Turismo internacional, o ótimismo e a confiança

As viagens internacionais antecipando a retomada do crescimento brasileiro

Com um crescimento de 20% das viagens internacionais e de 50% das despesas no exterior durante o primeiro trimestre, os profissionais brasileiros do turismo estão hoje muito otimistas em relação a 2017. As projeções anuais variam de 5% até 20%, deixando quase certa uma recuperação dos clientes perdidos em 2016 e talvez até em 2015, especialmente  junto aos novos viajantes de lazer. Os “emergentes”  estão de novo transformando o Brasil numa grande potência turística internacional, empurrando o crescimento das vendas das operadoras, com taxa de dois e as vezes de três dígitos.

A nova campanha bem sucedida de Paris para atrair os visitantes

Castigada durante dois anos seguintes, a França está voltando a ser o destino favorito dos brasileiros na Europa, com um crescimento de 25,6% de janeiro a março, e umas perspectivas de quase 50% nos próximos seis meses. Alem de recuperação de demanda reprimida, esses resultados se devem aos esforços dos profissionais e das autoridades no atendimento, na segurança e nos preços, bem como ao cambio favorável ao euro e as facilidades de viagem – fatores que impactam de forma negativo o grande concorrente americano.

Paris se preparando para receber os Jogos de 2024

O otimismo dos franceses em relação as chegadas de turistas brasileiros é agora reforçado com os novos rumos da política da França. Um Presidente jovem, trazendo ideias de abertura ao mundo, de respeito as diversidades culturais e de orgulho de pertencer a um pais acolhedor, deve ajudar os turistas do mundo inteiro a escolher nosso pais . O turismo parece também ser uma das prioridades do novo Presidente, e os profissionais notaram com muita satisfação que o primeiro compromisso oficial que ele assumiu domingo foi de receber o Comité Olímpico Internacional para empurrar a candidatura de Paris para os Jogos 2024.

O Airbus 380, uma das opção para aumentar a oferta de assentos no Brasil

Para esse otimismo ser confirmado com números, o turismo brasileiro precisa agora de confiança. Confiança dos viajantes na retomada, mesmo gradual, da economia bem como na estabilidade do cambio. Confiança também dos profissionais que o setor está mesmo voltando a crescer. Dois gargalos só poderão ser resolvidos com essa confiança. O primeiro é a oferta de voos internacionais que caiu de 25% esse ano, o Brasil tendo menos voos, menos assentos e menos gateways internacionais. Agora com somente 5 voos diários, Paris é um dos destinos onde a situação ficou mais critica. Com saudade de ligações regulares para Brasília, Recife, Salvador ou Manaus, temos que esperar a ampliação de numero de assentos prevista pela Air France e torcer para ver a LATAM – ou uma outra companhia brasileira-  voltar a por a mesma confiança no destino França que a saudosa VARIG.

A Travel week, encontro mor dos profissionais do turismo de luxo

A confiança é também necessária para ver os profissionais estrangeiros voltar a investir em promoção no mercado brasileiro. Os últimos eventos do trade – WTM bem como Travel Week- mostraram queda de 20% e mais nas participação de expositores internacionais, sejam as companhias aéreas, os destinos, os receptivos ou os hotéis. A retomada do mercado só poderá ser definitiva se esses incontornáveis parceiros voltam a investir no Brasil, adaptando os seus serviços e as suas ofertas, e, mais ainda, investindo em ações de promoção. A nos, profissionais brasileiros, o dever de repassar essa confiança, e a convicção que o Brasil continua de ser um dos maiores mercados emergentes do mundo global.

Jean-Philippe Pérol

Esse artigo foi inicialmente publicado no Blog “Points de vue do autor na revista profissional on line Mercados e Eventos

O turista do Futuro: livre, sem estresse, online, transparente e ético?

Montreal no inverno

Montreal no inverno

A Universidade do Quebec e Turismo Montreal apresentaram dia 18 de Janeiro os trabalhos de dois especialistas do turismo internacional, Paul Arseneault e Pierre Bellerose, sobre as grandes tendências que vão definir o turismo mundial nas próximas décadas. As mudanças da ordem internacional e da demografia, as ameaças sobre o meio ambiente ou a mundialização das novas tecnologias devem não somente transformar toda a industria das viagens, mas também mudar o perfil dos futuros turistas. Esse turista do Futuro será mais livre, mais intolerante as preocupações e ao estresse, mais seguro de si, mais espontâneo, mais conectado, mais preocupado com sua ética e acima de tudo com a sua imagem. Três tendências  principais levarão a essas mudanças.

