No ranking das marcas mais poderosas do mundo, a surpreendente Aeroflot!

American Airlines, a marca mais valiosa do transporte aéreo em 2017

Enquanto os ranking de empresas ou de marcas estão virando uma tradição do inicio do ano em todos os setores, a empresa inglesa Brand Finance publicou seu Brand Strength Index -BSI-, com avaliações financeiras mas também analises de marketing e de serviços. O tradicional ranking dos “most valuable Brands” lista em 2017 mais de 3500 marcas, todas as grandes empresas internacionais, incluindo as companhias aéreas ou as operadoras. O primeiro lugar mudou, a Google passando na frente da Apple com o valor da sua marca chegando a USD 109 bilhões, seguindo da Amazon, da ATT e da Microsoft. No Top 500, as brasileiras ficam longe, Itaú no 220º lugar, Bradesco no 287º, Claro no 302º, Banco do Brasil no 319º, e Petrobrás no 321º.

A TUI, única marca de turismo no Top 500

Pela valorização da marca, aparecem no ranking somente uma operadora, a TUI (no 458º lugar), e nove companhias aéreas, com os Estados Unidos e a China mostrando as suas forças. O primeiro lugar mudou em 1917, passando para American Airlines agora valorizada em USD 9,8 bilhões. Atrás vêm a Delta, a United, a Emirates (que perdeu o primeiro lugar), a Southwest, as três chinesas China Southern, China Eastern, e Air China, e em nono lugar a British Airways. Nenhuma brasileira apareceu nessa lista, e a Air France ficou somente como 24ª marca. Esse primeiro ranking sendo somente financeiro, os especialistas esperam também cada ano a segunda classificação da Brand Finance,  o ranking das marcas mais poderosas,  valorizando mais as expectativas e as satisfações do viajante.

Aeroflot, marca mais poderosa da aviação em 2017

Esse “Brand Strength Index”, lista das marcas mas poderosas, leve em consideração critérios de qualidade como os investimentos em marketing, a fidelidade dos consumidores, o retorno dos investidores e o empenho dos colaboradores. Para o setor da aviação, são analizados uns trinta fatores, seja o tamanho e a idade da frota, a política de segurança, o numero de funcionários, os investimentos, a apreciação da IATA e a nota das agencias de notação financeira. O resultado 2017 foi uma surpresa, colocando em primeiro lugar, a companhia russa Aeroflot que tinha chegada somente em 26º lugar considerando o valor das marcas, mas tomou a liderança desse ranking das marcas mais poderosas.

O Tupolev 144, o “Concordski” que marcou a historia da Aeroflot

Fundada em 1923, herdeira dos tempos da economia soviética, a Aeroflot vai com certeza surpreender até os viajantes mais experientes com essa premiação. Se alguns fatores de sucesso jà eram conhecidos, como a sua liderança no mercado interno, seus 43 milhões de passageiros, ou a posição geográfica estratégica da Russia, outros só aparecerem desde os anos 90. A companhia tem o cobiçado AAA nas agencias de notação, as suas normas de segurança são dentro das mais rigorosas do mundo, só teve um acidente nos últimos 20 anos, sua frota de 190 aviões (em grande maioria Airbus) é uma das mais jovens, seu serviço de bordo é considerado impecável e ela pertence desde 2006 a aliança Skyteam.

Aeroflot com o Skytrax Award 2016

Escolhida em 2016 como melhor companhia da Europa oriental, Aeroflot ganhou em 2017 esse título de marca mais poderosa do mundo na frente da Aeromexico, da American Airlines, da China Southern Airlines, da Delta Air Lines, da Emirates, da Jetblue Airways, da Southwest, da Turkish Airlines, e da Westjet Airlines.

Поздравляем наших удивляющих друзей из Аэрофлота!*

*(Parabens,  surpreendentes amigos da Aeroflot!)

Adotados em 2016, os uniformes fazem a unanimidade dos viajantes

Esse artigo foi inspirado de um artigo original de Serge Fabre na revista on-line La Quotidienne  

Travel.me, a TUI apostando nos conteúdos e nas medias sociais

A TUI, mais de 300 marcas para o líder mundial

A TUI, mais de 300 marcas para o líder mundial

Primeiro grupo mundial de turismo, dono de 300 marcas de viagens conhecidas dos viajantes em mais de 30 países, instalado no Brasil desde o ano passado, a TUI lançou agora uma iniciativa original. Para ajudar os seus clientes a visualizar a diversidade da sua oferta, juntou os conteúdos de 600 contas de mídias sociais -Facebook, Twitter, Instagram e Youtube- bem como alguns conteúdos analógicos numa única plataforma de conteúdos, travel.me .  Se o site exista por enquanto somente em alemão e em inglês,  ele deve ser rapidamente traduzido em outros idiomas já que os diretores da empresa querem assim criar o maior site global de uma única marca de turismo, rico em experiências provenientes dos quatro cantos do mundo da TUI.
O site travel.me

