Nova Iorque e Singapura agora destinos mais caros do mundo

Líder durante muitos anos, Singapura agora empata na liderança

Nos fatores que impactam a escolha dos destinos de viagens, os preços comparativos são cada vez mais decisivos e as fortes evoluções da era post pandemia poderiam anunciar novas tendências. De acordo com o Índice mundial do custo de vida , publicado pela Unidade de Inteligência da revista inglesa The Economist (EIU), a inflação mundial foi de 9% en 2022. A guerra na Ucrânia, as sanções ocidentais contre a Rússia, o disparo do petróleo e das commodities, bem como a subido dos juros e as variações de câmbio levaram a uma crise mundial. O relatório do EIU destaca assim que os aumentos de preços nas 172 cidades onde foram feitos os levantamentos foram os mais altos registrados nos últimos 20 anos, mexendo na tradicional e esperada lista dos destinos mais caros do mundo.

Nova Iorque seria agora a cidade mais cara do mundo

A maior novidade desse ranking vem de Nova Iorque. Mesmo se sempre apareceu no topo da lista – era em sexto lugar no ano passado-, a Big Apple chega pela primeira vês em primeiro lugar, empatando com Singapura. Puxadas pela valorização do dólar americano frente as principais divisas internacionais, outras cidades estado-unidenses aparecem também nas dez primeiras da lista: Los Angeles no quarto lugar e São Francisco no oitavo. No geral, as 22 cidades dos Estados Unidos onde a pesquisa foi feita esse ano tiveram fortes aumentos de custos e subiram no ranking, especialmente Portland, Boston, Chicago e Charlotte. 

As crises politicas não tiraram Hong Kong dos destinos mais caros

Há muitos anos destacada nas campeãs de preços altos, a Ásia se beneficiou esse ano das evoluções cambiais. Vencedora de 2021, Tel Aviv caiu para a terceira posição, e somente Hong Kong se manteve na lista das dez cidades mais caras, enquanto Tóquio, Osaka, Pequim, Shanghai, Guangzhou e Seúl tiveram fortes quedas dos seus índices de preços que foram impactados pelas depreciações das suas moedas em relação ao dólar americano. É interessante anotar que o índice concorrente do The Economist, o ECA International, dando menos importância aos fatores cambiais e aos produtos de luxo importados, continua colocando cinco cidades da Ásia no topo da sua lista.

O Londres post Brexit ficou muito mais barato

Na Europa, pelo menos enquanto se trata de custo de vida, Londres parece ter beneficiado do Brexit. Saiu do topo da carestia e ficou em vigésimo sétimo lugar, longe das 4 cidades do Top 10. As duas grandes cidades da Suiça, Zurique e Genebra, são agora as mais caras da Europa, seguidas de Paris e Copenhagen. Com a guerra e uma inflação acelerada, as capitais dos países do leste, inclusivo Moscou e São Petersburgo, experimentaram aumentos significativos do custo de vida. Mas ao contrário, mesmo com um aumento medio de 22% do preço da gasolina, as quedas do Euro, da Libra e do Franco suíço fizeram muitas destinos europeus, como Estocolmo, Lyon ou Luxemburgo, cair de posição na lista

Tunisia é destaque dos destinos mais baratos

Para preparar suas viagens de 2023, o relatório do The Economist mostra algumas oportunidades. Excluindo uma dramatização da guerra,  a inflação deve diminuir para 6,5%, os preços dos combustiveis e dos produtos alimentares cair. Os bloqueios das cadeias de suprimentos ou de logistica devem ser superados, trazendo mais otimismo para os consumidores. Os viajantes deveriam também aproveitar as oportunidades,  seja nos tradicionais destinos europeus ( França, Espanha, Portugal) agora mais acessíveis, seja nos destinos mais baratos da lista oferecendo, na Tunísia, na Índia, ou na Ásia central, excepcionais custo/benefícios.

