A França com menos turistas, mas uma liderança confirmada e muitos eventos pela frente!

Biarritz, o Vieux Port e a Pedra da Virgem

Biarritz, o Vieux Port e a Pedra da Virgem

Em visita oficial em Biarritz, no Pais Basco, o Ministro francês das Relações Internacionais e do Turismo divulgou os primeiros resultados do turismo para 2016. Confirmou a queda que os profissionais e a imprensa tinham antecipados tanto na França que nos grandes mercados emissores, inclusive no Brasil. Os números ainda não são definitivos, mas a estimativa é de 82,5 a 83 milhões de turistas estrangeiros, seja uma baixa de 2,3% a 2,9% sobre os resultados de 2015. O ministro confirmou que os trágicos atentados sofridos em Paris e em Nice foram os principais motivos dessa evolução, e que as greves do segundo trimestre e as chuvas do verão tiveram também um impacto negativo.
Na Riviera francesa, muitas esperanças para um grande ano turístico 2017

Na Riviera francesa, muitas esperanças para um grande ano turístico 2017

 Mas mesmo com a queda, o turismo francês tem boas razões para confiar no futuro. França  deverá guardar em 2016 a sua posição de primeiro e preferido destino dos turistas internacionais, na frente dos Estados Unidos, da Espanha e da China. Uma forte tendência de alta apareceu nos últimos meses do ano passado – os pernoites chegando a superar o nível recorde de 2014- e está se confirmando no inicio de 2017, especialmente nos mercados mais atingidos em 2016:  Russia, Japão, Brasil. Os brasileiros estão voltando mesmo em Paris, com 26,5% de alta das chegadas em Janeiro e uma expectativa de mais de 40% para os próximos meses.
A Torre Eiffel, garota propaganda de Paris para 2024

A Torre Eiffel, garota propaganda de Paris para 2024

As boas perspectivas ajudaram a reafirmar o objetivo de 100 milhões de turistas que a França definiu para 2020, aproveitando os seus importantes investimentos tanto para melhorar a segurança dos seus visitantes que para reestruturar a sua oferta nos seus grandes destinos já conhecidos internacionalmente. Na véspera de grandes eventos internacionais, da Ryder Cup até a Expo 2025, e poucos meses antes da decisão do CIO sobre a candidatura de Paris aos Jogos Olímpicos de 2024, Biarritz e o Pais Basco, conhecidos dos brasileiros tanto pelas suas ondas de surfe que pelos seus campos de golfe, eram sem dúvidas o perfeito local para passar uma mensagem de otimismo tanto aos profissionais franceses que aos turistas do mundo inteiro.

Jean-Philippe Pérol

O campo de golfe de Saint Quentin, pronto para Ryder Cup 2018

O campo de golfe de Saint Quentin, pronto para Ryder Cup 2018

Esse artigo foi inicialmente publicado no Blog “Points de vue do autor na revista profissional on line Mercados e Eventos

2025: a França voltando com o sonho das Exposições Universais!

paris_1900_eiffel_view_11515

Sonhando com os 2 bilhões de turistas anunciados pela O.M.T. para daqui a 15 anos, o ministro francês Laurent Fabius acredita que a França só poderá manter a sua posição de primeiro destino turístico mundial se souber se organizar. Além de melhorar o atendimento, adaptar os grandes aeroportos e as principais estações de trens às exigências do viajante do século 21, ou mobilizar maiores recursos para a promoção, um dos grandes desafios será de atrair alguns dos grandes eventos internacionais previstos nos próximos anos. téléchargementDois encontros esportivos, a Eurocopa em 2016 e a Rydercopa (o encontro máximo do golfe) em 2018, já serão organizados na França. Mas lembrando o sucesso impressionante das comemorações do Bicentenário de 1789, ficou claro que o impulso duma grande manifestação cultural seria também considerável, ou até maior, tanto para renovar a imagem do pais como para ampliar os fluxos de turistas.

Uma das grandes oportunidades pela frente seria a Exposição Universal de 2025. A França está preparando a sua candidatura para esse grande evento que Paris já sediou seis vezes, mas sendo a ultima em 1900. Um relatório parlamentar que acabou de ser publicado por dois deputados, Fromantin et Leroux, lembrou que as exposições organizadas no século 19 foram ocasiões únicas tanto para a cultura da França como para suas indústrias e seu turismo.

extension-palais-du-trocadero-genie-du-corps-eleves-centre-michel-serres

O projeto levanta um entusiasmo sincero de todos os atores até agora envolvidos, seja empresários ou políticos, que acreditam no seu impacto tanto na economia como na imagem do país. Para depositar um dossiê completo até o final de 2016 – a decisão do Bureau Internacional das Exposições é prevista no mais tardar em 2019 – , os parlamentares insistiram particularmente em dois pontos. France_Pavilion_of_Expo_2010O primeiro é a mobilização de todos, desde os moradores, que terão um papel chave especialmente no atendimento dos turistas, até o próprio Presidente da Republica que deverá convencer o Buró da fiabilidade dos compromissos de investimentos, especialmente nas grandes infraestruturas de transportes como o Grand Paris Express ou as novas ligações diretas para os aeroportos. A segunda ideia seria de renovar com criatividade o modelo tradicional das exposições tal que foi visto ainda recentemente em Xangai. Em vez dum único local onde seriam agrupados todos os pavilhões dos países participantes, a Expo France 2025 seria distribuída em círculos concêntricos: Paris intramuros, o Grande Paris e as cidades da periferia, utilizando o patrimônio existente, e oferecendo para os expositores espaços perto de lugares ou monumentos famosos.$T2eC16Z,!y4FI,d9-C9OBSc6hiDEWQ~~60_35 O Brasil, que foi destaque nas exposições universais parisienses do século 19, em 1867, em 1878 com o próprio imperador Dom Pedro II, e em 1889 com um pavilhão que incluiu até um lago artificial com vitórias-régias , talvez poderá em 2025 voltar a ter seu pavilhão na frente da Torre Eiffel ?

Assim que já foi visto no Brasil durante a Copa, ou que está sendo confirmado no Rio na preparação dos J.O., um projeto desse porte é também uma ocasião para reformar e aprimorar todos os serviços turísticos do pais. L-idee-d-une-exposition-universelle-a-Paris-fait-son-chemin_article_popinO ministro encontrará na preparação de ExpoFrance 2025, e nos 50 milhões de visitantes esperados, motivos para ampliar a capacidade hoteleira de Paris, autorizar a abertura de mais lojas e outlets nos domingos, desenvolver o ensino de línguas estrangeiras ou lançar uma grande campanha de sensibilização dos franceses a importância de melhorar ainda mais o atendimento aos turistas. A Air France, a Accor, a LVMH, a Renault e muitas grandes empresas já estão apoiando o projeto, e os parisienses, em geral muito relutantes, parecem gostar da ideia.

Jean-Philippe Pérol