Comprar vinhos na França, umas sugestões para 2017…

De Vinis Illustribus, 48, rue de la Montagne Sainte Geneviève

Se tem mil opções de shopping atraente na França, os vinhos são com certeza uma das mais vantajosas para os brasileiros que podem levar de volta até doze litros, dentro do limite dos USD 500 autorizados. Mas qual vinho escolher, e aonde comprar-lo? Claro que o mais divertido é de se informar e de comprar no próprio vinhedo.Sonhar em Saulieu ...Muitos Châteaux de Bordeaux, a maioria dos produtores da Borgonha, as grandes Maisons da Champagne e muitas pequenas propriedades de todas as regiões recebem os visitantes para degustações e vendas de vinho. É uma escolha gratificante, não somente pela compra, mas também pelo contato com o produtor, as explicações do processo de fabricação específico a cada “terroir” e as visitas das  adegas. Pela beleza do local, a atenção do atendimento e a qualidade dos vinhos, alguns vinhedos oferecem uma experiência inesquecível. PETIT HAUT LAFITTESmith Haut Lafitte e Lynch Bages em Bordeaux, Chateau La Coste na Provence, Ruinart e Moët et Chandon na Champagne, o Chateau de Pommard ou  Drouhin Laroze na Borgonha são alguns desses lugares excepcionais. Se os preços não são muito diferenciados, a descoberta de “deuxième” ou “troisième” vinho  sempre justifica a visita (por exemplo o Petit Haut Lafitte, o Hauts de Lagrange ou o La Goulée).

A sessão de vinhos de um hipermercado Leclerc

Lojas especializadas são sempre uma boa opção. Assim , em Paris , recomende-se a Lavinia, ou, em Bordeaux, a Vinothèque e a espetacular “L’intendant” que sempre têm ofertas interessantes. As ruas de Saint Émilion escondem varias pequenas lojas onde tem vinhos pouco conhecidos, e ótimos negócios para fazer. Na França inteira, as lojas Nicolas, os supermercados Monoprix tem sempre ofertas interessantes.  As promoções mais surpreendentes são porem encontradas durante as “Foire aux vins” , uma tradição dos armazéns Leclerc desde 1973. Assim em 2016 foi possível aproveitar um Saint-émilion grand cru Château Boutisse 2014 a EUR 15,95, um Graves Château de Chantegrive 2012  a EUR 12,50, um Bourgogne Santenay premier cru Muzard Les Cabottes Vieilles vignes 2014 a EUR 19,50, e mesmo um Saumur-Champigny Domaine Filliatreau Les Ecois 2015 a EUR 6,95 ou um Saint-Chinian-Roquebrune Col de l’Estrade 2014 a EUR 5,75!

A charmosa e excepcional adega de De vinis illustribus

Entre a possibilidade de provar os vinhos, de encontrar garrafas excepcionais e de conseguir preços em conta, vale a pena experimentar uma pequena loja em Paris chamada “de Vinis Illustribus”. No coração do Quartier Latin, o enólogo Lionel Michelin começou sua atividade oferecendo “vinhos de aniversario” , vinhos de safra correspondentes ao ano de nascimento da pessoa presenteada. Continuou ampliando a oferta para vinhos raros, e acabou decidindo de dividir a sua paixão pelo vinho oferecendo degustações para grupos ou individuais. Com um serviço muito personalizado, ele tenta também oferecer para cada cliente uns vinhos combinando com seus gostos, sua carteira, e sua personalidade. Esse ano, ele aceitou mais uma vez de fazer uma sugestão da melhor cesta de vinhos combinando com as quotas da alfândega brasileira (comprando duas garrafas de cada vinho selecionado dará exatamente USD 500!).

