O luxo continua de acreditar nos cruzeiros

 

O grupo LVMH continua investindo no turismo de luxo

As grandes companhias de cruzeiros foram algumas das empresas mais atingidas pela crise. Alem de ser totalmente paralizadas, juntos com todos os atores do turismo, elas atraíram a atenção da mídia internacional pelos problemas específicos que encontraram. O caso mais trágico e mais espetacular foi sem dúvidas o Diamond Princess. Bloqueado no porto japonês de Yokohama, sofreu uma quarentena de mais de duas semanas durante a qual 700 dos seus 3700 passageiros foram infetados pelo virus. O caso se repetiu com vários navios, na Ásia mas também na América do Sul com o Zaandam da Holland América, e até no Brasil com os navios de luxo Silver Shadow da Silversea Cruises ou  Costa Fascinosa  da Costa Cruzeiros.

O Diamond Princess no porto de Yokohama

Esses casos, e numerosos outros, tiveram uma divulgação global, com amplas detalhes das terríveis experiências sofridas pelos passageiros, – bem como dos tripulantes que foram as vezes mais atingidos-, gerando um forte impacto negativo sobre a imagem dos cruzeiros. Com os navios parados até o mês de Julho, investimentos sanitários a fazer, e credibilidade a reconstruir, as grandes companhias de cruzeiros viram o volume das suas capitalizações na bolsa de Nova Iorque  despencando de até 80%. Assim a Carnival, que gasta quase um bilhão de USD para manter a sua frota, viu o valor das suas acões passar de USD 51 a USD 9 de janeiro a abril, e a Norwegian, que passou perto da falência, viu as suas passar de USD 60 à USD 8 nos quatro últimos meses.

Frank del Rio, CEO da Norwegian Cruises

Norwegian Cruise Lines estava em graves dificuldades e já tinha avisado a SEC, o regulador da bolsa de Nova Iorque,  que seus resultados trimestrais significariam que ” a situação atual da pandemia de Covid-19 ia ter um impacto sobre os resultados, as operações, as perspectivas, os planos de desenvolvimento, os objetivos, o crescimento, a reputação, os fluxos de caixa, a procura dos consumidores e o valor das ações”. Enquanto esse comunicado alimentava as rumores mais desastrosas, incluindo ameaças de falência, no dia seguinte a chegada do famosíssimo grupo LVMH, líder mundial do luxo agora muito presente no turismo, ia virar a mesa.

Os futuros navíos, aqui da MSC,  devem antecipar as novas exigências do consumidor

Filial du grupo e da holding da família Bernard Arnaud, o fundo de investimentos americano L Catterton investiu logo USD 400 milhões na Norwegian Cruises Line, o controlo potencial de 20% do capital da empresa. Ajudou em seguido a conseguir um empréstimo de USD 2 bilhões para reforçar a tesouraria do grupo. Segundo o seu CEO, Frank del Rio, a terceira companhia de cruzeiros do mundo disponha assim agora do fôlego suficiente para enfrentar até 18 meses de restruturação. A renovada confiança dos investidores vai permitir de responder as novas exigências sanitárias, ecológicas e comportamentais dos consumidores, e de acompanhar o excepcional potencial de crescimento do setor que continua de projetar 30 milhões de cruzeiristas até o final da década.

O Paul Gauguin da Ponant na lagoa de Bora Bora

Mesmo se essa investimento abra grande perspectiva financeiro – a volta das ações da Norwegian a seu nivel pré-crise significaria uma lucro de quase USD 2 bilhões para a filial de LVMH-, ele mostra também que o famoso grupo francês confirme seu interesse pelo setor. A LVMH já era um ator importante tanto do turismo que dos cruzeiros de luxo. Através de uma outra filial, Kering, o grupo é dono da única companhia de cruzeiros de bandeira francesa, a Ponant Yacht Cruises & Expeditions  que combina intimidade, autenticidade e elegância nos seus navios de pequeno porte. O novo investimento mostra que o luxo acredita nos cruzeiros,  na retomada e na volta de uma clientela que, mesmo com novas exigências que deverão ser atendidas, se mostra extremamente fiel.

Esse artigo foi traduzido e adaptado de um artigo original de Serge Fabre na revista francesa profissional on-line La Quotidienne

Nos cruzeiros do Ponant, a procura da exclusividade @sylvain adenot

Os cruzeiros apostando agora na sustentabilidade

Os veleiros da Star Clippers, campiões de sustentabilidade

Quase dobrando em dez anos, o mercado dos cruzeiros deve chegar este ano a 30milhões de pessoas, divididos em mais de 300 navios, dos charmosos veleiros da Star Clippers até os cada vez mais impressionantes gigantes da MSC Cruzeiros ou da Royal Caribbean. Construído em Saint Nazaire – o mesmo estaleiro francês que entregou em dezembro o badalado MSC Grandiosa -, o  Symphony of the Seas,da Royal Caribbean, atinge 362 metros de comprimento e 66 metros de largura. Para hospedar e divertir os 6314 passageiros, tem 2745 cabines, 20 restaurantes, 30 bares, 11 piscinas, simuladores de ondas para surfe, dois teatros, dois spas, um casino, um minigolfe, e uma pista de patinação, com 2394 tripulantes cuidando do conforto e da segurança de todos. Mais de 100 outros navios serão entregues até 2027, um investimento de US$ 65 milhões para uma capacidade de 130 mil cabinas.

