A Borgonha e o enoturismo no surpreendente (e sustentável) ranking 2022 da Lonely Planet

As Ilhas Cook foram a grande surpresa do Top Ten 2022

Património cultural, belezas naturais e tolerância destacaram Omã

Atras das pequenas ilhas da Polinésia se destacaram destinos já confirmados e lugares menos conhecidos. Foram assim premiados a Noruega (pela sustentabilidade e os novos museus), a Ilha Maurice (pela biodiversidade, especialmente em Rodrigues), Belize (pela barreira de coral e os vestigios maias de Lamanai), a Eslovénia (pelo cicloturismo bem como a enogastronomia), e Anguilla (pela reconstrução sustentável depois do furacão Irma). Constam também na lista Omã (pela cultura tolerante e as belezas naturais), o Nepal (pelo reconstrução sustentável depois do terremoto), o Malaui (pelo ecoturismo e a proteção de especies animais ameaçadas)e o Egito (pelo património histórica e a gestão comunitárias de vários projetos turísticos).

Merida foi justamente lembrada como capital do Yucatán

Os top ranking das cidades valorizam também os esforços feitos para a sustentabilidade, a diversidade e as energias renováveis, em Auckland, Taipé, Friburgo, Atlanta, Dublin ou mesmo Firenze. A presencia de Lagos na Nigeria, Nicosia em Chipre, ou de Gyeongiu na Coreia do Sul foram porem surpresas interessantes, assim que a homenagem a Merida (México). O seu Gran Museo del Mundo Maya , os seus passeios de bicicletas para Uxmal ou Chichen Itza,  e a sua gastronomia incorporando influências maias, caribenhas e europeias foram as atrações principais justificando a sua presencia na lista como mais atrativo destino do Yucatán.

Shikoku, um Japão tradicional com 88 templos e um vanguardismo ecológico

As regiões foram selecionadas com os mesmos critérios, e uma forte influencia das preocupações ambientais que as autoridades souberem integrar na Virginia ocidental (Estados Unidos), no Kent (Inglaterra), na Cenic Rim (Australia) e em Vancouver (Canada). Se a presencia da Islândia recompensa o sucesso de um turismo criativo e pioneiro, e se Porto Rico é incentivada  a continuar seus esforços de recuperação, três destinos são mesmo achados para 2022: Atacama (Chile) com o desenvolvimento do seu turismo sustentável e comunitário, Xishuangbanna (China), com sua mosaica étnica. seus elefantes e sua gastronomia, e  Shikoku (Japão), com suas paisagens, seus 88 templos e seu envolvimento na sustentabilidade.

Enquanto o vinho é uma das temáticas que mais cresce no turismo, a Borgonha, com seus 84 apelações (incluindo 33 Grands Crus), não podia não ter sido escolhida para fechar os destaques da Lonely Planet. Pioneira do enoturismo responsável com um programa bem sucedido de certificação de vinhedos, ela vai também inaugurar em 2022 dois projetos exemplares, a Cité internationale de la Gastronomie et du Vin (CIGV), em Dijon, e a Cité des Vins et des Climats de Bourgogne nas três cidades emblemáticas de Beaune, Chablis e Macon. Alem do vinho e da gastronomia, o júri quis também destacar a natureza e as paisagens da região, e os esforços bem sucedidos para desenvolver o ecoturismo e as trilhas nos seus morros, lagos e rios. 

A Auvergne (e a Costa Verde) nos “dez mais 2016” da Lonely Planet!

 

O Puy de Dome e o Parque natural dos vulcões da Auvergne

O Puy de Dome e o Parque natural dos vulcões da Auvergne

Para os amantes da França, a publicação pela famosa editora estadounidense Lonely Planet dos dez destinos imperdíveis em 2016 foi uma boa surpresa. Lonely PlanetMesmo se as regiões escolhidas não foram nem um pouco tradicionais, foi sem duvidas uma façanha para Auvergne de ser a única francesa selecionada. Para o best-of 2016 da Lonely Planet, divulgado no dia 29 outubro, essas  “dez mais”  foram as seguintes: 1. Transilvânia, Roménia; 2. Islândia Ocidental; 3. Vale de Viñales, Cuba: 4. Regiões vinícolas de Friuli, Itália; 5. Ilha Waiheke, Nova Zelândia; 6. Auvergne, França; 7. Havaí; 8. Baviera, Alemanha; 9. Costa Verde, Brasil; 10. Santa Helena, territórios britânicos.

Os motivos da escolha da Auvergne pelos especialistas da editora são foram também divulgados. Eles gostaram das paisagens “dramaticamente vulcânicas” e dos espaços livres de turistas. Acharam a gastronomia local a altura da fama dos seus pratos típicos (buchada/tripoux, cozido/potée, purê de batata/alligot ou patê de batata),  mas também surpreendente  pela uma culinária criativo. Queijos da AuvergneUma criatividade que encontraram também na cultura “auvergnate”, já que Auvergne tem se reinventado com uma série de projetos artísticos ambiciosos, e um portfólio maior de aventuras na natureza, isso sem perder, segundo eles, o seu charme rural. Adoraram os vulcões, os queijos (Cantal, Saint Nectaire, Bleu, Fourme d’Ambert, Salers) bem como os parques, os vilarejos e os festivais de Aurillac, Clermont-Ferrand ou Puy-en-Velay. A simpatia e o humor dos “auvergnats” – os moradores da região que são, na França, comparados aos mineiros no Brasil- foram também destacados como grandes atrativos da região.

O “best-of 2016” sera, sem duvidas, muito bem recebidos no Brasil já que a Costa Verde, de Guaratiba até Trindade, ficou em nona posição na lista. Pensando nos milhares de turistas esperados para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, a editora foi seduzida pela proximidade da metrópole carioca, Laranjeiraso litoral ainda praticamente intocado, os morros cobertos de florestas cor de esmeralda, as numerosas ilhas tranquilas e as praias quase desertas. A Costa Verde, e mais especificamente a Ilha Grande, é destacada como um paraíso do ecoturismo e do turismo de aventura para os amantes da natureza e da adrenalina, com trilhas nos montes cobertos de mata fechada, passeios de caiaque entre fiordes tropicais desertos, ou mergulhos com peixes coloridos.

O Puy en Velay

Muito esperadas desde que foram lançadas há onze anos, as seleções da Lonely Planet misturam critérios ligados a projetos turísticos e a meio ambiente, AUZANCES BRASILcom um foque importante na atualidade (Cuba da abertura, Bavária dos 500 anos da cerveja, Havai dos 75 anos de Pearl Harbour ou Santa Helena do bicentenário do Napoleão)  Vindo depois de varias premiações francesas – quinta mais bela região segundo o canal de televisão M6, segunda mais dinâmica na Facebook e segundo lugar da catedral de Puy-en-Velay como monumento preferido dos franceses-, a menção honrosa dada a Auvergne será um grande incentivo para se preparar a receber mais turistas do mundo inteiro e especialmente do Brasil.

Outono na Auvergne

As cores do outono nas florestas da Auvergne