Em Gramado, um grande encontro do turismo brasileiro

Gramado na véspera do Natal, em tempo de Festuris

Gramado na véspera do Natal, em tempo de Festuris

É difícil voltar da Festuris de Gramado sem ter sido seduzido não somente pelo charme dessa estância turística onde a arquitetura, o atendimento, as infraestruturas e as animações lembram as montanhas dos Alpes europeus, mas também pela importância crescente dessa feira nos roteiros dos profissionais do turismo brasileiro.

No La Hacienda, o requinte de um pique nique a taitiana

No La Hacienda, o requinte de um piquenique a taitiana

Desde que a tão querida Feira da ABAV  parou de andar pelos Brasis para se fixar primeiro no Rio de Janeiro e depois em São Paulo, nenhum dos grandes encontros do turismo brasileiro conseguiu se firmar como a indiscutível cúpula dos profissionais do ramo, seja pela representatividade dos expositores presentes ou, mais ainda, pelo números de visitantes – agentes de viagens ou operadores. atout-france-wtm-2016-by-arnaldo-cellani-junior-2016_03_29-18_43_27-0723 A própria Feira das Américas ganhou um novo impulso esse ano, mostrando uma capacidade de se renovar com uma melhor integração dos parceiros da BRAZTOA e uma valorização das formações propostas na Vila do Saber. Seu concorrente direto, o WTM conseguiu nas suas ultimas edições, com a forca da Reed International,  trazer novos expositores e mostrar sua experiência em organização de grandes encontros. Mas nenhum dos dois ainda atraiu o volume de visitantes necessário a um indiscutível  sucesso.

O espaço luxo, uma novidade da Feira

O espaço luxo, uma novidade da Festuris

Mesmo se sentindo falta do charme e do carisma da sua fundadora Carolina Peres, a Travelweek continua sendo uma excelente opção de encontro profissional, juntando duas características muito procuradas tanto pelos expositores que pelos compradores: um evento especializado para umas clientelas e uns produtos bem definidos, e um numero garantido de encontros “face to face”. img_7762Um custo extremamente elevado – o contato útil acaba saindo por mais de 200 Usd- , e uma acertada vontade de focar exclusivamente o segmento luxo, impedem esse conceituado evento de atrair todos os lideres de opinião do trade. E se alguns destinos conseguiram nos últimos anos usar a Travelweek para se projetar – foram os casos da África do Sul, da Franca, da Espanha, do Portugal ou da Suíça -, o próprio conceito continua sendo dos hoteleiros de luxo vendendo através das agencias especializadas, deixando pouco espaço formal ou informal para os outros profissionais.

img_1094

O estante da Air France e dos parceiros Skyteam

Cada vez mais procurada, guardando seu lado exclusivo que combina tão bem com a aconchegante cidade de Gramado, a Festuris conseguiu esse ano atrair  400 expositores, inclusive 16 destinos internacionais, e 8000 compradores vindo principalmente dos três estados do sul do Brasil, mas também de São Paulo e de vários países da América do Sul, argentinos, uruguaios, chilenos ou peruanos. img_1084Com um alto índice de satisfação dos participantes, a Festuris tem vários trunfos para se firmar como uma das feiras favoritas dos profissionais do setor: uma qualidade (e quantidade) de visitantes querendo mesmo fazer negócios (fala-se de mais de R$ 250 milhões de contratos fechados), uma programação equilibrada entre as palestras, os seminários, os estantes e os agendamentos, umas experiências inovadoras como o espaço luxo, um custo extremamente razoável, e enfim as numerosas opções de networking.

O Relais Châteaux Saint Andrews, um dos pontos de encontros da Festuris

O Relais Châteaux Saint Andrews, um dos pontos de encontros da Festuris

Desde as solenidades  da festa de abertura até os almoços, coquetéis ou jantares organizados pelos expositores, desde o concorridissimo jantar no Saint Andrews até as discussões mais informais nos corredores da feira, a descontraída organização da Festuris cria o perfeito clima para atualizar seus contatos e perceber as evoluções do trade. Enquanto o futuro dos grandes salões de turismo ainda é um debate acirrado entre os profissionais brasileiros, e que crescem os workshops especializados, a  Feira de Gramado deve atrair cada vez mais as  principais lideranças do setor, podendo assim ainda crescer como  um grande encontro do turismo no Brasil.

