Napoleão III (e Eugênia de Montijo) patrocinando mais um Palace francês…

Napoleão III e Eugênia de Montijo

Pelo número de estações turísticas inauguradas e de hotéis construídos durante o seu reinado, é de se perguntar se Napoleão III não foi de certa forma o pai do turismo francês. Foi por espírito pioneiro, por vontade de desenvolvimento, por favores concedidos a seus companheiros, ou por perdões a pedir à sua ciumenta esposa Eugênia de Montijo, que ele mandou criar ou ampliar estações como Biarritz, Deauville, Cabourg, Houlgate, Arcachon ou Le Touquet. Foi também para ela, madrinha do local que ela tinha descoberto durante uma viagem de Biarritz para sua Espanha natal, que ele decretou a abertura da estação termal de Eugénie-les-Bains. Recebendo hoje da Atout France a invejada distinção de Palace, o badaladíssimo hotel da cidade, os Prés d’Eugénie, se junta aos 24 hotéis franceses que beneficiam desse prestígio pelos próximos 5 anos.

Ambiance champêtre dans le parc. © Les Prés d'Eugénie.

O parque dos Prés d’Eugénie

Depois de um longo período de esquecimento, uma nova saga dos Prés d’Eugénie começou em 1966, quando a atual proprietária, Christine Guerard vem ajudar o seu pai a renovar o hotel e a se juntar aos Relais & Châteaux. Casada em 1972 com o brilhante chef Michel Guerard, ela conseguiu convencer o seu marido a deixar o já famoso bistrô estrelado que ele tinha aberto em Asnières, perto de Paris, e a experimentar as suas novas e revolucionárias ideias no restaurante do hotel. Chegando em Eugenie-les-Bains, e vendo os seus clientes tentarem seguir os regimes para emagrecer, ele inventou a “Grande Cuisine Minceur”, que logo conseguiu uma fama internacional. Recebendo uma primeira estrela Michelin em 1975, a segunda em 1976 e a terceira em 1977!

Michel Guérard dirige les cuisines. Depuis 1977, la Table des Prés d'Eugénie affiche 3 Macarons dans le guide Michelin. © C Clanet

Depois de muitas ampliações, os Prés d’ Eugénie são hoje um verdadeiro conjunto da excelência à francesa. Depois da restauração de um antigo convento do século XVIII em 1989, da Auberge de La Ferme aux Grives em 1993, da Ferme Thermale en 1996, dos Salões e das suítes da Imperatriz em 2009, do Instituto Michel Guerard e do Café Culinaire Mère Poule & Cie em 2013, os Prés d’Eugénie reúnem hoje uma equipe de 180 pessoas que gerenciam 5 prédios, 45 quartos e suítes, 8 jardins e parques, 3 restaurantes, um spa e um vinhedo, um total de 8 hectares de luxo e de elegância. E para quem não quer dispensar uma praia, Michel abriu no litoral dos Landes, a 100 quilômetros do hotel, um “Beach House”, onde os mais aventureiros encontrarão os mesmos valores.

O Beach House do Michel Guerard em Huchet

Às vezes desastroso e outras visionário, Napoleão III foi, sem dúvida, inspirado quando favoreceu o lançamento de Eugénie les Bains, sendo assim, um distante padrinho do Prés d’Eugénie, assim como ele havia sido o padrinho de outro hotel que viraria Palace, o hotel do Palais em Biarritz. Tendo incentivado a construção de numerosos hotéis, inclusive o Grand Hotel de Paris, onde um outro Imperador, Dom Pedro II, gostava de se hospedar, ele também ajudou na divulgação do turismo de praia e do termalismo, convidando políticos de toda Europa nas estações que ele frequentava. Foi assim a entrevista decisiva para o apoio da França, e a unidade italiana deve tudo à pequena cidade termal de Plombières, onde o Cavour conseguiu do Imperador o apoio militar necessário para liberar a Itália. Se esse papel do Napoleão III na promoção do turismo é, por vezes, esquecido, ele é sempre lembrado em Eugénie-les-Bains, nas comemorações da pequena cidade, na elegância ou no refinamento do Palace do Michel Guerard.
Jean-Philippe Pérol

A suíte imperial, homenageando Eugênia

Diversificação da hospedagem virou chave do sucesso do turismo francês!

Paris plage, uma nova imagem da cidade luz!      @Loic Lagarde

Enquanto a França reencontra os turistas internacionais – 6% de crescimento das chegadas no primeiro semestre, com um destaque especial para o Brasil que teve um aumento de 22,7%, e um novo recorde de 89 milhões de turistas anunciados pelo ministro das relações exteriores-, uma das suas principais ambições é de oferecer hospedagens em sintonia com as novas exigências dos viajantes. Junto com os investimentos para melhorar a qualidade e a quantidade, os esforços bem sucedidos para diversificar as hospedagens são uma das principais razões da volta dos turistas tanto em Paris que nos principais destinos franceses.