e durante o seminario

Arseneault e Bellerose durante a conferência

Com o crescimento da classe media, principalmente nos BRICS e nos outros países emergentes, o turista do Futuro será muito mais livre de viajar. Daqui a 2030,  a classe media passará de 27 a 60% da população mundial, e a VISA projeta que a metade terá acesso a viagens internacionais. Esses novos viajantes virão principalmente da América Latina e mais ainda da Ásia. A China, que já lidera as despesas de turismo internacional com USD 292 bilhões em 2015, poderá representar um terço dos turistas internacionais. A liberdade de viajar será também ampliada pela ampliação do acesso a Internet que deveria dar um pulo de 34 a 50% da população mundial até 2030. O viajante do Futuro será assim mais “inteligente”, querendo afirmar suas particularidades, seus desejos, seus gostos e suas opiniões até na construção dos seus roteiros.

Decreto de Trump levando caos nos aeroportos americanos

Decreto de Trump levando caos nos aeroportos americanos

O turista do Futuro não aceitará preocupações ou estresse, seja pelas situações políticas, pelos riscos de segurança ou pelo aquecimento global. Num mundo mais protecionista e com algumas fronteiras mais fechadas, com populações priorizando a segurança, as viagens domésticos ou para destinos priorizando a segurança vão aumentar, bem como a preferência por grandes marcas de turismo (hotéis, cruzeiros ou operadoras) capazes de responder a essas problemas. As preocupações do turista, e a procura do risco zero, vão abranger também os efeitos do aquecimento global e até as responsabilidades sociais das empresas que contribuirão para suas viagens. Os cancelamentos ou as mudanças em caso de qualquer tipo de problemas terão que ser mais fáceis. .

Web e mídias sociais vão impactar os comportamentos

Web e mídias sociais vão impactar os comportamentos de viagem

Segundo o Foro econômico mundial, 80% da população mundial terá uma identidade numérica até 2023. Web, e-marketing e midias sociais vão impactar as decisões dos turistas do Futuro. Os dados pessoais, mesmo confidenciais, serão mais difíceis de proteger, levando as empresas a oferecer propostas de serviços mais personalizadas. Gerenciar sua imagem no web será cada vez mais importante, impactando a escolha dos  destinos, dos estabelecimentos, e até o comportamento. O numérico levará mais mutações no turismo: o uso das tecnologias para reduzir os estresses do viajante (Amadeus está investindo nisso USD 500 milhões por ano), a chegada de aplicativos que serão verdadeiras agencias de viagem moveis, capazes de acompanhar o turista durante toda a sua viagem, a mundialização das interações nas mídias sociais ou, mais importante ainda, a percepção do próprio turismo como uma necessidade imperativa!

Esse artigo foi traduzido e adaptado de um artigo original de  Aude Lenoir  na revista profissional on-line Reseau de veille en tourisme, Chaire de tourisme Transat . A apresentação completa pode ser vista nesse link ou no vídeo abaixo apresentado.

A França, mais segura e acolhedora para os seus visitantes

Policiais mais visíveis nos lugares mais turísticos da capital

Policiais mais visíveis nos lugares mais turísticos da capital

Quebrando com a tradição ufanista que caracteriza a comunicação do turismo, o primeiro ministro da França apresentou o seu plano para impulsionar o setor anunciando um recuo de 8,2% das chegadas internacionais. “É claro que com os atentados terroristas de novembro e julho, as greves, os assaltos a turistas asiáticos ou os roubos de personalidades, o turismo francês atravessa um momento difícil. No final de setembro, praticamente todos os mercados estavam em queda, seja os visitantes tradicionais da Europa (-10%), da América do Norte (-6,9%) ou do Japão (-39%), ou os mercados emergentes – Rússia, Brasil e China (de -15% a -30%) “.

O Castelo de Chambord, um dos 30 monumentos com segurança reforçada

O Castelo de Chambord, já com segurança reforçada

Lembrando a importância do turismo para França, 7,5% da economia nacional e 2 milhões de empregos,  o Primeiro Ministro fez questão de anunciar pessoalmente uma série de medidas para reforçar a segurança dos turistas, deslanchar uma campanha de promoção nacional e internacional e apoiar os profissionais nos investimentos necessários para melhorar a qualidade dos estabelecimentos e dos serviços. O objetivo será de recuperar o mais rapidamente possível os dois milhões de turistas e o bilhão de euros de faturamentos perdidos, especialmente nos hotéis e restaurantes de Paris.

