O Club Med inventando agências em apartamentos butique

Club Med compte déployer une dizaine d’appartements-boutiques en France d’ici 2021 - Appartement boutique des Champs-Elysées - Photo Shérif Scouri Club Med

Apartamento butique do Club Med nos Champs-Elysées

Atender os seus clientes num apartamento butique espaçoso e bem localizado é uma das novas ideias do Club Med para mostrar a consideração que os “gentis organizadores” estão agora dando para seus “gentis membros”.   Com o espírito de inovação que sempre foi a marca registrada desde seu carismático  líder Gilbert Trigano,  o Club quer reinventar não somente as viagens do futuro mas também a relação com os seus clientes, começando pelas suas agencias onde são realizadas 25% das vendas. Depois do sucesso do primeiro apartamento butique nos Champs Elysées, aberto em outubro 2015, foi decidido de ampliar a experiência e de abrir uns dez desses pontos de vendas do futuro até 2021.

No térreo do novo apartamento butique, a Grande Epicerie

Localizado no sofisticado “Seizième” de Paris, em cima da nova sucursal da procuradíssima La Grande Épicerie, o segundo apartamento butique do Club Med foi aberto no último mês de Abril e oferece um espaço de 300 metros quadrados consagrado a criação e a personalização da viagem de amanha. Uma decoração requintada, incluindo até uma obra do famoso escultor César, cria um ambiente de luxo sempre ligado com a historia da marca e dos seus resorts, onde o cliente se sente considerado e pode “viajar antes de começar sua viagem” em cada um dos momentos que ele passa nessa agencia muito pouco convencional.

O novo apartamento butique na Avenida Paul Doumer

Para ajudar os visitantes a criar suas próprias viagens, vários espaços foram agenciados. A sala de estar inspira encontros e descobertas para uns momentos descontraídos com bebidas quentes, refrigerantes e doces a vontade. Na cozinha aberta são oferecidas degustações de produtos dos resorts, por exemplo o azeite  “Opio en Provence” vindo do campos de oliveiras do próprio Club, ou organizadas eventos  gastronômicos ou enológicos. Um sala de reuniões é dedicada a reuniões com parceiros, incluindo conferencias em “petit comité” para apresentar destinos. E para mostrar que o tempo não é contado, uma biblioteca  é também a disposição dos clientes.

Um dos sete pontos de atendimento do apartamento butique

No espaço principal, os especialistas da agencia ajudam os visitantes a personalizar os seus projetos e a reservar suas viagens. Os resorts podem ser visitados em realidade virtual com os capacetes Samsung Gear VR. Se todos os Clubs são acessíveis, a clientela mais sofisticada, que continua procurando um atendimento em agencias, deve privilegiar os “5 Tridents” ou os “Espace 5 Tridents”. O apartamento butique vai também valorizar as próximas inaugurações de resorts que vão responder as mais exigentes expectativas: assim o  Cefalù da Sicília em junho, o Arcs Panorama em dezembro, ou os espaços renovados de La Reserve no Rio das Pedras, de Turks & Caicos no Caribe ou de La Pointe aux Canonniers em Maurício. 

Visita 360 do apartamento butique

Se esse segundo apartamento butique confirmar o sucesso do primeiro, o Club Med planeja abrir mais dez nas principais cidades da França até 2021, substituindo ou não as agencias próprias tradicionais. Não tem data marcada para adaptar esse novo conceito de atendimento ao cliente no Brasil. Mas, nesse grupo que sempre foi líder em inovação e pioneirismo, o diretor geral do Club no Brasil, Janyck Daudet, deixou claro que os apartamentos butique, sua extreme atenção a experiência do viajante antes e durante sua decisão de viajar, e seu foco na clientela sofisticada, pode muito em breve substituir ou completar os tradicionais pontos de vendas do grupo.