O Restaurante do Mama Shelter de Paris

A criatividade dos novos alojamentos turísticos pode ser comprovada em muitos projetos, dos hotéis boutique até os “Mama Shelter” ou os “glamping”, mas duas categorias estão se destacando nesses esforços bem sucedidos combinando iniciativa dos profissionais e responsabilidade das autoridades para ampliar uma oferta respondendo a procura de viajantes  cada vez mais diversificados. O sucesso da “Distinction Palace” contribuiu muito para consolidar a liderança de Paris e da França na hotelaria de altíssimo padrão. Criada em 2014, essa categoria muito especial, premiando estabelecimentos já titulares de 5 estrelas assim selecionados por uma comissão de personalidades independentes, ja reune 23 hotéis – 10 em Paris, 12 nos outros destinos da Franca metropolitana e um em Saint Barthelemy.

As Sources de caudalie, um dos Palaces premiados em 2016

Exclusividade francesa, os “Palaces” foram não somente um reconhecimento do “savoir faire” desses profissionais do luxo, mas também um forte incentivo a renovação ou até a abertura de novos estabelecimentos. Em 2016, sete hotéis ganharam a distinção, vários deles muito acostumados  com brasileiros como o Eden Roc na Riviera, o Cheval d’Argent en Saint Barthelemy ou as Sources de Caudalie perto de Bordeaux. Para 2017 e 2018 mais candidatos estão se preparando, especialmente os lendários Hotel Lutetia e Hotel de Crillon. Construído em 1758, essa prestigiosa mansão, que foi transformado em hotel de luxo em 1909 e participou da aventura da Route du Bonheur e dos Relais & Châteaux, reabriu agora depois de dois anos de renovação.

O Hotel de Crillon agora renovado

As obras combinaram o total respeito da faixada e das partes tombadas do Hotel, as necessárias inovações para atender as exigências dos viajantes do século 21, e criatividade de grandes designers para os restaurantes (Minossian), os quartos (Vergniol) e as suites assinadas pelo Karl Lagerfeld que dedicou uma delas a sua gata Choupette …. O novo Crillon tem assim menos quartos (124 em vez de 147), mas com 33 suites e 10 suites “Signature” de altíssimo padrão. O restaurante gastronômico não fica mais no salão dos Embaixadores mas numa sala menor chamada L’Ecrin com o jovem chef Christopher Hache e uma adega de 43.000 garrafas. Nas novidades mais esperadas constam um bar espetacular,  uma piscina e um spa (num segundo subsolo cavado especialmente), bem como um “cigar loundge” para os amadores de charutos. Detalhes que ajudarão a reforçar a imagem de Paris no segmento de turismo de luxo.

Bordeaux, cidade pioneira na regulamentação dos alugueis C2C

Mas o provável novo recorde de turistas internacionais que a França deve atingir esse ano se deve também ao espetacular sucesso  de hospedagens alternativos que mostram a forte diversificação da oferta francesa. Assim a hospedagem não comercial (parentes e amigos), que chega a 34% dos pernoites, com um forte crescimento nos últimos anos  junto aos viajantes vindo da Asia ou das Américas ((o não comercial representa hoje 22,5% dos 8,2 milhões de pernoites de turistas brasileiros na França).  Assim os alugueis “de pessoa a pessoa” da AirBnb e dos seus concorrentes. Representando hoje 26,7% dos pernoites comerciais, essa forma de hospedagem atrai especialmente os  turistas provenientes dos Estados Unidos, da Australia e do Brasil (seriam mais de 1,5 milhões de pernoites de brasileiros). Agora mais regulamentada para respeitar tanto os concorrentes que os moradores, ela deve continuar a crescer, contribuindo a ampliar e diversificar a oferta de hospedagem na França. Uma diversificação que atrai novos viajantes e  consolida a  liderança francesa no turismo mundial.

Jean-Philippe Pérol

Esse artigo foi inicialmente publicado no Blog “Points de vue” do autor na revista profissional on line Mercados e Eventos

O glamping, glamour e camping, chegou com toda força

Castelos, hotéis e AirBnb, uma nova experiência que só Alain Ducasse podia oferecer!

Quarto no Pombal do Château de Courban

Quarto no Pombal do Château de Courban na Borgonha

O grupo californiano AirBnb vai mais uma vez surpreender tanto os seus seguidores como seus detratores, assinando um acordo de parceria com  Châteaux & Hôtels Collection, um grupo francês reunindo 500 restaurantes ou estabelecimentos hoteleiros, presidido pelo famosíssimo  e muito influente chef Alain Ducasse. Ambas inovadoras e pioneiras, as duas empresas vão trabalhar juntas para oferecer aos viajantes não somente quartos únicos em todos os endereços Châteaux & Hotels Collection da França, bem como experiências exclusivas em Paris.

O restaurante parisiense Citrus Etoile

O restaurante parisiense Citrus Etoile

AirBnb vai comercializar no seu site de reservas os hotéis da rede – cada estabelecimentos podendo oferecer seja alguns seja todos seus quartos. E Alain Ducasse criou quatro roteiros especialmente para AirBnb, como acompanhar o chef Gilles Epié numa feira livre e depois na cozinha do seu restaurante Citrus l’Étoile, descobrir a “Manufacture de Chocolat” Alain Ducasse ou visitar os bastidores da sua escolha de cozinha e participar de uma degustação. com a diretora Alexandra Legrand. Mas alem de ser a primeira vez que um acordo comercial liga a AirBnb e um dos grandes atores do setor turístico da França, essa parceria representa para cada um dos dois grupos uma virada estratégica importante.

