Carcassona, inscrita duas vezes ao Patrimônio da UNESCO

O luar iluminando a cidade de Carcassona

Enquanto a UNESCO está sendo violentamente criticada pelo Presidente Trump pelas suas escolhas patrimoniais,  Carcassona festeja os vinte anos da sua inscrição ao Património mundial da humanidade mostrando os acertos dessa lista que conta hoje mais de mil monumentos. A cidade fortificada recebe hoje mais de 2 milhões de turistas – sendo a quinta cidade mais visitadas da França, e o reconhecimento da sua importância cultural pela UNESCO foi sem duvidas um fator chave da sua popularidade junto aos viajantes franceses e internacionais. Sendo ainda atravessada pelo “Canal du Midi” – outro monumento francês pertencendo ao Patrimônio mundial- o conjunto oferece um acervo cultural único e duas vezes premiado.

As impressionantes muralhas da cidade fortificada

Conhecidas desde os últimos séculos do Império Romano, as fortificações foram reforçadas de 1082 a 1209 pela dinastia dos Viscondes de Trencavel que tentavam consolidar um estado independente entre a França e a Espanha. Tendo tolerado nas suas terras a heresia dos Cátaros e seu ascetismo místico, o ultimo visconde – Raymond Roger Trencavel-, teve que enfrentar a partir de 1209 uma cruzada militar que acabou com a devolução do seu feudo para o Rei da França. Durante os reinados de Saint Louis e dos seus sucessores, a cidade fortificada foi ampliada para corresponder a seu novo estatuto de fortaleza real, e uma segunda muralha de 3 quilômetros e 32 torres foi erguida. Um novo centro urbano, a Bastide Saint-Louis, foi construído, dando ao conjunto o aspecto que ele tem até hoje.

Mas se Carcassona parece ainda hoje mostrar a gloria de Saint Louis, Rei da França, é porque ela foi completamente restaurada logo no século XIX, em 1853, quando o arquiteto Viollet le Duc conseguiu convencer Napoleão III de financiar as obras de reabilitação, uma obra gigantesca que demorou quase 60 anos mas já atraiu 50.000 turistas em 1913! Agora as ruas estreitas da cidadela, as salas abertas para as visitas (sendo a mais procurada a Camera Rotunda e suas pinturas murais), e a basílica romana e gótica com seus espetaculares vitrais são lotadas de visitantes durante o dia. Mas, a noite,  são exclusivas dos 35 moradores e dos hospedes dos dois hotéis que ficam dentro da cidade fortificada, o MGallery Hotel de la Cité e o Best Western Le Donjon.

A Praça Carnot e a Fonte de Neptuno

Atravessando o Rio Aude, a antiga Bastide Saint Louis é hoje o centro da cidade, com suas ruas herdadas do século XIV vibrando de vida e de cultura. Feiras livres, pequenos empórios, lojas inesperadas, livrarias e terraços de cafés acolhedores são paradas obrigatórias depois de uma visita do Museu das Belas Artes, ou de um passeio nas margens do Canal do Midi. E se Carcassona têm dois restaurantes gastronômicos estrelados pela Michelin (La table de Frank Putelat et le Domaine d’Auriac), vale a pena experimentar nos pequenos bares ou bistrôs as duas especialidades da região: o seu vinho, o “Cité de Carcassonne”, produzido nos 160 hectares de vinhedos que cercam a cidade, e seu “cassoulet”,  esse prato mítico da cozinha occitana que alguns fãs gostariam de inscrever como terceiro Patrimônio mundial de Carcassona.