A Cote d'Azur

A Riviera francesa, segunda região mais destacada do Plano

A segurança dos turistas vai ser tratada de forma específica, com um coordenador nacional. O patrulhamento dos metrôs e dos trens será ampliado, especialmente em Paris e na Côte d’Azur. Os 30 monumentos mais visitados vão ter os seus acessos monitorados com mais câmeras e uma verba especial vai ser distribuída para ajudar os grandes eventos culturais e os festivais a reforçar sua segurança. Para afastar os delinquentes, e para atender com mais rapidez eventuais vítimas, inclusive no registro de Boletim de Ocorrência, 30 postos móveis de polícia serão inaugurados. Um aplicativo com dicas de segurança em 30 idiomas será também colocado a disposição dos turistas.  Os profissionais serão sensibilizados sobre as precauções e as medidas que podem contribuir ao conforto e a segurança dos seus clientes, e um selo « SECURITE SITE TOURISTIQUE » será atribuído a aqueles que farão os investimentos necessários.

Criatividade cultural como forte temática das campanhas de promoção

O Primeiro Ministro anunciou também um reforço de 10 milhões de Euros na promoção internacional da Atout France, com destaque para os mercados mais atingidos, mas já dando sinais de recuperação, o caso do Brasil. Uma campanha direta para os consumidores, um investimento na “e-reputação” da França na internet e nas mídias sociais, a ampliação da nossa presença nos grandes encontros do trade, e uma promoção específica dos grandes eventos culturais de Paris  serão os eixos principais de um plano de marketing que será iniciado nas próximas semanas com a parceria dos principais destinos turísticos franceses. Devido a importância do turismo doméstico para esses destinos, estarão também incluídas algumas ações complementares no mercado francês.

Shopping mais fácil e detaxe mais rápida

Shopping mais fácil e detaxe mais rápida

Reforçar a confiança dos viajantes no turismo francês exige também de apoiar as melhorias necessárias nos produtos bem como no atendimento. O governo vai ajudar os investimentos no wifi grátis para os clientes dos restaurantes, nas melhorias nos sistemas de reserva on-line para os pequenos hotéis, bem como na capacitação profissional na hotelaria e no ensino de idiomas estrangeiros para os funcionários do setor. Para facilitar o shopping, as aberturas de lojas nos domingos serão ampliadas, as opções de pagamentos ampliadas e o processo da “detaxe”  será simplificado. Com essas medidas, a França quer continuar a merecer a sua posição de primeiro destino turístico mundial frente a seus concorrentes, hoje americanos e amanha chineses. Uma preferência que só pode ser conservada oferecendo aos visitantes não somente um belo patrimônio cultural e natural, mas também a segurança, o atendimento e a qualidade de infraestruturas que eles tem direito.

Bienvenue en France!

A Ryder Cup 2018, evento de destaque do Plano de promoção

A Ryder Cup 2018, evento esportivo privilegiado do Plano de promoção

.

 

Três boas razões para acreditar em 2 bilhões de turistas daqui a 2025!

Sempre jovem, a torre Eiffel pronto a continuar como ícone de turismo mundial

A torre Eiffel pronta a continuar como ícone do turismo mundial

Projetando cerca de 2 bilhões de turistas internacionais para 2025, esperando um espetacular crescimento das despesas de viagem, os especialistas lembram que três tendências estão sustentando a evolução do turismo mundial: a expansão das classes emergentes, o envelhecimento das populações, e o progresso das comunicações. Já observados há uma década, esses fatores foram também destaques de uma pesquisa conjunta do cartão Visa e da Oxford Economics, “International Outbound travel projections”, cujos resultados foram publicados no ultimo mês de julho.

Famílias com renda superior a 20.000 USD por ano (em milhões)

Famílias com renda superior a 20.000 USD por ano (em milhões), nos mercados desenvolvidos e nos mercados e emergentes

O crescimento econômico vai levar cada vez mais consumidores a uma faixa de renda superior a 20.000 USD por ano aonde se encontram 80% dos viajantes internacionais, responsáveis por 90% das despesas. Projetando esse dados no futuro, Visa calculou que a metade das famílias terão como arcar com pelo menos uma viagem em 2015, sendo que uma em cada oito viajará mesmo. Um terço dessas viagens serão internacionais, com uma média de gastos superior a 5.300 USD.

Os dez países com as maiores despesas de viagem em 2015

Os dez países com as maiores despesas de viagem em 2015 (en bilhões de USD)

Os países emergentes terão um lugar de destaque nesse novo cenário, sendo então responsáveis por 45% dos 1.500 bilhões de USD de despesas do turismo internacional. Com um viajante em cada seis, China será o primeiro mercado emissor mundial com 255 bilhões, 86% a mais que em 2015, muito à frente dos Estados Unidos. Dois outros BRICS estarão presentes no Top Ten dos mercados: a Rússia, com o maior crescimento dos próximos 10 anos, e o Brasil que chegará, segundo a pesquisa da Visa, a 38 bilhões de USD de gastos de viagens internacionais.

