instagram, com o apoio de grandes marcas como REI et Columbia. O turismo de aventura ainda tem muitos adeptos pela frente!

Esse artigo foi traduzido e adaptado de um artigo original de Claudine Barry na revista profissional on-line Reseau de veille en tourisme, Chaire de tourisme Transat 

Turismo de aventura no coração das grandes cidades

Stand Up Paddle nos canais de Amsterdão

Se o turismo de aventura era exclusivo do campo, da serra ou da praia, ele está agora invadido os centros das grandes cidades, dando aos moradores e aos visitantes a possibilidade de descobrir esses ambientes urbanos de forma diferente. Essas experiências insólitas podem começar logo na hospedagem com as opções de camping urbano, assim por exemplo em Paris no Camping des Grands Voisins ou no Camping de Paris.  Com as grandes cidades interessadas em oferecer novas sensações, algumas atividades já são oferecidas há anos, como é o caso do jogging – hotéis e ofícios de turismo oferecendo itinerários e as vezes guias, por exemplo em Québec e em Montréal, ou da bicicleta – também com tours ou sugestões de circuitos, os hotéis Westin tendo sido pioneiros.

Pescador em Stockholm

Mas recentes são os esforços dessas grandes cidades para devolver aos turistas e aos habitantes as beiras de rio, construindo parques e favorecendo atividades náuticas. Hoje, é possível andar de caiaque em Nova Iorque, saindo do Brooklyn Bridge Park, ou em Minneapolis com um aluguel de caiaque a disposição no Rio Mississipi. O sucesso do Stand Up Paddle se verifica nos rios urbanos ou nos canais de Amsterdão, de Veneza, de San Antonio ou de Montréal. Os pescadores são bem-vindos  no centro de Stockholm, ou nos portos de Montreal, de Quebec ou de Marselha. Em Chicago, é possível mergulhar no lago Michigan onde há vários navios que naufragaram durante o século XIX, isso abre muitas opções de mergulho na frente da cidade.

Subir na ponte do porto de Sydney é uma grande aventura urbana

A escalada também virou um esporte urbano. Em Stockholm, é possível viver uma experiência nos telhados da cidade histórica num tour acompanhado de um guia experimentado . Em Sydney, os visitantes podem fazer uma excursão na famosa ponte Sydney Harbour, com um panorama excepcional sobre o porto e a Ópera. Em Quebec, a operadora local Décalade, oferece descidas de paredes de prédios urbanos, e em Marselha Urban Elements  virou uma festa anual das atividades de aventuras urbanas – com destaques para escalada artificial e slackline. E depois do sucesso  da Slotzilla Freemont Street experience de Las Vegas, tirolesas permanentes ou temporárias estão sendo exploradas em Montreal, Panamá, Kiev ou Londres.

O sucesso do Parkour chega no turismo

Na procura de sensações originais, o sucesso do Parkour abriu  novas opções de turismo de aventura para moradores e visitantes de cidades grandes ou pequenas. É possível seguir aulas desse novo esporte em Paris, Montreal, Nova Iorque ou São Paulo. Na França várias cidades menores oferecem circuitos com guias especializados, “traceurs”ou “traceuses”. Perto de Montpellier, em Clermont-L’Hérault, um Parkour Artistik ajuda a descobrir o patrimônio cultural seguindo uma coreografia combinando com a arquitetura do local. Perto de Lille, Roubaix seguiu o mesmo caminho com um circuito Parkour59. O sucesso do turismo de aventura urbano é tão rápido que novas ofertas estão pipocando no mundo inteiro, podendo hoje fazer até surfe em Montreal ou aproveitar a tradição de “Downhill” do Zoobomb  em Portland.

Esse artigo foi  traduzido e adaptado de um artigo original de Claudine Barry na revista profissional on-line Reseau de veille en tourisme, Chaire de tourisme Transat 

Caiaque em Nova Iorque

Clientes e hotéis são mesmo prontos a ser eco-responsáveis?

Ferme du Petit Segrie

A Ferme do Petit Segrie, hotel Ecoleader na Provence

Reciclagem, economia de energia, procura de produtos locais,ou apoio a agricultura biológica  são hoje atitudes cada vez mais populares, e os viajantes também afirmam preferir os hotéis eco-responsáveis. Varias pesquisas publicadas recentemente pela Accor, pela Universidade da Florida e pela Booking.com mostraram porem que esse critério não é o mais decisivo nas escolhas, a falta de informação e os custos  impedindo os desejos aparentes dos consumidores de coincidir com as verdadeiras decisões dos clientes.

Planet 21, o programa de desenvolvimento sustentável da Accor

Planet 21, o programa de desenvolvimento sustentável da Accor

A pesquisa da Accor mostra que dois terços dos clientes pensam que a preservação do meio ambiente é necessário para preservar as gerações futuras, e muitas praticas eco-responsaveis são recomendadas, sendo as mulheres e os menos de 30 anos os mais favoráveis  : 80% praticam o lixo seletivo, 81% compram eletrodomésticos eco-energéticos, 75% prefiram os produtos fabricados localmente, 33% comem alimentos biológicos. A maioria deles são também prontos a continuar com essa eco-atitude quando estão hospedados no hotéis: 64% declaram aceitar de receber a fatura somente por email, 61% de jogar o lixo de forma seletiva, 32% de reduzir o serviço de limpeza nos quartos, 31% de receber porções menores nos restaurantes, e 30% de deixar o troco em moeda local para uma associação.