Jean-Philippe Pérol

Esse artigo foi inicialmente publicado no Blog “Points de vue” do autor na revista profissional on line Mercados e Eventos

A Feira da ABAV, liderando os eventos do setor

A Feira da ABAV, liderando os eventos do setor

 

Turismo atingido preocupa economia, cultura e liberdade!

Abaixo da Pirámida do Louvre

A desvalorização do real, a falta de perspectivas econômicas e as incertezas políticas levaram as viagens internacionais dos brasileiros a uma seria queda em 2015. Se os números finais ainda não são completamente conhecidos, já parece claro que todos os principais destinos – Argentina, Estados Unidos, França, Portugal ou Caribe – enfrentaram redução de 5 a 10% das chegadas de turistas brasileiros. Mars 2015 , um avião quase vazio para MiamiA queda já comprovada dos gastos dos brasileiros no exterior chegou a  31%, de 24 bilhões de dólares em 2014 para 16 bilhões em 2015. Os viajantes se adaptaram com a nova realidade do Real frente ao Euro e (mais ainda) ao Dólar. Os destinos de shopping – e as despesas de compras- caíram, os hotéis mais econômicos e a AirBnb foram destaques de vendas, e a procura pelas promoções de ultima hora das companhias aéreas mudou os hábitos de reserva.

Destinos de compras sofrem com a crise

Com menos viajantes gastando menos, mesmo se adaptando com mais criatividade e mais esforços de produtividade, as operadoras e as agencias de viagem estão enfrentando um cenário de crise, e varias empresas conceituadas já tiveram que demitir funcionários ou até fechar as portas.  Enfraquecidas pela conjuntura, elas estão agora ameaçadas de receber um novo golpe com  mudanças de tributação. Edmar BullDramaticamente denunciada por todos os profissionais, a não reversão da incidência de 25% para 6,38% dos  tributos sobre remessas para o exterior pode levar a um encarecimento violento e uma queda mais brutal ainda das viagens internacionais. Numa carta endereçada a Presidente Dilma, as entidades do setor, lideradas pela Abav e a Braztoa,  lembraram os riscos econômicos que o imposto de 33% traria para as empresas de turismo, podendo levar a perda de  600 mil empregos diretos e indiretos, a R$ 20 bilhões de impacto negativo na economia brasileira, e ao enfraquecimento de um setor que movimentou em 2014, segundo dados da WTTC, 9,6% do PIB nacional.

Dilma e o turismo

Mas o apelo para que não se desse um novo golpe ao turismo brasileiro não deve se limitar a seu impacto econômico. Viajar para o exterior é hoje uma aspiração profunda a qual ninguém está pronto a renunciar, especialmente esses novos viajantes que, nos últimos dez anos,  colocaram o Brasil nas grandes potências do turismo mundial. Para 66 % dos viajantes(*), viagem é cultura, seja vendo monumentos, visitando museus, assistindo a espetáculos, encontrando gente diferente, descobrindo outras gastronomias e outras maneiras de viver, e mais ainda encontrando gente com visões diferentes do mundo. Turismo é cultura! Bloquear as viagens internacionais é também negar esse direito que tantos brasileiros adquiriram há pouco tempo.  Mais ainda, viajar é não somente um direito, mas também uma liberdade fundamental que não pode ser restrita numa democracia. Impedir os seus cidadãos de ir e vir pelo mundo colocando obstáculos – fossem eles financeiros ou tributarios-  não seria um bom sinal nem para os brasileiros nem para o mundo. O turismo internacional deve sem duvidas trazer sua participação a retomada econômica do Brasil, gerando empregos e riquezas. Será porem, com certeza, recebendo muito mais visitantes vindos do mundo inteiro, trabalhando o acervo conquistado na Copa e nos Jogos Olímpicos,  e não tentando impedir as classes emergentes brasileiras de ter acesso a essas maravilhosas experiências de cultura e de liberdade que o turismo pode trazer a cada viajante.

Jean-Philippe Pérol

A estatua da Liberdade e a Torre Eiffel

 (*) Fonte: Pesquisa Atout France e Swiss tourism sobre o turismo exterior da classe media brasileira (2014)

38 visitas de sites por reserva de viagem, a complicada abundância de informações!