A seleção 2017 de DE VINIS ILLUSTRIBUS:

 Château Jean FAURE 2009 : USD 48 Um Grand Cru Classé, localizado perto do prestigiosos CHEVAL BLANC . Um Saint-Emilion  2009, rico e profundo, que pode ser bebido logo, mesmo se é melhor esperar.De_Vinis_Illustribus-Lionel_Michelin_commenting_a_wine_tasting

Domaine TEMPIER 2012 : USD 33 Contando com três uvas, 75% de Mourvèdre, 15% de Grenache e 10% de Cinsault, esse Bandol é frutado e generoso, ideal para carne ou pratos temperados.

 Domaine LA BARROCHE 2013 : USD 48 Um grande Châteauneuf-du-Pape, cheio de frutas maduras com notas de cacau, para beber com comidas fortes.

 Château LES ORMES DE PEZ 2002 : USD 48  Do mesmo dono que o LYNCH BAGES, esse Saint-Estephe é um grande clássico do vinhedo de Bordeaux, com sabores de moka, de tabaco, e de torrado, redondo e com lindos taninos.

 Meursault “Les Petits Charrons” 2014 : USD 43  um Bourgogne branco, um chardonnay excepcional com vindimas feitas a mão. De cor dourada, com sabores de torrado, de manteiga fresca, e toques de cítricos no final.

 Marsannay “Les Longeroies” 2014 : USD 30 um raro vinho branco da Côte de Nuits, um Marsannay 100% chardonnay elaborado par um jovem produtor muito talentoso. De cor clara e brilhosa, sabores minerais e  aromas de flores brancas. A saborear com peixes, com aves ou com queijos de massa dura.

Então Boas compras e “à  votre santé”!

Jean-Philippe Pérol

 Esse artigo foi publicado pela primeiro vez nesse Blog no dia 26 de Julho de 2014, e foi atualizado em 2015 e agora em 2017  para levar em consideração novas propostas do Lionel Michelin.

De_Vinis_Illustribus-Old_wines

Os vinhos raros do Lionel Michelin

Os Champs Elysées so para pedestres?

Pintora nos Champs Elysées

Pintando os campos de trigo nos Champs Elysées

A partir do próximo  dia 1 de Maio, a avenida dos Champs Elysées, a mais famosa avenida do mundo, será exclusiva dos pedestres cada primeiro domingo do mês. As oito pistas de asfalto poderão acolher barracas, bares, espetáculos, concertos ou exposições, num ambiente de festa que alegrará turistas e moradores. Os Champs Elysées na Belle ÉpoqueAbertos em 1667 durante o reinado do Luis XIV, o Rei-Sol, os quase dois quilómetros dos  “Campos Eliséus”  e seus vinte milhões de visitantes já viram acontecer muitos momentos excepcionais. Eles são o palco da linha de chegada do Tour de France, o campo de Marte dos desfiles do 14 de Julho, a praça de comemoração do Ano Novo. Eles já foram plantações de trigo para apoiar os camponeses ou transformados em estacionamento de aviões para celebrar os cem anos da industria aeronáutica francesa.

A Paulista entrega a pedestres e ciclistas

A Paulista entrega a pedestres e ciclistas

Paris não vai ser a primeira cidade a entregar aos pedestres a sua mais bela avenida. A primeira foi Copenhague com o Stroget em 1962, depois copiada por Londres (Barnaby Street), Amsterdam (Leidsestraat), Tokyo (Cat Street), Nova York (Times Square) e, desde o ano passado, São Paulo com a Paulista. Adotando essa ideia, Paris mostra que a festa não é somente algo excepcional para comemorar grandes eventos, mas também uma realidade rotineira para moradores e turistas, uma homenagem perene à modernidade da cidade, à sua criatividade e à sua audácia.  Devolver os Champs Elysées aos parisienses e aos turistas vai também ajudar a revalorização do bairro, uma forte reivindicação dos moradores que ajudou o famoso restaurante Fouquet’s a não desaparecer em 1988, empurrou a abertura de vários novos hotéis de luxo, e devolveu à avenida numerosas lojas de artigos de luxo.