Paris, primeiro destino mundial da AirBnb

Paris, primeiro destino mundial da AirBnb

Para AirBnb, essa parceria é uma sequencia lógica do crescimento da Trips, a sua plataforma de planejamento de viagem. Já contando com posadas, “bed and breakfast” e pensões, o próximo passo tinha que ser  ampliar a oferta de hotéis. Com  Châteaux & Hôtels Collection, os clientes vão ter acesso a novas experiências de qualidade. Na hora onde seu modelo econômico sofre de mudanças nas legislações nos grandes destinos turísticos mundiais, AirBnb pode fazer desse acordo um passo importante para competir com as grandes OTA, Booking et Hotels.com. O prestigio de Alain Ducasse pode também ser decisivo para mostrar ao setor hoteleiro, até então extremamente hostil, que sinergias são possíveis entre a economia participativa e as hospedagens tradicionais.

Novas perspectivas se abram também para Châteaux & Hôtels Collection. Os  viajantes qui visitam o site ou frequentam as hospedagens da AirBnb (só na França seriam 10 milhões) vão descobrir os seus endereços. Pelo menos numa primeira fase, os 400 hoteleiros da rede oferecerão em prioridade os quartos mais originais e inéditos como um pombal ou a torre de um castelo do Renascimento, mas a escolha será de cada estabelecimento. Concordando com AirBnb sobre a necessidade de comunicar com os viajantes duma forma diferente, consciente das revoluções trazidas pelas grandes plataformas de reservas, a rede presidida pelo Ducasse vai, com essa inesperada parceria, conseguir um novo posicionamento, tanto em relação aos seus outros parceiros na distribuição que junto aos novos viajantes do século XXI.

Jean-Philippe Pérol

O Castelo de Besseuil, Château Hotel na Borgonha

O Castelo de Besseuil, Château Hotel na Borgonha

 

 

Clientes e hotéis são mesmo prontos a ser eco-responsáveis?

Ferme du Petit Segrie

A Ferme do Petit Segrie, hotel Ecoleader na Provence

Reciclagem, economia de energia, procura de produtos locais,ou apoio a agricultura biológica  são hoje atitudes cada vez mais populares, e os viajantes também afirmam preferir os hotéis eco-responsáveis. Varias pesquisas publicadas recentemente pela Accor, pela Universidade da Florida e pela Booking.com mostraram porem que esse critério não é o mais decisivo nas escolhas, a falta de informação e os custos  impedindo os desejos aparentes dos consumidores de coincidir com as verdadeiras decisões dos clientes.

Planet 21, o programa de desenvolvimento sustentável da Accor

Planet 21, o programa de desenvolvimento sustentável da Accor

A pesquisa da Accor mostra que dois terços dos clientes pensam que a preservação do meio ambiente é necessário para preservar as gerações futuras, e muitas praticas eco-responsaveis são recomendadas, sendo as mulheres e os menos de 30 anos os mais favoráveis  : 80% praticam o lixo seletivo, 81% compram eletrodomésticos eco-energéticos, 75% prefiram os produtos fabricados localmente, 33% comem alimentos biológicos. A maioria deles são também prontos a continuar com essa eco-atitude quando estão hospedados no hotéis: 64% declaram aceitar de receber a fatura somente por email, 61% de jogar o lixo de forma seletiva, 32% de reduzir o serviço de limpeza nos quartos, 31% de receber porções menores nos restaurantes, e 30% de deixar o troco em moeda local para uma associação.

Hotel Roas dos Ventos, premiados com o selo sustentabilidade da Trip Advisor

Hotel Rosa dos Ventos, Ecolider Platinum da Trip Advisor

Mas no mesmo tempo, somente 13% dos viajantes consideram que o compromisso do hotel com a sustentabilidade é um critério de escolha na hora da reserva, 57% não aceitariam um hotel mais eco-responsável mas numa outra localização e 59% não querem abrir mão do conforto para ajudar o meio ambiente. Essa mesma conclusão apareceu também numa pesquisa da Universidade da Florida: a eco-atitude só é aceita se  não prejudica o conforto, seja a climatização, os banheiros ou os serviços. E dois terços dos entrevistados afirmam que eles aceitaria de pagar um pouco mais caro para guardar o mesmo nível de conforto num hotel comprometido com um programa concreto de sustentabilidade.

Ariana Lodge in Turkey, Sustentabilidade na Booking.com

Ariana Lodge in Turkey, Sustentabilidade na Booking.com

Uma terceira pesquisa da Booking.com destaca que 68% dos viajantes seriam prontos a escolher um hotel eco-responsável se a informação fosse claramente fornecida antes da reserva (dois terços declaram não ter sido informados, 39% ignoravam a existência desse tipo de oferta), e se tivesse uma forma de comprovar a realidade das medidas anunciadas pelos hotéis (13% duvidam das promessas feitas). Os motivos de desconfiança são que esses hotéis seriam mais caros (22%) , ou que o serviço seria menos atencioso (10%).