O site travel.me

Essa plataforma faz parte dos esforços da TUI para apresentar sua marca de forma mais global e mais atualizada. Seguindo uma estratégia “One Brand” , outras marcas do grupo estão migrando para o novo site, e uma campanha de promoção vai ser lançada em oito grandes mercados europeus. A agencia Blumberry, responsável do conceito e do desenvolvimento do site, acredita que a nova tecnologia utilizada vai multiplicar os conteúdos vindo não somente das marcas do grupo – seja de aviação, de hotelaria ou de cruzeiros- mas também de editores ou fotógrafos contratados. Com uma navegação fácil e “fun”, os próprios viajantes deverão se apropriar cada vez mais travel.me, especialmente quando será lançada uma opção de feed ao vivo.
Paris no Instagram da TUI Alemanha

Paris no Instagram da TUI Alemanha

Substituindo de vez os velhos catálogos que eram os sonhos dos viajantes e o pesadelo das operadoras, o novo site vai sem dúvidas ser uma revolução na comunicação dos grandes grupos de turismo internacionais que vão poder mostrar de forma agradável e interativa uma extraordinária diversidade de conteúdos e de ofertas. Os ferramentas de escolha devem ainda ser muito melhorados. Procurando um destino na Ásia, um colega chegou no blog da “First Choice” com uma única proposta de restaurante Vegan. Uma pesquisa para o Brasil me levou para uma proposta de ecoturismo na Costa Rica com a operadora inglesa Exodus travels, a mesma operadora que me sugeriu um tour da Europa secreta quando eu tinha pedido sugestões para o Rio de Janeiro….

Bordeaux, um dos top destinos 2017 da TUI Inglaterra

Bordeaux, um dos top destinos 2017 da TUI Inglaterra

Mas a importância do projeto travel.me para TUI, e o seu caracter inovador para o turismo deixam pensar que o site, quando finalizado e traduzido nos grandes idiomas do turismo internacional (incluindo o português), será em breve uma referencia incontornável para os viajantes e um caminho a seguir para as grandes operadoras globais.

 Esse artigo foi inspirado de um artigo original de Serge Fabre na revista on-line Pagtour

Somos todos tunisinos!

Sidi Bousaid, Tunisia

Sidi Bou Said

Se as primeiras vítimas do atentado de Túnis foram os 20 turistas estrangeiros e o policial massacrados pelos assassinos, o alvo deles parece ter sido em primeiro lugar o turismo tunisino e seu peso excepcional – 7% do PIB e 400.000 empregos – na economia desse pequeno país. Depois duma queda de 3,2% em 2014, a tendência era de claro crescimento, mas os tiros do Museu do Bardo mataram qualquer perspectiva para voltar aos 7 milhões de turistas recebidos antes da Revolução do jasmim. JORNAL LIBERATIONAs companhias de cruzeiros MSC e Costa cancelaram todas as suas escalas até nova ordem, redesenhando os seus itinerários, e as maiores operadoras da França  já pararam de vender passeios e excursões. A TUI, operadora alemã muito presente na Tunísia, também cancelou as suas excursões, pedindo para os clientes não sair dos seus resorts. Se o jornal Liberation chocou os franceses com um radical “Acabou a Tunísia, acabou o turismo”, e se inúmeros internautas proclamaram “somos todos tunisinos”, a realidade é mesmo que as reservas estão parados ou em forte queda. E segundo o presidente do SNAV, o sindicato das agencias de viagens da Franca, essa tendência vai também atingir os outros países árabes ou muçulmanos.  EU SOU TUNISIANO O mapa dos destinos seguros, que já exclui  a quase totalidade da África e do Oriente médio, bem como boa parte da Ásia, vai ficar ainda menor. ( A notar que o Brasil ficou também nos países de risco significativo – com algumas áreas de alto risco  nas fronteiras paraguaia ou colombiana, sem duvidas uma das razoes pelo qual o seu turismo receptivo fica encalhado no mesmo patamar de seis milhões de turistas que a pequena Tunísia).

