Os pedestres, novos reis dos destinos turísticos?

A Rue Cremieux, rua de pedestres em Paris

Quando fundou, em parceria com a Air France uma agencia de receptivo onde queria mostrar sua reconhecida criatividade, Gilbert Trigano fez questão de colocar os passeios guiados a pé como alguns dos produtos bandeira da nova empresa. Era o ano de 1976, e mais uma vez, ele foi pioneiro a se lançar numa aventura que a Tourisme France International continuou durante quase trinta anos. Mesmo na época dos ônibus de turismo ou dos carros de aluguel, o  inventor do Club Med já tinha percebido que os passeios a pé eram para o visitante a melhor forma de explorar um destino, de assimilar o seu ambiente, de sentir os seus cheiros, de vibrar aos sons da sua música, de mergulhar na sua cultura e de se comunicar com os seus moradores. Quarenta anos depois, reforçada pelas exigências ambientais e a procura de exercícios físicos, a ideia seduziu muitos grandes destinos que estou desenvolvendo a sua “caminhabilidade”.

A rua Saint Paul no centro histórico de Montreal

Cada vez mais preocupadas pela sua sustentabilidade, muitas cidades estão relembrando que andar a pé é o jeito mais simples de se locomover, tanto para os moradores que para os turistas. Elas desenvolvem a sua “caminhabilidade” – termo traduzido do inglês walkability, a capacidade para um destino de facilitar  a locomoção dos pedestres. Para o trabalho, os estudos ou os lazer, andar a pé necessita segurança, distancias curtas, serviços e meio ambiente agradáveis.  O site Walk Score classifica as cidades americanas, canadenses a australianas em função dessa “walkability” (tendo também outros ranking sobre a qualidade do transito urbano e as facilidades para os ciclistas). Cada cidade recebe uma nota em função das infraestruturas ajudando os pedestres a caminhar, bem como da proximidade dos serviços e das lojas, sejam padarias, supermercados, farmácias, bancos, restaurantes, shopping e parques.

Mais de 500 cidades já assinaram a carta Walk21

Sendo 100 a nota máxima, as cidades com índice superior a 90 são consideradas os paraísos dos pedestres, aquelas com índices de 70 a 89 muito boas para caminhar. Com menos de 50, uma cidade privilegia o papel dos carros e dos transportes coletivos. Nessa classificação, Montreal conseguiu em julho desse ano chegar a 70 pontos, fruto de um longo trabalho que começou em 2006, com a Declaração dos direitos do Pedestre  (Charte du piéton). Depois de dez anos, a prefeitura lançou um  Programa de implantação de ruas para pedestres ou para usos mistos para ajudar os distritos da cidade nos seus projetos  de infraestruturas viárias, de arquitetura urbana, de arborização, de parques ou até de animações artísticas ou musicais. 45 ruas já foram assim entregas para pedestres, representando quase sete quilômetros de caminhadas (e de alegrias) para os moradores e os visitantes.

Nova Iorque amplia as áreas reservadas aos pedestres

Nos Estados Unidos, o ranking de Walkscore coloca Nova Iorque em primeiro lugar com 89,2 pontos, na frente de San Francisco (86) e de Boston (80,9). A Big Apple começou a sua transformação urbana em 2007 com a ampliação da área pedestre de Times Square. Durante o verão 2009, Broadway foi fechada para o transito, e foram construídas áreas exclusivas temporárias ou permanentes. Foi também em 2009 que foi aberto o primeiro trecho da Highline, esse viaduto abandonado pelos trens que virou uma das mais concorrida caminhada dos nova-iorquinos e dos visitantes. Outras áreas de pedestres foram instaladas na cidade, por exemplo na 23, nos arredores do edifício Flatiron, onde a Prefeitura instalou verdadeiras praças para pedestres com mesas, cadeiras e guarda-sóis. 

Os Champs Elysées só para pedestres

Em Paris, a prefeita anunciou em 2017 o projeto “Paris piétons”, uma série de medidas incluindo a assinatura da Carta Internacional Walk21. Vários projetos foram lançados: travessias do anel rodoviário, trilhas verdes aproveitando as grandes avenidas, uma grande área exclusiva para pedestres no bairro do Marais. Algumas áreas serão fechadas ao transito durante os finais de semana, outras durante alguns feriados excepcionais, incluindo os próprios Champs Elysées, ampliando experiências anteriores. Painéis com mapas especificos e sugestões de roteiros para caminhadas turísticas ajudarão visitantes e moradores a descobrir a cidade luz de forma diferente, aquela mesma que o Trigano tinha imaginado há mais de 40 anos.
.
.
.
.