Hotel La Rochette, na Alsacia, um hotel eco-responsável

Hotel La Rochette, um hotel eco-responsável na Alsacia

As três pesquisas mostram claramente que os viajantes estão convencidos da necessidade de respeitar um turismo sustentável. Um numero crescente de estabelecimentos estão reduzindo as suas pegadas ecológicas, preocupados em ser eco-responsáveis, mas esses esforços não são sempre conhecidos dos consumidores. A ausência de normas ou de selos de qualidade internacionais dificulta ainda a divulgação e a credibilidade dos esforços importantes que cada vez mais hotéis estão fazendo, mas é certo que as eco-atitudes serão um critério cada vez mais importante nas escolhas dos viajantes.

Esse artigo foi traduzido e adaptado de um artigo de Claudine Barry na revista on-line Reseau de veille en tourisme, Chaire de tourisme Transat

No Japão, um projeto para reinventar Airbnb?

O projeto de casa coletiva de Yoshino

Imagem do projeto inovador da Airbnb em  Yoshino

No que parece ser uma grande virada estratégica, Airbnb, o gigante da economia colaborativa, está lançando o projeto “Samara”, a construção de um centro de hospedagem na pequena cidade de Yoshino,  a 500 quilômetros  de Tóquio mas somente 60 quilômetros  de Osaka. Esse primeiro alojamento, que esta programado para abrir em outubro desse ano, vai ser um espaço coletivo aonde os visitantes poderão se hospedar, um  ponto de encontro e de integração social onde os moradores poderão passear. Apoiado pela prefeitura que ofereceu o terreno, o projeto quer contribuir para o crescimento econômico,  ampliando a oferta turística dessa região conhecida pelas suas flores de cerejeiras e suas florestas de cedros, mas com pouca infraestrutura hoteleira, contribuindo para o desenvolvimento econômico.

O interior do Casa das Cedras do arquiteto

O interior da Casa dos Cedros, do arquiteto Go Hasegawa

Concebida em colaboração com o arquiteto japonês Go Hasegawa, a “Casa dos cedros” quer ir alem dos conceitos de hospedes, empregados, vizinhos ou proprietários. Ela foi desenhada em primeiro lugar para a vila de Yoshino e para os seus moradores, escolhendo para cada detalhe da sua estrutura as necessidades da comunidade e o respeito das suas tradições. Assim se explicam a grande mesa para o jantar comunitário,  as vigas e as tábuas de cedro vindo das florestas dos arredores, ou os peixes ornamentais trazidos dos rios do município.   Os hospedes poderão fazer as suas reservas para o Yoshino  Cedar House na Airbnb, mas deverão viver essa experiência com os moradores que assegurarão os serviços. As receitas serão também creditadas para a comunidade.

Os banheiros da Casa dos Cedros

Os banheiros no estilo tradicional

O projeto inovador da Airbnb foi muito bem recebido no Japão, um pais com falta de hotéis tradicionais para receber turistas nacionais e internacionais cada vez mais numerosos ( 28% de crescimento esse ano), e que tem agora o objetivo de de receber 40 milhões de turistas para 2020. Antes mesmo da inauguração dessa primeiro Casa, a Airbnb já anunciou que está estudando projetos parecidos em vários países do mundo, na Inglaterra, na Korea, na Espanha, na Itália e na França. Enquanto o crescimento da empresa parece hoje sofrer de reações negativas de residentes e autoridades de grandes cidades, esse projeto “Samara” abre novas perspectivas, criando um estoque de apartamentos proprios e ajudando a revigorar  pequenas comunidades rurais com um turismo respeitando o meio ambiente e as tradições culturais dos moradores. Bem sucedida, a experiência de Yoshino poderá também ajudar a Airbnb  a se reposicionar ou até a se reinventar.

Yoshino-Cedar-House-3-800x534

Esse artigo foi traduzido e adaptado de um artigo de Charlotte Herrero no jornal francês Le Figaro on line 

 

 

Mais três “Palaces” em Paris, na “Côte d’Azur” e no Caribe francês

Le Cheval Blanc Saint Barth Isle de France, primeiro Palace do Caribe francês

Le Cheval Blanc Saint Barth Isle de France, primeiro Palace do Caribe francês

A mais espetacular novidade da classificação hoteleira francesa foi sem duvidas a inauguração em 2010 de uma categoria “Palace”, uma exclusividade mundial concebida pela Atout France, a agência de desenvolvimento turístico da França. Premiando hotéis 5 estrelas com uma situação geográfica excepcional, um interesse histórico e patrimonial, um serviço perfeito e uma fama internacional, a distinção é atribuída por 5 anos por uma comissão de personalidades da cultura, da imprensa, da economia e do turismo. Depois da sua ultima reunião, foi anunciado dia 22 de Julho que o restrito clube dos Palaces franceses estava se abrindo para três novos estabelecimentos em Paris, na Côte d’Azur e em Saint Barthelemy.