O Restaurante Fouquet’s nos Champs-Elysees

As opções de shopping nos “Champs” vão se multiplicar nos próximos dois anos. Desde 1996, o ponto mais quente era a Sephora, propriedade do grupo LVMH. Com 15.000 produtos e 250 marcas, investindo nos serviços aos consumidores, atraindo ricos e famosos, a loja recebe 6 milhões de visitantes por ano. Os relógios têm agora o seu endereço na loja Dubail onde são encontrados Rolex, Cartier, Piaget e todos as grandes marcas da relojoaria mundial, bem como séries especiais ou peças únicas. Sephora Champs ElyseesMas, as maiores novidades são previstas para 2018. Na frente do Fouquet’s, a Apple inaugurará sua quarta loja na capital francesa num prédio de 6200 metros quadrados redesenhado pelo arquiteto americano Norman Foster. Com um aluguel previsto de um milhão de euros por mês, a futura Apple Store deve com certeza virar um dos “flagships” dos Champs Elysées. A outra grande novidade prevista para 2018 será a chegada das Galeries Lafayette na antiga Virgin Megastore, pioneira da abertura nos domingos.GL nos Champs Elysées O projeto deve incluir muitas surpresas e será o maior espaço de shopping da avenida. Mais que uma nova loja, a abertura das Galeries Lafayette será também um símbolo do sucesso dos esforços  para fazer os Champs Elysées voltar como símbolo do luxo a francesa. Em 1927, o fundador das Galeries, Théophile Bader, já tinha comprado o local para abrir uma grande loja no estilo americano, mas a crise de 1929 acabou com seu sonho. Nos Champs Elysées renovados, alem do primeiro domingo do mês reservado para pedestres, ainda tem muito o que acontecer!

Jean-Philippe Pérol

 

Os Champs Elysees verde

Os Champs Elysées festejando a natureza em Maio 2010

Comprar vinhos na França, sempre, mas quais sugestões em 2015?

devinisillistrubus

Se tem mil opções de shopping atraente na França, os vinhos são com certeza uma das mais vantajosas para os brasileiros. Mas qual vinho escolher, e aonde comprar-lo? Claro que o mais divertido é de se informar e de comprar no próprio vinhedo. Sonhar em Saulieu ... Muitos Châteaux de Bordeaux, a maioria dos produtores da Borgonha, as grandes Maisons da Champagne e muitas pequenas propriedades de todas as regiões recebem os visitantes para degustações e vendas de vinho. É uma escolha gratificante, não somente pela compra, mas também pelo contato com o produtor, as explicações do processo de fabricação específico a cada “terroir” e as visitas das  adegas. Pela beleza do local, a atenção do atendimento e a qualidade dos vinhos, alguns vinhedos oferecem uma experiência inesquecível:PETIT HAUT LAFITTE Smith Haut Lafitte e Lynch Bages em Bordeaux, Chateau La Coste na Provence, Ruinart e Moët et Chandon na Champagne, o Chateau de Pommard ou  Drouhin Laroze na Borgonha são alguns desses lugares excepcionais. Se os precos não são muito diferenciados, a descoberta de “deuxième” ou “troisième” vinho  sempre justifica a visita (por exemplo o Petit Haut Lafitte, o Hauts de Lagrange ou o La Goulée). Lojas especializadas são sempre uma boa opção. Assim , em Paris , recomende-se a Lavinia, ou, em Bordeaux, a Vinothèque e a espetacular “L’intendant” que sempre têm ofertas interessantes. As ruas de Saint Émilion escondem varias pequenas lojas onde tem vinhos pouco conhecidos, e ótimos negócios para fazer. E na França inteira, as lojas Nicolas, os supermercados Monoprix ou os armazéns Leclerc surpreendem pelas suas promoções.

