O turismo sustentável, a experiência local e os novos caminhos da autenticidade

A padaria com o melhor bolo de avelã, segredo de morador de Auzances

A busca da autenticidade é tão antiga que as próprias viagens, sendo uma preocupação constante dos turistas, bem como dos profissionais que sempre alegaram procurar a verdade e a originalidade dos destinos, a identidade das suas tradições, a especificidade das suas culturas. Mas durante muitos anos,  a procura dessa autenticidade foi muito mais uma afirmação sem conteúdo, ou uma jogada de marketing, que uma verdadeira oferta feita aos viajantes. Em alguns casos, incapazes de encontrar uma definição do turismo autentico nos grandes destinos  integrando a mundialização, as operadoras reduziam as ofertas de autenticidade a viagens caríssimas em regiões exóticas de difícil acesso.

Pierre Eloy e Sophie Moreau no seminario da Globe Veilleur

Reforçada pela recusa da globalização e pela procura de destinos diferenciados, o turismo autêntico encontrou um novo reforço na sustentabilidade, no respeito da cultura local e na interação com os moradores. A autenticidade se define agora pela densidade dos encontros, pela sinceridade dos intercâmbios, ou pela emoção das lembranças.  A importância dos atores locais na oferta de produtos autênticos foi assim demonstrado no ultimo debate da  Globe Veilleur em Montreal. Os palestrantes, Pierre Eloy, dos Agitadores de destinos numéricos , e Sophie Moreau, do turismo de Ancenis, na região dos Castelos do Loire, lembraram que os profissionais do turismo  são  vendedores de sonhos, e devem ser criativos para construir, com os moradores,  experiências juntando destinos, encontros e boas surpresas.

Viver uma experiência com os locais, as ofertas da AirBnb

Airbnb é um exemplo de ofertas autênticas bem sucedidas. O seu site valoriza a cultura de cada destino, com propostas de intercâmbio com “especialistas da vida local” cujos nomes, fotos e historias fazem parte dos descritivos das atividades. As experiências temáticas são cada vez mais criativas, no culinário, nas degustações, nos passeios, no esporte, na arte ou no shopping. Com um sucesso ligado a sua estreita relação com os moradores, a empresa demonstrou que os viajantes confiam mais nas dicas daqueles que vivem o dia a dia de uma cidade. Os profissionais  devem se lembrar que são também moradores e que devem então se apresentar como tais, personalizando as suas próprias historias e suas ofertas.

O Collector verão 2017 da OnlyLyon

Para comunicar a autenticidade, a criatividade encontra-se também nas formas de comunicação. Cada vez mais abandonado pelos destinos e pelas operadoras, os guias impressos viraram um destaque para aqueles que souberam explorar-lo para materializar suas ofertas. Assim a cidade de Lyon publica duas vezes por ano o guia “Collector” que apresenta restaurantes ou lojas selecionadas para os turistas e os moradores, valorizando as novidades, as promoções e as dicas  “Only Lyon” .  Assim também a  operadora da SNCF (os trens franceses), voyages-sncf.com,  está editando uma nova coleção de guias  « Emmenez-moi à » (Me leve para…) . Com visuais originais, eles listam endereços culturais ou gastronômicos, contam experiências e apresentam mapas.

O guia “Nos coins préférés” da Secretaria de Turismo de Ancenis

Na busca da autenticidade, os próprios funcionários de atendimento têm um papel importante, virando “concierge’ do destino, ajudando na experiência vivida pelo viajante. O turismo do Queensland procura ideias nas contas das redes sociais dos visitantes – oferecendo por exemplo uma camiseta autografada do seu time de rugby  a uma torcedora vindo para assistir a um jogo e que tinha publicado muitos posts valorizando o destino. Em Ancenis, na região dos Castelos do Loire, os funcionários do escritório de turismo foram solicitados para propor um mapa dos seus lugares prediletos. Chamado de « Nos coins préférés » , o documento  parece cochichar no ouvido dos visitantes alguns segredos que os moradores aceitaram de dividir, pequenas propostas de vida local que viram grandes experiências de autenticidade.

Esse artigo foi inspirado de um artigo original de Aude Lenoir  na revista profissional on-line Reseau de veille en tourisme, Chaire de tourisme Transat 

 

A Auvergne (e a Costa Verde) nos “dez mais 2016” da Lonely Planet!