O Peninsula renovando a tradição do Majestic

O Peninsula renovando a tradição do Majestic

Em Paris, foi destacado o Peninsula, hotel da avenida Kleber pertencendo ao grupo de Hong Kong que já abriu dez hotéis de luxo em Xangai, Chicago, Tókio, ou Nova Iorque. O novo Península reabriu em 2014  num dos prédios com a mais prestigiosa historia da hotelaria parisiense. Construído no local de um palácio pertencendo à rainha da Espanha, ele foi inaugurado em 1908 com o nome de Hotel Majestic, ponto de encontro da alta sociedade da Belle Époque. Depois da segunda guerra virou um centro de congressos internacionais do ministério das Relações exteriores (aí foram negociados os acordos de paz finalizando a guerra do Vietnã), foi reaberto como hotel depois de uma longa, criativa, requintada e espetacular renovação que o deixou com 200 quartos sofisticadas e um requinte de “Palace” muito parisiense.

 

O Eden Roc, o lendário hotel da Côte d'Azur

O Cap Eden Roc, o lendário hotel da Côte d’Azur

Na Côte d’Azur, a Riviera Francesa, é o hotel Cap Eden Roc de Antibes que recebeu a distinção, construído em 1870, pelo fundador do famoso diário francês Le Figaro, Hippolyte de Villemessant, o hotel, então chamado de Villa Soleil, foi desde a sua inauguração um refugio para artistas, escritores e celebridades. Quartos e salões lembram as estadias de hóspedes como Marc Chagall, o duque e a duqueza de Windsor, George Bernard Shaw, Francis Fitzgerald, ou os grandes eventos que marcaram o hotel e suas dependências. Hoje pertencendo ao grupo Oetker Collection, o Cap Eden Roc terminou em 2013 uma longa renovação  que o projetou como um irresistível candidato para a distinção de Palace.

O luxo do Cheval Blanc frente a praia de Saint Barthelemy

O Cheval Blanc frente a baia dos Flamengos em Saint Barthelemy

Enquanto os “Palaces” reconhecidos até hoje são todos localizados na França “europeia”, a comissão decidiu pela primeira vez premiar um hotel localizado no Caribe francês, na exclusiva ilha de Saint Barthelemy já famosa por hospedar sete hotéis de cinco estrelas – incluindo o Guanahani, o Eden Roc ou o Sereno–  nos seus procuradíssimos 21 quilômetros quadrados (é menor que Fernando de Noronha). A comissão entregou para o hotel Cheval Blanc Saint Barth a primeira distinção Palace ultra-marina. Comprado em 2013 pelo grupo LVMH, o novo Palace é um pequeno hotel de 40 quartos localizado na Baia dos Flamengos, no norte da Ilha. Famoso pelo seu SPA e pela qualidade do seu restaurante franco caribenho, ele é o segundo hotel do grupo a conseguir a prestigioso distinção já alcançada pelo Le Cheval Blanc de Courchevel. Um sucesso que levará sem dúvidas vários prestigiosos concorrentes a se preparar para a próxima reunião da comissão de atribuicão da distinção Palace, já anunciada pelo Secretario do Turismo francês Mathias Fekl.

O Cheval Blanc de Courchevel, primeiro Palace do grupo LVMH

O Cheval Blanc de Courchevel, primeiro Palace do grupo LVMH

19 estabelecimentos receberam até hoje a distinção  “Palace” :
– Hôtel du Palais – Biarritz
– Hôtel Les Airelles – Courchevel
– Hôtel Le Cheval Blanc – Courchevel
– Hôtel Le K2 – Courchevel
– Hôtel Four Seasons George V – Paris
– Hôtel Le Bristol – Paris
– Hôtel Le Mandarin Oriental – Paris
– Hôtel Le Meurice – Paris
– Hôtel Le Park Hyatt Paris Vendôme – Paris
– Hôtel Le Plaza Athénée – Paris
– Hôtel Le Royal Monceau – Raffles Paris – Paris
– Hôtel Le Shangri-La – Paris
– Hôtel Le Peninsula – Paris
– L’hôtel La Réserve – Ramatuelle
– Hôtel Le Grand-Hôtel du Cap-Ferrat – Saint-Jean-Cap-Ferrat
– Hôtel Le Cap Eden Roc – Antibes
– Hôtel Le Byblos – Saint-Tropez
– Le Château de la Messardière – Saint-Tropez
– Hôtel Le Cheval Blanc Saint-Barth Isle de France – Saint-Barthélemy

 

O Ritz voltando com seus mitos, sua história e sua excelência

A praça Vendôme e sua coluna comemorando as vitorias do Napoleão

A praça Vendôme e a coluna comemorando as vitórias do Napoleão

Honrando sua lendária discrição, e agora esperando a sua classificação de Palace , o Hotel Ritz reabriu suas portas Place Vendôme no último dia 14 de Junho depois de quatro anos (e de 400 milhões de Euros) de completa renovação. A inauguração do Ritz em 1898Se o mais famoso dos hotéis de Paris não pertence mais, desde 1979, a família do seu fundador, o novo proprietário, o excêntrico empresário britânico Mohamed Al Fayed, fez questão de conservar os valores que o Cesar Ritz exigiu de seguir nas obras de 1897, a elegância do classicismo e o conforto da modernidade. Transformando os então Hotel de Gramont, residência de prestigio do final do século XVIII, num grande hotel de luxo, Ritz respeitou a arquitetura original, mobiliou os salões e os quartos com moveis da época, mas exigiu que não faltassem as novidades tecnológicas de 1898: elevadores, telefones, luz elétrica e banheiros em cada um dos 159 quartos.