A Geode da Cité des Sciences em Paris

A “Geode” e a fonte da Cité des Sciences em Paris

Qual é que seja a sua escolha final para fazer a sua reserva, o viajante passa muito tempo na Internet visitando sites para obter as melhores informações, planificar o seu roteiro, e achar o melhor preço. Segundo uma pesquisa recentemente apresentada pela Wendy Olson Killion, da Expedia Media Solutions, são 38 websites de viagem visitados nos 45 dias anteriores a reserva final. Geração Milenio São sites de metamotores de pesquisa, de destinos, de OTAs, de operadoras, de agencias receptivos ou de fornecedores locais.  As pesquisas chegam ao pico na última semana, quando o tempo passado na tela chega a dobrar. A abundância de informações deixe o consumidor com a impressão de um processo complexo, onde até os viajantes mais familiarizados com o Web – os “Millenium” nascidos entre 1980 e 2000 – se sentem perdidos e precisam ser orientados.

Para ajudar na criação de  conteúdos ricos, de vídeos de qualidade e de  imagens em alta definição, Expedia está trabalhando com vários destinos, ajudando-os a produzir material originais para diferenciar e consolidar  suas marcas. DinamarquaIsso inclui um showcase com um vídeo das Bermudas que contribui a mudar a imagem dessas ilhas até agora caracterizadas como um destino de turistas de terceira idade. Uma outra campanha exemplar foi montada com o turismo dinamarquês, construindo um itinerário de bicicleta numa Copenhague animada, rica em gastronomia, design, historia e vida noturna. Assim como Expedia, a Google Travel também acredita na força dos conteúdos, insistindo no potencial pouco explorado da Youtube que ainda oferece poucos vídeos ajudando os internautas a concretizar seus desejos de viagens.

Capture d’écran 2015-12-04 à 23.05.15

O excesso de informações e a concorrência entre os sites de viagem, e a necessidade dos viajantes de ser orientados, viraram um forte argumento para os agentes de viagens tradicionais, especialmente aqueles que se especializaram em nichos de mercado, seja as viagens de aventura, o turismo enológico, as luas-de-mel ou cruzeiros fluviais.google-flight-search Quase todos os websites querem levar os internautas até a reserva, incluindo a Google que já lançou até um aplicativo para aproveitar ofertas de vôos e de hotéis.  Para M. Beckmann, seu Diretor de Marketing, a escolha de uma viagem é um processo longo que vai além da procura de um avião e de um hotel, uma caminhada chamada por ele de “travel snacking”, durante a qual o consumidor vai beliscando informações e ideias para o seu roteiro, até a decisão de comprar. Encontras a Francesa 2015 (Foto Panrotas)Mas depois de passar por 38 sites, frente a oferta pletórica que Expedia, Trip Advisor, Google ou os grandes websites de viagem estão apresentando, a necessidade de conselhos, de assistência durante o processo de reserva, e mais ainda  de serviço durante a própria estadia, são cada vez os fatores de diferenciação necessários para convencer os clientes. Essa tendência, jà confirmada nos Estados Unidos, vai virar uma verdadeira oportunidade para os agentes brasileiros!

 

Jean-Philippe Pérol

Esse artigo foi traduzido é adaptado de um artigo original de Serge Abel-Normandin da Pagtour.

Agente ABAV

 

 

As agencias receptivas nas revoluções do trade turistico!

Agencia receptivo da Wagons-lits no Rio em 1935

A primeira agencia da Wagons lits no Brasil, foto de Abril 1936

Iniciada no mundo literário francês do século XIX, a briga dos antigos e dos modernos divide ainda hoje o mundo das profissões do turismo. Enfrentam-se, com garra e argumentos, pro ou contra o comissionamento das passagens, pro ou contra as vendas diretas das operadoras, pro ou contra as agencias on-line,ECTAA-Lufthansa ou, mais recentemente, pro ou contra a decisão do grupo Lufthansa de cobrar as reservas feitas através dos GDS concorrentes. Cada evolução, seja feliz ou dramática, vira uma batalha verbal (e, as vezes, jurídica) entre aqueles que querem aproveitar as mudanças e aqueles que acham possível atrasar ou até bloquear a chegada das novas regras ou das novas tecnologias validadas – ou não- pelo mundo lá fora.

Se no Brasil o trade já passou por mudanças importantes, e recentemente drásticas, muitas ainda estão acontecendo e o debate sobre as comissões (não) pagas pelas companhias aéreas continua agitando operadoras e associados da ABAV.abav Ao nível internacional, uma nova onda de intermediação esta provocando turbulências que poderiam essa vez perturbar as operadoras. Esses novos atores,  aproximando viajantes experientes e agencias receptivas locais, conhecerem nos últimos anos um forte crescimento em torno de três conceitos simples: colocar diretamente em contato os viajantes (ou as agencias emissoras) com receptivos do mundo inteiro, oferecer serviços extremamente personalizados, deixar ao cliente uma liberdade total referente ao transporte aéreo.

