De Veneza a Reykjavik, prevenir a turismofobia melhorando a experiência turística

Veneza tentando conciliar turistas e moradores

Veneza tentando conciliar turistas e moradores

Com mais de 1,2 bilhão de turistas internacionais, o turismo de massa preocupa cada vez mais os moradores dos grandes destinos. Vendo os transtornos trazidos pela surpopulação, autoridades, jornalistas e influenciadores concordam em por a culpa dos transtornos nos próprios viajantes. A estigmatização do turista é uma velha e arrogante tradição aristocrática  do século XIX quando alguns “happy few”, já na época, não aguentavam dividir os monumentos de  Atenas e Roma, os beira mares de Nice e Biarritz, ou os artesanatos de Istambul, com os primeiros seguidores de Thomas Cook. Mas, mesmo se rejeitado até pelos seus pares, deve se reconhecer que o turista nem sempre respeita os moradores, os costumes do local, ou até regras básicas de convivência social ou de proteção do meio ambiente. Virou assim urgente de encontrar soluções para lutar contra a irresponsabilidade e os excessos, sem prejudicar as atividades econômicas nem atrapalhar a convivialidade e a liberdade de viver que os turistas procuram.

Os conselhos da China a  seus turistas antes deles viajar

Preocupando os destinos turísticos, o bom comportamento dos viajantes é também uma preocupação de alguns países emissores que temem que atitudes inadequadas prejudicam a sua imagem. Líder mundial com mais de 110 milhões de turistas, quase todos primeiro-viajantes, a China publicou em 2013  um “Guia do turismo civilizado” com conselhos a seguir, incluindo 64 paginas de recomendações (as vezes surpreendentes) como por exemplo não fazer barulho quando bebe, não limpar o nariz com os dedos, não subir em pé nos toaletes, não levar os coletes salva vidas dos aviões ou não importunar os moradores. Alguns conselhos eram específicos para certos destinos: não estalar os dedos para chamar o garçom na Alemanha, não oferecer flores amarelas na França, não falar da realeza na Tailândia ou não tocar as pessoas com a mão esquerda na Índia. O mau comportamento podendo levar a entrar numa lista negra de pessoas proibidas de viajar, é provável que essa recomendações, por esdrúxulas que sejam, foram seguidas, e devem ter contribuídas a evitar abusos.

O juramento islandês

Destino de sucesso que viu suas chegadas de turistas quintuplicar, mas preocupada com o impacto sobre o meio ambiente e a vida social, a Islândia lançou em julho desse ano um juramento de bom comportamento que os candidatos a turista são incentivado a fazer. “The Icelandic Pledge”, que pode ser encontrado e assinado on-line no site, é um compromisso moral do visitante com 8 clausulas de respeito ao meio ambiente e as regras de segurança: ser um turista eco-responsável, respeitar as regras de transito e de estacionamento, deixar os lugares limpos, não sair dos caminhos autorizados e cuidar com a meteorologia. Mesmo não sendo obrigatório, o juramento já foi assinado por 30.000 pessoas. Para a ministra do turismo da Islândia, “os turistas querem mesmo ser responsáveis, mas nem sabem sempre o que isso significa em termos de comportamento”. O sucesso da campanha foi de lembrar, de maneira cordial e humorística, algumas regras básicas, e de mostrar  que esse respeito era uma forma de integrar a cultura local e de ajudar o relacionamento com os moradores,

 

Jean-Philippe Pérol

Esse artigo foi inspirado de um artigo de Josette Sicsic na revista profissional online Tourmag

Natal: velhas tradições e novo marketing vindo do Norte

A famosa árvore de Natal de Estrasburgo

A famosa árvore de Natal de Estrasburgo

Se o verdadeiro São Nicolau nasceu no século III no sul da Turquia atual, o mito do Papai Noel foi popularizado misturando tradições católicas, lendas nórdicas e promoções americanas. Do bispo de Myra vem a distribuição de presentes para as crianças. coca-cola_the_pause_that_refreshes_1931-610x697Da Europa do Norte chegaram a barba branca, o boné e as roupas de peles vermelhas  inspiradas dum pequeno (e generoso)  duende viking chamado Julenisse. Atravessando o Atlântico, Nicolau se transformou em Santa Claus (do holandês Sinterklaas), um velho duende barbudo distribuindo presentes na noite de Natal numa carruagem puxada por oito renas. Adotado como personagem central de varias campanhas publicitarias americanas, ele virou uma personalidade mundial a partir de 1931 quando a Coca Cola o contratou como garoto propaganda. Mas mesmo globalizado, o folclore natalino continua pegando sua força nas tradições do Norte da Europa, e dois países escandinavos, a Islândia  e a Finlândia, mostraram agora a sua criatividade para juntar espírito Natalino e marketing turístico.

yule_lad_quiz_woobox

A Islândia aproveitou esse ano uma lenda tradicional contando que, nas treze noites anteriores a Natal, um “Yule lad” (duende islandês) desce das montanhas para deixar presentes para crianças, ou fazer surpresas e trapaceadas.The-Thirteen-Yule-Lads-of-Iceland Assim como os Orixás, cada um desses treze duendes têm uma personalidade bem peculiar, suas atividades preferidas e seus gostos gastronômicos . Durante todo o mês de Dezembro,  os profissionais do turismo islandês estão promovendo um quiz on line dando a cada internauta a possibilidade de saber com qual desses duendes ele pode ser identificado. Algumas das perguntas ajudam também a valorizar as especialidades culinárias, o artesanato ou as belezas naturais do pais.

A cidade do Papai Noel

Rovaniemi, a cidade do Papai Noel

O folclore natalino sempre inspirou a promoção turística da Finlândia, inclusive na reivindicação da cidade de Rovaniemi, na Lapónia finlandesa,  como cidade natal e escritório do Papai Noel, bem como sede de um parque de lazer parque conhecido como “Santa Park”. emoji-christmaspartyEsse ano a Finlândia inovou sendo o primeiro pais do mundo a criar uma série de emoticons ilustrando com humor e sensibilidade as particularidades do pais. No site  THISISFINLAND estão sendo publicados durante todo o período  do Advento 30 emoticons, um a cada dia. Os símbolos escolhidos até agora vão do urso hibernando até o fã de heavy metal (musica muito popular na Finlândia), passando pelo pacificador (homenagem a um ex-presidente que ganhou o Nobel da Paz) e o casal festejando Natal.

Patrocinando muitos eventos- sendo os mais populares os Mercados de Natal que se espalharam desde a Alsácia a partir do século XIV, o Papai Noel, carregando não somente presentes mas também um espírito natalino de Paz e de Alegria, é cada vez mais um grande incentivador de viagens turísticos para adultas e crianças. E seja ele um santo da Turquia ou um velho duende trapaceiro da mitologia nórdica, da para acreditar na sua magia!

Esse artigo foi traduzido e adaptado de um artigo original de Claudine Barry no Reseau Veille Tourisme da Chaire de Tourisme Transat