Paris, cidade dos dois Napoleão, o Grande e o Pequeno?


Sainte Genevieve, enfrentou Átila e virou padroeira de Paris

Andando nas ruas de Paris, olhando os nomes  das ruas, das praças ou dos monumentos, o visitante é colocado frente a numerosos personagens que influenciaram os dois mil anos de vida dessa tão peculiar, orgulhosa e rebelde cidade. Assim Sainte Genevieve, Robert de Sorbon, Philippe le Bel, Etienne Marcel, Marie de Médicis, Louis XIV, Gavroche, Bienvenue, Gallieni, de Gaulle, Pompidou, Mitterand, têm os seus seguidores e deixaram suas marcas na sua cultura, no seu urbanismo e na sua arquitetura. Mas segundo o escritor Dimitri Casali, que publicou recentemente o livro “Paris Napoléon(s)”, são porem os dois imperadores da dinastia bonapartista que deixaram,  durante os seus reinados e até hoje, as maiores e mais impressionantes marcas na cidade luz que 35 milhões de turistas continuam a visitar nesse século XXI.

O Arc de Triomphe numa foto de 1913

As grandes mudanças da Paris moderna começaram com Napoleão que queria assim mostrar a potência do Império. Depois dos abandonos e das destruições que acompanharam a Revolução e a guerra civil, a volta da ordem e da prosperidade possibilitam grandes obras que perduram até hoje. O Louvre é renovado, e no seu pátio é inaugurado o Arc du Carrousel. São abertas ou ampliadas a Rue de Rivoli, a Rue de la Paix, a Rue de Castiglione, a Rue d’Ulm. Na Place Vendôme foi construída a famosa coluna com o bronze dos 1200 canhões tomados dos austro-russos na lendária vitoria de Austerlitz. São iniciadas as construções da igreja da Madeleine e da faixada do Palais-Bourbon, do Canal de Ourcq, da Bolsa de valores e, claro, do Arc de Triomphe. Foram também quatro pontes, duas das quais – Austerlitz e Iena – têm nomes de vitórias imperiais. E para que qualquer cidadão, qual que seja sua raça ou sua religião, pudesse ser enterrado decentemente,  Napoleão mandou construir em 1803 o famoso cemitério do Pere Lachaise.

A Praça Vendome e sua coluna fundida com os canhões de Austerlitz

Outras grandes ambições parisienses do Imperador foram abandonadas depois do desastre de Waterloo. No morro de Chaillot (onde  foi depois construído o Palais du Trocadero, e nos anos trinta, o Palais de Chaillot), devia ser erguido um gigantesco palácio para o seu filho, o Rei de Rome, com uma faixada de 400 metros de largura e um parque cobrindo todo o lado oeste de Paris, até Champs Elysées e o Bois de Boulogne. Mesmo se esse e alguns outros projetos foram esquecidos, a chegada ao poder em 1848 do sobrinho de Napoleão I, Napoleão III, vai relançar muitos outros, e dar a capital francesa o aspecto que ela guardou até hoje. Investindo o equivalente hoje a 120 bilhões de reais, misturando preocupações urbanísticas, socais e militares, ele vai confiar ao Prefeito de Paris, o Barão Haussmann, todos os poderes para levar ao fim a metamorfose da cidade.

A beleza imponente do Palais Garnier, a Opera de Paris

E, durante o Segundo império, Paris vai ver a abertura de grandes avenidas: boulevards Saint Germain, Saint Michel, Haussmann, Diderot, bem como Saint Michel e Sebastopol ampliando o eixo Norte Sul da capital. A avenida da Opera liga a nova Opera com o antigo Palais Royal. Para compensar a destruição de 20.000 casas ou sobrados, são construídos alojamentos novos para os operários nos bairros populares da zona leste bem como prédios modernos e elegantes nas áreas nobres da planície Monceau. O Louvre é enfim finalizado, e vários parques e praças são redesenhados. Ainda abertos hoje, dois grandes hotéis muito conhecidos dos brasileiros, o Hotel du Louvre e o Grande Hotel, são projetados e inaugurados seguindo as suas ordens.  Em 1870, quando Napoleão III abdica do poder depois da derrota militar contra a Prussia, ele deixa Paris com (quase) uma bela e moderna cara da capital mundial aonde o visitante do século XXI não ia se sentir perdido.

O Boulevard Saint Germain, herança do Haussmann e do Napoleão III

Talvez até hoje perseguido pelo ódio de Victor Hugo (que o chamava de Napoleão o Pequeno), o sucessor de Napoleão o Grande, depois de ter feito tanto pela sua capital, não conseguiu porem conquistar o coração dos parisienses, nem gravar o nome dele, a não ser uma praça minúscula entre um Mc Donald e a estação de trens Gare du Nord, em nenhum monumento da cidade que ele tanto embelezou. Se Paris deve muito aos dois imperadores, o segundo deveria talvez ser chamado de o injustiçado ….