Capture d’écran 2015-08-30 à 11.42.23

Chamados de “Feiras livres de receptivos”, esses intermediários têm várias maneiras de trabalhar. Os pioneiros, Evaneos ou Le Voyage Autrement , possuem registros de operadoras, porém não faturam o cliente e cobram uma comissão sobre as vendas diretas das agencias receptivas presentes nas suas plataformas. O sucesso do modelo levou grandes operadoras a criar sites especializados . voyageur-du-mondeNa França por exemplo, “TraceDirecte” pertence ao grupo Voyageurs du Monde,  e Visages Découvertes foi fundada pela rede de agencias receptivas  Réceptifs Leaders. Essas empresas escolheram uma forma clássica de remuneração, cobrando entre 5 e 17% de comissão e faturando diretamente o viajante. Com a mesma vontade de valorizar as agencias receptivas, mas sem querer acessar ao cliente final,  Doyourtravel  inventou ainda uma outra proposta, tornando-se uma plataforma com ferramentas sofisticadas para as agencias de viagens poder montar e faturar roteiros atraentes. Nesse modelo tanto as agencias receptivas que as emissoras devem comprar uma assinatura para o sistema ao qual os consumidores não têm acesso.

TraceDirecte

Oferecendo viagens de 10 à 25% mais baratos que nos revendedores tradicionais, esses novos atores do turismo atraem clientes não acostumados a agencias de viagem ou operadoras. São ex-backpackers, hoje casados ou com crianças, que querem programar roteiros diferentes e personalizados, mas com segurança e organização. Clientes difíceis de segurar, eles gostam dos contatos diretos com  os receptivos locais,  não ameaçando as grandes operadoras, mas obrigando os especialistas a reagir com criatividade. Travel Agent Day May 06 2015_0Para as agencias tradicionais, esse novo modelo vai com certeza levar a novas brigas entre os antigos e os modernos. Mas é claro que a relação direta, com mais serviços locais, vai também  trazer mais oportunidades, seja para mostrar competências, agregar valor ou atrair novos clientes. A intermediação das “Feiras livres” ainda está se consolidando, mas em todos os casos as agencias receptivos locais continuarão a ser incontornáveis tanto através das grandes operadoras que via os corajosos inovadores do trade turístico.

Esse artigo foi traduzido e adaptado de um artigo original de Bernard Scheou no Reseau Veille Tourisme da “Chaire de Tourisme Transat ESG UQAM”

Capture d’écran 2015-08-30 à 14.49.23

 

O salão da Abav: uma longa historia e uns novos caminhos!

IMG_1482

Encerrando a Expo internacional 2014 da Abav, São Paulo mostrou pela terceira vez esse ano o quanto pode receber com sucesso um grande salão de turismo. Com  250 estandes e 3500 expositores, a feira registrou as entradas de mais de 41.000 profissionais, comemorando com recorde os seus 60 anos. foto 2Andando nos largos corredores, a beleza e até a imponência dos estandes deixavam aparecer algumas tendências. Os destinos de proximidade,  Argentina, Uruguai, Chile ou Colômbia, estão investindo com força no mercado Brasil e no seu potencial de novos viajantes. Os Estados Unidos, com os investimentos de Brand USA e  o dinamismo dos seus estados, estão mesmo querendo chegar em 2016 com 2 milhões de turistas brasileiros. Stand Saint-MartinAs grandes operadoras – CVC, Flytour, ou Hotel Urbano – mostraram a sua força exibindo não somente um leque de produtos cada vez mais amplo, mas também canais de distribuição diversificados – competindo tanto nas agencias tradicionais que nas vendas on-line. Primeiro mercado emissor do pais, São Paulo mostrou que reivindica agora com orgulho o seu primeiro lugar com destino de negócios e turismo, uma Nova Iorque latina com todos os trunfos para competir com os maiores destinos mundiais.

Se a Europa ficou mais discreta, a França fez questão de estar presente com seus parceiros tradicionais – Air France, Accor, Rail Europe – e uma delegação de profissionais num espaço VIP onde eram servidos Champagne e vinhos do Smith Haut Lafitte.IMG_2419 Prestigiada pela presença do ministro do turismo, Vinicius Lages, e do embaixador da França, Denis Pietton, Atout France animou um almoço debate sobre “investimentos turísticos e desenvolvimento regional”. Com palestra do Patrick Mendes da Accor, mostrou se, através do exemplo da Ibis ou das outras marcas do grupo, a importância dos investimentos hoteleiros para levar os turistas fora dos grandes eixos tradicionais, tanto na França que no Brasil.

