Turismo para família combinando Disney, parques, outlets … e cultura? Paris Ile de France, claro!

Disneyland Paris, primeira atração turística da Europa

As comemorações dos 25 anos da Disneylândia Paris mostraram o sucesso desse empreendimento – hoje a atração turística mais visitada da Europa com 13,4 milhões de entradas -, bem como o impacto que ele teve sobre o turismo francês. O Mickey com sotaque atraiu novos perfis de visitantes e deu um novo impulso não somente nos mercados de proximidade mas também na Ásia e nas Américas. No Brasil, que até então dava para a Flórida a quase exclusividade dos parques de lazer, foram mais de 80.000 viajantes (um crescimento de quase 40%) que descobrirão em 2017 a Disney à francesa. A crescente presença de brasileiros nos grandes parques como Asterix, o Puy du Fou e o Futuroscope, ou nos 250 outros parques  espalhados na região Paris Ile de France e nas outras regiões francesas, mostram que a França é cada vez mais considerada no Brasil como um destino para famílias com crianças grandes ou pequenas.

A Fondation Vuitton, encostada no Jardin d’Acclimatation

Em 2018, a reabertura do saudoso Jardin d’Acclimatation, encostado na Fondation Vuitton e nas florestas urbanas do Bois e Boulogne, vai dar mais um impulso na atratividade da região para o turismo de famílias. O mais antigo parque de Paris, aberto em 1860 pelo Imperador Napoleão III, está sendo completamente renovado e o seu proprietário, o grupo de luxo LVMH, tem a ambição de atrair em breve mais de 2 milhões de visitantes. O projeto inclui a renovação do patrimônio arquitetural herdado do Império, dos estábulos, do pombal, e dos aviários, bem como a valorização das atrações mais queridas dos parisienses –  Trenzinho (aberto em 1878), Rio Encantado (aberto em 1927), ou Casa dos Espelhos. Além das 23 atrações já existentes, 17 serão abertas, todas no mesmo espírito “retro-futurista” inspirado em Jules Verne. Apostando na complementaridade com a Fondation Vuitton, combinando parque e cultura, a LVMH espera atrair turistas internacionais de todas as idades.

Grandes marcas e pequenos preços no outlet La Vallée Village

Não bastassem os parques, a região Paris Ile de France está agora seduzindo as famílias pelas opções de shopping. As medidas tomadas para facilitar as aberturas de loja nos domingos, bem como a simplificação dos procedimentos de reembolso de até 16 % de impostos já agradaram os turistas. A multiplicação dos outlets  foi mais um passo. A França tem hoje 21 “vilarejos de marcas”, sendo oito perto de Paris e três em Troyes, na Champagne vizinha. Os maiores, tais como o One Nation Paris, as Marques Avenues, o Usine Center, ou o Usine Mode et Maison, chegam a juntar lojas de fábricas, lojas de departamentos (inclusive cinco Galeries Lafayette) ou até lojas tradicionais, com preços de liquidações. Pela proximidade da Disney, ou talvez das 190 lojas do shopping Val d’Europe, hospedando 120 marcas francesas e internacionais, o La Vallée Village , que hospede 120 marcas francesas e internacionais, é o mais popular junto aos turistas brasileiros.

Em Vaux le Vicomte, cultura e diversão para toda família

Na concorrência com os grandes destinos de turismo em família curtidos pelos brasileiros, a região de Paris Ile de France tem acima de tudo um trunfo importante, um acervo cultural excepcional que surpreende pelas numerosas ofertas para crianças de todas as idades. Em Paris mesmo, a Cité des Sciences, o Palais de la découverte, o Musée des Arts forains são algumas opções para as famílias, bem como o Museu do Homem, o Museu da Marinha ou o próprio Louvre, se o roteiro escolhido for adaptado – mostrando que a cultura pode também ser atual e divertida. Nos arredores da capital, os mais prestigiosos castelos, incluindo Versalhes, Fontainebleau ou Vaux le Vicomte, oferecem animações ou eventos  para adultos e crianças. Para os turistas brasileiros, que exigem das suas viagens para França uma forte dimensão cultural, será talvez um argumento decisivo para escolher Paris e sua região como o outro destino para famílias juntando parques de lazer, shopping … e cultura.