O impressionante crescimento dos cruzeiros na China

O sucesso dos cruzeiros se mede também pela diversificação da clientela. Enquanto os norte americanos representavam mais de 90% dos 7 milhões cruzeiristas do século XX, essa proporção baixou para 83,9% em 2006, 69% em 2011 e menos de 50% hoje. Ainda predominantes, muito cortejados, o mercado dos Estados Unidos continua crescendo mas sem o dinamismo dos mercados europeus e asiáticos. Na Europa, os alemães e os ingleses já são 2 milhões a escolher cruzeiros para suas férias, abandonando talvez  em contrapartida grandes destinos na França ou na Itália que sofrem com essa concorrência. No outro lado do mundo, a China triplicou em cinco anos como mercado emissor, chegando esse ano a mais de 2,5 milhões de cruzeiristas. O Brasil também é destaque, com 16% de crescimento em 2019, 670 mil  cruzeiristas e boas perspectivas tanto nacionais como internacionais.

Os gases tóxicos são a principal preocupação dos moradores dos portos

Tamanho desempenho não podia não chamar a atenção sobre o impacto ecológico desses gigantes do mar. Com exceção de raros veleiros, os navios de cruzeiros são movidos a combustível pesado, um óleo quase bruto, barato, pagando pouquíssimos impostos, e extremamente poluidor. Chegando a queimar mais de 300 mil litros por dia, essas embracações são assim alguns dos maiores responsáveis pelas emissões de óxido de enxofre (segundo uma recente pesquisa da ONG T & E, os 94 navios da Carnival teriam emitidos em 2017 dez vezes mais desse gás tóxico que os 260 milhões de carros da União Européia), bem como de óxido de azoto e de partículas ultrafinas. Mais do que o despejo no mar de aguas não tratadas – hoje proibido pela Cruise Lines International Association (CLIA) -, são essas emissões de gases emitidos até nos portos 24 horas por dia que preocupam  ecologistas e autoridades sanitárias.

Cannes exige o respeito de um código de sustentabilidade

Frente a essas críticas, e para antecipar tanto as novas normas adotadas pela OMI (o regulador das Nações Unidas) que a multiplicação das areas de emissão “controladas” na América do Norte, no mar Báltico, no mar do Norte e em alguns portos do mar Mediterrâneo, as companhias de cruzeiros já estão reagindo. Segundo a CLIA, investimentos de US$ 6 bilhões já foram decididos para diminuir as emissoes de carbono dos motores atuais e para utilizar a energia elétrica fornecida pelos portos durante as escalas. Marselha anunciou assim que quer ser o primeiro porto 100% elétrico até 2025. A médio e longo prazos, os motores híbridos, ou funcionando com gás natural liquefeito (GNL), são a solução escolhida por várias companhias. Dois navios desse tipo, o Aida Nova e o Costa Smeralda, já estão navegando e 20 outros já foram encomendados.

O Roald Admunsen quer ser ecologicamente exemplar

As preocupações de sustentabilidade das grandes companhias de cruzeiros vão agora alem da redução das emissões de gas. A MSC está programando um objetivo “zero carbone print”, acreditando em novas tecnologias e com investimentos compensatórios em projetos carboneutros de grandes entidades internacionais. A Norwegian Cruise anunciou o fim dos plásticos de uso único nos seus navios, e Hurtigruten quer fazer do seu híbrido  “Roald Amundsen” um exemplo de boas práticas nas suas rotas polares. Mostrando que a sustentabilidade deve incluir responsabilidades globais, algumas companhias de cruzeiros  estão participando dos programas da Travel Corporation’s Treadright Foundation. Com importantes realizações, mas ainda com importante caminho a percorrer, o setor afirma agora ser convencido de fazer os investimentos necessários para atingir a exemplaridade ambiental e social que o sucesso requer.

Jean-Philippe Pérol

De Bali a Komodo, as novas rotas do Star Clipper

O Star Clipper no por do sol

Na marina de Benoa em Bali, o Star Clipper  fascina o visitante com seus quatro mastros, seu casco branco e seus metais brilhantes. Subindo a bordo, os passageiros ficam emocionados com o primeiro encontro com a tripulação, a instalação nas cabinas, o welcome drink e o primeiro jantar. Mas é na hora de zarpar que se nota a maior diferencia com um cruzeiro tradicional, quando os 170 passageiros sobem no deck para olhar o vento encher as 16 velas. Foi o sonho de reviver a grande epopéia dos “clippers” que incentivou o armador sueco Mikael Krafft a construir uma nova geração de veleiros gigantes, oferecendo uma experiência de navegação tradicional, mas com a tecnologia e o conforto do século XXI. Hoje são três embarcações construídas nos estaleiros  de Gand ou de Gdansk, o Royal Clipper, o Star Flyer, e o Star Clipper lançado em  1992 e navegando agora entre o Pacífico e o Oceano Índico.