 

O Puy de Dome e o Parque natural dos vulcões da Auvergne

O Puy de Dome e o Parque natural dos vulcões da Auvergne

Para os amantes da França, a publicação pela famosa editora estadounidense Lonely Planet dos dez destinos imperdíveis em 2016 foi uma boa surpresa. Lonely PlanetMesmo se as regiões escolhidas não foram nem um pouco tradicionais, foi sem duvidas uma façanha para Auvergne de ser a única francesa selecionada. Para o best-of 2016 da Lonely Planet, divulgado no dia 29 outubro, essas  “dez mais”  foram as seguintes: 1. Transilvânia, Roménia; 2. Islândia Ocidental; 3. Vale de Viñales, Cuba: 4. Regiões vinícolas de Friuli, Itália; 5. Ilha Waiheke, Nova Zelândia; 6. Auvergne, França; 7. Havaí; 8. Baviera, Alemanha; 9. Costa Verde, Brasil; 10. Santa Helena, territórios britânicos.

Os motivos da escolha da Auvergne pelos especialistas da editora são foram também divulgados. Eles gostaram das paisagens “dramaticamente vulcânicas” e dos espaços livres de turistas. Acharam a gastronomia local a altura da fama dos seus pratos típicos (buchada/tripoux, cozido/potée, purê de batata/alligot ou patê de batata),  mas também surpreendente  pela uma culinária criativo. Queijos da AuvergneUma criatividade que encontraram também na cultura “auvergnate”, já que Auvergne tem se reinventado com uma série de projetos artísticos ambiciosos, e um portfólio maior de aventuras na natureza, isso sem perder, segundo eles, o seu charme rural. Adoraram os vulcões, os queijos (Cantal, Saint Nectaire, Bleu, Fourme d’Ambert, Salers) bem como os parques, os vilarejos e os festivais de Aurillac, Clermont-Ferrand ou Puy-en-Velay. A simpatia e o humor dos “auvergnats” – os moradores da região que são, na França, comparados aos mineiros no Brasil- foram também destacados como grandes atrativos da região.

O “best-of 2016” sera, sem duvidas, muito bem recebidos no Brasil já que a Costa Verde, de Guaratiba até Trindade, ficou em nona posição na lista. Pensando nos milhares de turistas esperados para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, a editora foi seduzida pela proximidade da metrópole carioca, Laranjeiraso litoral ainda praticamente intocado, os morros cobertos de florestas cor de esmeralda, as numerosas ilhas tranquilas e as praias quase desertas. A Costa Verde, e mais especificamente a Ilha Grande, é destacada como um paraíso do ecoturismo e do turismo de aventura para os amantes da natureza e da adrenalina, com trilhas nos montes cobertos de mata fechada, passeios de caiaque entre fiordes tropicais desertos, ou mergulhos com peixes coloridos.

O Puy en Velay

Muito esperadas desde que foram lançadas há onze anos, as seleções da Lonely Planet misturam critérios ligados a projetos turísticos e a meio ambiente, AUZANCES BRASILcom um foque importante na atualidade (Cuba da abertura, Bavária dos 500 anos da cerveja, Havai dos 75 anos de Pearl Harbour ou Santa Helena do bicentenário do Napoleão)  Vindo depois de varias premiações francesas – quinta mais bela região segundo o canal de televisão M6, segunda mais dinâmica na Facebook e segundo lugar da catedral de Puy-en-Velay como monumento preferido dos franceses-, a menção honrosa dada a Auvergne será um grande incentivo para se preparar a receber mais turistas do mundo inteiro e especialmente do Brasil.

Outono na Auvergne

As cores do outono nas florestas da Auvergne

 

Auzances, centro do mundo

Voltar na terrinha e viver as suas raízes, uma das melhores (e maiores) razões de viajar!

Brasil à Francesa

DSCN4099

Paris, Montreal, Nova Iorque, Bordeaux… já morei em muitas cidades grandes, e cheguei à conclusão que São Paulo tem tudo que se pode se encontrar ai: energia, cultura, agitação, restaurantes, trabalho, contatos, shows, amigos do mundo inteiro…. Mas tem coisas que também não se encontram e que as vezes me dão saudades da França porque eu só as encontra lá. Lugares onde o tempo parece ter um outro ritmo, onde a minha historia e a historia da minha família parece gravada na pedra das casas e nos parralepipedos das ruas, onde cada cara encontrada na rua é de uma pessoa conhecida hà varias gerações, onde o sino da igreja faz parte do nosso ritmo de vida, onde uma simples compra na padaria vira um evento social e onde a casa da família é o ponto de encontro de numerosos primos . O que não tem aqui, são sensações únicas e características de lugares…

Ver o post original 302 mais palavras

A Auvergne na onda do moto-turismo!

