Diversificação da hospedagem virou chave do sucesso do turismo francês!

Paris plage, uma nova imagem da cidade luz!      @Loic Lagarde

Enquanto a França reencontra os turistas internacionais – 6% de crescimento das chegadas no primeiro semestre, com um destaque especial para o Brasil que teve um aumento de 22,7%, e um novo recorde de 89 milhões de turistas anunciados pelo ministro das relações exteriores-, uma das suas principais ambições é de oferecer hospedagens em sintonia com as novas exigências dos viajantes. Junto com os investimentos para melhorar a qualidade e a quantidade, os esforços bem sucedidos para diversificar as hospedagens são uma das principais razões da volta dos turistas tanto em Paris que nos principais destinos franceses.

O Restaurante do Mama Shelter de Paris

A criatividade dos novos alojamentos turísticos pode ser comprovada em muitos projetos, dos hotéis boutique até os “Mama Shelter” ou os “glamping”, mas duas categorias estão se destacando nesses esforços bem sucedidos combinando iniciativa dos profissionais e responsabilidade das autoridades para ampliar uma oferta respondendo a procura de viajantes  cada vez mais diversificados. O sucesso da “Distinction Palace” contribuiu muito para consolidar a liderança de Paris e da França na hotelaria de altíssimo padrão. Criada em 2014, essa categoria muito especial, premiando estabelecimentos já titulares de 5 estrelas assim selecionados por uma comissão de personalidades independentes, ja reune 23 hotéis – 10 em Paris, 12 nos outros destinos da Franca metropolitana e um em Saint Barthelemy.

As Sources de caudalie, um dos Palaces premiados em 2016

Exclusividade francesa, os “Palaces” foram não somente um reconhecimento do “savoir faire” desses profissionais do luxo, mas também um forte incentivo a renovação ou até a abertura de novos estabelecimentos. Em 2016, sete hotéis ganharam a distinção, vários deles muito acostumados  com brasileiros como o Eden Roc na Riviera, o Cheval d’Argent en Saint Barthelemy ou as Sources de Caudalie perto de Bordeaux. Para 2017 e 2018 mais candidatos estão se preparando, especialmente os lendários Hotel Lutetia e Hotel de Crillon. Construído em 1758, essa prestigiosa mansão, que foi transformado em hotel de luxo em 1909 e participou da aventura da Route du Bonheur e dos Relais & Châteaux, reabriu agora depois de dois anos de renovação.

O Hotel de Crillon agora renovado

As obras combinaram o total respeito da faixada e das partes tombadas do Hotel, as necessárias inovações para atender as exigências dos viajantes do século 21, e criatividade de grandes designers para os restaurantes (Minossian), os quartos (Vergniol) e as suites assinadas pelo Karl Lagerfeld que dedicou uma delas a sua gata Choupette …. O novo Crillon tem assim menos quartos (124 em vez de 147), mas com 33 suites e 10 suites “Signature” de altíssimo padrão. O restaurante gastronômico não fica mais no salão dos Embaixadores mas numa sala menor chamada L’Ecrin com o jovem chef Christopher Hache e uma adega de 43.000 garrafas. Nas novidades mais esperadas constam um bar espetacular,  uma piscina e um spa (num segundo subsolo cavado especialmente), bem como um “cigar loundge” para os amadores de charutos. Detalhes que ajudarão a reforçar a imagem de Paris no segmento de turismo de luxo.

Bordeaux, cidade pioneira na regulamentação dos alugueis C2C

Mas o provável novo recorde de turistas internacionais que a França deve atingir esse ano se deve também ao espetacular sucesso  de hospedagens alternativos que mostram a forte diversificação da oferta francesa. Assim a hospedagem não comercial (parentes e amigos), que chega a 34% dos pernoites, com um forte crescimento nos últimos anos  junto aos viajantes vindo da Asia ou das Américas ((o não comercial representa hoje 22,5% dos 8,2 milhões de pernoites de turistas brasileiros na França).  Assim os alugueis “de pessoa a pessoa” da AirBnb e dos seus concorrentes. Representando hoje 26,7% dos pernoites comerciais, essa forma de hospedagem atrai especialmente os  turistas provenientes dos Estados Unidos, da Australia e do Brasil (seriam mais de 1,5 milhões de pernoites de brasileiros). Agora mais regulamentada para respeitar tanto os concorrentes que os moradores, ela deve continuar a crescer, contribuindo a ampliar e diversificar a oferta de hospedagem na França. Uma diversificação que atrai novos viajantes e  consolida a  liderança francesa no turismo mundial.