Entre a possibilidade de provar os vinhos, de encontrar garrafas excepcionais e de conseguir preços em conta, vale a pena experimentar uma pequena loja em Paris chamada “de Vinis Illustribus”. DSCN0107No coração do Quartier Latin, o enólogo Lionel Michelin começou oferecendo “vinhos de aniversario” , vinhos de safra correspondentes ao ano de nascimento da pessoa presenteada. 378052_221262494617124_152480064828701_485232_101858432_nContinuou ampliando a oferta para vinhos raros, e acabou decidindo de dividir a sua paixão pelo vinho oferecendo degustações para grupos ou individuais. Com um serviço muito personalizado, ele tenta também oferecer para cada cliente uns vinhos combinando com seus gostos, sua carteira, e sua personalidade. Assim, para os brasileiros, que podem importar ate 12 litros por 500 USD, ele tinha sugerido em 2014 duas opções, uma para amadores e uma só para mulheres!

A cesta de doze incluia 2 Château de Ferrand Grand Cru Saint-Emilion 2004, 2 Château La Parde de Haut-Bailly Pessac-Léognan 2009, 2 Fixin « Les Petits Crais » Fournier 2012, 2 Pouilly Fuissé « La Croix » Robert-Denogent 2011, 2 DomainGirls1e Saint-Préfert Châteauneuf-du-Pape 2011 et 2 Domaine Tempier 2010. A nosso pedido, inventou  para mulheres uma  seleção bem feminina de doze garrafas: 1 Champagne Mailly Blanc de Noirs, 1 Champagne Lanson « Extra Age » Rosé, 2 Banyuls « Quintessence » Coume del Mas 2011, 2 Meursault « Les Petits Charrons » Millot 2009, 2 Morgon « Côte du Py » Foillard 2011, 2 Château de Ferrand Grand Cru Saint-Emilion 2004, e 2 Folio Coume del Mas 2011.

Em 2015, pedimos para o Lionel de refazer uma cesta, essa vez com somente 8 vinhos afim de poder levar duas garrafas de cada.De_Vinis_Illustribus-Lionel_Michelin_commenting_a_wine_tasting A escolha  foi então a seguinte: 2 Meursault “les Terres Blanches” Domaine Millot 2011 (41 USD), 2 Beaune “Teurons” Morot 2009 (46 USD), 2 Château de Ferrand Grand Cru Saint-Emilion 2004  (46 USD), 2 Schistes Domaine de la Coume del Mas 2014 (23 USD), 2  Folio “Edition Spéciale” Domaine de la Coume del Mas Collioure 2013 (32 USD), 2 Marsannay “Saint-Urbain” Fournier 2013 ( 23 USD), 2 Saumur blanc “La Dame” Domaine de Rocheville 2011 ( 21 USD) e finalmente 2 Grenache de Sixte 2014 (18 USD). São muitos lugares para comprar e muitas sugestões par ser ouvidas, mas é bom lembrar que a sua melhor escolha será sempre de escolher os vinhos combinando com seu próprio gosto. 

Então Boas compras e “à  votre santé”!

Jean-Philippe Pérol

 Esse artigo foi publicado pela primeiro vez nesse Blog no dia 26 de Julho de 2014, e foi atualizado para levar em consideração novas ideias do autor e do Lionel Michelin.

De_Vinis_Illustribus-Old_wines

Comprar vinhos na França, claro, mas onde ir e como escolher?

devinisillistrubus

Se tem mil coisas atraentes para comprar na França, os vinhos são com certeza umas das mais interessantes  e das mais vantajosas para os brasileiros. Mas qual vinho escolher, e aonde comprar-lo? Claro que o mais divertido é de se informar e de comprar no próprio vinhedo. DSCN0571 Muitos Châteaux de Bordeaux, a maioria dos produtores da Borgonha, as grandes Maisons da Champagne e muitas pequenas propriedades de todas as regiões vinícolas recebem os clientes para degustações e vendas de vinho. Mesmo se os preços não são  em geral muito interessantes,  é uma escolha gratificante não somente pelas compras, mas também pelo contato com o produtor, as explicações do processo de fabricação específico a cada “terroir” e as visitas das  adegas. Pela beleza do local, a atenção do atendimento e a qualidade dos vinhos, alguns vinhedos oferecem ao visitante uma experiência inesquecível: Smith Haut Lafitte e Lynch Bages em Bordeaux, Chateau La Coste na Provence, Ruinart e Moët et Chandon na Champagne, ou Drouhin Laroze na Borgonha são alguns exemplos desses lugares excepcionais.

