Pesquisa mostra que os agentes de viagens esperam retomada para setembro

 

Jean-Philippe Perol, da Cap Amazon e Roy Taylor, do M&E

Jean-Philippe Perol, da Cap Amazon e Roy Taylor, do M&E

Os agentes de viagens são responsáveis por mais de 80% das vendas no setor do Turismo. E, nesta crise sem precedentes, eles ainda não tinham sido ouvidos. M&E e Cap Amazon resolveram dar voz a estes profissionais que movem a indústria do Turismo em uma pesquisa inédita. Entre os dias 27 de abril e 11 de maio, cerca de 400 agentes responderam ao questionário e os resultados demonstram um sentimento otimista.

Entre os respondentes, 54,1% esperam que as viagens retomem no mês de setembro. Em segundo lugar, com 16,9%, vêm aqueles que acreditam em uma volta apenas em 2021. Em seguida, 13,4% responderam dezembro e 11,4% julho. Os outros 5,2% esperam que as pessoas voltem a viajar já no mês de junho. “Já tínhamos ouvido bastante a opinião de especialistas, que é em geral mais pessimistas e também dos clientes. Os agentes são otimistas, mas cautelosos, sendo que a metade deles espera uma retomada para setembro. Alguns pensam um pouco antes e uma boa parte que será no fim do ano”, disse Jean-Philippe Pérol, diretor da Cap Amazon. Para o editor-chefe do M&E, Anderson Masetto, para que as viagens realmente retornem em setembro, há todo um movimento que deve acontecer antes disso. “Hoje as prateleiras das agências estão vazias, com hotéis fechados e voos suspensos. Se as viagens começam em setembro, a promoção e as vendas têm início um ou dois meses antes”, concluiu.

.

Já sobre as preferências dos clientes, os agentes puderam indicar até duas alternativas. Quase 300 deles indicaram o turismo doméstico como aquele que dominará as vendas pós-pandemia. Ao mesmo tempo, 250 agentes apostam também em destinos da América do Sul. Menos de 50 profissionais colocaram Europa e Estados Unidos como opção. “A opinião dos agentes bate com tudo que se fala no mercado. É uma maioria muito forte para o mercado doméstico e também com o que está acontecendo na China, onde tudo começou, que já teve 100 milhões viagens domésticas”, destacou Pérol. “Há também a questão financeira. Por conta das viagens domésticas serem mais baratas, é certo que serão as primeiras a serem retomadas”, completou Masetto. Pérol destacou ainda que hoje entre os viajantes brasileiros 50% viaja para perto e 50% para longe, diferente de outros grandes mercados, onde apenas 20% vai para destinos mais distantes. Para ele, isso deve mudar e países vizinhos, como Argentina, Chile, Perú e Colômbia, por exemplo, devem receber mais brasileiros.

A mesma metodologia, permitindo duas respostas foi aplicada para que os pesquisados apontassem qual segmento será o primeiro a retomar. Com quase 200 respostas, o lazer ficou na frente, seguido por viagens para visitar amigos e parentes e depois pelo corporativo. Feiras, eventos e congressos, bem como os cruzeiros marítimos, tiveram menos de 50 respostas. “Este foi um resultado surpreendente e mostrou que os três principais segmentos, lazer, visita a amigos e familiares e corporativo tiveram resultados parecidos, na casa dos 30%. Outro ponto é o ‘família e amigos’, que às vezes a gente esquece e será muito importante. Será mais um nicho para os agentes explorarem quando acabar o confinamento”, disse Pérol. “As empresas irão em busca de diminuir despesas e hoje as viagens podem estar até em segundo lugar nos gastos das companhias, portanto, podem sofrer cortes”, completou Masetto.

Com a premissa de que os viajantes darão prioridade a novos hábitos, perguntamos aos agentes de viagens qual serão as temáticas de viagens mais procuradas. Cada um dos pesquisados podia apontar até três alternativas e, disparado, os dois primeiros colocados foram Bem Estar e Ecoturismo, seguido de Cultura, Gastronomia e Luxo. Uma particularidade do turista brasileiro, Compras, ficou a frente, por exemplo de Negócios.

Ainda sobre os hábitos dos viajantes, os agentes apostam que a maior preocupação do viajantes no pós-crise será com a Saúde, seguida por destinos menos frequentados e por um maior interesse no Turismo Nacional.

As respostas nos permitem concluir que, na visão das agências de viagens, a retomada deve acontecer antes do fim do ano e será, provavelmente, mais rápida e mais larga que se pensa. O consumidor vai mudar, mas as mudanças serão lentas e serão, em grande parte, prorrogações de tendências já existentes, como a busca pelo bem estar, por exemplo.