O Hotel Ritz renovado abriu com 17 quartos a menos, mas com a mesmo vontade de reinventar uma experiência  combinando seus três séculos de tradições com as mais modernas tecnologias do terceiro milênio. Para entrar no hotel, conservaram a tradicional porta giratória, mesmo se agora automatizada, e o lobby continua localizado na famosa galeria, mas abriu-se um novo espaço, o salão Marcel Proust, uma grande biblioteca onde será servido chá “a francesa” acrescentado com as “madeleines” favoritas do grande escritor. IMG_8501Um novo pátio, o terraço Vendôme, separa dois jardins de inverno com inovadores tetos retráteis que ampliam o bar Vendôme e o restaurante gastronômico L’Espadon. Em volta das mesas, a decoração manteve as tradicionais poltronas Luis XV, com seus ganchinhos de pendurar bolsas que o Cesar Ritz se orgulhava de ter inventado. E no famosíssimo Bar Hemingway, o hotel faz questão de confirmar que tudo foi refeito mas que absolutamente nada mudou, inclusive o bar-tender e sua fama de melhor bar-tender do mundo. Uma fama que o Colin Field merece, tanto pela qualidade dos coquetéis que ele colocou no seu cardápio que pelas historias que ele conta com prazer e talento para os seus visitantes.

O Bar Hemingway

O Bar Hemingway

Para subir para os quartos, a escada monumental do Ritz é impressionante de grandeza com seu corrimão  de ferro forjado e cobre, e seu tapete vermelho estampado com barras de latão . No primeiro andar fica a suite Imperial, com seis metros de pé direito, seus tecidos de seda selvagem e sua cama isolada do resto do quarto com uma balaustrada. A suite Vendôme do RitzNo segundo andar destaque-se a suite Coco Chanel com moveis dos anos 50, e um biombo de laca chinesa. Nas suites, e também nos quartos, peças de arte ou moveis únicos personalizam cada ambiente. A tecnologia é presente em todo os detalhes – luzes, cortinas, televisão, som ou ar-condicionado – mas o designer fez questão de guardar as caixinhas com botão inventadas pelo próprio Ritz para chamar as camareiras.

Coco Chanel num salão do Ritz

Coco Chanel num salão do Ritz

Mas o Ritz não deve somente a sua fama a seus quartos ou aos seus bares ou restaurantes, mas as personalidades que marcaram a sua historia e, em alguns casos, construíram o seu mito. A historia confirma que personalidades famosas como Jean Cocteau, Colette, Vanderbilt, Rockefeller, Hemingway, Scott Fitzgerald, Charlie Chaplin  ou Otto de Habsburg frequentaram o hotel.  HemingwayDurante a Primeira Guerra virou hospital militar, e foi ocupado durante a Segunda pelos alemães, um deles sendo o amante da Coco Chanel que morou mesmo durante 37 anos em varias suites do hotel. O Hemingway contribui ao mito, inventando que tinha pessoalmente liberado o Ritz en agosto 1944 com um grupo da Resistência francesa, deixando uma conta de 51 dry Martinis no Bar que hoje tem o seu nome, e no qual escreveu uma linda declaração de amor para esse hotel fora do comum: “Quando eu sonho do Paraíso, a historia sempre acontece no Ritz de Paris.”

Jean-Philippe Pérol

O Spa agora administrado pela Chanel

O Spa, agora oferecendo produtos da Chanel

Carlson: para os herdeiros da Wagons lits, uma nova era chinesa?

Estande da Carlson Rezidor no ITB de Berlim

Estande da Carlson Rezidor no ITB de Berlim

Já sócio da Azul e de varias empresas de aviação ou de hotelaria na Espanha, na Suíça e na própria China, o grupo chinês HNA acabou de comprar uma participação majoritária na Carlson Redizor. Dona de muitas marcas importantes como Radisson Blu, Radisson, Radisson RED, Park Plaza, Park Inn by Radisson, Quorvus, Country Inns & ou Suitecwt_logo1s, essa empresa da Carlson, que começou em 1960 comprando o Hotel Radisson de Minneapolis, administra hoje mais de 1400 hotéis no mundo. Mais conhecidas no Brasil por ter herdadas a fabulosa historia da “Compagnie internationale des wagons lits et du tourisme”, as agencias de viagens da Carlson Wagonlit Travel não foram incluídas na transação mas os analistas já projetam novos possíveis lances.

O Grande Hotel de Pequim então da Wagons lits

O Grand Hotel de Pequim então da Wagons lits

Vendo essa notícia ligando a China, a hotelaria e a Wagons lits – onde trabalhei oito anos no Brasil e na França -, me lembrei da minha primeira reunião em Paris com o diretor financeiro da empresa, quando tinha sido impressionado por um quadro na parede do seu escritório. Ele mostrava uma carta no papel timbrado do Grande Hotel de Pequim, mandada em 1951, pouco tempo antes da estatização pelo regime comunista. 521de778a4e8b5f2fbe0f04976ad16ebEsse palace, onde o escritor francês André Malraux escreveu seu maior livro ” A condição humana”, era parte da cadeia hoteleira da Wagons-lits “Les grands hôtels des Wagons-lits”,  fundada em 1894. Hoteis de luxo tinham sido abertos nos maiores destinos internacionais: o Pera Palace de Istambul, o Terminus de Bordeaux, o Grand Hôtel de Marselha, o Excelsior de Bruxelas ou o Travel Palace de Paris, num prédio dos Campos Eliseus 107 onde fica hoje uma agencia do banco HSBC.