Lojas especializadas são uma boa opção pelos preços e a localização. Em Paris pode encontrar grande escolha no Lavinia ou nas lojas da cadeia Nicolas. L1020005Em Bordeaux a Vinothèque e a espetacular  “L’intendant” sempre têm ofertas interessantes e diversificadas. E as ruas de Saint Émilion escondem varias pequenas lojas onde tem vinhos pouco conhecidos e ótimos negócios para fazer.

Na procura ideal entre a possibilidade de provar os vinhos, de encontrar garrafas excepcionais e de conseguir preços em conta, vale a pena experimentar uma pequena loja em Paris chamada “de Vinis Illustribus”. 378052_221262494617124_152480064828701_485232_101858432_nNo coração do Quartier Latin, o enólogo Lionel Michelin começou oferecendo “vinhos de aniversario” , seja vinho de safra correspondente ao ano de nascimento da pessoa presenteada. Continuou ampliando a oferta para vinhos raros, e acabou decidindo de dividir a sua paixão pelo vinho oferecendo degustações (com o sem refeições) para grupos ou individuais. Com um serviço muito personalizado, ele tenta também oferecer para cada cliente uns vinhos combinando com seus gostos, sua carteira, e sua personalidade. DSCN0107Assim, para os brasileiros, que podem importar ate 12 litros de vinho e um valor de 500 USD, ele sugeriu três opções desse montante:  para quem quiser doze garrafas mesmo, para quer prefira mais qualidade com só seis garrafas, e uma opção só para mulher!

A cesta de doze, dentro do orçamento de 500 USD, inclui 2 Château de Ferrand Grand Cru Saint-Emilion 2004, 2 Château La Parde de Haut-Bailly Pessac-Léognan 2009, 2 Fixin « Les Petits Crais » Fournier 2012, 2 Pouilly Fuissé « La Croix » Robert-Denogent 2011, 2 Domaine Saint-Préfert Châteauneuf-du-Pape 2011 et 2 Domaine Tempier 2010.

Para a cesta de primeira linha, o Lionel escolheu 1 Côte Rôtie Merlin 2009, 1 Colombis Châteauneuf-du-Pape 2009, 1 Château Brane-Cantenac 2ème Cru Classé Margaux 2009, 1 Château Destieux Grand Cru Classé Saint-Emilion 2003, 1 Meursault Comtes Lafon 2011, e 1 Nuits-Saint-Georges « Clos de la Maréchale » Mugnier 2009.

Girls1

E já que hoje o vinho é também assunto de mulher, pedimos mais uma seleção de doze garrafas, essa vez especificamente feminina. A seleção de de Vinis Illustribus foi então a seguinte: 1 Champagne Mailly Blanc de Noirs, 1 Champagne Lanson « Extra Age » Rosé, 2 Banyuls « Quintessence » Coume del Mas 2011, 2 Meursault « Les Petits Charrons » Millot 2009, 2 Morgon « Côte du Py » Foillard 2011, 2 Château de Ferrand Grand Cru Saint-Emilion 2004, e 2 Folio Coume del Mas 2011.

São muitos lugares para comprar e muitas sugestões par ser ouvidas, mas é bom lembrar que a sua melhor escolha será de comprar os vinhos combinando com seu próprio gosto. Boas compras e “à  votre santé”!