Nessas novas tendências, os destaques devem ser a exigência de valorização da viagem, e a procura de destinos com menor aglomeração, fugindo do chamado overtourism, que vinha sendo muito discutido nos últimos anos.

Acreditamos, ainda, que essas novas exigências, bem como o provável aumento dos preços das viagens devem levar a um papel reforçado dos agentes, uma vez que as preocupações do consumidor irão além do preço e qualidade dos serviços contratados. Eles serão mais exigentes no que diz respeito a informações prévias dos destinos, segurança etc, e sobre condições de adiamentos e cancelamentos.

Veja aqui a apresentação completa da pesquisa em live apresentada pelo jornalista Igor Regis e com a participação de Jean-Philippe Pérol e Anderson Masetto:

Invino Wine Travel Summit 2020 é adiado para novembro

CLAUDIO SCHAPOCHNIK

QUE GOSTOSO!

Em decorrência da pandemia causada pelo novo Coronavírus (Covid-19) e seguindo as estritas recomendações do Ministério da Saúde e do Governo do Estado de São Paulo, a Cap Amazon Tropical Marketing decidiu adiar a segunda edição do Invino Wine Travel Summit (foto acima edição de 2019/divulgação) para o dia 19 de novembro de 2020. A data original era 6 de abril. A empresa organiza e realiza este que é o melhor evento profissional de enoturismo do País.

O Invino 2020 acontecerá no mesmo local, o Hotel Unique, em São Paulo, com o mesmo programa de conferências, workshops, experiências enogastronômicas e encontros agendados.

“Os 20 expositores, 80 buyers, mais de 30 especialistas e seis patrocinadores estarão presentes neste encontro com profissionalismo, tranquilidade e em clima de celebração, como deve ser!”, finalizam os três sócios da Cap Amazon sobre o Invino, Jean-Philippe Pérol, Fernanda Sarubbi e Renata Rodrigues, em…

Ver o post original 2 mais palavras

Visitar Marselha, a cidade rebelde

Brasil à Francesa

Foto: @blue_tinkerbell

Não é apenas por constar no badaladíssimo ranking do New York Times, “50 lugares para ir em 2019”, que Marselha é, sem duvidas, a cidade francesa a visitar este ano. Fundada por marinheiros gregos de Phocaea, chamada Massalía pelos romanos, ela foi desde a antiguidade não somente um importante porto comercial do Mediterrâneo mais ainda uma cidade multicultural e rebelde.

Miscigenação das culturas mediterrânicas, Marselha mudou nos últimos anos sua cara marcada por seu passado industrial e portuário e virou uma cidade de espetaculares renovações urbanas.

Com cinco dicas, convido você a descobrir os novos hotéis e restaurantes altamente frequentáveis, a incrível arquitetura e as ofertas culturais das mais vanguardistas na beira do Mar Mediterrâneo.

1. As Calanques,  enseadas as vezes acessíveis apenas pelo mar, merecem a viagem

Quando descobri Marselha há quinze anos atrás, eu fui impressionada por este cenário incrível de falésias calcárias dominando o azul…

Ver o post original 609 mais palavras

O litoral francês, destino dos Brasileiros? – Brasil à Francesa

Nos anos 60, Brigitte Bardot já cantava a doçura do verão “na praia ensolarada” e a melodia nos transportava pelas estradas da França. Imaginávamos os parisienses fugindo coletivamente da cidade para ficarem aglutinados na Côte d’Azur ou nas praias da Aquitânia ou talvez em Búzios que encantava a artista.  Desde 1936  (data da lei sobre…
— À lire sur brasilafrancesa.com/2018/08/14/o-litoral-frances-destino-dos-brasileiros/

Sébastien Vauxion, o chef pâtissier das alturas

Brasil à Francesa

Isto é inédito na França, um restaurante gourmet dedicado inteiramente às sobremesas. No SarKara, o restaurante do K2 Palace em Courchevel, o chef patissier executivo Sébastien Vauxion oferece todas às tardes um menu totalmente doce. Durante a minha recente visita a Courchevel, o conheci e conversei com ele sobre o conceito que descobri por acaso.