Jean-Philippe Pérol

Os Etangs de Corot, exemplo de canto escondido de Paris Ile de France

Mais três “Palaces” em Paris, na “Côte d’Azur” e no Caribe francês

Le Cheval Blanc Saint Barth Isle de France, primeiro Palace do Caribe francês

Le Cheval Blanc Saint Barth Isle de France, primeiro Palace do Caribe francês

A mais espetacular novidade da classificação hoteleira francesa foi sem duvidas a inauguração em 2010 de uma categoria “Palace”, uma exclusividade mundial concebida pela Atout France, a agência de desenvolvimento turístico da França. Premiando hotéis 5 estrelas com uma situação geográfica excepcional, um interesse histórico e patrimonial, um serviço perfeito e uma fama internacional, a distinção é atribuída por 5 anos por uma comissão de personalidades da cultura, da imprensa, da economia e do turismo. Depois da sua ultima reunião, foi anunciado dia 22 de Julho que o restrito clube dos Palaces franceses estava se abrindo para três novos estabelecimentos em Paris, na Côte d’Azur e em Saint Barthelemy.

O Peninsula renovando a tradição do Majestic

O Peninsula renovando a tradição do Majestic

Em Paris, foi destacado o Peninsula, hotel da avenida Kleber pertencendo ao grupo de Hong Kong que já abriu dez hotéis de luxo em Xangai, Chicago, Tókio, ou Nova Iorque. O novo Península reabriu em 2014  num dos prédios com a mais prestigiosa historia da hotelaria parisiense. Construído no local de um palácio pertencendo à rainha da Espanha, ele foi inaugurado em 1908 com o nome de Hotel Majestic, ponto de encontro da alta sociedade da Belle Époque. Depois da segunda guerra virou um centro de congressos internacionais do ministério das Relações exteriores (aí foram negociados os acordos de paz finalizando a guerra do Vietnã), foi reaberto como hotel depois de uma longa, criativa, requintada e espetacular renovação que o deixou com 200 quartos sofisticadas e um requinte de “Palace” muito parisiense.

 

O Eden Roc, o lendário hotel da Côte d'Azur

O Cap Eden Roc, o lendário hotel da Côte d’Azur

Na Côte d’Azur, a Riviera Francesa, é o hotel Cap Eden Roc de Antibes que recebeu a distinção, construído em 1870, pelo fundador do famoso diário francês Le Figaro, Hippolyte de Villemessant, o hotel, então chamado de Villa Soleil, foi desde a sua inauguração um refugio para artistas, escritores e celebridades. Quartos e salões lembram as estadias de hóspedes como Marc Chagall, o duque e a duqueza de Windsor, George Bernard Shaw, Francis Fitzgerald, ou os grandes eventos que marcaram o hotel e suas dependências. Hoje pertencendo ao grupo Oetker Collection, o Cap Eden Roc terminou em 2013 uma longa renovação  que o projetou como um irresistível candidato para a distinção de Palace.

O luxo do Cheval Blanc frente a praia de Saint Barthelemy

O Cheval Blanc frente a baia dos Flamengos em Saint Barthelemy

Enquanto os “Palaces” reconhecidos até hoje são todos localizados na França “europeia”, a comissão decidiu pela primeira vez premiar um hotel localizado no Caribe francês, na exclusiva ilha de Saint Barthelemy já famosa por hospedar sete hotéis de cinco estrelas – incluindo o Guanahani, o Eden Roc ou o Sereno–  nos seus procuradíssimos 21 quilômetros quadrados (é menor que Fernando de Noronha). A comissão entregou para o hotel Cheval Blanc Saint Barth a primeira distinção Palace ultra-marina. Comprado em 2013 pelo grupo LVMH, o novo Palace é um pequeno hotel de 40 quartos localizado na Baia dos Flamengos, no norte da Ilha. Famoso pelo seu SPA e pela qualidade do seu restaurante franco caribenho, ele é o segundo hotel do grupo a conseguir a prestigioso distinção já alcançada pelo Le Cheval Blanc de Courchevel. Um sucesso que levará sem dúvidas vários prestigiosos concorrentes a se preparar para a próxima reunião da comissão de atribuicão da distinção Palace, já anunciada pelo Secretario do Turismo francês Mathias Fekl.

