Em Waterloo, os franceses vencendo … a licitação para gerenciar o Memorial da batalha!

Nas comemorações do bicentenário, a reconstituição da batalha

Em Waterloo, essa triste planície onde as tropas de Wellington e Blucher acabaram no dia 18 de Junho de 1815 com os sonhos franceses da Revolução e do Império, uma francesa conseguiu uma surpreendente vitória. Geneviéve Rossillon, presidente da operadora de sítios e monumentos turísticos Kleber Rossillon fundada pelo seu pai, venceu uma licitação da região belga da Valônia para administrar durante os próximos quinze anos o sitio da famosa e trágica batalha. Localizado a vinte minutos ao sul de Bruxelas, o Memorial 1815 inclui não somente os principais campos  e prédios que viram a heróica derrota dos soldados de Napoleão, mas também  um centro de informação e de interpretação  multimídia subterrâneo inaugurado durante as comemorações do bicentenário.

O Memorial 1815

A empresa Kleber Rossillon já administra nove sítios patrimoniais na Franca , recebendo mais de um milhões e meio de visitantes na Bretanha, no Vale do Loire e na Auvergne. Desde 2015 é responsável da famosa Grotte Chauvet 2, réplica fiel da gruta inscrita ao patrimônio da UNESCO pelas suas excepcionais  pinturas rupestres que nossos ancestrais deixaram há 36.000 anos. O Memorial de Waterloo sera o seu primeiro investimento fora da França. Genevieve Rossillon já mostrou grandes ambições com a sua vontade de quase dobrar o numero de visitas – passando de 170.000 a 300.000, contando  na contratação de quinze funcionários para melhorar o atendimento, na multiplicação dos eventos e das animações, e na ampliação da oferta cultural para todos os públicos

O Museu Wellington, último quartel geral do vencedor

Logo esse ano, já são previstas importantes comemorações, dia 18 de Maio com os 250 anos do nascimento do Duque de Wellington, e dia 15 de Agosto pelo aniversário do Napoleão. Perto do morro do Leão – monumento erguido pelos holandeses então ocupando a Bélgica -, serão realizadas a partir de junho varias reconstituições da batalha bem como da vida e do dia a dia das tropas. O novo Memorial terá também novidade nos seus dois restaurantes”, ambos com um decoração inspirada do ambiente na véspera da batalha . O  « Wellington » vai oferecer cardápios e preços tipo “Bistrô”, enquanto o mais requintado « Le Bivouac » apresentará uma cozinha mais gastronômica. Com essas novas ideias, a francesa Kleber Rossillon espera que a sua batalha de Waterloo será mesmo vitoriosa!

Esse artigo foi traduzido e adaptado de um artigo publicado na revista on-line Pagtour

No Benim, turismo de memória e trilhas espirituais nas raizes do Candomblé

Uidá, a porta do não retorno

Da cidade de Abomei, até o porto de Uidá, uma trilha de 125 quilometros é a grande esperança do turismo do Benim. Seguindo um traçado definido por um sobrevivente da última travessia de um navio negreiro americano, Cudjo Lewis, essa trilha foi o caminho onde pisaram mais de um milhão de escravos vendidos pelos Reis do Daomé aos traficantes portugueses, ingleses, holandeses, franceses, dinamarqueses e brasileiros instalados no então Forte de São João Baptista de Ajudá. E durante duzentos anos, apoiados num temido exercito cujas tropas de elite eram amazonas guerreiras, a dinastia Fon jogou nesses caminhos escravos capturados no Norte do pais ou nos estados vizinhos de Allada, Oyo ou Ketu.

Os palacios dos Reis de Abomei, inscritos no patrimonio mundial

O patrimônio cultural do Benim faz sonhar os profissionais do turismo que já viram as chegadas internacionais  aumentar de 25% nos últimos seis anos. No inicio da trilha, em Abomei, os palácios dos doze reis que se sucederam de 1625 à 1900, seus recintos e seus baixos relevos, já foram restaurados e são agora inscritos pela UNESCO ao património mundial da humanidade. E em Uidá os fãs do turismo memorial poderão não somente visitar a cidade velha ou o antigo Forte português, mas também passar por baixo da “Porta do não-retorno”, erguida em 1995 pela própria UNESCO em homenagem as vítimas do comercio atlântico de escravos.

Influência brasileira na peculiar mesquita de Porto Novo

Alem do turismo de memória, o Benim é também para o turista brasileiro um destino único pela influência que o Brasil teve nas populações e na cultura local. Descendentes de escravos libertados ou de traficantes, milhares de beninenses se orgulham das suas origens brasileiras, começando com mais de 400 sobrenomes de origem portuguesa. Alguns deles – os chamados “Agudás” – festejam o Carnaval e homenageiam a Nossa Senhora do Bonfim. Em Porto Novo, a influencia da arquitetura colonial luso-brasileira é visível em varias casas  do século bem como na surpreendente mesquita construída a partir de 1911, inspirada da Catedral de Salvador da Bahia. E algumas casas antigas de Uidá teriam acolhidas os exilados da Revolta dos Malês.