Os dez países com o maior numero de viajantes de mais de 65 anos em 2025

Os dez países com o maior numero de viajantes de mais de 65 anos em 2025

Com a (ainda) crescente esperança de vida, e uma grande vontade de viajar da “melhor idade”, os turistas de mais de 65 anos vão ganhar muito mercado até 2025, devendo chegar a representar 13% das viagens internacionais nessa data. Podendo viajar fora da alta temporada, escolhendo estadas longas, eles serão provenientes principalmente da Europa ou da América do Norte, mas terão preferências de viagens diferenciadas.

A França iniciou em Setembro uma campanha de promoção do turismo de saúde

A França iniciou em setembro uma campanha de promoção do turismo de saúde

Enquanto alguns percorrerão o mundo, continuando a dar preferência para circuitos de ônibus ou cruzeiros marítimos e fluviais, outros vão dar um impulso excepcional ao turismo de saúde. Segundo a organização Patients Beyond Borders, as viagens com essa finalidade já representam vários bilhões de USD, mas devem crescer de 25% nos próximos anos, principalmente para os Estados Unidos. Alguns países como Tailândia, Singapura ou a Espanha estão também bem posicionados e a França mostrou recentemente que quer virar um dos líderes do setor.

O Airbus A380 da Air France

O Airbus A380 da Air France, tecnologia aproximando os destinos

Além do poder aquisitivo das classes emergentes e da vontade de viajar da melhor idade, os avanços tecnológicos  vão também ajudar a atingir os 2 bilhões de turistas em 2025, reduzindo as distâncias com voos mais diretos e baixo consumo energético. Nos últimos 5 anos, mais de 2.500 novas rotas aéreas foram abertas, e a abertura de 340 aeroportos está prevista nos próximos dez anos, facilitando as viagens. A conectividade globalizada e a proliferação dos smartphones não somente ajudam a escolher os destinos e a preparar as viagens, mas ainda favorecem a espontaneidade e permitem personalizar os roteiros, incentivando e tranquilizando o viajante.

Esse artigo foi traduzido e adaptado de um artigo original da  Chantal Neault na revista profissional on-line Reseau de veille en tourisme, Chaire de tourisme Transat

O Club Med campeão do turismo nas montanhas francesas

O Club de Val Thorens, o novo xodó dos esquiadores brasileiros

Se o Club Med é conhecido em primeiro lugar pelos seus resorts de praia – no Brasil em Itaparica, Rio das Pedras e Trancoso -, ou de campo – em breve em Mogi das Cruzes-, ele é também no mundo um líder em turismo de neve. Acabou de anunciar grandes ambições na montanha – especialmente nos Alpes franceses onde os 16 clubes apresentaram os excelentes resultados da estação de esqui 2016. Mesmo se a neve chegou tarde, os clubes da França fecharam o inverno com uma taxa de ocupação de 90%, uma alta de 3% em relação a 2015. Os resultados foram muito espetaculares em alguns mercados, dentro dos quais a Bélgica (+30%), os Estados Unidos (+30%) e o Brasil que surpreendeu com mais de 45% de crescimento.

O Club de Valmorel

O Club de Valmorel

Com alto padrão, com todo o equipamento previsto e as aulas incluídas, oferecendo uma experiência única de férias sem nenhum constrangimento, os Club Med dos Alpes franceses estão seduzindo os turistas que já colocaram Peisy-Vallandry e Valmorel no Top 10 Trip Advisor dos melhores hotéis franceses para famílias. O sucesso desses clubes de inverno devem se prolongar nos próximos três anos com seis aberturas, uma na Itália, uma no Japão e uma na China. Querendo consolidar sua liderança nas férias de esqui na França, três clubes serão inaugurados em Samoens-Morillon (2017), em Les Arcs 1650 (2018) e num lugar a ser definido nos Alpes do Sul (2020), um investimento global de Euros 300 milhões.