Jean Philippe Pérol

O porto fluvial de Carcassona no Canal du Midi

A alma de Carcassona se encontra também lendo a historia dos cátaros

 

Na grandeza de Versalhes, o chefe Ducasse revisitando as refeições do Rei Sol

O patio de hora do palacio de Versailles

O pátio de hora do palácio de Versalhes

Convidado a mesa do Luis XIV, o mais faminto dos gourmets do século XXI teria muitas dificuldades para acompanhar o apetite do Rei, com suas refeições de trinta a cinquenta pratos divididos em cinco a sete “serviços”.  Com muitas carnes de caça, peixes de agua doce, todos os tipos de aves (incluindo pavão ou cisne), e legumes da horta real (o rei era viciado em ervilhas), o culinário da época estranharia hoje pelas especiarias e pelos alimentos, muito cozidos ou super bem-passados. O serviço também era diferente, com a mesa sempre cheia de pratos, os convidados comendo sem garfo e as bebidas sendo servidas separadamente.

Mesas do "Café contemporain" Ore

Mesas do “Café contemporain” Ore

Se o Rei Sol e seu esplendor pertencem ao passado, o famoso chefe estrelado Alain Ducasse decidiu trazer de volta em Versalhes parte das grandes tradições culinárias do século XVII. No ultimo dia 13 de setembro, inaugurou no Pavilhão Dufour, na entrada do Castelo, um Restaurante chamado Ore, palavra latina significando Boca. Durante dia, começando no café da manha, Ore é um elegante “café contemporâneo” com um cardápio oferecendo receitas clássicas do culinário francês inspiradas da época, mas também pratos simples ou rápidos, sobremesas ou doces para acompanhar um simples cafezinho ou um chá da tarde. Num local atraindo muitas famílias, o Alain Ducasse também não esqueceu de oferecer um menú para crianças.

As salas do restaurante

As salas do restaurante, reabilitadas pelo Dominique Perrault

De noite, os salões do restaurante, reabilitados pelo famoso arquiteto Dominique Perrault, podem virar o palco de uma experiência única, um jantar privativo respeitando o cerimonial, os cardápios, a louça, o serviço e a decoração dos tempos do Louis XIV. Levando os convidados para as suas mesas, o maitre grita “Messieurs, à la viande du roi !” (Senhores, vamos para a carne do Rei) como exigia o protocolo. Os garçons de peruca vestem  uniformes da época. A louça da “Manufacture royale de Limoges” foi especialmente reeditado pelo Bernardaud, e os copos de cristais não são  padronizados como era de praxe.

Com pratos, o impressionante cardápio de uma refeição do Rei Sol

Com 44 pratos, o impressionante cardápio de uma refeição de 1757

Alain Ducasse quis, nesse lugar único, oferecer  uma comida francesa contemporânea, mas  inspirada do culinário da época dos reis, não somente um jantar mas uma verdadeira experiência histórica e gastronômica. Os convidados podem assim começar com quatro entradas (caldo de ervas, legumes ao natural, croquetes de rã, lagostinhas com caviar e cogumelos recheados), continuar três pratos principais (peixe pregado ao molho holandês, patê quente de carnes de caça, galinha com lagostinhas), dois pratos menores (tortas de trufas brancas e pretas, guisado de cogumelos selvagens), e acabar com três sobremesas (groselhas com agua de rosa, bolo Fontainebleau com morangos do mato, e o famoso bolo de chocolate Louis XIV).

Alain Ducasse no seu restaurante de Versalhes

Alain Ducasse no seu restaurante de Versalhes

O novo empreendimento do criativo chefe vai alem do Café e do restaurante. O Ore aproveita também uma galeria de recepção de 2.700 m2, um auditório de 150 lugares, salas de seminários, e uma cozinha com equipamentos da ultima geração. A diretora do Palácio de Versalhes, Catherine Pégard, acredita que,  com a chegada do Restaurante Ore, a arte de viver a francesa vai ganhar em Versalhes uma vitrina excepcional junta aos visitantes vindo do mundo inteiro. Obrigado ao Rei Sol e a Alain Ducasse.

