No Benim, turismo de memória e trilhas espirituais nas raizes do Candomblé

Uidá, a porta do não retorno

Da cidade de Abomei, até o porto de Uidá, uma trilha de 125 quilometros é a grande esperança do turismo do Benim. Seguindo um traçado definido por um sobrevivente da última travessia de um navio negreiro americano, Cudjo Lewis, essa trilha foi o caminho onde pisaram mais de um milhão de escravos vendidos pelos Reis do Daomé aos traficantes portugueses, ingleses, holandeses, franceses, dinamarqueses e brasileiros instalados no então Forte de São João Baptista de Ajudá. E durante duzentos anos, apoiados num temido exercito cujas tropas de elite eram amazonas guerreiras, a dinastia Fon jogou nesses caminhos escravos capturados no Norte do pais ou nos estados vizinhos de Allada, Oyo ou Ketu.

Os palacios dos Reis de Abomei, inscritos no patrimonio mundial

O patrimônio cultural do Benim faz sonhar os profissionais do turismo que já viram as chegadas internacionais  aumentar de 25% nos últimos seis anos. No inicio da trilha, em Abomei, os palácios dos doze reis que se sucederam de 1625 à 1900, seus recintos e seus baixos relevos, já foram restaurados e são agora inscritos pela UNESCO ao património mundial da humanidade. E em Uidá os fãs do turismo memorial poderão não somente visitar a cidade velha ou o antigo Forte português, mas também passar por baixo da “Porta do não-retorno”, erguida em 1995 pela própria UNESCO em homenagem as vítimas do comercio atlântico de escravos.

Influência brasileira na peculiar mesquita de Porto Novo

Alem do turismo de memória, o Benim é também para o turista brasileiro um destino único pela influência que o Brasil teve nas populações e na cultura local. Descendentes de escravos libertados ou de traficantes, milhares de beninenses se orgulham das suas origens brasileiras, começando com mais de 400 sobrenomes de origem portuguesa. Alguns deles – os chamados “Agudás” – festejam o Carnaval e homenageiam a Nossa Senhora do Bonfim. Em Porto Novo, a influencia da arquitetura colonial luso-brasileira é visível em varias casas  do século bem como na surpreendente mesquita construída a partir de 1911, inspirada da Catedral de Salvador da Bahia. E algumas casas antigas de Uidá teriam acolhidas os exilados da Revolta dos Malês.

Templo de Legba (Exú) em Abomei

Alem do turismo memorial e de intercâmbio cultural, o Benim oferece ao turista brasileiro uma volta para as raízes das religiões afro-brasileiras. A trilha definida pelo Cudjo Lewis começa em Abomei perto de um templo de Legba (Exú) e acaba em Uidá no Templos das serpentes, com dezenas de pitões vivos honrando Dan/Oxumaré, e um iroko sagrado velho de 600 anos. No nome das batalhas dos guerreiros da etnia Fon (Jejê), encontra se a origem dos escravos mandados para o Brasil – Oyo, Ketu, Abeokuta …- que levaram do outro lado do Atlântico os seus orixás. A grande festa do vodú é o dia 10 de janeiro, um festival onde os brasileiros vão reconhecer sem dificuldades o nome das divinidades locais, como Ogum, deus do Ferro, ou Xangô, deus do Trovão.

Templo vodú em Uidá

Hoje o maior edifício religioso de Uidá é a basílica da Imaculada Conceição, mas o Benim continua guardando uma especificidade espiritual que deve muito a seu passado afro-brasileiro.  E se o pais conta agora com 30% de católicos, 20% de muçulmanos e alguns protestantes, ele tem também 100% de “vodunsi”. Uma unanimidade espiritual que ajuda a esquecer as feridas do passado.

Jean Philippe Pérol

Os Agudás festejando o Bonfim

 

Chacha I, brasileiro, mestiço, traficante mas vice rei e heroi dos Agudás

 

 

 

 

 

 

Sete tendências puxando o turismo de bem estar

O bem estar é hoje uma procura cada vez maior dos consumidores, não somente durante o seu dia a dia mas também durante as suas viagens. Com um mercado mundial avaliado pelo Stanford Research Institute em 587 milhões de consumidores e quase 500 bilhões de dólares em receita, as opções de estadias, de atividades, de seminários ou de Spa estão cada vez mais numerosas e diversificadas. As preocupações com alimentação, saúde, exercícios ou até o descanso fazem também parte das ferias e uma procura que se alia à vontade de viver experiências ricas, únicas, inéditas e significativas. E algumas novas tendências desse turismo do bem-estar já estão se destacando.