Gilbert e Serge Trigano apresentando o CLUB MED ONE

Gilbert e Serge Trigano apresentando o CLUB MED ONE

Fundado em 1950 pelo pioneiro Gerard Blitz, virando a partir de 1954, com o gênio criativo e o entusiasmo do Gilbert Trigano, um símbolo de liberdade e de felicidade, o Club Med foi durante três décadas um desbravador de destinos e de lugares excepcionais. Trigano inventou novas formas de turismo, do resort esportivo até o mini club para crianças, do all inclusive até os colares de pérolas substituindo o dinheiro. A alegria descontraída comunicada aos “Gentils Membres” pelos “Gentils Organisateurs” virou um verdadeiro símbolo duma época de liberdade sem preocupações. Mas, o aumento dos custos de pessoal, as novas exigências dos viajantes em termo de serviços, a volta de férias mais focadas nas famílias levaram a uma longa crise a partir da segunda metade dos anos 70, levaram a muitas tentativas de diversificação – no turismo receptivo (Tourisme France International, em parceria com a Air France), nos cruzeiros (O navio Club Med One), nas residências hoteleiras (Maeva) ou até nos hotéis (em Neuilly, perto de Paris) -, tentativas nem sempre bem sucedidas.

Hoje, a estratégia do CEO da empresa, Henri Giscard d’Estaing, e dos novos acionistas chineses, é claramente focada em resorts de alto padrão para famílias, com serviços mais personalizados e total segurança. O esqui é assim um dos produtos privilegiados que o próprio Henri fez questão de apresentar num clipe de lançamento. Com a França sendo o primeiro destino do Club Med com 24 estabelecimentos, com os BRICS – especialmente a China e o Brasil – como mercados prioritários, os Alpes franceses devem continuar nos próximos anos a crescer como um dos destinos favoritos dos “Gentils Membres” brasileiros querendo aproveitar em família as delícias do inverno no hemisfério norte.

Jean-Philippe Pérol

Temporada de neve 2017!

 

Na COP21 e frente as mudanças climáticas, o turismo vilão, vítima ou solução?

A geleira "Mer de Glace" perto de Chamonix

A geleira “Mer de Glace” perto de Chamonix

Abrindo dia 30 de Novembro, a Conferência mundial sobre as mudanças climáticas virou logo um sucesso para o turismo parisiense. Enquanto Paris ainda atravessava, segundo as palavras do CEO da Accor, o vácuo dos pós-atentados, a chegada de 147 chefes de Estado e de 196 delegações encheu os hotéis e animou os profissionais.COP21 FOTO inauguração Com uma segurança reforçada, lojas, bares e restaurantes voltaram a oferecer aos moradores e aos visitantes esse arte de viver bem parisiense,  misturando prazeres, alegria e liberdade. Mas para o turismo, a COP21 não vai ser somente um evento único reunindo mas de 40.000 participantes e de 3.000 jornalistas, mas  o ponto de partida de numerosas decisões impactando uma industria que mexe com 1,1 bilhão de viajantes, 2.400 bilhões de USD de faturamento e 105 milhões de colaboradores em todos os países do planeta. E se o turismo aparece pouco na agenda das reuniões, ele vai com certeza ser muito presente seja como vilão, vitima ou solução para os cenários de mudanças climáticas que serão levantados.

A Torre Eiffel com Amor!Responsável hoje por 5% das emissões de Gases de Efeito Estufa, o turismo vai aumentar a  sua pressão sobre o aquecimento global. Com turistas provenientes de mercados mais distantes – especialmente os BRICS -, com novos consumidores das gerações X e Y extremamente pegados a viagens internacionais, o setor vai conhecer um crescimento anual de 4 a 5% e espera 1,5 bilhão de chegadas para 2030.  O seu  dinamismo econômico e social seduz os investidores e os responsáveis políticos em todos os países, todos querendo atrair novos turistas para criar empregos, gerar receitas internacionais, financiar infraestruturas e desenvolver equipamentos culturais. Muito denunciado como poluidor, o turismo produz porém duas vezes menos “GEE” que a média das industrias, e dois terços do seu impacto carbono provém do transporte aéreo. Nesse setor os esforços das construtoras, procurando materiais leves e pesquisando em motores híbridos, vão certamente melhorar ainda os resultados já atingidos (hoje 1% de economia por ano). As grandes companhias aéreas, inclusive a Air France, estão investindo em programas  para limitar as emissões nocivas. Nos outros setores do turismo, e especialmente na hotelaria, os esforços foram concentrados mais especificamente sobre os investimentos em torno da agua e da energia, bem como nas informações para mudar o comportamento do turista.