Cresce pelo mundo a onda do moto-turismo, e no Brasil cada vez mais viagens de moto são propostas pelos especialistas ou pelas grandes operadoras. Na França, a região  Auvergne, lembrou o mês passado a atenção especial que dava desde 2008 a esses turistas bem peculiares, renovando tanto seus itinerários que sua promoção. VOXAN 1000 street scrambleCom uma longa tradição industrial no setor – dos sucessos dos pneus da Michelin até a efémera aventura das Voxan e dos seus impressionantes designs – , com estradas de muitas curvas atravessando  vulcões, rios, lagos ou pequenos vilarejos, com um circuito de reputação internacional em Charade, a região foi, desde 2008, pioneira em adaptar o seu turismo ao prazer dos motoqueiros

Castelo de Rocher

A região tem um site exclusivo para o moto-turismo. Oferecendo itinerários com “road books” de cortesia, auvergne-moto.fr  ajuda também a definir as etapas mais interessantes, a escolher os hotéis    disponíveis  para os moto-turistas e  suas motos, e  a fazer as reservas.Pagina Facebook da Auvergne Moto Respeitando as exigências especificas dos motoqueiros, os hotéis selecionados devem dispor de facilidades como estacionamento seguro ou material de manutenção. O site apresenta muitas informações praticas, mapas (incluindo atualização de GPS), endereços de concessionários, contatos nas federações ou associações, previsões meteorológicas. E se só exista por enquanto em francês, inglês e alemão, a pressão vai ser forte para pedir uma versão em português!

Panorama do Puy de Dôme. Photo: Sentucq

Para melhorar a promoção do seu moto-turismo, a Auvergne realizou o clipe “L’Auvergne à moto” que mostra dois casais e uma mulher descubrindo a região com suas três motos durante um final de semana. Eles passeiam nas lindas estradas do passe da Croix Morand, seguindo o famoso “Pas de Peyrol” e terminando nos desfiladeiros do Rio Allier. SAUDADES DO PUY DE DÔMEEm parceria com Volcom media, criadores dos road-books, com o apoio das lojas Dafy Motos e do magazine especializado Moto Journal, o clipe jà atingiu um milhão de fãs, e ainda pode ser vista nas paginas  Facebook de “Auvergne à moto”. Outros vinte itinerários, alguns deles incluindo o lendário “Puy de Dôme”, o vulcão sagrado dos gauleses, são ilustrados com fotos. Pioneira na Franca do moto-turismo, a Auvergne espera assim continuar a atrair viajantes a procura de espaços, de autenticidade e de liberdade.

Jean-Philippe Pérol

DSCN4101

Cesta de pique nique num campo perto de Auzances (Creuse)

A magia dos vilarejos franceses, uma paixão de muitos anos!

 

EGUISHEIM, ELEITO MAIS BONITO VILAREJO DA FRANÇA 2013

Eguisheim, mais bonito vilarejo da França em 2013

Se a França é conhecida acima de tudo pela sua deslumbrante capital e os dois milhões de habitantes que se orgulham de viver no Paris “intra-muros”, não se deve esquecer que a riqueza e o charme do primeiro destino turístico do mundo também vem dos seus 36.658 municípios. Quase 32.000 são pequenos vilarejos de menos de 2000 habitantes, lugares charmosos onde nunca faltam uma bela igreja da idade media, uma prefeitura do século XIX, uma padaria, um açougue, um mercadinho e vários bares. Alguns deles, os 156 mais bonitos, criaram até uma associação dos “Plus beaux villages de France” . CABANE DU VIGNERON EM CORDESTodos estão brigando cada ano para ganhar o concurso do mais bonito vilarejo do ano, organizado pela TV France 2 para divulgar essa particularidade bem francesa que surpreende e atrai os visitantes, especialmente os brasileiros. Esse fascínio já vem de muitos anos. Nos arquivos da Atout France no Brasil encontramos recentemente um artigo publicado há mais de 20 anos que achamos interessante de dividir com nosso leitores, certos que essa pequena contribuição a historia do turismo no Brasil levantará algumas vontades de viajar pelas regiões francesas fora das rotas tradicionais.