Jean-Philippe Pérol

Esse artigo foi inicialmente publicado no Blog “Points de vue” do autor na revista profissional on line Mercados e Eventos

O glamping, glamour e camping, chegou com toda força

Três boas razões para acreditar em 2 bilhões de turistas daqui a 2025!

Sempre jovem, a torre Eiffel pronto a continuar como ícone de turismo mundial

A torre Eiffel pronta a continuar como ícone do turismo mundial

Projetando cerca de 2 bilhões de turistas internacionais para 2025, esperando um espetacular crescimento das despesas de viagem, os especialistas lembram que três tendências estão sustentando a evolução do turismo mundial: a expansão das classes emergentes, o envelhecimento das populações, e o progresso das comunicações. Já observados há uma década, esses fatores foram também destaques de uma pesquisa conjunta do cartão Visa e da Oxford Economics, “International Outbound travel projections”, cujos resultados foram publicados no ultimo mês de julho.

Famílias com renda superior a 20.000 USD por ano (em milhões)

Famílias com renda superior a 20.000 USD por ano (em milhões), nos mercados desenvolvidos e nos mercados e emergentes

O crescimento econômico vai levar cada vez mais consumidores a uma faixa de renda superior a 20.000 USD por ano aonde se encontram 80% dos viajantes internacionais, responsáveis por 90% das despesas. Projetando esse dados no futuro, Visa calculou que a metade das famílias terão como arcar com pelo menos uma viagem em 2015, sendo que uma em cada oito viajará mesmo. Um terço dessas viagens serão internacionais, com uma média de gastos superior a 5.300 USD.

Os dez países com as maiores despesas de viagem em 2015

Os dez países com as maiores despesas de viagem em 2015 (en bilhões de USD)

Os países emergentes terão um lugar de destaque nesse novo cenário, sendo então responsáveis por 45% dos 1.500 bilhões de USD de despesas do turismo internacional. Com um viajante em cada seis, China será o primeiro mercado emissor mundial com 255 bilhões, 86% a mais que em 2015, muito à frente dos Estados Unidos. Dois outros BRICS estarão presentes no Top Ten dos mercados: a Rússia, com o maior crescimento dos próximos 10 anos, e o Brasil que chegará, segundo a pesquisa da Visa, a 38 bilhões de USD de gastos de viagens internacionais.

Os dez países com o maior numero de viajantes de mais de 65 anos em 2025

Os dez países com o maior numero de viajantes de mais de 65 anos em 2025

Com a (ainda) crescente esperança de vida, e uma grande vontade de viajar da “melhor idade”, os turistas de mais de 65 anos vão ganhar muito mercado até 2025, devendo chegar a representar 13% das viagens internacionais nessa data. Podendo viajar fora da alta temporada, escolhendo estadas longas, eles serão provenientes principalmente da Europa ou da América do Norte, mas terão preferências de viagens diferenciadas.

A França iniciou em Setembro uma campanha de promoção do turismo de saúde

A França iniciou em setembro uma campanha de promoção do turismo de saúde

Enquanto alguns percorrerão o mundo, continuando a dar preferência para circuitos de ônibus ou cruzeiros marítimos e fluviais, outros vão dar um impulso excepcional ao turismo de saúde. Segundo a organização Patients Beyond Borders, as viagens com essa finalidade já representam vários bilhões de USD, mas devem crescer de 25% nos próximos anos, principalmente para os Estados Unidos. Alguns países como Tailândia, Singapura ou a Espanha estão também bem posicionados e a França mostrou recentemente que quer virar um dos líderes do setor.