Shopping na França : barato, diverso e cultural!

louvre-museum-paris-france-13-1200x1920_0

Se para os brasileiros Paris é a capital mundial da cultura – são depois dos americanos os mais numerosos a visitar o Louvre – , eles não escolhem Paris como capital do shopping, pensando muitas vezes que as compras em Paris se restringem a perfumes ou roupas de grandes costureiros. Para quem conhece a capital francesa, as oportunidades de compras são porém ilimitadas, tendo inclusive varia boas razões para dar a França uma séria vantagem na competição com os Estados Unidos para satisfazer as exigências e os desejos dos mais impulsivos e exigentes compradores.

Começando com as famosas liquidações semestrais, que vão justamente começar em Paris dia 25 de junho e durar até 29 de julho. Elas foram mesmo inventadas na França, pelo empresário Simon Mannoury, fundador em 1830 da loja parisiense soldes (1)Au Petit Saint Thomas. Foi ele quem organizou as primeiras operações de grande baixa de preços sazonais para liquidar seu estoque não vendido da temporada anterior. Até então a palavra solde significava pedaço de tecido não vendido. Simon Mannoury se apropriou da palavra para designar seus eventos. Em 1852 Le Petit Saint Thomas se tornaria a famosa loja Le Bon Marché na Rua do Bac. Hoje a loja fundada pelo Mannoury é chiquérrima, mas as liquidações continuam e foram adotadas na França inteira. Tanto no inverno como no verão, estas datas apresentam uma oportunidade única de comprar de tudo (roupas, eletrônicos, moveis, etc…) com descontos inacreditáveis.shop3 Durante as primeiras semanas ficam em torno de 30 a 50%, mas nas últimas semanas os preços ainda degringolam de maneira vertiginosa. Alguns consumidores preferem o início das liquidações por acreditarem que há mais escolha nas lojas. Outros não resistem aos incríveis preços das últimas semanas. Tantas oportunidades fazem com que as ruas comercias e shoppings da cidade apresentem um  ritmo de festa e animação. Vive les soldes!

Para compras de turistas: 100 na etiqueta=107 nos EE-UU=87 na França

Os preços, ou mais especificamente as taxas, dão também uma vantagem a França na briga para ser o paraíso das compras dos brasileiros. Olhando duas etiquetas do mesmo valor, o comprador deve saber que isso esconde uma diferencia de 12 a 27% a favor da loja francesa. Isso porque as taxas (em média 7%) são cobradas nos Estados Unidos por cima do preço mencionado, enquanto na França não somente estão inclusas (de 5,5 a 20%), mas são reembolsadas para estrangeiros na saída do Europa (respeitando algumas condições). Em média uma diferença de 20%  a favor da França!

20128409

Paris, e muitas grandes cidades francesas como Bordeaux, Marselha, Lyon, Nice, Cannes ou Estrasburgo, oferecem também uma diversidade de compras excepcional. São ruas e até bairros repletos de pequenas lojas (para mim a rua de Rennes em Paris ou a rua Sainte Catherine em Bordeaux) , bem como as tão famosas grandes lojas de departamentos (o meu favorito o Bon Marché, ou as Galeries Lafayette em Paris mais 17 cidades). São também shopping centers (o Quatre Vents em La Defense) e mais recentemente outlets  (experimente o La Vallée perto da Disney) . 20118215Cannes tem até um Festival de Shopping em janeiro. Tem brechós espetaculares em Saint Ouen (les Puces) e em muitos vilarejos do interior. E não se deve esquecer que a alfândega brasileira presenteou os amadores de vinho com uma quota de doze litros ! Compras na França são tão diversas que o próprio país, fazendo do shopping, tão querido dos turistas brasileiros, momentos de encontros, de intercâmbios e de descobertas. Mesmo barato, shopping na França também é cultura!

Jean-Philippe Pérol

Cópia de DSCN4170

Parte desse editorial foi escrito aproveitando um artigo da Silva Helena de Cerqueira. que teve a gentileza de autorizar essa colaboração.

Políticos, moradores ou turistas, cada um tem a sua Paris!