O Cheval Blanc de Courchevel, primeiro Palace do grupo LVMH

O Cheval Blanc de Courchevel, primeiro Palace do grupo LVMH

19 estabelecimentos receberam até hoje a distinção  “Palace” :
– Hôtel du Palais – Biarritz
– Hôtel Les Airelles – Courchevel
– Hôtel Le Cheval Blanc – Courchevel
– Hôtel Le K2 – Courchevel
– Hôtel Four Seasons George V – Paris
– Hôtel Le Bristol – Paris
– Hôtel Le Mandarin Oriental – Paris
– Hôtel Le Meurice – Paris
– Hôtel Le Park Hyatt Paris Vendôme – Paris
– Hôtel Le Plaza Athénée – Paris
– Hôtel Le Royal Monceau – Raffles Paris – Paris
– Hôtel Le Shangri-La – Paris
– Hôtel Le Peninsula – Paris
– L’hôtel La Réserve – Ramatuelle
– Hôtel Le Grand-Hôtel du Cap-Ferrat – Saint-Jean-Cap-Ferrat
– Hôtel Le Cap Eden Roc – Antibes
– Hôtel Le Byblos – Saint-Tropez
– Le Château de la Messardière – Saint-Tropez
– Hôtel Le Cheval Blanc Saint-Barth Isle de France – Saint-Barthélemy

 

Os Champs Elysées so para pedestres?

Pintora nos Champs Elysées

Pintando os campos de trigo nos Champs Elysées

A partir do próximo  dia 1 de Maio, a avenida dos Champs Elysées, a mais famosa avenida do mundo, será exclusiva dos pedestres cada primeiro domingo do mês. As oito pistas de asfalto poderão acolher barracas, bares, espetáculos, concertos ou exposições, num ambiente de festa que alegrará turistas e moradores. Os Champs Elysées na Belle ÉpoqueAbertos em 1667 durante o reinado do Luis XIV, o Rei-Sol, os quase dois quilómetros dos  “Campos Eliséus”  e seus vinte milhões de visitantes já viram acontecer muitos momentos excepcionais. Eles são o palco da linha de chegada do Tour de France, o campo de Marte dos desfiles do 14 de Julho, a praça de comemoração do Ano Novo. Eles já foram plantações de trigo para apoiar os camponeses ou transformados em estacionamento de aviões para celebrar os cem anos da industria aeronáutica francesa.

A Paulista entrega a pedestres e ciclistas

A Paulista entrega a pedestres e ciclistas

Paris não vai ser a primeira cidade a entregar aos pedestres a sua mais bela avenida. A primeira foi Copenhague com o Stroget em 1962, depois copiada por Londres (Barnaby Street), Amsterdam (Leidsestraat), Tokyo (Cat Street), Nova York (Times Square) e, desde o ano passado, São Paulo com a Paulista. Adotando essa ideia, Paris mostra que a festa não é somente algo excepcional para comemorar grandes eventos, mas também uma realidade rotineira para moradores e turistas, uma homenagem perene à modernidade da cidade, à sua criatividade e à sua audácia.  Devolver os Champs Elysées aos parisienses e aos turistas vai também ajudar a revalorização do bairro, uma forte reivindicação dos moradores que ajudou o famoso restaurante Fouquet’s a não desaparecer em 1988, empurrou a abertura de vários novos hotéis de luxo, e devolveu à avenida numerosas lojas de artigos de luxo.

O Restaurante Fouquet’s nos Champs-Elysees

As opções de shopping nos “Champs” vão se multiplicar nos próximos dois anos. Desde 1996, o ponto mais quente era a Sephora, propriedade do grupo LVMH. Com 15.000 produtos e 250 marcas, investindo nos serviços aos consumidores, atraindo ricos e famosos, a loja recebe 6 milhões de visitantes por ano. Os relógios têm agora o seu endereço na loja Dubail onde são encontrados Rolex, Cartier, Piaget e todos as grandes marcas da relojoaria mundial, bem como séries especiais ou peças únicas. Sephora Champs ElyseesMas, as maiores novidades são previstas para 2018. Na frente do Fouquet’s, a Apple inaugurará sua quarta loja na capital francesa num prédio de 6200 metros quadrados redesenhado pelo arquiteto americano Norman Foster. Com um aluguel previsto de um milhão de euros por mês, a futura Apple Store deve com certeza virar um dos “flagships” dos Champs Elysées. A outra grande novidade prevista para 2018 será a chegada das Galeries Lafayette na antiga Virgin Megastore, pioneira da abertura nos domingos.GL nos Champs Elysées O projeto deve incluir muitas surpresas e será o maior espaço de shopping da avenida. Mais que uma nova loja, a abertura das Galeries Lafayette será também um símbolo do sucesso dos esforços  para fazer os Champs Elysées voltar como símbolo do luxo a francesa. Em 1927, o fundador das Galeries, Théophile Bader, já tinha comprado o local para abrir uma grande loja no estilo americano, mas a crise de 1929 acabou com seu sonho. Nos Champs Elysées renovados, alem do primeiro domingo do mês reservado para pedestres, ainda tem muito o que acontecer!