O Pullman Paris Tour Eiffel

O Pullman Paris Tour Eiffel

Depois de ter perdido os seus prestigiosos palaces, e de ver os seus hotéis espalhados entre as marcas Etap, PLM, Altea e Arcade,  Wagons lits tentou em 1986 voltar como grande ator da hotelaria mundial, lançando a marca Pullman como bandeira dos seus cinco estrelas e também como nome do novo grupo. Antoine VeilMesmo como toda força da companhia, e o prestigio do seu então Presidente Antoine Veil, já era tarde. Comprando a Compagnie internationale des wagons-lits et du tourisme (CIWLT) em 1991, Accor fusionou dois anos depois a Pullman recém nascida com a Sofitel. A marca voltará a ser utilizada a partir de 2007 -inclusive no Brasil- para os hotéis middle-scale do grupo francês.

Sofitel Wanda em Pequim

Sofitel Wanda em Pequim

Separada da Carlson desde 2006, mas também herdeira da Wagons lits, a Accor já voltou na hotelaria de luxo em Pequim, não com o Grand Hotel mas com um espetacular Sofitel Wanda. Para Carlson Rezidor a entrada da HNA  marcará talvez novas ambições para o grupo. A HNA, que quase comprou a operadora FRAM em 2015, poderia também fazer outras propostas incluindo outros reencontros. E mesmo agora espalhados, os mitos da Compagnie Internationale des Wagons lits et du tourisme continuarão a alimentar os sonhos dos viajantes.

Jean-Philippe Pérol

Assinatura do acordo entre a chinesa HNA e a americana Carlson

Assinatura do acordo entre a chinesa HNA e a americana Carlson

 

 

 

 

Hoteleiros x Airbnb: depois dos Jogos, concorrentes ou complementares?

IMG_3456

A praia de Ipanema

Quarta cidade do mundo, atrás de Paris, Nova Iorque e Londres pelo número de quartos cadastrados na Airbnb, Rio de Janeiro preocupou o setor hoteleiro brasileiro assinando um espetacular acordo de colaboração com a controvertida empresa de hospedagem colaborativo para o período  dos Jogos Olímpicos. Rio OlimpicoJustamente preocupados com a desigualdade tributaria ou as diferencias nas garantias dadas aos hospedes, a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (Abih) denunciou o impacto desses 25.000 quartos na ocupação hoteleira da capital carioca. A preocupação dos profissionais ficou ainda maior pensando no futuro pós olímpico. O setor vai não somente ter que enfrentar a concorrência dos 25.000 quartos da Airbnb, mas também a explosão da oferta dos hotéis construídos no embalo dos Jogos Olímpicos , outros 20.000 quartos a mais nos últimos cinco anos.

Oferta da Airbnb para os Jogos Olimpicos

Oferta da Airbnb para os Jogos Olímpicos

Enquanto os hoteleiros temem a concorrência da Airbnb, uma pesquisa inédita da empresa francesa  Coach Omnium, publicada em Abril desse ano, deve  interessar os profissionais brasileiros. Realizada na França onde a oferta da Airbnb já representa mais de 200.000 quartos, os resultados da pesquisa, baseada em 1178 entrevistas de viajantes franceses e estrangeiros bem como na análise das estatísticas da hotelaria, parecem mostrar que as clientelas são muito diferentes, e que os temores dos hoteleiros não são justificados.

Oferta Airbnb em Paris

Oferta Airbnb em Paris

Segunda a Coach Omnium, somente 21,9% dos clientes dos hotéis também utilizam a Airbnb. São para 85,7%  clientes de lazer, sendo 66% reservando um hotel somente uma vez por ano. Eles são jovens (79,5% tem de 18 a  35 anos), e justificam a escolha da Airbnb pelo preço (62,3%) mas também pelo espaço (24,7%), a cozinha (22,8%) ou o atendimento dos proprietários (21,2%). logo-coachomniumE mesmo se a Airbnb esta reivindicando uma clientela de negócios, somente 2,7% dessas estadias são por motivos profissionais, e 4,1% mistas (bleisure) . As análises das taxas de ocupação ajudam a comprovar que o impacto negativo para os hotéis  é praticamente nulo : enquanto a oferta de Airbnb na França passou de 5000 quartos  a mais de 200.000  de 2010 a 2015, essas taxas passaram de 59,0% a 59,2%, mostrando que eventuais perdas da industria hoteleira foram compensados com novos clientes.