O Shinrin Yoku, banho de floresta japonês

O Shinrin Yoku, banho de floresta japonês

1. Aproximar-se com a natureza.

A natureza influi na saúde física e mental, reduz a angustia, o estresse ou a pressão. Ela aumenta as emoções positivas, tranquiliza e revitaliza. No Japão esses efeitos terapêuticos são encontrados no “shirin-yoku”, o banho de floresta, quando a mata ajuda a relaxar e a rejuvenescer. Spas estão oferecendo massagens na beira mar, perto de rios, ou em jardins. Trilhas são desenhadas para serem percorridas de pés descalços para poder ficar em contato com a terra. E na Suíça o Null Stern Hotel oferece um quarto sem paredes nem teto.

2. Escolher uma alimentação sadia

Mesmo viajando, os consumidores querem encontrar nos restaurantes uma alimentação sadia e equilibrada. Hotéis de luxo, Spas ou até bistros oferecem produtos bios e receitas “detox”. As tendências destacam smoothies, veggies, algas comestíveis, chá mate, especiarias, gengibre ou leite de amêndoa.

3. Seguir inspirações ancestrais

Os ritos e os tratamentos inspirados de culturas ancestrais estão cada vez mais populares pela sua suposta autenticidade. Os visitantes recebem cuidados físicos e psicológicos para limpar o seu corpo, purificar a sua mente e clarificar os seus pensamentos. As receitas são múltiplas: meditações perto de fogueira, saunas coletivas, banho de fumaça, massagens com pedras ou madeiras quentes, aromaterapia, Ayurveda.

Rocamadour, lugar de destaque do turismo espiritual da França

Rocamadour, lugar de destaque do turismo espiritual da França

4. Tirar um tempo para o turismo espiritual

Aproveitar uma viagem para cuidar de si, esquecer a rotina, descansar, tirar um tempo e pensar em reequilibrar a sua vida. Para responder a essas preocupações, muitos profissionais estão oferecendo produtos de turismo espiritual: retirada num mosteiro, estadia num “ashram”, iniciação ao Qigong ou a medicina tradicional chinesa, cursos de meditação, aulas sobre stress.

5. Escolher tratamentos adiantados ou especializados

Para agradar consumidores cada vez mais experientes, alguns estabelecimentos oferecem serviços inovadores. Alguns Spas ou clínicas oferecem medicinas alternativas como acupunctura, massagens ou reflexologia. Outros integraram tratamentos com luzes, termocoagulação ou radiofrequência. O turismo de bem estar chega assim a se aproximar do turismo medicinal, também em forte crescimento.

6. Combinar descanso com aventura

O bem estar já mostrou que pode muito bem combinar com atividades esportivas ou com turismo de aventura. Depois da adrenalina gerada por um salto de paraquedas, um passeio de ultraleve ou um percurso de arvoturismo, nada melhor que uma massagem, um tratamento de termalismo ou uma meditação para relaxar os músculos do corpo. Pacotes associando Spas com operadores de turismo de aventura oferecem assim experiências mais completas.

7. Participar de festivais e eventos

Cada vez mais festivais ou eventos destacam o bem estar nas suas programações, seja através de sequências de yoga, de meditação ou de massagens, seja exigindo que as comidas e bebidas vendidos durante os eventos sejam bio ou veggie. Alguns festivais, como Wanderlust, AnandaFest e Lolë White Tour, fizeram do bem estar sua principal bandeira.

O turismo de bem estar está crescendo na casa de 12% nos últimos anos, e as tendências para combinar viagens e estilo de vida sadio estão sendo adotadas por todos os setores do trade turísticos. Para seduzir os novos consumidores, todos, sejam hotéis, restaurantes, aeroportos, Spas, festivais, parques ou centro de convenções, vão ter que se juntar a esse estilo de vida mais sadio. E mais tendências vão aparecer, todas elas com oportunidades tanto para os viajantes quanto para os agentes de viagem que acreditarão nessas novas formas de turismo.