Jean-Philippe Pérol

O ESTADO DO PARANÁ  1 DE MAIO DE 1994

ESTADO DO PARANÁ 1 de MAIO 1994

A MAGIA DOS VILAREJOS FRANCESES, por Jean-Philippe Pérol

Meu vilarejo

UntitledNão é pela igreja romana do Século Xlll, as capelas ou os antigos sobrados que o viajante se sentirá seduzido por Auzances. O que ele vai amar neste vilarejo é andar pelas ruas, parar nas lojas onde os comerciantes  curiosos  vão logo querer puxar uma con· versa, atravessar as pracinhas limpas e floridas. parar num dos barzinhos (há mais de 15 para 1.600 habitantes), tomar um vinho (usa·se misturar com soda limonada para fazer o “rouge limonade”) e bater papo com o dono, fascina­do pelo Brasil, passear nas florestas dos arredores e procurar cogumelos… visitar os castelos onde impedimos a invasão dos ingleses durante a Guerra dos Cem Anos.

No albergue (tem um “Logis de France”) o jantar sempre incluirá uma das especialidades da região: poderá ser o “fondu” (queijo derretido em cima da batata frita), o “bou­din” (morcilha, salsicha de sangue, espinafre e cebola), os bolos à base de avelã ou o (talvez) fa­moso ”paté de pommes de terre” (na verdade uma torta de batatas fechada e servida com creme de leite).

Um vilarejo onde o via­jante – e especialmente aquele que vem de longe, trazendo imagens de sonhos – será sempre recebido com carinho… E não esqueça, passando pela praça principal. de dar uma olhada na nossa casa do Sécu­lo XVI, colada à igreja: é lá que nasceu meu avô.

(0 autor reside em São Paulo e é o diretor para a América Latina da Maison de la France).

AUZANCES, A PRAÇcA DA IGREJA

 

Refeições a francesa: alem da Unesco, prazer, alegria e convivialidade!

TEMPLIERS6

Relais & Châteaux Auberge des Templiers ©Photo Eric Dudan

Dentre dos novos impulsos que a França quer dar a seu turismo, a gastronomia tem um lugar de destaque, sendo escolhida como a primeira temática valorizada pelo recém criado Conselho nacional da promoção do turismo. A presença no grupo de trabalho de três dos mais respeitados chefes franceses – Alain Ducasse, Guy Savoy e Joel Robuchon – , o envolvimento do ministro das relações exteriores, e a escolha do 19 de Março como dia mundial dos “goûts de France” – Sabores da França- mostraram que o assunto é sério.

É claro que os 610 restaurantes estrelados pelo prestigioso Guia Michelin são um grande atrativo,  e os brasileiros frequentam as mesas dos mais famosos “trois étoiles” como o Relais Bernard Loiseau na Borgonha, a Maison Pic em Rhône-Alpes e a Assiette Champenoise em Reims. 1377098324equipeChefes mais novos, com cozinha alegre e criativa, também se promoverem recentemente no Brasil, o Michael Nizzero da Briqueterie na Champanha, ou o Jean Sulpice de Val Thorens.

Mas a gastronomia na França vai agora muito além do sucesso desses mestres talentosos. Desde o reconhecimento pela Unesco da “refeição gastronômica à moda francesa”em 2010, o foco não é mais uma receita francesa em particular, ou um formalismo extremo restrito a uma elite. tableÉ hora do prazer, ou melhor, dos prazeres da mesa. Comer, na França, é um ritual cultural marcando momentos importantes da vida, mas com uma mistura original de convivialidade e gastronomia, que reúne os franceses ao redor duma mesa bem colocada, para dividir pratos de qualidade acompanhados de um vinho adequado. Uma refeição é antes de tudo um momento de prazer, não um pit-stop numa correria desajeitada.

20122567A força da gastronomia francesa (para 20% dos brasileiros, o primeiro motivo de viagem para França) é que esse prazer e essa alegria podem ser vividos nos 78.000 restaurantes das 26 regiões francesas. Um bom “repas a francesa”, com seu aperitivo, seus pratos a base de produtos locais, seus queijos e sua combinação de vinhos, pode ser encontrado em todas as regiões, e cada francês tem seus favoritos. Toubana-053Pode ser uma “brasserie” em Paris a Closerie des lilas, ou a Coupole tão querida dos brasileiros, ou na Ile de la Cité o tranquilo Restaurant Paul. Em Lille, no surpreendente norte onde a cerveja acompanha o culinário “Chti”, a tradicional Chicorée é uma grande opção. Mas pode ser a Ferme Saint Sebastien em Charroux, na Auvergne, o criativo Côté cour na cidade de Aix en Provence ou o caribenho Toubana na Guadalupe. Pode ser um desses simpáticos e agitados “bouchons” de Lyon, o “Tire-bouchon” ou o “Les Lyonnais”. DSCN0193Ou pode ser também uma “table d`hôtes” de um pequeno vilarejo, por exemplo perto de Auzances, na minha terra, o maravilhoso “Au petit creusois” que tem as vezes cogumelos frescos (“girolles”) e serve um menu completo por menos de 30 euros.