Shopping na França : barato, diverso e cultural!

louvre-museum-paris-france-13-1200x1920_0

Se para os brasileiros Paris é a capital mundial da cultura – são depois dos americanos os mais numerosos a visitar o Louvre – , eles não escolhem Paris como capital do shopping, pensando muitas vezes que as compras em Paris se restringem a perfumes ou roupas de grandes costureiros. Para quem conhece a capital francesa, as oportunidades de compras são porém ilimitadas, tendo inclusive varia boas razões para dar a França uma séria vantagem na competição com os Estados Unidos para satisfazer as exigências e os desejos dos mais impulsivos e exigentes compradores.

Começando com as famosas liquidações semestrais, que vão justamente começar em Paris dia 25 de junho e durar até 29 de julho. Elas foram mesmo inventadas na França, pelo empresário Simon Mannoury, fundador em 1830 da loja parisiense soldes (1)Au Petit Saint Thomas. Foi ele quem organizou as primeiras operações de grande baixa de preços sazonais para liquidar seu estoque não vendido da temporada anterior. Até então a palavra solde significava pedaço de tecido não vendido. Simon Mannoury se apropriou da palavra para designar seus eventos. Em 1852 Le Petit Saint Thomas se tornaria a famosa loja Le Bon Marché na Rua do Bac. Hoje a loja fundada pelo Mannoury é chiquérrima, mas as liquidações continuam e foram adotadas na França inteira. Tanto no inverno como no verão, estas datas apresentam uma oportunidade única de comprar de tudo (roupas, eletrônicos, moveis, etc…) com descontos inacreditáveis.shop3 Durante as primeiras semanas ficam em torno de 30 a 50%, mas nas últimas semanas os preços ainda degringolam de maneira vertiginosa. Alguns consumidores preferem o início das liquidações por acreditarem que há mais escolha nas lojas. Outros não resistem aos incríveis preços das últimas semanas. Tantas oportunidades fazem com que as ruas comercias e shoppings da cidade apresentem um  ritmo de festa e animação. Vive les soldes!

Para compras de turistas: 100 na etiqueta=107 nos EE-UU=87 na França

Os preços, ou mais especificamente as taxas, dão também uma vantagem a França na briga para ser o paraíso das compras dos brasileiros. Olhando duas etiquetas do mesmo valor, o comprador deve saber que isso esconde uma diferencia de 12 a 27% a favor da loja francesa. Isso porque as taxas (em média 7%) são cobradas nos Estados Unidos por cima do preço mencionado, enquanto na França não somente estão inclusas (de 5,5 a 20%), mas são reembolsadas para estrangeiros na saída do Europa (respeitando algumas condições). Em média uma diferença de 20%  a favor da França!

20128409

Paris, e muitas grandes cidades francesas como Bordeaux, Marselha, Lyon, Nice, Cannes ou Estrasburgo, oferecem também uma diversidade de compras excepcional. São ruas e até bairros repletos de pequenas lojas (para mim a rua de Rennes em Paris ou a rua Sainte Catherine em Bordeaux) , bem como as tão famosas grandes lojas de departamentos (o meu favorito o Bon Marché, ou as Galeries Lafayette em Paris mais 17 cidades). São também shopping centers (o Quatre Vents em La Defense) e mais recentemente outlets  (experimente o La Vallée perto da Disney) . 20118215Cannes tem até um Festival de Shopping em janeiro. Tem brechós espetaculares em Saint Ouen (les Puces) e em muitos vilarejos do interior. E não se deve esquecer que a alfândega brasileira presenteou os amadores de vinho com uma quota de doze litros ! Compras na França são tão diversas que o próprio país, fazendo do shopping, tão querido dos turistas brasileiros, momentos de encontros, de intercâmbios e de descobertas. Mesmo barato, shopping na França também é cultura!

Jean-Philippe Pérol

Cópia de DSCN4170

Parte desse editorial foi escrito aproveitando um artigo da Silva Helena de Cerqueira. que teve a gentileza de autorizar essa colaboração.