MAPA GEOS DAS AREAS DE RISCOS

Mapa Geos das areas de risco

A segurança já é , junto com o preço e a qualidade, um dos três grandes critérios de seleção dos destinos.Café_des_Nattes_in_Sidi_Bou_Said Os viajantes da melhor idade, as famílias, os escolares, as crianças, ninguém aceita mais a falta de segurança dos locais turísticas, a delinquência ou o risco de agressão. Mesmo se uma forte corrente de simpatia abraçou a Tunísia no mundo inteiro, os turistas só voltarão a invadir as praias de Djerba ou de Hammamet, a comprar os artesanatos de Nabeul ou de Sfax, a passear na oásis de Tozeur, a olhar o túmulo de Massinissa em Dugga, ou a tomar um chá com pinhões no tão charmoso Café des nattes de Sidi Bou Said, Sinagoga de Djerbase resultados convincentes são mostrados pelas autoridades em termos de segurança publica. A imensa onda de solidariedade com a Tunísia poderá então se transformar numa nova realidade turística . Queremos todos ser tunisinos.

Jean-Philippe Pérol

Tozeur

Oásis de Tozeur

Os gigantes do Norte dominam tambem a Europa do turismo!

tui-travel

Os latinos não se dão bem no ranking anual das grandes operadoras europeias publicado pelo magazine alemão FVW.THOMASCOOK_KaribikLateina000001 Dos dez primeiros gigantes, só dois aparecem no meio das grandes alemãs, suíças e inglesas. No pódio, a medalha de ouro é inglesa. Com um faturamento de €18,3 billion, a TUI fica disparada, na frente do seu velho concorrente Thomas Cook que só chegou a €11,3 billion o ano retrasado (Muitos resultados de 2013 não sendo ainda publicados, FVW utilizou muitos números de 2012 para o seu ranking). Juntos, os dois rivais representam mais de 50% do mercado das viagens de lazer na Inglaterra, Escandinávia, Holanda e Bélgica, e mais de 30% na Alemanha.
O suíço Kuoni é a terceira maior operadora europeia, com um faturamento de quase €4,8 billion, mas teve uma importante restruturação em 2013, vendendo sucursais no Benelux, na França, na Espanha e na Rússia para se concentrar no receptivo e nos mercados asiáticos.
O quarto lugar é alemão, da DER Touristik. Faturou €4,65 billion, cresceu pouco internamente, mas adquiriu a operadora tcheca Exim Holding que era muito forte na Europa central.

Outrora italiano, a anglo-americana Costa teve um faturamento de €3,5 billion. Foi um forte crescimento, empurrado pelo sucesso dos cruzeiros vendidos no mercado alemão pela sua filial Aida Cruises. São também alemãs as operadoras colocadas em sexta e sétima posições do ranking, FTI e Alltours, que faturaram respectivamente €1,8 e €1,6 billion.

Em oitava posição, com €1,4 billion, aparece finalmente o francês Club Med, esse tão latino que os burocratas da Uniao Europeia chamam com desprezo os países do Sul da Europa  ‘os países do Club Med’. Saindo duma grande restruturação, agora com um importante investidor chinês, o grupo fundado pelo lendário Gilbert Trigano esta hoje focando resorts de luxo em lugares excepcionais. Depois do sucesso do Clube de Guilin na China, um desses será o futuro quarto investimento do Club Med no Brasil, entre Búzios e Cabo Frio, na praia do Peró.Club Med - Imagem

Fechando esse ranking dos dez maiores vem o italiano  Alpitour, com faturamento de €1 billion, e o suiço Hotelplan (€975 million) que estão lutando para melhorar os seus resultados.

Esse resultados se refiram a mercados longe da realidade brasileira, com consumidores diferentes, e profissionais agindo num cenário econômico e jurídico tambem completamente diferente. Assim mesmo, duas observações me parecem validas. A primeira é que os mercados latinos, com seus viajantes independentes e sempre a espera de oportunidades, são mais relutantes ao surgimento e a consolidação de grandes operadoras, sendo hoje o Club Med a única bem sucedida. A segunda observaçao é que temos no Brasil uma exceção a regra, o impressionante sucesso da CVC que seria hoje, se esse ranking fosse não so da Europa mas  também das Américas, em sexto lugar pelo faturamento (e provavelmente em terceiro pelo numero de turistas). Considerando as perspectivas de crescimento dos dois continentes, um lugar no pódio desse ranking virtual para o grupo liderado pelo Guilherme Paulus é uma probabilidade a curto prazo.

cvc-viagens-lista-de-presente-casamento2

Jean-Philippe Pérol

Artigo original em inglês: http://www.fvw.com/european-tour-operators-ranking-tui-cook-dominate-european-tourism-market/393/126948/11245