É esse espírito de convivialidade e prazer, enraizado na sua gente e na sua terra, que faz o turista amar a gastronomia francesa. Mas na terra da liberdade, alem desses rituais, pode aproveitar refeições bem simples, por exemplo um prato em volta dum vinho no L’écluse em Paris ou no bar de la Poste em Saint Emilion. DSCN3797 - copieE se não poder parar o tempo necessário, lembre-se que um Jambon Beurre (sanduiche de presunto e manteiga numa “baguette”), com um copo de Saint-Amour no balcão do barzinho da esquina, não é um “repas à la française” mas também representa um excelente momento de prazer e de alegria à francesa.

Jean-Philippe Pérol

MOULIN4

Relais & Châteaux Moulin de l’Abbaye ©Philippe Schaff

 

Rendez vous na Auvergne!

O Puy de Dome, desde os gauleses o rei dos vulcões da Auvergne.

O Puy de Dome, desde os gauleses o rei dos vulcões da Auvergne.

O grande encontro 2014 do turismo francês vai acontecer do dia 1 até o dia 3 de Abril em Clermont Ferrand, capital da Auvergne. Para os 1500 participantes, incluindo os brasileiros, será mais um Rendez-vous en France, numa cidade cuja notoriedade no mundo se deve primeiro por ser a sede da Michelin.nouveaut-s-l-aventure-michelin_1119112 Durante três dias os 600 expositores vindos de 26 regiões francesas, e os 900 convidados vindos de 30 países vão trocar informações, tentar convencer da qualidade e da originalidade dos seus produtos ou dos seus serviços, e fechar negócios antes da grande noite de encerramento.

Para os hosts auvergnats, esse encontro vai ser muito especial, sendo a primeiro vez que a região deles conseguiu se candidatar e ganhar um evento de tal importância. Um evento tão grande que todos os profissionais pensava ser exclusivo das grandes capitais do turismo francês, as cidades que fazem o nosso turismo, Paris, Nice, Marseille, Toulouse,  ou Bordeaux.Clermont-Ferrand Mas não foi por acaso que Clermont Ferrand entrou nesse grupo fechado. Nessa região de personalidade forte, de paisagens carregados de historia, de gado vermelho ou branco pastando na sombra dos vulcões, de igrejas de granito cinza e de rios de agua negra, já tinha razões de sobra para mexer com as emoções: a força do Puy de Dôme de onde pulam asas delta e paraquedas para aproveitar  paisagens deslumbrantes, a sedução do vilarejo fortificado de Charroux – um dos mais bonito da França, o saudoso charme da Opera Art Nouveau de Vichy, ou a atraente rusticidade das ‘fromageries’ de Saint Nectaire.Charroux_JDA9910 Nos últimos anos,   novos destaques turísticos começaram a atrair viajantes em busca de  mais sensações e de experiências diferentes: Vulcania, parque temático sobre a vulcanologia que faz lembrar que os vulcões da região ainda não são extintos; os SPA das estaçoes termais renovadas em Vichy ; e em Clermont-Ferrand, o Museu da Aventura Michelin onde não esqueceram de lembrar que a aventura da empresa começou com ‘ a borracha, o ouro verde do Brasil’.stnectaire-2

Para mim, auvergnat também, esse Rendez vous em France vai ser mais especial ainda. Serà uma ocasião única de mostrar a amigos e colegas brasileiros um destino bem diferente dos clichês parisienses.DSCN2322 A ocasião de brindar com um ‘Rouge limé’ (vinho tinto misturado com soda limonada) ou com um vinho de Saint Pourcain, de experimentar um queijo Cantal ou um Saint Nectaire,  de comer um ‘paté de pommes de terre’ (torta de batatas cozidas no forno com creme de leite). Ou melhor ainda, de esperar os convidados bater na porta da nossa casa de 1582, colada na igreja do vilarejo de Auzances, e de dividir umas caipirinhas com fatias de salami enquanto toca o sino da igreja…

Para esse Rendez vous em France, 42 operadores brasileiros (uma das cinco maiores delegações desse evento) estão sendo convidados pela Air France e a Atout France, e acho que todos voltarão convencidos que a França ainda tem muito que oferecer aos viajantes brasileiros, nas suas 26regiões e mais ainda na Auvergne!

Jean-Philippe Pérol

DSCN4178