Menos Euros, mas com mais viagens e mais compras?

PL

De acordo com o Banco Central, as despesas de brasileiros em viagens internacionais somaram US$ 2,120 bilhões em janeiro, uma queda de 7,8% em relação ao mesmo período de 2013. Vindo depois da forte alta do IOF sobre as despesas feitas com cartão de crédito no exterior, essa mudança reforçou os temores daqueles que acreditam que a morosidade da economia, a paixão pela a Copa do mundo e as incertezas da eleição para presidente vão reduzir os fluxos de turistas brasileiros para o exterior.

É certo que o Real a 3,20 por um Euro, bem como a alta do imposto, terão um impacto sobre as viagens, mas as pesquisas de comportamento e as experiências anteriores mostram várias razões para ser otimistas, podendo até confirmar que 2014 verá um crescimento, mesmo que menor, do turismo brasileiro.

As viagens internacionais cresceram 140% nos últimos seis anos, e são a terceira grande atividade de lazer com 24% das preferências da classe média (atrás somente das saídas e das atividades culturais). 91% dos brasileiros das classes A e B querem viajar para o exterior nos três próximos anos e só 28% deles pensam que motivos econômicos podem impedir esse sonho.Bar à vins Bourgogne_Photo-Alain Doire_Bourgogne Tourisme E quando se pergunta qual é a sua reação frente a alta do dólar, o viajante coloca em primeiro lugar disparado a redução das compras (44%), depois a escolha de um hotel mais em conta (26%) e a diminuição dos gastos em restaurantes (22%). Alguns falam em encurtar a viagem (22%), em adia-la (21%), outros em mudar o roteiro (17%), mas só 1% em cancelar. Viajar virou uma necessidade.

Mais experiente hoje, o turista brasileiro sabe também achar as dicas para otimizar seu orçamento de viagem, especialmente para França. Tem que evitar a alta temporada (cuidado ela é diferente dependendo dos lugares, em Paris  julho e mais ainda agosto são baixa temporada, em Nice tem que fugir do verão até da primavera). Para se hospedar, hotéis tipo Íbis da Accor congress_hotel_venue_search_Ibis_Paris_Porte_D_orleans_0635v00_448913513 são cada vez mais populares. Outras tendências fortes, com mais de um terço dos brasileiros, são as escolhas por apart-hotéis, alugueis de apartamentos ou de casas para viver feito um francês. Vale a pena passar mais tempo no interior onde os hotéis são sempre mais baratos que na capital, mas mesmo em Paris pode se encontrar boas surpresas aceitando se hospedar fora das áreas turísticas ou nos subúrbios mas próximos. Para se deslocar, o sucesso do trem (TGV ou outros produtos da Rail Europe) é impressionante, são hoje quase 70.000 brasileiros que utilizam esse meio de transporte seguro e barato dentro do país.20097856

Mesmo com o real enfraquecido, dá para aproveitar melhor as compras. Tem, em primeiro lugar, que se lembrar de quando se vê um preço de 100 Euros, é o contrário dos Estados Unidos onde se paga  as taxas por cima disso (será 107 ou 108). Na França vai ser no final só 87 porque vai ter um reembolso de 13%, a famosa ‘detaxe’. Os Galeries Lafayette, o Printemps – o antigo e o novo Le Louvre-, o Bon Marché, bem como muitas lojas oferecem esse serviço. Os outlets estão crescendo, sendo o mais famoso o La Vallée perto da Disney. monoprix-rennesPara muitos produtos de beleza ou de gastronomia, os supermercados Monoprix são excelentes opções. E se for em setembro, não perca a fabulosa feira de vinhos dos supermercados Leclerc com preços e ofertas deslumbrantes.

Mesmo com menos Euros, podemos ter mais viagens e até mais compras na França em 2014!

Jean-Philippe Pérol

Bleu = crédit photo  Pôle d'images pour Yann Kersalé - AIK 2