Piscina e acesso a praia dos bungalows

O turismo vai fazer muito mais, porque é hoje um dos setores mais consciente dos problemas gerados pelas mudanças climáticas, e um dos mais atingidos. É vitima a longo prazo, porque o futuro das estações de esqui pode ser ameaçado pela falta de neve, porque o excesso de calor pode prejudicar as regiões vinícolas, ou porque algumas paradisíacas ilhas do Pacifico podem perder as suas praias frente a subida dos oceanos. É vítima a curto prazo porque as perturbações climáticas – erupções vulcânicas, inundações, terremotos, tsunamis ou furacões – já mostraram nos últimos anos seus impactos devastadores, tanto para as populações locais quanto para os turistas e para toda a economia turística.

Vinhedos no Beaujolais

Devendo prever um fundo de investimento maciço de 100 bilhões de USD, principalmente em favor dos países do Sul, a COP21 pode oferecer ao turismo oportunidades de poder continuar o seu crescimento, melhorando a sua oferta para os consumidores e reduzindo os riscos aleatórios dos profissionais. Artesanato Waimiri AtroariAs novas tendências dos produtos turísticos – procura de destinos diferenciados, respeito as tradições e culturas dos moradores, à gastronomia e aos produtos locais, recusa de qualquer forma de poluição ou respeito pelas energias renováveis- encaixam-se perfeitamente com os objetivos desse fundo. Discreto mas muito presente, o turismo poderia assim  virar um dos grandes favorecidos da conferencia, vendo o reconhecimento dos seus esforços pela sustentabilidade e levando possibilidades de novos investimentos. Especialmente nos países do Sul -inclusive no Brasil-, esses poderiam beneficiar tanto os profissionais até então muito prejudicados com as mudanças climáticas, quanto os viajantes que querem continuar com os seus sonhos de descobertas e de intercâmbios nos quatro cantos do mundo. Então, obrigado Cop21?

Jean-Philippe Pérol

Paris visto do topo da Torre Montparnasse

Paris visto do topo da Torre Montparnasse

Um bilhão de sites, três bilhões de internautos, e um ranking mundial com surpresas para vir

i_love_internet_by_helelbenshachar-d3jeq7w

O site especializado internetlivestats anunciou que a Internet ultrapassou o primeiro bilhão de sites on-line competindo junto aos três bilhões de internautos (pessoas se conectando no web pelo menos uma vez por mês). Esses números não pararam de crescer – assim fizeram também os números de emails mandados cada dia.. Segundo a a eMarketer, o numero de utilizadores da Internet no mondo vai  ter em 2015 um crescimento de 6,2%, passando os três bilhões para chegar ao final do ano a 42,4% da população do planeta. Segundo as projeções feita pela empresa, esses números devem representar em 2018  3,6 bilhões de usuários e 50% da humanidade.

Brics-bandeiras

Mas esse crescimento vai vir junto com profundas mudanças no mapa e na importância dos mercados. Enquanto os países mais desenvolvidos já estão saturados e têm taxa de crescimento muito baixas, os BRICS vão liderar a expansão do numero de usuários. Com suas novas classes medias tendo cada vez mais smart fones e aproveitando novas redes de banda larga, os cinco grandes emergentes vão representar quase 400 milhões de novos consumidores na Internet.

A China já é o primeiro mercado mundial na Internet, com mais de 620 milhões de internautas em 2013, ela já deixou muito para trás os Estados Unidos que nem chegavam a 250 milhões. Alibaba_Corp._Taiwan_Grand_OpeningAs grandes agencias on line chineses como Ctrip ou Elong já estão chamando atenção dos maiores atores do turismo da Europa ou da América do Norte. E não demorará muito para ver os gigantes do web chineses – Alibaba, Tencent e Baidu – chegar nos principais mercados do turismo mundial.

Nos quatro próximos anos o crescimento dos países emergentes vai ser espetacular e atingir não somente os BRICS mas também novos gigantes.linkedin-indonesia-300x251 A índia, o México e a Indonésia vão ter os seus números de internautas crescer de dois dígitos por ano -, e cada ano será marcado por avanços desses novos mercados. Logo esse ano o Brasil vai passar o Japão como quarta mercado; em 2015 o México passará em oitavo lugar, passando a Alemanha; em 2016 a índia tomará o segundo lugar dos Estados Unidos e em 2017 a indonésia tirará o Japão do top cinco.

Pessimistas na França e nos grandes mercados desenvolvidos, os grandes atores do eTurismo têm motivos para esperar progressos espetaculares. O Brasil, com seus 346 milhões de internautas em 2018, fará com certeza parte desse novo mapa da mina.

Jean Philippe Pérol

Untitled

 

Esse artigo foi adaptado dum artigo original de Serge Fabre publicado no site da Pagtour

A França, de novo primeiro destino turístico mundial em 2013, verdade ou marmelada?