Esse artigo foi adaptado de um artigo original de Chantal Neault na revista profissional on-line Reseau de veille en tourisme, Chaire de tourisme Transat 

O Club Med inventando agências em apartamentos butique

Club Med compte déployer une dizaine d’appartements-boutiques en France d’ici 2021 - Appartement boutique des Champs-Elysées - Photo Shérif Scouri Club Med

Apartamento butique do Club Med nos Champs-Elysées

Atender os seus clientes num apartamento butique espaçoso e bem localizado é uma das novas ideias do Club Med para mostrar a consideração que os “gentis organizadores” estão agora dando para seus “gentis membros”.   Com o espírito de inovação que sempre foi a marca registrada desde seu carismático  líder Gilbert Trigano,  o Club quer reinventar não somente as viagens do futuro mas também a relação com os seus clientes, começando pelas suas agencias onde são realizadas 25% das vendas. Depois do sucesso do primeiro apartamento butique nos Champs Elysées, aberto em outubro 2015, foi decidido de ampliar a experiência e de abrir uns dez desses pontos de vendas do futuro até 2021.

No térreo do novo apartamento butique, a Grande Epicerie

Localizado no sofisticado “Seizième” de Paris, em cima da nova sucursal da procuradíssima La Grande Épicerie, o segundo apartamento butique do Club Med foi aberto no último mês de Abril e oferece um espaço de 300 metros quadrados consagrado a criação e a personalização da viagem de amanha. Uma decoração requintada, incluindo até uma obra do famoso escultor César, cria um ambiente de luxo sempre ligado com a historia da marca e dos seus resorts, onde o cliente se sente considerado e pode “viajar antes de começar sua viagem” em cada um dos momentos que ele passa nessa agencia muito pouco convencional.

O novo apartamento butique na Avenida Paul Doumer

Para ajudar os visitantes a criar suas próprias viagens, vários espaços foram agenciados. A sala de estar inspira encontros e descobertas para uns momentos descontraídos com bebidas quentes, refrigerantes e doces a vontade. Na cozinha aberta são oferecidas degustações de produtos dos resorts, por exemplo o azeite  “Opio en Provence” vindo do campos de oliveiras do próprio Club, ou organizadas eventos  gastronômicos ou enológicos. Um sala de reuniões é dedicada a reuniões com parceiros, incluindo conferencias em “petit comité” para apresentar destinos. E para mostrar que o tempo não é contado, uma biblioteca  é também a disposição dos clientes.

Um dos sete pontos de atendimento do apartamento butique

No espaço principal, os especialistas da agencia ajudam os visitantes a personalizar os seus projetos e a reservar suas viagens. Os resorts podem ser visitados em realidade virtual com os capacetes Samsung Gear VR. Se todos os Clubs são acessíveis, a clientela mais sofisticada, que continua procurando um atendimento em agencias, deve privilegiar os “5 Tridents” ou os “Espace 5 Tridents”. O apartamento butique vai também valorizar as próximas inaugurações de resorts que vão responder as mais exigentes expectativas: assim o  Cefalù da Sicília em junho, o Arcs Panorama em dezembro, ou os espaços renovados de La Reserve no Rio das Pedras, de Turks & Caicos no Caribe ou de La Pointe aux Canonniers em Maurício. 

Visita 360 do apartamento butique

Se esse segundo apartamento butique confirmar o sucesso do primeiro, o Club Med planeja abrir mais dez nas principais cidades da França até 2021, substituindo ou não as agencias próprias tradicionais. Não tem data marcada para adaptar esse novo conceito de atendimento ao cliente no Brasil. Mas, nesse grupo que sempre foi líder em inovação e pioneirismo, o diretor geral do Club no Brasil, Janyck Daudet, deixou claro que os apartamentos butique, sua extreme atenção a experiência do viajante antes e durante sua decisão de viajar, e seu foco na clientela sofisticada, pode muito em breve substituir ou completar os tradicionais pontos de vendas do grupo.

O Club Med campeão do turismo nas montanhas francesas

O Club de Val Thorens, o novo xodó dos esquiadores brasileiros

Se o Club Med é conhecido em primeiro lugar pelos seus resorts de praia – no Brasil em Itaparica, Rio das Pedras e Trancoso -, ou de campo – em breve em Mogi das Cruzes-, ele é também no mundo um líder em turismo de neve. Acabou de anunciar grandes ambições na montanha – especialmente nos Alpes franceses onde os 16 clubes apresentaram os excelentes resultados da estação de esqui 2016. Mesmo se a neve chegou tarde, os clubes da França fecharam o inverno com uma taxa de ocupação de 90%, uma alta de 3% em relação a 2015. Os resultados foram muito espetaculares em alguns mercados, dentro dos quais a Bélgica (+30%), os Estados Unidos (+30%) e o Brasil que surpreendeu com mais de 45% de crescimento.