Portrait Sébastien Vauxion-photo Didier Bouko

Sébastien Vauxion forjou seu know-how, suas técnicas pessoais e desenvolveu seu paladar com grandes nomes em pastelaria e cozinha francesa como Pierre Hermé e Pierre Gagnaire. Um alquimista de gosto, Sébastien toca com audácia e com certa delicadeza, gostos e sabores clássicos para sublimá-los. Ele ajusta magistralmente o equilíbrio, resultando em trabalhos originais delicados. “Você pode ter uma refeição só com sobremesas”, explica. “O todo não é exagerar sobre o açúcar, é necessário manter o equilíbrio”. Visualmente, suas criações adicionam arte ao assunto. Sébastien Vauxion inspira-se em tudo o que o rodeia, colocando um olhar original…

Ver o post original 131 mais palavras

”La Liste” 2018 dos 1000 melhores restaurantes do mundo destaca o Chef Guy Savoy

“La liste”, a imperdível lista dos 1000 melhores restaurantes do mundo, esse ano com o DOM, o Fasano, o Maní e o Olympe representando o Brasil!

Brasil à Francesa

jdg_8487_1.jpg
Ocorreu, no início de dezembro deste ano, a cerimonia da 3ª edição de « LA LISTE » (A Lista) no Quai d’Orsay, em Paris, sede do Ministério francês das Relações Exteriores, na presença dos 40 maiores chefs e donos de restaurantes internacionais vindo dos 5 continentes. Colocando a gastronomia francesa como prioridade nacional, o Président Emmanuel Macron patrocinou a premiação.

Baseada em um algoritmo com mais de 550 fontes gourmets especializadas, LA LISTE visa criar a melhor seleção gastronômica internacional – competindo ao mesmo tempo com o famoso World’s 50 Best Restaurants cuja seleção sempre criou a controversa, especialmente na França.

Pelo contrario, La Liste pretende ser mais representativa de opiniões internacionais, respeitando um método imparcial e objetivo e trabalhando com guias estabelecidos (por exemplo, Michelin), revistas de referência (por exemplo, New York Times), bem como fontes mais recentes (por exemplo, Cubapaladar, primeiro guia cubano …).

Para seus fundadores, ela…

Ver o post original 553 mais palavras

Uma outra visão da Amazônia com o Mirante do Gavião

Um olhar da Amazônia francesa sobre os novos empreendimentos turísticos do Rio Negro

Brasil à Francesa

Durante uma recente estadia na minha região brasileira predileta, descobri o Mirante do Gavião, um hotel surpreendente no meio da natureza, a um pouquinho mais de duas horas de Manaus. Meio lodge de selva e meio hotel design, o conceito agrada amantes de natureza, viajantes em busca de experiência e clientes sofisticados acostumados ao melhor conforto e atendimento.

A arquitetura do hotel é muito diferente de todos os hotéis que já vi na Amazônia. Inspirado dos barcos de madeira tradicionalmente construídos na região, a estrutura redonda dos quartos e do restaurante se integra naturalmente e suavemente no meio ambiente. Nenhuma arvore foi cortada do terreno. A suite familiar de dois andares, que oferece uma vista imperdível sobre o Rio Negro, foi construída em volta de uma castanheira enorme.

Mirante do Gavião. © Foto Sitah

O hotel conta com 7 suites só. O restaurante Camu Camu, cujo cardápio rivalisa…

Ver o post original 325 mais palavras

Harmonize um queijo francês com vinho francês

Brasil à Francesa

Com minha equipe, acabamos de escrever e divulgar um comunicado sobre harmonizações de queijos e vinhos que fogem da cartilha, para impressionar seus convidados nas festas do final do ano. Quero divulgar com vocês porque achei muito legal e passei muito tempo procurando essas harmonizações que no final são muito pessoais…;-)

É verdade que as comemorações do fim do ano são uma excelente ocasião para os apaixonados por vinhos e gastronomia degustarem um bom rótulo acompanhado por um delicioso queijo francês.

A recomendação para os dias mais quentes, como os nossos, são os vinhos mais leves e refrescantes. Brancos, rosés e espumantes são os mais indicados para nossa estação, pois em sua maioria oferecem maior frescor ao paladar.

Os deliciosos queijos da campanha “Abra Seu Paladar”, realizada pelo CNIEL (Centro Nacional Interprofissional da Economia Leiteira da França) e pela União Europeia, são excelentes opções para harmonizar com os vinhos que saem…

Ver o post original 202 mais palavras

Cassoulet, pimentas e Gevrey Chambertin, sugestões brasileiras para a feijoada a francesa

img_1165

Cassoulet com pimentas e Gevrey Chambertin 2004

Cassoulet e Gevrey-Chambertin, uma sugestão para um domingo de noite

de Edson Costa, enólogo, gourmet, musicólogo e poeta.

Reza uma das lendas mais difundidas do cassoulet que Castelnaudary, cidade situada na região de Occitânia, foi cercada durante a Guerra dos Cem Anos pelos ingleses que dominavam o sudoeste desde Bordeaux,  e ficou semanas sem abastecimento. A população, para não passar fome, fazia ensopados com tudo que houvesse a disposição: feijões brancos (típicos da agricultura local), pedaços de carne de porco, aves, legumes… Assim teria nascido um dos pratos mais tradicionais da França. E Castelnaudary ficou conhecida como a capital mundial desta iguaria.