Hotel Roas dos Ventos, premiados com o selo sustentabilidade da Trip Advisor

Hotel Rosa dos Ventos, Ecolider Platinum da Trip Advisor

Mas no mesmo tempo, somente 13% dos viajantes consideram que o compromisso do hotel com a sustentabilidade é um critério de escolha na hora da reserva, 57% não aceitariam um hotel mais eco-responsável mas numa outra localização e 59% não querem abrir mão do conforto para ajudar o meio ambiente. Essa mesma conclusão apareceu também numa pesquisa da Universidade da Florida: a eco-atitude só é aceita se  não prejudica o conforto, seja a climatização, os banheiros ou os serviços. E dois terços dos entrevistados afirmam que eles aceitaria de pagar um pouco mais caro para guardar o mesmo nível de conforto num hotel comprometido com um programa concreto de sustentabilidade.

Ariana Lodge in Turkey, Sustentabilidade na Booking.com

Ariana Lodge in Turkey, Sustentabilidade na Booking.com

Uma terceira pesquisa da Booking.com destaca que 68% dos viajantes seriam prontos a escolher um hotel eco-responsável se a informação fosse claramente fornecida antes da reserva (dois terços declaram não ter sido informados, 39% ignoravam a existência desse tipo de oferta), e se tivesse uma forma de comprovar a realidade das medidas anunciadas pelos hotéis (13% duvidam das promessas feitas). Os motivos de desconfiança são que esses hotéis seriam mais caros (22%) , ou que o serviço seria menos atencioso (10%).

Hotel La Rochette, na Alsacia, um hotel eco-responsável

Hotel La Rochette, um hotel eco-responsável na Alsacia

As três pesquisas mostram claramente que os viajantes estão convencidos da necessidade de respeitar um turismo sustentável. Um numero crescente de estabelecimentos estão reduzindo as suas pegadas ecológicas, preocupados em ser eco-responsáveis, mas esses esforços não são sempre conhecidos dos consumidores. A ausência de normas ou de selos de qualidade internacionais dificulta ainda a divulgação e a credibilidade dos esforços importantes que cada vez mais hotéis estão fazendo, mas é certo que as eco-atitudes serão um critério cada vez mais importante nas escolhas dos viajantes.

Esse artigo foi traduzido e adaptado de um artigo de Claudine Barry na revista on-line Reseau de veille en tourisme, Chaire de tourisme Transat

Natal: velhas tradições e novo marketing vindo do Norte

A famosa árvore de Natal de Estrasburgo

A famosa árvore de Natal de Estrasburgo

Se o verdadeiro São Nicolau nasceu no século III no sul da Turquia atual, o mito do Papai Noel foi popularizado misturando tradições católicas, lendas nórdicas e promoções americanas. Do bispo de Myra vem a distribuição de presentes para as crianças. coca-cola_the_pause_that_refreshes_1931-610x697Da Europa do Norte chegaram a barba branca, o boné e as roupas de peles vermelhas  inspiradas dum pequeno (e generoso)  duende viking chamado Julenisse. Atravessando o Atlântico, Nicolau se transformou em Santa Claus (do holandês Sinterklaas), um velho duende barbudo distribuindo presentes na noite de Natal numa carruagem puxada por oito renas. Adotado como personagem central de varias campanhas publicitarias americanas, ele virou uma personalidade mundial a partir de 1931 quando a Coca Cola o contratou como garoto propaganda. Mas mesmo globalizado, o folclore natalino continua pegando sua força nas tradições do Norte da Europa, e dois países escandinavos, a Islândia  e a Finlândia, mostraram agora a sua criatividade para juntar espírito Natalino e marketing turístico.

yule_lad_quiz_woobox

A Islândia aproveitou esse ano uma lenda tradicional contando que, nas treze noites anteriores a Natal, um “Yule lad” (duende islandês) desce das montanhas para deixar presentes para crianças, ou fazer surpresas e trapaceadas.The-Thirteen-Yule-Lads-of-Iceland Assim como os Orixás, cada um desses treze duendes têm uma personalidade bem peculiar, suas atividades preferidas e seus gostos gastronômicos . Durante todo o mês de Dezembro,  os profissionais do turismo islandês estão promovendo um quiz on line dando a cada internauta a possibilidade de saber com qual desses duendes ele pode ser identificado. Algumas das perguntas ajudam também a valorizar as especialidades culinárias, o artesanato ou as belezas naturais do pais.

A cidade do Papai Noel

Rovaniemi, a cidade do Papai Noel

O folclore natalino sempre inspirou a promoção turística da Finlândia, inclusive na reivindicação da cidade de Rovaniemi, na Lapónia finlandesa,  como cidade natal e escritório do Papai Noel, bem como sede de um parque de lazer parque conhecido como “Santa Park”. emoji-christmaspartyEsse ano a Finlândia inovou sendo o primeiro pais do mundo a criar uma série de emoticons ilustrando com humor e sensibilidade as particularidades do pais. No site  THISISFINLAND estão sendo publicados durante todo o período  do Advento 30 emoticons, um a cada dia. Os símbolos escolhidos até agora vão do urso hibernando até o fã de heavy metal (musica muito popular na Finlândia), passando pelo pacificador (homenagem a um ex-presidente que ganhou o Nobel da Paz) e o casal festejando Natal.

Patrocinando muitos eventos- sendo os mais populares os Mercados de Natal que se espalharam desde a Alsácia a partir do século XIV, o Papai Noel, carregando não somente presentes mas também um espírito natalino de Paz e de Alegria, é cada vez mais um grande incentivador de viagens turísticos para adultas e crianças. E seja ele um santo da Turquia ou um velho duende trapaceiro da mitologia nórdica, da para acreditar na sua magia!

Esse artigo foi traduzido e adaptado de um artigo original de Claudine Barry no Reseau Veille Tourisme da Chaire de Tourisme Transat