400058093_f0e0c89e06_z

Com 84,7 milhões de entradas de turistas internacionais, a França foi de novo, em 2013, o país mais visitado do mundo, à frente dos Estados Unidos (70 milhões) , da Espanha (61 milhões) e da China (51 milhões). Mesmo esperada, essa notícia, anunciada pelo próprio ministro da economia , mostrou o dinamismo do turismo francês que continua com a preferência dos viajantes do mundo inteiro. Com muitos mercados europeus  ainda em recuperação – com um crescimento médio de 1,2% -, esses resultados devem muito ao desempenho da  Alemanha (+6,4%) , da América do Norte (+5,8%) e mais ainda da China que cresceu de 23,4%. A Rússia e a Índia participam dessa euforia, o Brasil se consolidando numa nona posição mas sendo o único BRICS a não ter um crescimento de dois dígitos.

Entradas de turistas estrangeiros (em milhões)

graph1

O sucesso da França deve muito a Paris, que se consolidou frente a Londres como primeira cidade turística do mundo com 47 milhões de visitantes em relação a sua concorrente inglesa com 35, mas também as regiões de Nice e de Lyon que atraem cada vez mais turistas. O objetivo do ministro Laurent Fabius, 100 milhões de turistas dos quais 1,5 milhões de brasileiros, deveria assim ser atingindo em 2022.

Receitas do turismo internacional (em bilhões de dólares)

graph2

Mesmo positivos, esses números foram recebidos com muitas críticas de vários profissionais franceses. A principal é que a forca econômica do turismo deve ser medida pelas receitas e não pelo número de entradas. The Louvre, Paris, FranceNesse ranking os grandes vencedores são os Estados Unidos com mais de 200 bilhões de dólares, enquanto a França tenta encostar na Espanha  com 63 bilhões. A segunda crítica se refere a metodologia. Para a Organização Mundial do Turismo, qualquer viajantes que fica mais de uma noite é um turista. Mas os 84,7 milhões de turistas que entram a França não são todos interessados pelas belezas das suas paisagens  ou pela arte francesa de viver. 15 milhões estão somente em trânsito de uma ou duas noites, atravessando o território ou dormindo perto de um aeroporto no caminho de um outro destino final. Todos esses turistas também não se hospedem em hotéis ou resort, quase um terço escolhem hospedagens não comerciais.

Mas a metodologia é a mesma para todos, os passageiros com multi-destinos existem em todos os países, e a França é mesmo o primeiro destino turístico mundial. As críticas não são justificadas, – os números estão certos e não tem nenhum fundamento falar de “marmelada” na publicação dessas estatísticas, porém é importante  levá-las em consideração. A  satisfação dos resultados não deve esconder o trabalho a fazer para melhorar.IMG_2420 A França precisa mesmo aumentar suas receitas turísticas, incrementar a qualidade do seu atendimento, oferecer serviços ainda mais diversificados, continuar a renovar a sua oferta hoteleira e atrair turistas em mais regiões. A liderança é com certeza uma satisfação, mas também uma grande responsabilidade. E as estatísticas são necessárias tanto para medir as realizações tanto quanto para lembrar o percurso a seguir.

Jean Philippe Pérol

Turismo mundial: otimismo para 2014, olho na Espanha, na China e no Brasil…

2004003008

Segundo a Organização mundial do turismo, as chegadas de turistas quebraram um novo recorde em 2013 com 1087 milhões, 5%  a mais que em 2012.  Cliente OMTO secretário geral, Taleb Rifai,  lembrou que o que setor mostrou, numa conjuntura econômica difícil, que era capaz de adaptação e de dinamismo, criando milhões de empregos.  A Organização prevê para 2014 um crescimento 4 a 4,5%, maior do que as previsões anteriores de 3,8%. Sustentada  por 300 especialistas do setor, essa previsão destaca também que a Ásia deve ser a região com maior crescimento (5 a 6%), enquanto a Europa e as Américas devem ficar somente em 3 a 4%.

Essas estatísticas e as respectivas analises são detalhadas no site da OMT (http://media.unwto.org/fr/press-release/2014-01-20/le-tourisme-international-surpasse-les-attentes-avec-des-arrivees-en-hausse). Além de lembrar que a França guardou a liderança com 83 milhões de visitantes, devem ser talvez completadas com alguns  comentários  sobre a Espanha, a China e o Brasil.