A cidade de Castelnaudary, na beira do Canal do Midi

A cidade de Castelnaudary, na beira do Canal do Midi

A lenda é muito discutida até hoje. Os historiadores lembram que o feijão chegou na Europa vindo das Américas, seja  depois do Cristovo Colombo, e que receitas parecidas, mas a base de favas, são conhecidas na região desde o século X. Mas o cassoulet virou famoso, e é um prato tão importante na cultura local que três cidades desta região disputam a fama de fazer o melhor de todos. Para manter a paz regional, os franceses decidiram que o cassoulet é o Deus da gastronomia, e as três cidades são o Pai (Castelnaudary), o Filho  (Carcassonne) e o Espírito Santo (Toulouse].

A Confraria do Cassoulet de Castelnaudary

A Confraria do Cassoulet de Castelnaudary

Guardadas as devidas e necessárias tradições, cada Chef tem sua receita para a elaboração dessa feijoada a francesa. Nesta proposta, personalizada mas inspirada da receita original da Grande Confraria do Cassoulet de Castelnaudary , foram incluídos: feijão branco, coxa de pato confitada e assada, costela de porco, linguiça calabresa, costeleta de porco defumada, lombo de porco, alho assado, bacon em pedaços, cebola roxa, sal e pimenta do reino moída na hora. Todo servido na “cassole”, o prato de cerâmica tradicional cuja origem vem do século XIV.

O castelo de Gevrey-Chambertin

O castelo de Gevrey-Chambertin na Borgonha

Para harmonizar o cassoulet com um vinho, as escolhas tradicionais são o Cahors ou o Corbières, mas vale a pena de fazer outras experiências. Vale combinar com um Gevrey Chambertin, o vinho que era o favorito do Napoleão, aqui um Racines du temps do René Bouvier, safra 2004.  Com seus vinhedos situado perto de Cluny – sede da famosa abadia e das ruinas da maior catedral do Ocidente cristão-, esse “terroir” caracteriza-se por apresentar vinhos unicamente tintos. São vinhos de longa guarda, potentes, estruturados, tânicos e ao mesmo tempo aveludados, de cor intensa, e com aromas e sabores de cassis, cereja, alcaçuz e couro, mas que também são capazes de desenvolver aromas terciários na maturidade, como de mata e de caça.

img_1168

Gevrey-Chambertin Racines du Temps 2004

O Domaine René Bouvier é uma empresa familiar fundada em 1910 pelo avô de Bernard Bouvier, Henry Bouvier na Côte de Nuits, Borgonha, França. Tem 13 hectares de Pinot Noir e 4 de Chardonnay Noiret 4 para um total de 18 DOCs na Borgonha, Cotes de Nuits Villages, Fixin, Marsannay e Gevrey-Chambertin, todas com Premier cru e Grand Cru. O Gevrey-Chambertin Racines Du Temps René Bouvier 2004, como é determinado na Borgonha, é um vinho varietal Pinot Noir (100%) que envelheceu em barricas novas de carvalho francês por 18 meses.

img_1164

Tempero a brasileira: molho de pimenta  dedo de moça

img_1163

Tempero a brasileiro: molho de pimenta murupi

Um cassoulet servido na "Cassole"

Um cassoulet servido na “Cassole”

Um, dois, três… restaurantes em Paris que gostei

Brasil à Francesa

Mesmo se parece déjà vu, ainda insisto para dizer que entre os destinos gastronômicos, Paris fica  incomparável. A cidade luz propõe opções para todos os paladares e bolsos.

Durante minha ultima estadia lá, tive a oportunidade de provar alguns com estilos totalmente diferentes.

O primeiro, com uma localização incrível é um must no verão. O segundo, intimista, oferece um momento de simpatia muito agradável. O terceiro, bistrô moderno, transforme qualquer almoço de negócios em um momento delicioso.

MonsieurBleuO badalado Monsieur Bleu fica na beira do Rio Seine, no Palais de Tokyo, e oferece uma vista imperdível sobre a Torre Eiffel. A cozinha proposta é moderna e leve, e oferece bastante peixes e legumes, tudo gostoso e saboroso. É melhor reservar pois o lugar, frequentado pelos glamourosos da capital, é muito corrido.

Endereço: 20 Avenue de New York, 75116 Paris.

Longe do barulho da “nightlife” parisiense, LePetitVatel3
Le Petit Vatel, localizado no bairro Saint-Germain…

Ver o post original 212 mais palavras