Jean-Philippe Pérol

 

Os Champs Elysees verde

Os Champs Elysées festejando a natureza em Maio 2010

2025: a França voltando com o sonho das Exposições Universais!

paris_1900_eiffel_view_11515

Sonhando com os 2 bilhões de turistas anunciados pela O.M.T. para daqui a 15 anos, o ministro francês Laurent Fabius acredita que a França só poderá manter a sua posição de primeiro destino turístico mundial se souber se organizar. Além de melhorar o atendimento, adaptar os grandes aeroportos e as principais estações de trens às exigências do viajante do século 21, ou mobilizar maiores recursos para a promoção, um dos grandes desafios será de atrair alguns dos grandes eventos internacionais previstos nos próximos anos. téléchargementDois encontros esportivos, a Eurocopa em 2016 e a Rydercopa (o encontro máximo do golfe) em 2018, já serão organizados na França. Mas lembrando o sucesso impressionante das comemorações do Bicentenário de 1789, ficou claro que o impulso duma grande manifestação cultural seria também considerável, ou até maior, tanto para renovar a imagem do pais como para ampliar os fluxos de turistas.

Uma das grandes oportunidades pela frente seria a Exposição Universal de 2025. A França está preparando a sua candidatura para esse grande evento que Paris já sediou seis vezes, mas sendo a ultima em 1900. Um relatório parlamentar que acabou de ser publicado por dois deputados, Fromantin et Leroux, lembrou que as exposições organizadas no século 19 foram ocasiões únicas tanto para a cultura da França como para suas indústrias e seu turismo.

extension-palais-du-trocadero-genie-du-corps-eleves-centre-michel-serres

O projeto levanta um entusiasmo sincero de todos os atores até agora envolvidos, seja empresários ou políticos, que acreditam no seu impacto tanto na economia como na imagem do país. Para depositar um dossiê completo até o final de 2016 – a decisão do Bureau Internacional das Exposições é prevista no mais tardar em 2019 – , os parlamentares insistiram particularmente em dois pontos. France_Pavilion_of_Expo_2010O primeiro é a mobilização de todos, desde os moradores, que terão um papel chave especialmente no atendimento dos turistas, até o próprio Presidente da Republica que deverá convencer o Buró da fiabilidade dos compromissos de investimentos, especialmente nas grandes infraestruturas de transportes como o Grand Paris Express ou as novas ligações diretas para os aeroportos. A segunda ideia seria de renovar com criatividade o modelo tradicional das exposições tal que foi visto ainda recentemente em Xangai. Em vez dum único local onde seriam agrupados todos os pavilhões dos países participantes, a Expo France 2025 seria distribuída em círculos concêntricos: Paris intramuros, o Grande Paris e as cidades da periferia, utilizando o patrimônio existente, e oferecendo para os expositores espaços perto de lugares ou monumentos famosos.$T2eC16Z,!y4FI,d9-C9OBSc6hiDEWQ~~60_35 O Brasil, que foi destaque nas exposições universais parisienses do século 19, em 1867, em 1878 com o próprio imperador Dom Pedro II, e em 1889 com um pavilhão que incluiu até um lago artificial com vitórias-régias , talvez poderá em 2025 voltar a ter seu pavilhão na frente da Torre Eiffel ?

Assim que já foi visto no Brasil durante a Copa, ou que está sendo confirmado no Rio na preparação dos J.O., um projeto desse porte é também uma ocasião para reformar e aprimorar todos os serviços turísticos do pais. L-idee-d-une-exposition-universelle-a-Paris-fait-son-chemin_article_popinO ministro encontrará na preparação de ExpoFrance 2025, e nos 50 milhões de visitantes esperados, motivos para ampliar a capacidade hoteleira de Paris, autorizar a abertura de mais lojas e outlets nos domingos, desenvolver o ensino de línguas estrangeiras ou lançar uma grande campanha de sensibilização dos franceses a importância de melhorar ainda mais o atendimento aos turistas. A Air France, a Accor, a LVMH, a Renault e muitas grandes empresas já estão apoiando o projeto, e os parisienses, em geral muito relutantes, parecem gostar da ideia.

Jean-Philippe Pérol