Com um apoio excepcional do ministro Vinicius Lages que transferiu o seu gabinete no recinto do Anhembi, a Abav mostrou a sua força, e a presencia dos grandes lideres do turismo no Brasil foi impressionante. Mas, na concorrência entre os três grandes salões de turismo de São Paulo, os profissionais esperavam que o grande diferencial da Expo internacional fosse o comparecimento maciço dos agentes, a qualidade dos encontros e o apoio do publico durante os dois dias abertos a todos. Nesses três itens,  os participantes não foram unânimes, e ficou claro que ainda tem caminho para percorrer. Mesmo com um intensa programa de hosted buyers, os expositores nem sempre tiveram as visitas esperadas, e a interessante iniciativa da Vila do Saber ainda não atendeu as grandes expectativas. Sempre muito difícil a combinar, o atendimento a dois tipos de visitantes muito diferentes – profissional e publico – foi um desafio que muitos expositores não conseguiram vencer, muito estandes ficando vazios no final de semana.

?????

Na hora da Internet e do tempo contado, Expo internacional enfrenta os mesmos problemas que todos os grandes salões internacionais. Os organizadores do IFTM Top Résa de Paris, que encerrou dia 26 de Setembro, ficaram também preocupados pela dificuldade crescente de tirar os agentes de viagens das suas lojas, e pela concorrência de novos canais de comunicação B2B. IMG_2473Em Madrid ou em Berlin, os expositores se queixam cada vês mais da dificuldade de combinar os profissionais e o publico, sendo complicado de ter estandes, folhetos, animações e funcionários capazes de atender os dois. Evento do coração de todos os profissionais brasileiros, carregando a historia do turismo no Brasil, o salão da Abav, que mostrou na vinda para São Paulo todo o seu poder de rejuvenescimento, terá que encontrar suas próprias respostas e assim  continuar nos caminhos de sucesso.

Jean-Philippe Pérol

5173981-7720499 cópia

Quadro dos principais salões profissionais mundiais

Les Sources de Caudalie, o charme e a inovação do enoturismo de Alice Tourbier!

rouge-sources-de-caudalie

– Alice, você é proprietária do “les Sources de Caudalie”, um hotel de luxo no coração dos vinhedos de Bordeaux, e, mais do que isso, um novo conceito de enoturismo inventado pela sua família. Photo AT Nov 12[1]Desde 1990, seus pais Florence e Daniel Cathiard revolucionaram o tradicional grand cru Smith Haut Lafitte, sua irmã desenvolveu uma nova linha de produtos de beleza baseados no “paradoxo francês” da vinoterapia. E você e seu marido inventaram esse hospedagem luxuoso e aconchegante que combina tão bem com a fascinação e o bem estar do vinho. Você vai participar esse ano pela primeira vez a um grande Salão de turismo no Brasil. Jà está recebendo muitos brasileiros no Les Sources de Caudalie?

– O hotel recebe hoje uma maioria de clientes franceses, mais de 60% . Os brasileiros já estão em torno de 6%.AMIGOS VINHO São clientes que vieram especificamente para descobrir a região de Bordeaux, que são muito entusiastas, e que eu e todos meus funcionários adoramos receber. Eles são “bons vivants”, amadores de produtos e serviços de qualidade, sempre atentos a novidades. E são fãs do conceito de arte de viver no coração dos vinhedos que inventamos no Les Sources de Caudalie. Acho também que eles são muito sensíveis a historia da nossa família, tanto no Chateau Smith Haut Lafitte que no empreendimento hoteleiro.

– Gastronomia, vinhedos, SPA, quais são as opções favoritas dos seus hospedes brasileiros?

Muitos dos brasileiros que recebemos são apaixonados pelos vinhos. Eles têm o calor dos latinos, gostam tanto do tinto com notas defumadas que do branco com notas de especiarias que combinam muito bem com o culinário nacional. São viagens de casais ou de famílias. caro Muitas mulheres já conhecem os cremes e produtos de beleza da Caudalie, e querem aproveitar os tratamentos da Vinotherapie do Spa. Os homens vão atrás dos grandes vinhos de Bordeaux, visitando as adegas e comparando as ultimas safras. Mas o mais comum é de ver os casais escolherem de irem juntos aproveitar as massagens, bem como de irem juntos fazer as degustações ou os passeios  nos vinhedos.