Grand Hyatt do Rio de Janeiro

Grand Hyatt do Rio de Janeiro

Mesmo no quadro muito específico das novas capacidades de alojamento turístico  do Rio de Janeiro, a pesquisa mostra que os hotéis tradicionais e a Airbnb são produtos adaptados a clientes diferentes viajando em situações e com exigências diferentes, sendo mais complementares que concorrentes. Airbnb atrai novos viajantes que não frequentam – ou muito pouco – os hotéis, mas que são prontos a viajar para aproveitar ofertas . Ela impactaria pouco a atividade hoteleira, mas pesaria no seu futuro, ajudando com o seu novo tipo de relacionamento com os seus clientes, e sua nova forma de hospedagem, ao desenvolvimento do turismo doméstico e internacional.

Esse artigo foi inspirado  de um artigo original  na revista online Pagtour

A Barra da Tijuca, o desafio do turismo carioca

A Barra da Tijuca, o desafio do turismo carioca

Bleisure: viagem de negócios ou viagem de lazer? Os dois!

O Grand Palais, desde Napoleon III, recebendo feiras e exposições de Paris

O Grand Palais recebendo feiras e exposições desde Napoléon III

Enquanto as maiores agencias de viagem consideravam ainda há pouco que as barreiras entre viagens de negócios e viagens de lazer eram insuperáveis, uma recente pesquisa da Egencia (do Grupo Expedia) mostrou o forte crescimento das viagens combinadas, o “Bleisure” dos profissionais norte-americanos. bleisureO Bleisure é praticado hoje por 24% dos viajantes de negócios  franceses, 20% dos alemães e dos estadunidenses, 10% dos ingleses, e 25% dos brasileiros. Ele interessa os responsáveis das agências corporate que perceberem o potencial dessa nova tendência, e os hoteleiros  já anotaram a prorrogação de estadias para motivos particulares, bem como os pedidos crescente dos homens de negócios para atividades de lazer. Segundo uma pesquisa da BridgeStreet Global Hospitality 60% deles já fizeram uma viagem de tipo “Bleisure”, 54% com familiares, e 46% esticam a maioria das suas viagens de negócios para descobrir o local e suas ofertas culturais. As principais atividades procuradas são as visitas turísticas  (77%), os restaurantes (66%), os eventos culturais ou artísticas (66%), preferencialmente na mesma cidade.

180-le-restaurant-ephemere-du-pullman-paris

O Pullman Paris Tour Eiffel

Para atrair esses viajantes, os hotéis multiplicam as ofertas. O Orchard Hotel de Singapura criou um pacote “Bleisure experience” valorizando piscina e jacuzzi, incentivando a visitar a cidade e oferecendo um vale para um salão de beleza. Em São Francisco, o Hotel G promove o “Bleisure at the G” incluindo acesso aos transportes públicos e descontos em varias atrações turísticas.Meeting Room in Pullman concept Com o slogan “Work Hard Play Hard”, a marca Pullman, do grupo Accor, reinventou a sua proposta misturando os ambientes de trabalho e de lazer. Os lobbies dos hotéis, as suas salas de reuniões “Business playground”, os seus restaurantes ou bares foram redesenhados para satisfazer trabalho e divertimento. Com a oferta “Connectivity by Pullman“, conexões de alta velocidade são oferecidas nos quartos e em todas as áreas, com equipamentos desenvolvidos em parceria com a Microsoft e a Samsung. Querendo também atrair os clientes “Bleisure”, os hotéis canadenses Day Inn criaram uma tarifa “Ferias de negócios” 15% abaixo das melhores ofertas anteriores.

Bleisure by Millenium

A “Bleisure experience” da Millenium

Se o Bleisure era até agora promovido de forma discreta junto aos viajantes de negócios, ele é hoje integrado na comunicação e nas campanhas de muitos hotéis. O Ten Manchester Street de Londres aconselha a todos seus clientes de adicionar diárias pessoais às suas estadias profissionais. E o Bob Jacobs, vice presidente dos hotéis Sheraton e Westin para América do Norte, explicou que essas ofertas  são agora sempre incluídas nas propostas para grupos de incentivos, especialmente quando os participantes são jovens executivos da geração Y. Bleisure by AirBnb As agências de marketing especializadas aconselham de oferecer essas tarifas não somente na hora da reserva, mas também durante a estadia dos clientes, especialmente para os finais de semana. A oferta de condições especiais para famílias ou acompanhantes podem, ou até devem, ser integradas nos tarifários dos hotéis, mesmo quando caracterizados como hotéis “business”. Com os viajantes de negócios assumindo a procura de lazer, e os viajantes de lazer querendo continuar a seguir os seus negócios, as fronteiras entre os dois tipos de viajantes, até agora bem distintos, estão ficando flexíveis. Companhias aéreas, hotéis, operadores e agentes de viagem vão ter que se adaptar ao Bleisure. Os novos consumidores não aceitam ser categorizados e não querem limites para os serviços oferecidos. A pioneira Airbnb já avisou: o Bleisure em breve vai virar a regra!

Esse artigo foi traduzido e adaptado de um artigo original de Aude Lenoir no site profissional canadense Réseau de veille en tourisme –  Chaire de tourisme Transat

France Meeting Hub, encontros de turismo de negocios na Alsacia

France Meeting Hub da Atout France, encontros de turismo de negócios na Alsácia