O Club de Valmorel

O Club de Valmorel

Com alto padrão, com todo o equipamento previsto e as aulas incluídas, oferecendo uma experiência única de férias sem nenhum constrangimento, os Club Med dos Alpes franceses estão seduzindo os turistas que já colocaram Peisy-Vallandry e Valmorel no Top 10 Trip Advisor dos melhores hotéis franceses para famílias. O sucesso desses clubes de inverno devem se prolongar nos próximos três anos com seis aberturas, uma na Itália, uma no Japão e uma na China. Querendo consolidar sua liderança nas férias de esqui na França, três clubes serão inaugurados em Samoens-Morillon (2017), em Les Arcs 1650 (2018) e num lugar a ser definido nos Alpes do Sul (2020), um investimento global de Euros 300 milhões.

Gilbert e Serge Trigano apresentando o CLUB MED ONE

Gilbert e Serge Trigano apresentando o CLUB MED ONE

Fundado em 1950 pelo pioneiro Gerard Blitz, virando a partir de 1954, com o gênio criativo e o entusiasmo do Gilbert Trigano, um símbolo de liberdade e de felicidade, o Club Med foi durante três décadas um desbravador de destinos e de lugares excepcionais. Trigano inventou novas formas de turismo, do resort esportivo até o mini club para crianças, do all inclusive até os colares de pérolas substituindo o dinheiro. A alegria descontraída comunicada aos “Gentils Membres” pelos “Gentils Organisateurs” virou um verdadeiro símbolo duma época de liberdade sem preocupações. Mas, o aumento dos custos de pessoal, as novas exigências dos viajantes em termo de serviços, a volta de férias mais focadas nas famílias levaram a uma longa crise a partir da segunda metade dos anos 70, levaram a muitas tentativas de diversificação – no turismo receptivo (Tourisme France International, em parceria com a Air France), nos cruzeiros (O navio Club Med One), nas residências hoteleiras (Maeva) ou até nos hotéis (em Neuilly, perto de Paris) -, tentativas nem sempre bem sucedidas.

Hoje, a estratégia do CEO da empresa, Henri Giscard d’Estaing, e dos novos acionistas chineses, é claramente focada em resorts de alto padrão para famílias, com serviços mais personalizados e total segurança. O esqui é assim um dos produtos privilegiados que o próprio Henri fez questão de apresentar num clipe de lançamento. Com a França sendo o primeiro destino do Club Med com 24 estabelecimentos, com os BRICS – especialmente a China e o Brasil – como mercados prioritários, os Alpes franceses devem continuar nos próximos anos a crescer como um dos destinos favoritos dos “Gentils Membres” brasileiros querendo aproveitar em família as delícias do inverno no hemisfério norte.

Jean-Philippe Pérol

Temporada de neve 2017!

 

Turismo e liberdade

 

PARIS EST CHARLIE

Não é talvez por acaso que a o turismo moderno só nasceu quando triunfava, na Europa e nas Américas, as novas ideias de progresso e de liberdade.Cook's Timetable cover - Dec 1888 Foi em julho 1841, depois das revoluções americana e francesa, depois da independência das ex-colonias espanhois e do Brasil, depois dos movimentos de 1830 e antes da “primavera dos povos” de 1848, que o Thomas Cook comercializou a primeira viagem organizada entre Leicester e Loughborough . A liberdade nunca deixou de marcar a historia do turismo. Depois da primeira guerra, em 1919, quando os primeiros escritórios de turismo no exterior abriram para acompanhar o inicio dos grandes fluxos de viajantes internacionais. TRIGANODepois da segunda guerra, quando o Trigano fez do Clube “a mais bela ideia desde a invenção da felicidade”. Nos anos dourados das “30 gloriosas”, quando empreendedores do turismo fundaram as grandes operadoras que ajudaram milhões de pessoas a descobrir essa maravilhosa liberdade: viajar.

Assim que foi lembrado pela Organização mundial do turismo na sua Carta Magna, o turismo só existe com liberdade. TopSul Notícias - www.topsulnoticias.com.br - liberdade 4Para o viajante, tem que ter liberdade de sair, de passear, de cruzar as fronteiras. Ele precisa também ter liberdade de ir e vir no destino escolhido, falar ou fazer amizade com os outros turistas ou os moradores encontrados, ter acesso, quando querer, as informações ou meios de comunicações que precisa . E para os países receptores, o turismo responsável vira do mesmo jeito um extraordinário acelerador de progresso e de liberdade.