O Airbus A380 da Air France

O Airbus A380 da Air France, tecnologia aproximando os destinos

Além do poder aquisitivo das classes emergentes e da vontade de viajar da melhor idade, os avanços tecnológicos  vão também ajudar a atingir os 2 bilhões de turistas em 2025, reduzindo as distâncias com voos mais diretos e baixo consumo energético. Nos últimos 5 anos, mais de 2.500 novas rotas aéreas foram abertas, e a abertura de 340 aeroportos está prevista nos próximos dez anos, facilitando as viagens. A conectividade globalizada e a proliferação dos smartphones não somente ajudam a escolher os destinos e a preparar as viagens, mas ainda favorecem a espontaneidade e permitem personalizar os roteiros, incentivando e tranquilizando o viajante.

Esse artigo foi traduzido e adaptado de um artigo original da  Chantal Neault na revista profissional on-line Reseau de veille en tourisme, Chaire de tourisme Transat

Otimismo e novidades para casamentos e luas de mel!

Lua de mel na Polinesia francesa

Lua de mel na Polinesia francesa

Para quem está planejando a sua lua de mel, a Franca é sem duvidas um dos destinos mas cobiçado, seja pelo romantismo que ela sempre carregou, seja pela sua multiplicidade de opções, simples ou luxuosas, praias ou montanhas, ambientes urbanos ou lugares isolados, inverno ou verão. Assim, se Paris é uma preferência disparada, Bordeaux e seus vinhedos, o Val de Loire e seus castelos, a Côte d’Azur e seu glamour, ou os Alpes e suas paisagens atraiam também os noivos. No Caribe, a França oferece Saint Martin, Saint Barth ou a Martinica, outros destinos privilegiados para as luas de mel. E, se tiver que recomendar o mais sonhado dos lugares, os agentes de viagem do mundo inteiro escolherão provavelmente Bora Bora, na Polinésia francesa.

Em Firenze, o terceiro congresso dos wedding planners

Em Firenze, o terceiro congresso dos wedding planners

Mesmo se os pedidos evoluíram muito – hoje 22% dos casais querem descobrir destinos diferentes e 13% colocam a cultura em primeiro lugar- , agencias de viagem e profissionais continuam tendo um papel importante na organização das luas de mel. Dados e tendências interessantes foram recentemente mostrados pela empresa especializada QnA internacional durante o terceiro congresso anual dos “Destinations Wedding Planners”. As luas de mel e os casamentos realizados em destinos internacionais representam 27% do total, seja um montante de 80 bilhões de dólares. O primeiro mercado fica na América do Norte, Estados Unidos, México e Canada, com 24 bilhões. Segue a Ásia com 17,6 bilhões e a Europa com 16,0 bilhões. A América do Sul, incluindo o Brasil, surpreendeu com 9,6 bilhões gastos em destinos internacionais.

O Hotel e Spa Terreblanche, escolha da Trip Advisor para lua de mel na França

Terreblanche, a escolha da Trip Advisor para lua de mel na França

Os destinos mais populares variam em função de cada região do mundo. Os europeus escolham a França, a Itália, a Espanha ou a Grécia, os norte americanos Nova Iorque ou o México, os asiáticos a Tailândia, a Índia ou Hong Kong. Na América do Sul, o México, o Brasil, Santo Domingo e Havaí estão liderando as preferências. A pesquisa destacou também um forte crescimento global dos destinos europeus, especialmente França e Itália, bem como a volta ou o surgimento de concorrentes como Peru, Bali, Marrocos, Dubai, África do Sul, Vietnã, Las Vegas, Nova Zelândia ou Taiti. Para os casamentos, a pesquisa mostrou também muitas especificidades regionais nos detalhes, por exemplo no numero de convidados nas festas que pode variar de 400 à 1000 na Ásia ou no Oriente Medio, e somente de 120 à 200 na Europa e na América do Norte.

Paris, capital romântica

Paris, capital romântica

Alem das diferencias, a conclusão da pesquisa é um otimismo geral. Com um crescimento mundial de 10% por ano do numero de luas de mel ou de casamentos em destinos internacionais, os profissionais – agentes de viagem, hoteleiros ou wedding planners – ainda têm um imenso campo pela frente se eles souber aconselhar  para seus clientes o destino adaptado e o evento personalizado procurado nesses  momentos únicos.

