Nova Iorque e Singapura agora destinos mais caros do mundo

Líder durante muitos anos, Singapura agora empata na liderança

Nos fatores que impactam a escolha dos destinos de viagens, os preços comparativos são cada vez mais decisivos e as fortes evoluções da era post pandemia poderiam anunciar novas tendências. De acordo com o Índice mundial do custo de vida , publicado pela Unidade de Inteligência da revista inglesa The Economist (EIU), a inflação mundial foi de 9% en 2022. A guerra na Ucrânia, as sanções ocidentais contre a Rússia, o disparo do petróleo e das commodities, bem como a subido dos juros e as variações de câmbio levaram a uma crise mundial. O relatório do EIU destaca assim que os aumentos de preços nas 172 cidades onde foram feitos os levantamentos foram os mais altos registrados nos últimos 20 anos, mexendo na tradicional e esperada lista dos destinos mais caros do mundo.

Nova Iorque seria agora a cidade mais cara do mundo

A maior novidade desse ranking vem de Nova Iorque. Mesmo se sempre apareceu no topo da lista – era em sexto lugar no ano passado-, a Big Apple chega pela primeira vês em primeiro lugar, empatando com Singapura. Puxadas pela valorização do dólar americano frente as principais divisas internacionais, outras cidades estado-unidenses aparecem também nas dez primeiras da lista: Los Angeles no quarto lugar e São Francisco no oitavo. No geral, as 22 cidades dos Estados Unidos onde a pesquisa foi feita esse ano tiveram fortes aumentos de custos e subiram no ranking, especialmente Portland, Boston, Chicago e Charlotte. 

As crises politicas não tiraram Hong Kong dos destinos mais caros

Há muitos anos destacada nas campeãs de preços altos, a Ásia se beneficiou esse ano das evoluções cambiais. Vencedora de 2021, Tel Aviv caiu para a terceira posição, e somente Hong Kong se manteve na lista das dez cidades mais caras, enquanto Tóquio, Osaka, Pequim, Shanghai, Guangzhou e Seúl tiveram fortes quedas dos seus índices de preços que foram impactados pelas depreciações das suas moedas em relação ao dólar americano. É interessante anotar que o índice concorrente do The Economist, o ECA International, dando menos importância aos fatores cambiais e aos produtos de luxo importados, continua colocando cinco cidades da Ásia no topo da sua lista.

O Londres post Brexit ficou muito mais barato

Na Europa, pelo menos enquanto se trata de custo de vida, Londres parece ter beneficiado do Brexit. Saiu do topo da carestia e ficou em vigésimo sétimo lugar, longe das 4 cidades do Top 10. As duas grandes cidades da Suiça, Zurique e Genebra, são agora as mais caras da Europa, seguidas de Paris e Copenhagen. Com a guerra e uma inflação acelerada, as capitais dos países do leste, inclusivo Moscou e São Petersburgo, experimentaram aumentos significativos do custo de vida. Mas ao contrário, mesmo com um aumento medio de 22% do preço da gasolina, as quedas do Euro, da Libra e do Franco suíço fizeram muitas destinos europeus, como Estocolmo, Lyon ou Luxemburgo, cair de posição na lista

Tunisia é destaque dos destinos mais baratos

Para preparar suas viagens de 2023, o relatório do The Economist mostra algumas oportunidades. Excluindo uma dramatização da guerra,  a inflação deve diminuir para 6,5%, os preços dos combustiveis e dos produtos alimentares cair. Os bloqueios das cadeias de suprimentos ou de logistica devem ser superados, trazendo mais otimismo para os consumidores. Os viajantes deveriam também aproveitar as oportunidades,  seja nos tradicionais destinos europeus ( França, Espanha, Portugal) agora mais acessíveis, seja nos destinos mais baratos da lista oferecendo, na Tunísia, na Índia, ou na Ásia central, excepcionais custo/benefícios.

 

As 10 cidades mais caras do mundo em 2022, no ranking do The Economist

1. Nova Iorque

1. Singapura (empate)

3. Tel Aviv, Israel

4. Hong Kong

4. Los Ángeles (empate)

6. Zúrique

7. Genebra

8. São Francisco

9. París

10. Copenhagen

10. Sídnei (empate)

 

As 10 cidades mais baratas do mundo em 2022, no ranking do The Economist

161. Colombo (empate)

161.Bangalore (empate)

161. Alger  (empate)

164. Chennai

165 Ahmedabad

166. Almaty

167. Karachi

168. Tashkent

169. Tunis

170. Teheran

171. Tripoli

172. Damasco

 

La Nuit by Sofitel, Accor no luxo da noite com gastronomia, design e cultura!

Para o viajante que demorou a acreditar que Sofitel tornou-se uma marca de hotéis de luxo, e provavelmente nunca se hospedou no Faubourg de Paris, no Palais Jamai de Fes, no Santa Clara de Cartagena ou no Hyland de Xangai, “La Nuit by Sofitel” organizada no último sábado pelo Caesar Park Ipanema foi sem dúvida a mais convincente das demonstrações. Lançadas em dezembro 2014 em Marrakech na abertura do Festival internacional de Cinema, e já experimentadas em Cannes, Budapeste, Viena e Dubaï , “La Nuit by Sofitel” é um novo conceito de eventos excepcionais misturando cultura, design e gastronomia, três valores fundamentais da marca.

O criativo bufê de doces e "macarrons"

O criativo bufê de doces e “macarrons”

Dando como dresscode o “Black tie criativo”, o convite já dava o tom da festa, mistura de criatividade, de luxo e de tradição. Completamente redecorado com o grafismo característico do “La Nuit” presente desde a recepção até a piscina do rooftop, La Nuit by Sofitel, no Caesar Park Ipanemao Caesar Park impressionava logo na entrada com os seus bares  oferecendo Magnum de champagne Taittinger e seus bufês de queijos, doces e sobremesas,  de chocolates e de algodão doce, tão artísticos, que até os convidados hesitavam em se servir. As atrações eram também exclusivas e diversificadas: um duo Mighty Mezz & Greem,  Cut Killer, o DJ Gringo da Parada, criador do Favela Chic de Londres e Paris, e a mais francesas das Princesas brasileiras, Paola de Orleans e Bragança.

Jorge Ben Jor na noite do Caesar Park by Sofitel

Jorge Ben Jor na noite do Caesar Park by Sofitel

O melhor momento da noite foi sem dúvidas o show do Jorge Ben Jor. Na pequena mas lotadíssima sala do terceiro andar, ele interpretou suas mais famosas músicas, e ensaiou com sucesso algumas palavras de francês encantando o público onde se misturava franceses e brasileiros, artistas e empresários, celebridades da noite carioca e personalidades do turismo. Agora quinto grupo mundial da hotelaria de luxo com a compra dos hotéis Fairmont, Raffles e Swissôtel, um investimento de quase três bilhões de dólares, o grupo Accor conseguiu demonstrar que a marca Sofitel queria também ser parte desse painel mundial do luxo a francesa.

Jean Philippe Pérol

La Nuit by Sofitel em Los Angeles

La Nuit by Sofitel em Los Angeles

La Nuit by Sofitel em Cannes

La Nuit by Sofitel em Cannes