– Quais conselhos ou boas dicas você pode dar para os visitantes brasileiros?

Pegar um carro com motorista e visitar os vinhedos de Bordeaux. Les Sources de Caudalies ficam na encruzilhada dos vinhos ícones que devem ser visitados. Os concierges do hotel poderão organizar um wine tour personalizado, incluindo nos mais famosos castelos. Tem que visitar os vinhedos de Pessac Leognan que ficam bem perto, tem a região de Sauternes com seu famosíssimo Château d’Yquem a menos de 20 minutos. IMG-20120609-00273No oeste, na margem direita da Garonne, ficam  St Emilion e Pomerol, no Norte o Médoc, os três a menos de 40 minutos. Com um motorista, fica tudo mais simples, não precisa ficar preocupado com o bafômetro, e é mais fácil ter certeza de chegar no horário. Isso é muito importante porque as visitas tem hora marcada, geralmente com o próprio dono que estará mais a fim de abrir suas melhores garrafas se não ficar esperando.

hotel-chartreuse-thil8

– Quais são as novidades que vai anunciar aos agentes brasileiros durante o Salão?

Acabamos de abrir 12 novas suítes no Les Sources de Caudalies, assim como uma maravilhosa piscina coberta acessível a todos os clientes do hotel. Mas a novidade que os brasileiros vão adorar mesmo é o bar de vinhos ROUGE, espaço de liberdade para todos os “gourmets”. Poderão experimentar ou comprar  as riquezas do terroir do Sudoeste da França, foie gras e tradicionais produtos artesanais, confits e presuntos, com uma ampla seleção de vinhos de Bordeaux na taça a qualquer hora do dia. hotel-chartreuse-thil12Outra noticia em São Paulo vai ser a comercialização da Chartreuse du Château le Thil, um lindo castelo do século XVIII que acabamos de renovar. Os seus 9 quartos e 2 suítes podem ser alugados normalmente mas  podem também ser completamente privatizado para realizar  eventos especiais, casamentos, festas, seminários ou incentivos .

– O seu grupo hoteleiro tem novos projetos na França mas também no exterior. Já pensaram na América Latina e no Brasil?

Hoje estamos trabalhando na França em dois outros projetos. corotUm hotel restaurante spa,  Les étangs de Corot, que abrimos perto de Paris na cidade de  Ville-d’Avray. É um novo « les Sources de Caudalie » que deve abrir na Champagne em 2016. Temos também alguns Spa Caudalie em parceria no exterior. Estou pessoalmente trabalhando com a família Vik no Chile para a abertura dum pequeno Spa. Mas gostaria muito ter um projeto muito mais ambicioso no Brasil!

Alice Tourbier entrevistada por Jean-Philippe Pérol

 

Alice Tourbier-Cathiard é fundadora e proprietária do Les Sources de Caudalie***** e do Les Etangs de Corot****. Ela se criou nos vinhedos do Château Smith Haut Lafitte, um “Grand cru” de Bordeaux que seus pais, Florence e Daniel Cathiard, adquiriram em 1990. Enquanto sua irmã maior desenvolveu a marca de cosméticos cujo produtos são distribuídos em mais de 20 países, incluindo o Brasil, Alice e seu marido Jérôme fundaram o hotel de luxo Les Sources de Caudalie.

F. Vasseur MF CAUDALIE-06094-2[2]Alice e Jérôme Tourbier são ambos diplomados da Bordeaux Business School, e têm uma historia familiar marcada pela hospitalidade. Alice vem de uma família de empreendedores. A sua avó, dona de varias lojas, sempre lhe ensinou que um bom atendimento e um sorriso faziam toda a diferencia. Depois de se formar, Alice passou dois anos nos Estados Unidos trabalhando no setor de vendas dos cosméticos Caudalie . Como cliente, ela aprendeu muito sobre os hotéis e viu o quanto a sua avó estava certa!  

Em 2008, o casal abriu um segundo hotel perto de Versailles, o Les Etangs de Corot. Eles estão agora procurando novos projetos na França e no exterior, sempre com os padrões de bem estar, de generosidade, de autenticidade, de qualidade e de emoções que caracterizam os seus empreendimentos.

CAUDALIES GERAL

Enoturismo: os profissionais franceses e brasileiros na onda dessa paixão!