Em Saint Martin, o boutique hotel Le Temps des Cerises

Em Saint Martin, o boutique hotel Le Temps des Cerises

Esse artigo foi inspirado de um artigo original de Serge Fabre na revista on-line La Quotidienne

Os países (proporcionalmente) menos turísticos do mundo, uma lista com algumas surpresas!

Barco de passeio no Bangladesh

Barco de passeio no Bangladesh

Para muitos viajantes, o pior pesadelo  é de encontrar outros turistas, e o sonho seria de visitar lugares onde a proporção de turistas em relação a população esteja a menor possível. why-now-is-the-time-to-visit-cuba1Nos últimos meses aparecerem assim artigos ou promoções incentivando a viajar para Cuba “antes que seja tarde demais”, antes que a autenticidade da ilha desaparece com invasão de 2, 3 ou 5 milhões de turistas americanos. Querendo ajudar os amadores de destinos exclusivos a encontrar lugares preservados, o site de analise de dados econômicos  Priceonomics publicou a lista dos 25 países os menos turísticos do mundo. Para estabelecer esse ranking muito peculiar, os técnicos dividiram o numero de habitantes de cada pais pelo numero de turistas publicado pela OMT – organização mundial do turismo.

O Taj Mahal no por do sol

O Taj Mahal no por do sol

O destino vencedor é o Bangladesh, o oitava pais mas populoso do mundo, com 160 milhões de habitantes mas que recebe somente 125.000 turistas, menos que o vizinho Butão, um atraso que as autoridades querem compensar com uma nova campanha de promoção “Visite Bangladesh antes dos turistas”. A campanha do BengladeshMesmo com cada visitante podendo se perder no meio de 1273 moradores, será porem difícil para o pais compensar a sua péssima imagem,  a sua falta de preparo frente aos desastres naturais, a sua insegurança e o atraso em infraestruturas publicas e turísticas. Vários países dessa lista dos “Top menos” – a Guinea, a Moldávia, a Serra Leoa, o Niger, a Papuásia ou o Tajiquistão – enfrentem problemas similares. Mais surpreendentes são as presença de potências turísticas como a Índia ou o Quênia, talvez prejudicadas pela  importância das suas populações. É mais surpreendente ainda a vigésima terceira posição do Brasil que recebe somente um turista para cada 32 habitantes, uma posição que não pode ser justificada somente com a distancia dos grandes centros emissores da Europa e da América do Norte .

PAISES DO “TOP MENOS” Turistas  (2014) Habitantes RATIO H./Tur
1 Bangladesh 125.000 159.078.000 1.273
2 Guinea 33.000 12.276.000 372
3 Moldavia 11.000 3.556.000 323
4 India 7.679.000 1.295.292.000 169
5 Serra Leoa 44.000 6.316.000 144
6 Niger 135.000 19.114.000 142
7 Etiopia 770.000 96.959.000 126
8 Chade 122.000 13.587.000 111
9 Madagascar 222.000 23.572.000 106
10 Mali 168.000 17.086.000 102
11 Burkina Faso 191.000 17.589.000 92
12 Bielorussia 137.000 9.470.000 69
13 Sudão 684.000 39.350.000 58
14 Costa do Marfim 471.000 22.157.000 47
15 Tanzania 1.113.000 51.823.000 47
16 Benin 242.000 10.598.000 44
17 Papuasia 182.000 7.464.000 41
18 Angola 595.000 24.228.000 41
19 Tadjikistão 213.000 8.296.000 39
20 Venezuela 857.000 30.694.000 36
21 Nepal 790.000 28.175.000 36
22 Quenia 1.261.000 44.864.000 36
23 Brasil 6.430.000 206.078.000 32
24 Uganda 1.266.000 37.783.000 30
25 Ilhas Salomão 20.100 572.000 28

