Da sustentabilidade ao “slow travel”, o trem abraçando as novas tendências do turismo!

A primeira viagem de trem organizada pelo Thomas Cook

Desde 1842, quando Thomas Cook inventou o turismo moderno numa Maria Fumaça fretada de Leicester a Loughborough, o trem foi sempre, na Europa, pioneiro nas grandes ou pequenas revoluções do setor. Suas performances ecológicas exemplares, sua rede interligando não somente os grandes centros mas umas 10 mil cidades ou vilarejos nos 38 países europeus, sua autenticidade enraizada nas tradições ferroviárias, e sua flexibilidade o colocam outra vez nas mais recentes tendências seguidas pelos viajantes internacionais. Seja nos TGV ou nas ferrovias regionais, viajar de trem significa sair do centro das cidades, poder relaxar desde o embarque até a chegada, aproveitar a paisagem, entrar em contatos com outros viajantes ou moradores, escolher com facilidade o ritmo das suas experiências.

Dos Alpes da Provence até Nice, o famoso Train des Pignes

Um pesquisa da Virtuoso mostrou que 37% dos consumidores privilegiam as empresas investindo na sustentabilidade, e que os viajantes “eco-conscientes” são quase todos convencidos que o trem é o mais eficiente dos meios de transporte quando se trata de consumo de energia, de gases do efeito estufa ou de sustentabilidade. Nos Estados Unidos, 71% dos compradores de “Eurailpass” declaram que as baixas pegadas carbono foram decisivas na escolha do trem. A geração dos Millenials é a mais comprometida com a ecologia – três vezes mais que a geração X, seguido dos baby boomers e da geração Z-, mas todos  parecem prontos a mudar seus comportamentos afim de reduzir o impacto das suas viagens sobre o meio ambiente.

O overturismo aumentou a urgência de novos destinos

O overturismo foi incluído este ano pela primeira vez na pesquisa anual da MMGY sobre o perfil do viajante estadunidense. Cerca de 60% dos respondentes concordaram com a afirmação que o turismo de massa e a superlotação vão ter uma influencia importante na escolha dos lugares que visitarão nos próximos dez anos. E 73% já tentam evitar destinos superpovoados durante as altas temporadas. Mesmo se o trem oferece aos viajantes a possibilidade de chegar diretamente nos centros das grandes cidades, ele dá também a opção de visitar lugares menos acessíveis, menos conhecidos, mais íntimos, onde é possível mergulhar na cultura local  sem sofrer dos desgastes humanos e financeiros do overturismo,

Os trens suiços dão acessos aos lugares mais escondidos do país

Os destinos menos conhecidos onde o trem pode levar o viajante não são somente ajudam a escapar ao overturismo, mas permitem descobrir pequenas cidades ou vilarejos para experiências autênticas e mais oportunidades de interagir com os habitantes. No relatório Luxe Report 2019, a Virtuoso coloca agora o encontro e a convivência com moradores como uma das cinco maiores motivações de viagem. Os  trens regionais ou “intercity” são ocasiões de descobrir novas paisagens, novas culturas diferentes e novos encontros enriquecedores. Nos pequenos vilarejos, encontra se o tempo para  conversar com os “habitués”de um bistrô, descobrir um prato regional com ingredientes da própria fazenda, ir na feira livre para fazer as compras, visitar uma surpreendente igreja romana cujas chaves são guardadas pela vizinha, ou fazer uma degustação de vinhos com um pequeno produtor.

A Itália logo associou slow travel com trem

O trem combina também com a nova tendência do Slow Travel, a descoberta de destinos a um ritmo bem tranquilo, tomando o tempo necessário para conhecer seus atrativos e sua gente e fazendo da própria viagem (de trem!)  um momento descontraído e relaxante. Pioneira, a Itália fez de 2019 o ano do seu “slow tourism,” focando sua promoção em atrações culturais e turísticas de regiões menos conhecidas do pais. As operadoras e as agências de viagens foram incentivadas a diversificar seus roteiros, multiplicando as paradas em vez de ligar diretamente as grandes cidades italianas. O trem ficou assim uma escolha natural, relaxante, que alegra os clientes menos apressados do “slow travel”, jovens estudantes ou aposentados da melhor idade que querem viajar a seu ritmo, almoçar sem pressa ou parar de repente para aproveitar um pôr do sol.

©SNCF Mediatheque/Alex Profit

A “Instagramidade”, primeiro critério de escolha de destinos dos Milennials!