1349948760 CHEVAL

Nas paixões que os franceses querem dividir com os brasileiros, a paixão pelo vinho é com certeza a que mais se destacou nos últimos anos. Nos cardápios e nas mesas dos restaurantes badalados, nas prateleiras ou nos sites dos grandes importadores, ou na oferta de cursos especializados, o vinho francês está na moda. No turismo, os roteiros das operadoras estão incluindo cada vez mais regiões como a Champagne, Bordeaux, o Vale do Loire, a Borgonha ou a Provence.

Para responder a esse novo fluxo, vindo do Brasil mas também da China, dos Estados Unidos e da própria Europa, as vinícolas francesas estão se organizando. LOGO VIGNOBLES ET DECOUVERTESTrata se de dois milhões de turistas estrangeiros, que compram em media 6 garrafas por visitante e pesam até 25% da economia de alguns produtores, especialmente na Provence. 40 destinos já receberam a certificação “Vignobles et découvertes”, dada pelo Conselho superior da Enologia, um órgão encarregado de selecionar os destinos turísticos e vinícolas com uma oferta completa de hospedagem, gastronomia, degustação e visitas a adegas. E, para o viajante internacional, a qualidade e a diversidade dos vinhos, a prática de idiomas estrangeiros, a abertura no mínimo seis dias por semana, e a possibilidade de compras e de despacho de vinhos são alguns dos serviços garantidos.

Para atrair esses amantes do vinho, a França investe também  no Salão especializado Destination Vignobles. COUV_DESTINATION_VIGNOBLES_2014No próximo mês de outubro, em Lyon, 148 expositores do mundo do vinho vão tentar convencer uns 150 operadores e agentes de viagens, vindos de 43 países. A força da delegação brasileira, a mais importante com 16 agentes convidados, mostra que o Brasil virou mesmo uma prioridade para os destinos de turismo enológico da França. Sabem que os brasileiros são ainda menos de 10.000 a visitá-los, mas com um potencial de crescimento impressionante, uma media de compras muito superior aos europeus, e grandes exigências de qualidade.

A presença de dois das mais prestigiados atores do enoturismo francês no grande encontro dos profissionais do turismo do Brasil, o Salão da ABAV, é outra mostra da vontade da França de dividir sua paixão do vinho com os brasileiros.LES OISEAUXO famosíssimo grand cru Smith Haut Lafitte, e o requintado Hotel SPA “Les sources de Caudalie” aproveitarão esse encontro para mostrar muitas novidades. No hotel, o terceiro restaurante, o Rouge, bem aconchegante e descontraído, as doze recém inauguradas suítes, e o novo anexo “Le Chateau Le Thil” vão com certeza agradar os viajantes querendo encontrar num mesmo destino o melhor dos vinhos de Bordeaux, o único SPA com produtos extraídos da uva,  e um dos mais premiados hospedagem enraizado nos vinhedos.

Na nova onda do enoturismo, as tradicionais confrarias estão encontrado uma nova vida.IMG-20120609-00465 Hoje são 214, estabelecidas em quase todas as regiões vinícolas, organizando eventos e iniciações. Os novatos do mundo inteiro, e especialmente do Brasil, são sempre muito bem vindos se souber achar o imprescindível padrinho e tomar o compromisso de virar, quando voltar nas terras tupiniquim, um propagandista convicto do “terroir” onde foi acolhido, e um embaixador dessa paixão franco-brasileira.

Jean-Philippe Pérol

Membro de honra da confraria dos “Hospitaliers de Pomerol”

IMG-20120607-00107 - copie

Os 40 primeiros destinos certificados Vignobles & Découvertes:

Alsácia Coeur d’Alsace
Alsácia Terre & Vins au Pays de Colmar
Beaujolais Le Beaujolais des Pierres Dorées
Bergerac Pays de Bergerac
Borgonha Beaune, de Corton en Montrachet
Borgonha Côte Chalonnaise
Borgonha Dijon Côte de Nuits
Borgonha Le vignoble de Chablis
Borgonha Le vignoble de l’Auxerrois
Borgonha Vignoble du Mâconnais
Champagne Côte des Bar
Champagne Côteaux du Sézannais
Champagne Côteaux Sud d’Epernay et Côte des Blancs
Champagne Massif de Saint Thierry, vallée de l’Ardre
Champagne Montagne de Reims
Champagne Vallée de la Marne
Cognac Vignoble de Cognac
Jura Vignoble du Jura
Languedoc La Narbonnaise en Méditerranée
Languedoc Pays de Thau
Provence Le Pays d’Aix – Sud Lubéron
Provence La Provence Verte
Roussillon Perpignan Méditerranée Rivesaltes
Savoia Coeur de Savoie
Savoia Savoie, Lac du Bourget
Sud-Ouest Pays des Bastides et Vignoble du Gaillac
Sud-Ouest Destination Cahors – Malbec
Vale do Loire Val de Loire, Amboise
Vale do Loire Val de Loire, Chenonceau
Vale do Loire Vallée du Loir
Vale do Loire Chinon, Bourgueil, Azay
Vale do Loire Saumur, Val de Loire
Vale do Loire Angers Loire Valley
Vale do Loire Vallée du Layon
Vale do Loire Muscadet Loire Océan
Vale do Rhône D’Hermitage en Saint-Joseph
Vale do Rhône De Cornas en Saint-Péray
Vale do Rhône Autour des Dentelles de Montmirail
Vale do Rhône Côtes du Rhône Gardoises
Vale do Rhône Condrieu, Côte-Rôtie