Utilizando a mesma metodologia, Priceonomics publicou também a lista dos 25 países recebendo o maior numero de turistas por habitantes. Os vencedores não são as tradicionais maiores potências turísticas, França, Estados Unidos, China, Itália ou Espanha, mas pequenos países da Europa e do Caribe que souberam aproveitaram ao máximo seus recursos turísticos, sendo a Andorra o pais campeão. Igreja de São Estevo (Andorra)Esse pequeno principado dos Pirenéus, independente desde o Carlos Magno, e cujos co-presidentes são o Presidente da França e o bispo de Urgell na Espanha,  recebe mais de 2 milhões de visitantes para seus 73.000 habitantes, sendo o turismo responsável por 75% da sua economia. Na lista constam também pequenos pais de sucesso como Aruba, Hong Kong, Mônaco ou Bahrein, bem como destinos confirmados como Áustria, Grécia ou Croácia. Primeiro do ranking mundial pelo numero de turistas recebidos, a França não entrou nesse “Top 25” devido a importância da sua população, mas as projeções para 2020 – 100 milhões de turistas- devem lhe permitir de chegar perto.

Jean-Philippe Pérol

PAISES DO “TOP MAIS” Turistas (2014) Habitantes RATIO Tur/H
1 Andorra 2.363.000 73.000 32
2 Aruba 1.072.000 103.000 10
3 Monaco 329.000 38.000 9
4 Bahrein 10.452.000 1.362.000 8
5 Palau 141.000 21.000 7
6 Malta 1.690.000 427.000 4
7 Hong Kong 27.770.000 7.242.000 4
8 Bahamas 1.427.000 383.000 4
9 Bermuda 224.000 65.000 3
10 Icelandia 998.000 327.000 3
11 Maldivas 1.205.000 401.000 3
12 Austria 25.291.000 8.546.000 3
13 Curação 452.000 156.000 3
14 Croatia 11.623.000 4.238.000 3
15 Antigua 249.000 91.000 3
16 Seichelas 233.000 91.000 3
17 São Marino 75.000 32.000 2
18 Estonia 2.918.000 1.315.000 2
19 Montenegro 1.350.000 622.000 2
20 Singapora 11.864.000 5.470.000 2
21 Chipre 2.441.000 1.154.000 2
22 St Kitts 113.000 55.000 2
23 Grecia 22.033.000 10.870.000 2
24 Irlanda 8.813.000 4.616.000 2
25 Luxemburgo 1.038.000 556.000 2

Esse artigo foi inspirado de um artigo original da revista profissional francesa l’Echo Touristique

Novo viajante brasileiro: França, cultura e liberdade …

VersaillesA França continua sendo, empatada com a Itália, o destino preferido dos novos viajantes brasileiros. Na pesquisa inédita realizada pelo turismo francês e os seus colegas da Suíça, ficou claro para 48% dos entrevistados, pertencendo a classe média dos maiores polos emissores do país, que a atratividade da França continuava com a mesma força. chateau de chenonceau copyright briq ecliptiqueOs ‘emergentes’ tem a mesma atração pela sua cultura, seu patrimônio, sua gastronomia e seu romantismo. Eles gostam dos mesmos lugares que os viajantes mais experientes: Paris, Versalhes, os Châteaux de la Loire, ou a Cote d’Azur. Atraídos pelas grandes cidades, eles são porem mais aventureiros: Paris é citado por 84% (contra 95% pelos viajantes experientes), mas cidades como NiceMarselha, Toulouse ou Bordeaux aparecem com mais frequências nos planos de viagem.

Uma viagem para França é esperada com impaciência:  91% dos entrevistados esperam realiza-la nos próximos três anos.  A França será o destino principal mas não o único. O roteiro sonhado sempre inclui um ou dois outros países, principalmente escolhidos entre Itália, Espanha, Portugal e Inglaterra. O novo viajante escolhe hospedagem mais barata (hotéis de duas ou três estrelas tipo Íbis) e não tem medo de escolher opções alternativas  tipo aluguéis, Airbnb ou Homeaway. BOUTIQUE NORMANDEGosta de bons restaurantes mas não esquece que a baguette também é gastronomia. Valoriza compras, mas de forma mais cautelosa, talvez porque põe a cultura em primeiro lugar, talvez porque a imagem de luxo dos produtos franceses tradicionais o afugenta das grandes lojas parisienses ou até dos outlets que estão pipocando por toda a França.