O espetacular resultado da Europa, considerando a crise econômica que perdura, é em primeiro lugar o sucesso da Espanha que cresceu 5,6%, recebeu 60,6 milhões de turistas, e ficou em terceiro lugar, tirando a China do pódio da medalhas do receptivo mundial. Melhor ainda, suas receitas de turismo internacional chegaram a 45 bilhões de Euros, 9% acima de 2012. O Presidente do Conselho fez questão de anunciar que quase todas as comunidades tiveram recordes de chegadas, e que o turismo teve uma implicação chave na retomada da economia espanhola.

Nos mercados emissores, a China e a Rússia se destacaram com crescimento de mais de 25%. VUITTONCom 97 milhões de saídas e 102 bilhões de despesas no exterior, a China consolidou seu lugar de líder mundial. Os 100 milhões de turistas previstos para 2020 serão atingidos já esse ano e tem que pensar agora nos 200 milhões. É importante porem fazer duas observações:

– A primeira é que os números da OMT referente a China são um pouco distorcidos. Os 93 milhões não são na verdade saídas de turistas, mas saídas do território chinês, mesmo que por somente um dia (nos outros países não são considerados ‘turistas’, permanências abaixo de 24 horas). Mas importante ainda, viagens para Hong Kong, Macau e Taiwan são considerados internacionais e representam 71% das saídas de turistas chineses. O turismo internacional propriamente dito representa 30 milhões de saídas, um número ainda suficiente para ficar nos 10 grandes países receptores, mas muito mais modesto.

– O turismo internacional na China sendo muito recente (estagnou até 1998 em 5 milhões de saídas), se deve ter muita cautela quando se trata de projeções a longo prazo. Vimos na Europa ex-oriental uma explosão de viagens depois de 1989 que não perdurou. O primeiro lugar da China tanto no emissivo como no receptivo será em breve um fato consumado, mas o seu peso global ao longo prazo no turismo mundial , especialmente para os países mais distantes na Europa ou nas Américas, é ainda difícil de prever.

CAFE_ParisO comunicado da OMT fala pouco do Brasil além de um curto lembrete na última frase. É citada uma alta significativa nas despesas de turismo em sete países emergentes, o sétimo sendo justamente o Brasil com 14%. Projetando para 2014, podemos deduzir que as previsões são de um crescimento ainda forte do nosso turismo exportativo (mesmo se abaixo dos outros BRICS) , e de um pequeno aumento (2 a 3%) do turismo receptivo, o impacto da Copa devendo ser mais visível nos próximos anos. Vamos torcer!

Jean-Philippe Pérol

Turismo francês: pesquisa on-line ajuda a definir novos desafios.

20082691

Quando o próprio Presidente da Republica declara, na frente de todos os seus embaixadores, que o turismo virou uma grande prioridade nacional, esse setor pega logo um novo impulse. Foi isso que aconteceu na França. Depois dessa declaração oficial de François Hollande, todos os profissionais ficaram convencidos que, mesmo com uma liderança mundial aprovada por 83 milhões de visitantes, tinha que se preparar para o futuro. Para preservar esse primeiro lugar, precisava melhorar ainda mais a oferta turística,  e atender as novas expectativas dos turistas, vindo tanto dos mercados tradicionais que dos BRICS .

logo-assises-371x269Para traduzir esse voto em ações concretas, foi programada pela Ministra Sylvia Pinel uma convenção national do turismo. Marcada para o próximo mês de Abril, essas ‘Assises nationales du tourisme’ reunirão todos os atores públicos e privados para finalizar e anunciar um projeto claro e ambicioso. Dentro dos objetivos destacam se a emergência de novos destinos, uma nova estratégia para eventos e encontros de negocios, e a melhoria do atendimento.

Na preparação desse evento, são previstos encontros e consultas com empresários, sindicatos, profissionais do ramo, jornalistas ou políticos. Brasileiros bandeira em ParisMas a novidade interessante é a vontade da ministra de consultar também os próprios turistas. Quem já viajou para França e gostou, quem viajou e não gostou, quem gostaria de viajar ou quem não quer, quem é agente de viagem ou quem é turista, francês ou estrangeiro, todos são convidados a dar suas impressões, sugestões ou palpites.

 

Para responder e participar,  só precisa  clicar no  http://br.rendezvousenfrance.com/inquerito/enquete-sobre-o-turismo  e tomar alguns minutas do seu tempo. Assim os participantes poderão dar informações importantes para os franceses conhecer melhor e atender  com mais atenção ainda os turistas brasileiros. GarçonDa resposta de cada um dependem talvez ideias ou  melhorias para a França continuar a se aprimorar, investindo o que for necessário para dar a seus visitantes o serviço atencioso, atual e acessível que  merecem no pais líder do turismo mundial. Merci!

Jean-Philippe Pérol