Salões de turismo: o WTM surpreendendo e saindo na frente!

jn-89

Se os profissionais achavam que o Brasil sentia falta de um grande salão internacional de turismo a altura do crescimento do setor e dos seus sete milhões de viagens internacionais, o quadro mudou completamente. A chegada  em São Paulo da nossa querida Feira das Américas, o sucesso da requintada Travel Week e o lançamento da WTM com toda força da Reed Exhibition deram aos agentes de viagens, as operadoras, aos fornecedores  e a todos os destinos as opções de encontros e de negócios que eles precisavam.

World Travel Market Latin America 2014 - LogoPrimeiro dos três esse ano,  o WTM impressionou com a organização, a qualidade dos estandes e a globalização dos expositores. Um pessoal atencioso, um registro ágil, uma planta clara (com a Braztoa essa vez estrategicamente localizada e sem a  antiquada serpentina), e uns seminários bem preparados mostraram o profissionalismo da Reed. Os estandes surpreenderam pela qualidade do design e da montagem, seja a Alemanha, a Suíça, Israel, Nova Iorque, a Argentina , Santo Domingo ou Pernambuco.foto[1] A França apostou também pesado nessa segunda edição do WTM Latin America: em uma forte parceria com Accor e Air France, consegue uma visibilidade há muito tempo não alcançada nos seus salões brasileiros, e levou doze participantes franceses. Foram Marselha, Montpellier, Carcassonne, Midi-Pyrénées e dois destinos caribenhos, a Martinica e Saint Martin. A diversidade dos destinos  presentes mostrou que o mercado do Brasil interessa agora os quatro cantos do mundo.  GI_124_7fa19O Canadá vem com toda força. Empurrada pela novela da Globo que ajudou esse grande país turístico a passar os 100.000 turistas brasileiros, a Turquia se destacou, mas também a Rússia, a Jordânia, a Índia, a Coreia, a Grécia, o Marrocos, Dubai ou Abu Dhabi…

Ricardo-Hida-Ricardo-Bethel-Aida-Weinum-Jean-Philippe-PerolKate-Richardson-e-Jean-Bruno-Gillot

O sucesso do WTM só poderá porém ser definitivo se os visitantes forem mais numerosos. Pouco agentes, especialmente no último dia, estandes das operadoras visitados por muitos  fornecedores em vez de compradores, e estandes dos destinos assediados de vendedores de publicidade com crachás de jornalistas mostraram que os agentes de viagem brasileiros ainda não optaram pelo novo salão. A presença ainda discreta (ou mais focada no internacional) dos grandes estados turísticos brasileiros, bem como das grandes operadoras, talvez desanimou aqueles cujas vendas são mais focadas no doméstico… E a impossível localização no quase inacessível Transamerica desanimou muitos potenciais visitantes.

LR_270_a11c2

Para a próxima edição, já confirmada no Expocenter Norte do 22 ao 24 de Abril 2015, a frequentação deverá, sem dúvidas, melhorar muito. Terá talvez que ajudar os expositores inventando uma sinergia com a Travel Week agora pertencendo ao mesmo grupo mas com calendários conflitantes. fotoTerá também que convencer os agentes de viagens de se apropriar e de visitar um salão exclusivamente profissional e cuja dimensão meramente  internacional é mais complementar que concorrente do seu evento de classe, aberto ao público e muito focado no imenso mercado domestico. As oportunidades de crescimento do WTM Latin América são  muito promissoras, e, com mais de 25% dos expositores já de contrato assinado para 2015, ele saiu com certeza na frente para ser o grande salão internacional que o Brasil precisava há mais de dez anos. Parabéns!

Jean-Philippe Pérol