Esse artigo foi traduzido de um artigo original da Amélie Racine na revista profissional on-line Reseau de veille en tourisme, Chaire de tourisme Transat

O Spa das Sources de Caudalie, especializado em vinoterapia

O Spa das Sources de Caudalie, especializado em vinoterapia

Cannes, alem do Festival, grandes hotéis e cantos exclusivos

Sob a presidência do australiano George Miller, que apresentou o ano passado o seu filme  “Mad Max Fury Road”, o Festival de Cannes foi inaugurado com  Café Society, um novo – e, como sempre, polemico- filme do Woody Allen. DSCN1410 - copieDurante onze dias, a cidade vai viver ao ritmo do cinema, se vestir de tuxedo ou de vestido longo, e celebrar a cultura, o luxo e a elegância. Segunda cidade francesa pelo numero de hotéis 4 ou 5 estrelas, tendo uma das maiores concentrações de lojas de grandes marcas, Cannes aproveita o Festival para mostrar a excelência e o chique do seu serviço, e as vezes as extravagâncias dos seus clientes. Dentro das mais famosas, um entrega de dois mil rosas para uma atriz cobiçada, uma encomenda de banheira cheia de leite de cabra para Faye Dunaway, ou a exigência de paredes azuis na suite de um ator galês que teve que ser pintada no ato.

O Carlton Intercontinental

O Carlton Intercontinental

Mesmo se o Five Seas é badalado e o Novotel Montfleury charmoso, só alguns hotéis de Cannes simbolizam o Festival. O Carlton é o mais tradicional, aberto em 1911, tendo como investidor e cliente fiel o irmão do Imperador da Rússia, o Grande Duque Michel. Dessa época de glória o hotel ganhou seu nome (Carlton quer dizer o país do homem livre em norueguês) , guardou o seu salão tombado, os seus pratos de prata e a coroa imperial da sua louça. A lenda do hotel se juntou aos mitos de Cannes quando a Grace Kelly ou a Elizabeth Taylor. O Majestic é um outro endereço de prestigio ligada ao Festival. Frente ao tapete vermelho do “Palais des Festivals”, pertencendo ao grupo Barrière, ele foi aberto em 1926, completamente renovado em 2010 com uma decoração perfeitamente respeitada até hoje tanto na sua faixada que nos seus dois restaurantes, o Fouquet’s et a Petite Maison. O Martinez  Grand Hyatt é outro endereço tradicional da Croisette. Aberto em 1929, primeiro hotel francês com um elevador, ele é muito procurado pelo seu estrelado restaurante “La Palme d’Or” onde cada prato combina com uma louça de cerâmica especifica.

Mosteiro da Ilha Saint Honorat

Mosteiro da Ilha Saint Honorat

Mas, mesmo durante o Festival, o charme de Cannes continua sendo a sua diversidade e os seus   lugares escondidos onde a exclusividade e o intercâmbio com moradores são também o verdadeiro luxo. Uma das atividades mais exclusiva é conseguir sair a bordo dos barcos pesqueiros. Trinta deles ainda trabalham no porto de Cannes e aceitam alguns visitantes que podem sair no nascer do sol atras de douradas, de “rougets”, de lagostas ou de cavaquinhas. marche-forville-cannes-Depois da pescaria, e duma parada no Café de l’Horloge, os convidados podem seguir até o Mercado Forville para ver a venda nas barracas de produtos locais. Longe da Croisette, um outro passeio imperdível junta exclusividade e autenticidade: o mosteiro fortificado da ilha de  Saint-Honorat onde 21 monges recebem os visitantes amadores de espiritualidade, de passeios nos pinheirais e de degustações de vinhos produzidos no local. Saindo do porto onde acostam iates de milionários vindo do mundo inteiro, a somente 15 minutos dos borbulhas do Festival, essa visita – de um dia ou mais para quem quiser experimentar a hospitalidade dos monges- é sem dúvida uma das mais surpreendentes quanta a extraordinária diversidade da cidade  do Festival mais glamoroso do cinema mundial. Vive le Festival de Cannes!

O "Vieux Port" de Cannes

O “Vieux Port” de Cannes

Na Ilha Saint Honorat, 16 séculos de trabalho dos vinhedos

 Esse artigo foi inspirado de um artigo original do diário francês Le Figaro