Esse artigo foi adaptado de um artigo original na revista francesa Le Point

O Pont des Arts, toque de charme herdado do Napoleão o Grande

 

O Hotel du Louvre, projeto iniciado ao pedido do Napoleão III

No coração do Quartier latin, a criatividade do esqui a francesa!

Esqui acrobático na Praça Saint Sulpice

Esqui acrobático freestyle na Praça Saint Sulpice

Sempre popular, mas querendo conquistar novos seguidores mostrando a criatividade dos seus destinos, o esqui francês está inovando com inesperadas promoções, não somente nos mercados internacionais, mas também no próprio mercado domestico. Pela quarta vez, a associação France Montagnes vai tentar seduzir os mais difíceis dos clientes franceses, os moradores do Quartier Latin, e os turistas internacionais encontrados nas ruas da “Rive Gauche”de Paris, os “habitués” que caminham entre o tradicional (e badalado) café “Les deux magots” e a famosa (e chiquérrima) loja de departamento “Le Bon Marché”. Do dia 17 ao dia 20 de Novembro, será assim aberta  no coração de Paris  a temporada do inverno 2016/2017.

cover-twitter-sgdn

Saint Germain des Neiges, quarta edição do 17 ao 20 de Novembro

O acampamento dos profissionais de France  Montagnes vai ser montado na Praça Saint-Sulpice e nos seus arredores, nas ruas Princesse, Guisarde e des Canettes. Durante os 4 dias do “Saint Germain des neiges”, as ruas e as praças serão decoradas com os símbolos  do inverno, os bares virarão chalés com as cores dos grandes regiões do esqui francês – Alpes, Pirineus, Vosges, Jura ou Auvergne. A Praça vai se transformar numa estação de esqui, com numerosas atividades ofertas aos visitantes.

Big Air, uma das atividades gratuitas de Saint Germain des neiges

Big Air, uma das atividades gratuitas de Saint Germain des neiges

Com o apoio dos monitores da Escola Francesa do Esqui (ESF), os visitantes poderão experimentar o “Big Air”, a pista de trenó, o jardim das neves, o simulador de esqui alpino. a pista de esqui “cross-country” e  o estande de tiro com as carabinas do biatlo. Num canil, será possível ver vários cães de trenó, testemunhos do sucesso crescente desse esporte nas montanhas francesas. Durante os três dias do evento, serão também realizadas demonstrações de freestyle -esqui ou snowboard-. E para lembrar a importância cada vez maior do bem estar nas estações de esqui, um spa – com sauna e banho nórdico- será a principal novidade 2016 do Saint Germain des neiges. Os restaurantes dos arredores participam também da festa, oferecendo os pratos típicos da montanha francesa, incluindo as famosas “charcuteries”, ou as animadas raclettes ou fondues.

Todos os profissionais de France Montagnes esperam que o sucesso desse evento ajudará a demonstrar aos parisienses e aos numerosos turistas  que as estações de esqui dos Alpes e das outras montanhas franceses oferecem hoje muito mais que o simples esqui tradicional. Não somente pelas novas modalidades esportivas acessíveis a todos os níveis e todas as idades – do snowboard ao trenó ou do crosscountry ao freestyle-, mas também pelos numerosos equipamentos de lazer – espas, piscinas, espetáculos ou salas de festas- , os bares ou os restaurantes, que  estão mantendo os destinos das montanhas franceses como lideres criativos das “ferias de inverno” da atualidade.

Com Saint Germain des neiges, a montanha vai convencer seus futuros clientes

Com Saint Germain des neiges, a montanha vai convencer seus futuros clientes

A programação do Saint Germain des neiges 2016 será a seguinte:

Quinta feira, 17 de novembro:
14h00 : abertura

14h30 – 19h : Animações e atividades na Praça Saint-Sulpice

19h : Inauguração oficial

19h15 : Demonstração de freestyle pelos monitores da ESF

A partir das 19h, noites dos destinos e das estações nos restaurantes das ruas Guisarde, Princesse e des Canettes

Sexta feira, 18 de novembro:
14h – 19h : Animações et atividades na Praça Saint-Sulpice

14h – 19h : Demonstração de freestyle pelos monitores da ESF

A partir das 16h : Animações de bares e restaurantes dos arredores

A partir das 19h, noites dos destinos e das estações nos restaurantes das ruas Guisarde, Princesse e des Canettes

Sábado 19 de novembro:

10h – 19h : Animações et atividades na Praça Saint-Sulpice

10h – 19h : Demonstração de freestyle pelos monitores da ESF

A partir das 19h, noites dos destinos e das estações nos restaurantes das ruas Guisarde, Princesse e des Canettes

Domingo 20 de novembro:

10h – 17h : Animações et atividades na Praça Saint-Sulpice

10h – 17h : Demonstração de freestyle pelos monitores da ESF

vianney_thibaut-agence_zoom-0027

Quiosque de informação do Saint Germain des neiges

Políticos, moradores ou turistas, cada um tem a sua Paris!