Templo de Legba (Exú) em Abomei

Alem do turismo memorial e de intercâmbio cultural, o Benim oferece ao turista brasileiro uma volta para as raízes das religiões afro-brasileiras. A trilha definida pelo Cudjo Lewis começa em Abomei perto de um templo de Legba (Exú) e acaba em Uidá no Templos das serpentes, com dezenas de pitões vivos honrando Dan/Oxumaré, e um iroko sagrado velho de 600 anos. No nome das batalhas dos guerreiros da etnia Fon (Jejê), encontra se a origem dos escravos mandados para o Brasil – Oyo, Ketu, Abeokuta …- que levaram do outro lado do Atlântico os seus orixás. A grande festa do vodú é o dia 10 de janeiro, um festival onde os brasileiros vão reconhecer sem dificuldades o nome das divinidades locais, como Ogum, deus do Ferro, ou Xangô, deus do Trovão.

Templo vodú em Uidá

Hoje o maior edifício religioso de Uidá é a basílica da Imaculada Conceição, mas o Benim continua guardando uma especificidade espiritual que deve muito a seu passado afro-brasileiro.  E se o pais conta agora com 30% de católicos, 20% de muçulmanos e alguns protestantes, ele tem também 100% de “vodunsi”. Uma unanimidade espiritual que ajuda a esquecer as feridas do passado.

Jean Philippe Pérol

Os Agudás festejando o Bonfim

 

Chacha I, brasileiro, mestiço, traficante mas vice rei e heroi dos Agudás

 

 

 

 

 

 

Vichy, procurando um futuro liberado do seu passado

VICHY_ville-fleurie

A entrada do Cassino Teatro

70 anos depois do fim da Segunda Guerra Mundial, a cidade de Vichy gostaria muito de ser lembrada por outro motivo que de ter sido escolhida pelo então Marechal Pétain para ser a capital do governo colaboracionista. Esse foi o vergonhoso rival pro-nazista da França Livre do governo pro-aliados do de Gaulle, refugiado em Londres. O Hotel du Parc durante a guerraLocalizado na antiga província do Bourbonnais, norte da atual Auvergne, Vichy já tentou atrair a atenção da mídia com muitas novas temáticas, inclusive a abertura de um Parque Omnisports, um dos maiores e dos mais  agradável conjunto esportivo da Europa. O seu centro de ensino do francês para estrangeiros recebe milhares de estudantes por ano. Produtos de beleza estampilhados com o nome da cidade começam a ser conhecidos nos Estados Unidos ou no Brasil. Seu cassino, construído em 1865, foi transformado num Centro de Convenções, e no ultimo mês de Agosto, a cidade foi a sede de um Ironman Triathlon com 3000 atletas vindo do mundo inteiro.

Parque Omnisports de Vichy

O Parque do Centro Esportivo

Mas enquanto Vichy tenta reconstruir o seu futuro e honrar seu passado cosmopolita de estação termal para aristocratas europeus e milionários americanos, os fantasmas da guerra reaparecem. Assim o itinerário do triathlon levou os corredores na frente do Hôtel du Parc onde ficava o escritório do Pétain, e a força dos símbolos parece ser maior que a realidade da cidade. Triathlon de VichyPorem, assim como Berlim, Vichy acha possível apagar a imagem dos anos sombrios da sua Historia, lembrando hoje que, se sediava o regime colaboracionista, tanto a Auvergne que o vizinho Limousin foram as regiões da França onde a Resistência  armada a ocupação alemã foi a mais importante. Lembra-se também que Vichy não tinha sido escolhida por motivos ideológicos, mas simplesmente por ser na época  a segunda cidade da Franca em capacidade hoteleira e um dos seus centros turísticos com os melhores equipamentos de comunicações.

Parque da Fonte de Celestin

As Galerias Cobertas do Parque das Fontes

O turismo em Vichy tem uma longa historia, desde o século XVII quando as princesas reais – a dinastia Bourbon é originaria da região – vinham aproveitaram as qualidades das águas para curar os seus reumatismos. Vichy festejando Napoleão IIILouis XVI mandou construir o primeiro centro de termalismo que foi depois ampliado pelo Napoleão. E foi o seu sobrinho Napoleão III, convencido pelo sucesso dum tratamento bem sucedido, que incentivou a construção do cassino e dos primeiros hotéis modernos. A Belle Epoque foi uma outra época de ouro para Vichy com as inaugurações da Opera, do Parque das Fontes e da sua Galeria coberta. A mistura do estilos arquitecturais, todos muito bem preservados, deu para as ruas da cidade seu tão especial ambiente melancólico. A Opera de VichyHoje rejuvenescida, a cidade está virando um destino turístico procurado da região Auvergne. Mas para abrir uma nova era, e superar definitivamente a trauma da guerra, seria talvez necessário enfrentar esse passado. Surgiu a ideia dum centro de pesquisa sobre a Resistência, aonde se mostraria que a ação duma única pessoa , resistindo a injustiça, pode fazer a diferencia. Poderia assim mostrar que Vichy não é somente localizada no coração da França, mas é também uma cidade onde bate o coração da França.

Esse artigo foi resumido, traduzido e adaptado de um artigo original de Jessica Bernstein no New York Times

O Rio Allier em Vichy. Na época de menino, o paraiso dos pescadores

O Rio Allier em Vichy. Na época de menino, o paraíso dos pescadores