10361306_10205617442903323_7228106962450380119_n

Fanáticos não aceitam essas liberdades, deixando rastros de sangue que fizeram essa vez dezessete vitimas na França, tentando calar a imprensa e semear o ódio entre franceses de crenças diferentes. O imenso desfile de hoje , com mais de um milhão de participantes em Paris, Lyon, Bordeaux e Marselha, seguindo as marchas de ontem em milhares de cidades e de vilarejos, mostrou o quanto fracassaram. A França não vai renunciar a nenhuma das suas liberdades, nem para seus cidadãos, nem para seus moradores, nem para os seus visitantes.

Marche-republicaine

Os franceses estão ficando imensamente gratos pelas manifestações de solidariedade que chegaram do mundo inteiro, e, claro, especialmente do Brasil onde já recebemos no turismo francês mais de 400 mensagens de apoio de profissionais, de jornalistas ou de simples cidadãos.Génie_de_la_Liberté_973 A todos eles, queremos não somente transmitir nossos agradecimentos, mas também uma mensagem carregada por cada um dos participantes aos desfiles desse domingo. Com medidas de segurança reforçadas mas sem renunciar a esse clima de liberdade tão elogiado pelos nossos visitantes,  queremos continuar a dividir com eles esse jeito de viver. Bem vindo na Franca, et vive la Liberté!

Jean-Philippe Pérol

Os gigantes do Norte dominam tambem a Europa do turismo!

tui-travel

Os latinos não se dão bem no ranking anual das grandes operadoras europeias publicado pelo magazine alemão FVW.THOMASCOOK_KaribikLateina000001 Dos dez primeiros gigantes, só dois aparecem no meio das grandes alemãs, suíças e inglesas. No pódio, a medalha de ouro é inglesa. Com um faturamento de €18,3 billion, a TUI fica disparada, na frente do seu velho concorrente Thomas Cook que só chegou a €11,3 billion o ano retrasado (Muitos resultados de 2013 não sendo ainda publicados, FVW utilizou muitos números de 2012 para o seu ranking). Juntos, os dois rivais representam mais de 50% do mercado das viagens de lazer na Inglaterra, Escandinávia, Holanda e Bélgica, e mais de 30% na Alemanha.
O suíço Kuoni é a terceira maior operadora europeia, com um faturamento de quase €4,8 billion, mas teve uma importante restruturação em 2013, vendendo sucursais no Benelux, na França, na Espanha e na Rússia para se concentrar no receptivo e nos mercados asiáticos.
O quarto lugar é alemão, da DER Touristik. Faturou €4,65 billion, cresceu pouco internamente, mas adquiriu a operadora tcheca Exim Holding que era muito forte na Europa central.

Outrora italiano, a anglo-americana Costa teve um faturamento de €3,5 billion. Foi um forte crescimento, empurrado pelo sucesso dos cruzeiros vendidos no mercado alemão pela sua filial Aida Cruises. São também alemãs as operadoras colocadas em sexta e sétima posições do ranking, FTI e Alltours, que faturaram respectivamente €1,8 e €1,6 billion.

Em oitava posição, com €1,4 billion, aparece finalmente o francês Club Med, esse tão latino que os burocratas da Uniao Europeia chamam com desprezo os países do Sul da Europa  ‘os países do Club Med’. Saindo duma grande restruturação, agora com um importante investidor chinês, o grupo fundado pelo lendário Gilbert Trigano esta hoje focando resorts de luxo em lugares excepcionais. Depois do sucesso do Clube de Guilin na China, um desses será o futuro quarto investimento do Club Med no Brasil, entre Búzios e Cabo Frio, na praia do Peró.Club Med - Imagem

Fechando esse ranking dos dez maiores vem o italiano  Alpitour, com faturamento de €1 billion, e o suiço Hotelplan (€975 million) que estão lutando para melhorar os seus resultados.

Esse resultados se refiram a mercados longe da realidade brasileira, com consumidores diferentes, e profissionais agindo num cenário econômico e jurídico tambem completamente diferente. Assim mesmo, duas observações me parecem validas. A primeira é que os mercados latinos, com seus viajantes independentes e sempre a espera de oportunidades, são mais relutantes ao surgimento e a consolidação de grandes operadoras, sendo hoje o Club Med a única bem sucedida. A segunda observaçao é que temos no Brasil uma exceção a regra, o impressionante sucesso da CVC que seria hoje, se esse ranking fosse não so da Europa mas  também das Américas, em sexto lugar pelo faturamento (e provavelmente em terceiro pelo numero de turistas). Considerando as perspectivas de crescimento dos dois continentes, um lugar no pódio desse ranking virtual para o grupo liderado pelo Guilherme Paulus é uma probabilidade a curto prazo.

cvc-viagens-lista-de-presente-casamento2

Jean-Philippe Pérol

Artigo original em inglês: http://www.fvw.com/european-tour-operators-ranking-tui-cook-dominate-european-tourism-market/393/126948/11245