Jean-Philippe Pérol

 

ore_cocotepetitepeautre-pierremonetta-2627_opt

ore_vacherin-pierremonetta-3085

De Napoleão a Paoli, a Córsega turística juntando seus dois patrimônios históricos

Corte

Corte, capital do efêmero Reinado Corso no século XVIII

Talvez a menos conhecida e a mais secreta das grandes ilhas do Mar Mediterrâneo, a Córsega é a terra natal de um dos maiores personagens da Historia da França – e provavelmente um dos mais famosos na Europa, nas Américas e no mundo. Napoleão Bonaparte é conhecido também no Brasil por ter sido responsável da fuga da corte portuguesa para o Rio de Janeiro e assim, de forma indireta, do inicio do processo histórico que levou a Independência do Brasil. Um general e estadista, imperador dos franceses, que por pouco não se tornou um destaque ainda maior da História do Brasil, caso tivesse sucesso com um plano de fuga de Santa Helena projetada em 1817  pelo seu irmão Joseph, com a cumplicidade de autoridades americanas e dos republicanos  da Revolução Pernambucana.

A estatúa do Napoleão na Praça Foch em Ajaccio

A estátua do Napoleão na Praça Foch em Ajáccio

O viajante atraído pela herança cultural do Napoleão será fascinado pelo patrimônio, pelos eventos, pelos museus ou as exposições referente ao herói. Em Ajáccio, onde ele nasceu, encontrará  a Maison Bonaparte, o Palácio Fesch ou a gruta do Napoleão. Mas a descoberta do legado cultural do mais famoso do corsos pode levar a muitas outras cidades imperdíveis ou lugares de destaque como a cidadela de Calvi por onde passou em 1793, o Museu da Córsega em Corte – capital histórica da Ilha onde ele começou sua carreira política ,  a cidade de Cargese onde a sua mãe Laetizia passava o verão, ou as trilhas do Monte Rotondo onde ela jurou que seu filho seria o vingador da Córsega independente vencida em 1769 pelas tropas reais.

Morosaglia, cidade onde nasceu Pascal Paoli

Morosaglia, cidade onde nasceu Pascal Paoli

Mito global, o Napoleão não é porem a única figura emblemática da Córsega. Frente ao  grande herói corso Pascal Paoli, ele ganha em popularidade (57% contre 43%) mas perde (39% contre 61%) quando se trata da importância de cada um na história da Ilha. Para os nacionalistas corsos, Paoli é o pai da Pátria (Babbu di a Pátria na língua corsa), e  os seus itinerários turísticos não podem perder Morosaglia, onde ele nasceu, Corte, onde estabelece a sua capital, Bastia, onde ele voltou do seu primeiro exílio, ou Ponte Novo, onde ele perdeu sua ultima batalha. É para interligar os acervos dos dois heróis que as autoridades da Ilha lançaram o projeto Paoli – Napoleão, juntando seminários e pesquisa históricas com novas rotas turísticas mostrando a validade do patrimônio corso ligado tanto a Pascal Paoli que a Napoleão Bonaparte.

O antigo porto de Bastia a noite

O antigo porto de Bastia a noite

Reconciliando os dois patrimónios  até hoje antagonistas, a Córsega quer dar um novo impulso a seu turismo cultural. Aproveitando a gloria do jovem Napoleão, futuro jacobino e imperador francês, cuja gloria fascina até hoje no mundo inteiro, os seus dirigentes querem ajudar os viajantes a descobrir o despotismo esclarecido e o Iluminismo então inovador do nacionalista Pascal Paoli. Dando uma nova dimensão ao turismo na Ilha, o melhor conhecimento dos seus dois acervos históricos e culturais será também uma excelente introdução a ricos encontros com numerosos moradores – pastores, criadores de porcos, fabricantes de perfumes, artesãos, pedreiros, historiadores ou músicos – que fazem perdurar a peculiaridade da Córsega, para a alegria dos seus visitantes.

Jean-Philippe Pérol

As "Journées napoléoniennes" em Ajáccio

As “Journées napoléoniennes” em Ajáccio