Milennial turista frente a Torre Eiffel, quarto atração Instagram 2017

Hospedado há algumas semanas num novo resort do litoral brasileiro, onde nem o celular nem o wi-fi funcionavam, perguntei para o diretor como ele ia enfrentar quando os adolescentes descobrissem que aquela semana de férias não poderia ser compartilhada online com amigos ou colegas. De fato, o turismo dos milennials é agora, não somente ligado a sua expressão nas mídias sociais, mas também dependendo delas até na escolha do destino. Uma recente pesquisa da empresa especializada  Schofields junto a 1000 viajantes britânicos mostrou que 40% dos entrevistados com idade menor a 33 anos colocam a “Instagramidade” como primeiro critério de escolha do seu destino de férias, na frente dos custos no local (24%), do desenvolvimento pessoal (22,6%), da gastronomia (9,4%) e das visitas (9,4%).

A Instagramidade atinge também o turismo de luxo

Phil Schofield, dono da empresa, confessou ter ficado chocado com o resultado, vendo que a escolha de um destino de férias dependia do número de clicks na conta do Instagram. Mas isso só confirmou pesquisas anteriores, mostrando que os milennials tomam cada vez mais decisões baseadas no impacto que elas podem ter nas suas mídias sociais, revelando assim que a vida virtual afeta diretamente a vida real. Lembrando que essas tendências podiam ser observadas além dos milennials, Schofield conclui que, enquanto se fala do marketing digital como primeiro influenciador dos comportamentos dos consumidores do século XXI, esse tipo de resultado ajuda a conscientizar os profissionais (e os viajantes) do mundo novo, onde cada vida pode ser completamente exposta online.

Nova Iorque, primeiro destino Instagram 2017

A Instagramidade atinge também o próprio marketing dos destinos. Muitos likes no Instagram são uma boa indicação de beleza e de atratividade, com muita credibilidade – pelo menos para os milennials. Reforçam a confiança dada a um artigo de uma revista respeitada ou ao post de um fotógrafo famoso, e são considerados mais sinceros que os guias de viagem ou os folhetos fornecidos pela agência de viagem. E quando a central de informação turística do local fala das incríveis belezas da sua região, só levante dúvidas. Centenas de posts e milhares de clicks terão credibilidade somada a uma geração conhecida por confiar mais nos seus pares do que em marcas ou até em “dicas” de personalidades ou de artistas.

Wanaka, na Nova Zelândia, um case de sucesso no Instagram

Alguns destinos já estão investindo na Instagramidade, alguns deles extremamente isolados e até então somente capazes de atrair aventureiros procurando o post perfeito. Um dos casos mais famosos se refere a pequena cidade de Lake Wanaka, a 400 quilômetros de Christchurch, na Ilha do Sul da Nova Zelândia. Em 2015 começou a atrair influenciadores utilizando Insta-meets para atrair instagrameiros do mundo inteiro, e sem anúncios pagos afim de mostrar credibilidade e autenticidade. Wanaka conseguiu assim a visita do famoso fotógrafo americano Chris Burkard, com 1.5 milhão de followers, que aceitou se hospedar no programa. Hoje a outrora desconhecida cidade tem quase 400.000 fotos no #tanaka e outros hashtags, e o turismo cresceu esse ano de 14%  com essa única promoção.

Disneyland, atração líder do Instagram 2017

Airbnb  é uma das marcas que melhor trabalhou no Instagram. Começou com lindas fotos de cidades, de praias ou de montanhas, compartilhou fotos e stories dos seus hóspedes, sempre cuidando da transparência e da sinceridade para reforçar as interações com seus clientes. Além dos números de posts ou de clicks no Instagram, sempre se lembrou que os conteúdos atraentes podem chamar a atenção dos milennials, mas que a chave do sucesso é a autenticidade. São consumidores que também olham os produtos e os serviços  com muito cuidado, e só criam relações de confiança quando têm a absoluta certeza da sinceridade da oferta.

Top 10 das cidades mais Instagramizadas em 2017

  1. Nova Iorque, EEUU
  2. Moscou, Russia
  3. Londres, Reino Unido
  4. São Paulo, Brasil
  5. Paris, França
  6. Los Angeles, EEUU
  7. St Petersburg, Russia
  8. Jakarta, Indonesia
  9. Istanbul, Turquia
  10. Barcelona, Espanha

Fonte: Instagram