20128141

Com as eleições municipais chegando, várias Paris estão se enfrentando cada dia nas medias franceses. Da vice prefeita candidata da situação, Anne Hidalgo, da candidata da oposição direitista, a ‘NKM’, e de muitos outros. Cada um mostra o seu Paris, mais popular ou mais sofisticado, mais no leste ou mais no oeste, mais  de pedestre ou mais de carro, mais comercial ou mais cultural, mais verde, ou mais vanguardista. É, são muitas Paris. Não é por acaso que a cidade luz tem vinte “arrondissements” e oitenta bairros. Cada parisiense quer falar da sua Paris, a verdadeira, a autêntica. Os visitantes também entraram nesse jogo e tenho muitos amigos brasileiros elogiando o faubourg Saint Honore ou 0 “16eme”, Saint Michel ou Pigalle, o bairro da Opera ou a margem esquerda.

Se a Paris do turismo é muitas vezes focado no ‘triângulo de ouro’, entre o Arco de triunfo, o Louvre e a Opera, devo confessar que este não é o meu favorito.  ??????????Fui criado no bairro “Europe”, perto de Saint Lazare, das Galeries Lafayette e do Parque Monceau, e ainda frequento muito essa área do 8eme arrondissement. Mas o cheiro de Paris fica para mim concentrado perto da minha faculdade, a tradicional Sciences Po, em Saint Germain des Pres. Cada estadia na capital tem que começar com um cafezinho no ‘Deux Magots’, de frente para igreja de Saint Germain des Prés, olhando a movimentação e esperando a sorte de ver uma cara conhecida, a Catherine Deneuve ou o Belmondo por exemplo… O tempo passando, pode ser uma oportunidade de comer um Croque Monsieur ou de chamar a menina das sobremesas com a sua  imperdível bandeja de “gateaux”. E se quiser uma refeição mais séria, pode também atravessar o Boulevard e entrar no Lipp, com seu cardápio (e seus garçons) que não mudaram desde 1880…

A graça dos ‘Deux Magots’ é ser um ponto estratégico onde existe mil coisas para fazer. Podemos dar alguns exemplos, limitados a cinco quarteirões. DSCN3864Uma das praças mais charmosas de Paris, a praça von Furstenberg, fica a dois quarteirões, bem como a rua Bonaparte e seus antiquários. A Rua Dufour, e a Rua de Rennes , concentram as lojas de roupas ou de sapatos. A três quadras, não pode perder a loja design da ‘Hermès’ com seu simpático espaço onde uns vão para tomar um drinque enquanto outros vão fazer compras. A mesma distância fica o Marché Saint Germain, suas 21 lojas, seus restaurantes animados e muito em conta. Ou a Praça Saint Sulpice e sua igreja popularizada pelo Don Brown (mas nem fala do Código da Vinci para o padre, ele não aguenta mais perguntas sobre a linha rosa).

A quatro quarteirões fica o bar do Hotel Lutetia, ideal para um aperitivo entre amigos ou um discreto encontro de negócios. Muito bem localizado, e mesmo ainda em reformas, o hotel é também uma excelente opção de hospedagem. (No bairro tem também alternativas que os brasileiros gostam: o tradicional Madison, ou o discreto Hotel des Marronniers, os dois Mercure ou as residências Citadines). MarchA© Raspail, Paris 2011Na frente,no Boulevard Raspail, tem nas terças e sextas uma das feiras livres bio mais badalada de Paris, mais movimentada ainda em tempo de eleições para prefeito…

A cinco quadras, encontrarão a mais tradicional, mais parisiense, mais aconchegante e mais luxuosa loja de departamentos, o Bon Marché , com todas as grandes marcas do luxo francês.bon_marche_paris_a201011_aw3 Do outro lado da rua fica a Grande Epicerie, menos conhecida que a Fauchon, mas com uma variedade e qualidade de produtos excepcionais. Nas duas lojas, pode-se pecar a vontade que na mesma quadra fica um outro ponto predileto dos brasileiros em Paris, a capela da Medalha milagrosa.

E na mesma distância, mas no outro lado, os Jardins do Luxembourg são um lugar ideal para passear, sentar num banco e olhar os parisienses dessa Paris que eu gosto. Que as eleições consagram a vitória da Paris da Anne ou da Paris da Nathalie, vou continuar com a minha. Vive Saint Germain des Prés et le Quartier latin!

Jean-Philippe Pérol

LUXEMBOURG