A preparação da sua viagem aproxima também  esse novo consumidor dos seus antecessores. Ele se informa em primeiro lugar com amigos (69%) ou na internet (64%). A380Três meses antes da data escolhida,  ele reserva ou numa agência de viagem (66%) ou diretamente  nos fornecedores (34%). A partir da segunda viagem, as compras diretas passam a representar 56% do total… Essa liberdade de escolha combina também com a vontade do brasileiro de viajar com conhecidos, seja esposo(a) ou namorado(a),  família ou amigos, mas raramente em grupos organizados.

Toulouse

Mesmo com o receio dos preços e da língua, os novos viajantes brasileiros devem, segunda essa pesquisa da Roland Berger, continuaram a crescer em 6% ao ano para França até 2017, e provavelmente mais rapidamente depois. Serão maioria a partir desse ano, cada vez mais cobiçados pelas companhias aéreas, pelos hotéis, ou pelas agências. Um grande desafio espera agências online e operadoras, especialmente aquelas como a CVC que estão hoje dominando esse setor, para renovar os destinos (Nice, Bordeaux, Marselha, Toulouse) e as temáticas (eventos culturais, shopping, turismo religioso, roteiros de vinhos…). DEGUSTATION A BORDEAUXA Atout France, o turismo francês, deve também ajudar com mais campanhas nas mídias sociais, mais formação de agentes de viagens, mais apoio à Air France e as companhias aéreas, e uma melhor colaboração com outros destinos europeus complementares. Todos terão que ser muito profissionais e muito criativos para oferecer os serviços que esses consumidores exigentes e preparados querem encontrar  nessa França acessível, atual e acolhedora que estão procurando.

LA BAGUETTE

Jean-Philippe Pérol

Turismo francês: pesquisa on-line ajuda a definir novos desafios.

20082691

Quando o próprio Presidente da Republica declara, na frente de todos os seus embaixadores, que o turismo virou uma grande prioridade nacional, esse setor pega logo um novo impulse. Foi isso que aconteceu na França. Depois dessa declaração oficial de François Hollande, todos os profissionais ficaram convencidos que, mesmo com uma liderança mundial aprovada por 83 milhões de visitantes, tinha que se preparar para o futuro. Para preservar esse primeiro lugar, precisava melhorar ainda mais a oferta turística,  e atender as novas expectativas dos turistas, vindo tanto dos mercados tradicionais que dos BRICS .

logo-assises-371x269Para traduzir esse voto em ações concretas, foi programada pela Ministra Sylvia Pinel uma convenção national do turismo. Marcada para o próximo mês de Abril, essas ‘Assises nationales du tourisme’ reunirão todos os atores públicos e privados para finalizar e anunciar um projeto claro e ambicioso. Dentro dos objetivos destacam se a emergência de novos destinos, uma nova estratégia para eventos e encontros de negocios, e a melhoria do atendimento.

Na preparação desse evento, são previstos encontros e consultas com empresários, sindicatos, profissionais do ramo, jornalistas ou políticos. Brasileiros bandeira em ParisMas a novidade interessante é a vontade da ministra de consultar também os próprios turistas. Quem já viajou para França e gostou, quem viajou e não gostou, quem gostaria de viajar ou quem não quer, quem é agente de viagem ou quem é turista, francês ou estrangeiro, todos são convidados a dar suas impressões, sugestões ou palpites.

 

Para responder e participar,  só precisa  clicar no  http://br.rendezvousenfrance.com/inquerito/enquete-sobre-o-turismo  e tomar alguns minutas do seu tempo. Assim os participantes poderão dar informações importantes para os franceses conhecer melhor e atender  com mais atenção ainda os turistas brasileiros. GarçonDa resposta de cada um dependem talvez ideias ou  melhorias para a França continuar a se aprimorar, investindo o que for necessário para dar a seus visitantes o serviço atencioso, atual e acessível que  merecem no pais líder do turismo mundial. Merci!

Jean-Philippe Pérol