20128141

Com as eleições municipais chegando, várias Paris estão se enfrentando cada dia nas medias franceses. Da vice prefeita candidata da situação, Anne Hidalgo, da candidata da oposição direitista, a ‘NKM’, e de muitos outros. Cada um mostra o seu Paris, mais popular ou mais sofisticado, mais no leste ou mais no oeste, mais  de pedestre ou mais de carro, mais comercial ou mais cultural, mais verde, ou mais vanguardista. É, são muitas Paris. Não é por acaso que a cidade luz tem vinte “arrondissements” e oitenta bairros. Cada parisiense quer falar da sua Paris, a verdadeira, a autêntica. Os visitantes também entraram nesse jogo e tenho muitos amigos brasileiros elogiando o faubourg Saint Honore ou 0 “16eme”, Saint Michel ou Pigalle, o bairro da Opera ou a margem esquerda.

Se a Paris do turismo é muitas vezes focado no ‘triângulo de ouro’, entre o Arco de triunfo, o Louvre e a Opera, devo confessar que este não é o meu favorito.  ??????????Fui criado no bairro “Europe”, perto de Saint Lazare, das Galeries Lafayette e do Parque Monceau, e ainda frequento muito essa área do 8eme arrondissement. Mas o cheiro de Paris fica para mim concentrado perto da minha faculdade, a tradicional Sciences Po, em Saint Germain des Pres. Cada estadia na capital tem que começar com um cafezinho no ‘Deux Magots’, de frente para igreja de Saint Germain des Prés, olhando a movimentação e esperando a sorte de ver uma cara conhecida, a Catherine Deneuve ou o Belmondo por exemplo… O tempo passando, pode ser uma oportunidade de comer um Croque Monsieur ou de chamar a menina das sobremesas com a sua  imperdível bandeja de “gateaux”. E se quiser uma refeição mais séria, pode também atravessar o Boulevard e entrar no Lipp, com seu cardápio (e seus garçons) que não mudaram desde 1880…

A graça dos ‘Deux Magots’ é ser um ponto estratégico onde existe mil coisas para fazer. Podemos dar alguns exemplos, limitados a cinco quarteirões. DSCN3864Uma das praças mais charmosas de Paris, a praça von Furstenberg, fica a dois quarteirões, bem como a rua Bonaparte e seus antiquários. A Rua Dufour, e a Rua de Rennes , concentram as lojas de roupas ou de sapatos. A três quadras, não pode perder a loja design da ‘Hermès’ com seu simpático espaço onde uns vão para tomar um drinque enquanto outros vão fazer compras. A mesma distância fica o Marché Saint Germain, suas 21 lojas, seus restaurantes animados e muito em conta. Ou a Praça Saint Sulpice e sua igreja popularizada pelo Don Brown (mas nem fala do Código da Vinci para o padre, ele não aguenta mais perguntas sobre a linha rosa).

A quatro quarteirões fica o bar do Hotel Lutetia, ideal para um aperitivo entre amigos ou um discreto encontro de negócios. Muito bem localizado, e mesmo ainda em reformas, o hotel é também uma excelente opção de hospedagem. (No bairro tem também alternativas que os brasileiros gostam: o tradicional Madison, ou o discreto Hotel des Marronniers, os dois Mercure ou as residências Citadines). MarchA© Raspail, Paris 2011Na frente,no Boulevard Raspail, tem nas terças e sextas uma das feiras livres bio mais badalada de Paris, mais movimentada ainda em tempo de eleições para prefeito…

A cinco quadras, encontrarão a mais tradicional, mais parisiense, mais aconchegante e mais luxuosa loja de departamentos, o Bon Marché , com todas as grandes marcas do luxo francês.bon_marche_paris_a201011_aw3 Do outro lado da rua fica a Grande Epicerie, menos conhecida que a Fauchon, mas com uma variedade e qualidade de produtos excepcionais. Nas duas lojas, pode-se pecar a vontade que na mesma quadra fica um outro ponto predileto dos brasileiros em Paris, a capela da Medalha milagrosa.

E na mesma distância, mas no outro lado, os Jardins do Luxembourg são um lugar ideal para passear, sentar num banco e olhar os parisienses dessa Paris que eu gosto. Que as eleições consagram a vitória da Paris da Anne ou da Paris da Nathalie, vou continuar com a minha. Vive Saint Germain des Prés et le Quartier latin!

Jean-Philippe Pérol

LUXEMBOURG