 

As 10 cidades mais caras do mundo em 2022, no ranking do The Economist

1. Nova Iorque

1. Singapura (empate)

3. Tel Aviv, Israel

4. Hong Kong

4. Los Ángeles (empate)

6. Zúrique

7. Genebra

8. São Francisco

9. París

10. Copenhagen

10. Sídnei (empate)

 

As 10 cidades mais baratas do mundo em 2022, no ranking do The Economist

161. Colombo (empate)

161.Bangalore (empate)

161. Alger  (empate)

164. Chennai

165 Ahmedabad

166. Almaty

167. Karachi

168. Tashkent

169. Tunis

170. Teheran

171. Tripoli

172. Damasco

 

O Coronavirus, crises e resiliência do turismo

Na praça Tien An Men, um casal de turistas em vez da costumeira multidão

Desde a explosão do turismo de massa, as crises são parte da realidade do nosso setor. Foram crises politicas, seja com guerras ou com atos de terrorismo, que atingiram o Oriente Medio mas também a Inglaterra, a França, os Estados Unidos, ou a Espanha. Foram desastres naturais, furacões no Caribe, tsunamis na Indonesia e na Tailândia, vulcões na Argentina ou na Islândia. Foram doenças contagiosas como  o SARS e a gripa aviária que castigaram a Asia,  ou a Ebola na África ocidental. Foram desastres industriais  como Tchernobyl na então União Soviética e Fukushima no Japão, ou desastres aéreos cujos traumas vão muito além dos amigos e dos familiares das vítimas. Cada crise impactou as economias das regiões atingidas (e as vezes a economia global), mas o turismo sempre foi fortemente atingido.

Macau sem seus lendários cassinos

Desde o 12 de Dezembro, inicio da crise, e enquanto o balance humano já se aproxima dos 600 mortos, o setor vê as más noticias se acumular. Só hoje, abrindo os jornais, se lê no le Point que a Air France KLM está suspendendo todos os seus voos para China até o 15 de Março,  no New York Times que os cassinos de Macau estão todos fechados, no El Pais que o coronavirus obriga a cancelar dezenas de eventos esportivos e perturba os Jogos de Tóquio, e no O Globo que quase 2 mil pessoas estão sob quarentena no navio cruzeiro World Dream atracado em Hong Kong. Alguns especialistas já estimam que  a epidemia poderá custar de 1 à 1,5% de crescimento ao PIB mundial, e setor de viagens e turismo deve sofrer um impacto negativo global estimado em 100 bilhões de USD ou mais.

Navio de cruzeiro em quarentena no porto de Hong Kong

O tamanho da crise se deve em primeiro lugar ao fato que ela atinge um pais que é o maior mercado mundial de turismo, com 150 milhões de viajantes gastando quase 300 bilhões de USD nas suas viagens internacionais, representando 20% das despesas mundiais. Na própria China são recebidos 60 milhões de visitantes internacionais , e mais de 4 bilhões de viagens domésticos são realizados pelos proprios chineses. As medidas excepcionais tomadas pelo governo chinês – suspensão desde janeiro de todas as viagens organizadas- , pelos grandes países emissores – os Estados Unidos, a Grão Bretanha e a França “desaconselhando” de entrar na China-, ou pelas principais empresas de transporte aero ou marítimo –  British Airways, Lufthansa, Air France, American Airlines, Delta, United, cruzeiros Costa ou  MSC-, explicam também a gravidade da crise que atinge outros países da Asia e ameaça até o Jogos de Tóquio.

A sombra da crise pesa nos Jogos de Tóquio

Mas tão grave que seja a crise, as lições do passado mostram que o turismo tem uma resiliência  extraordinária. Se comparar com outras crises dramáticas das ultimas décadas, podemos encontrar motivos de otimismo. O primeiro é que os mercados não levam mais que quatro a seis meses para voltar a seus níveis anteriores, a tendencia sendo mesmo de diminuição desse prazo. O segundo motivo é que pouquíssimas crises chegaram a provocaram uma queda anual do crescimento, e que, quando foi, uma forte recuperação aconteceu logo o ano seguinte. As previsões da OMT para o final dessa década, 1,8 milhão de turistas internacionais, não deveriam então ser modificadas. Para o Brasil, muito distante do foco da epidemia ,e que parece por enquanto poupado pela doença e pela mídia internacional, podemos continuar a esperar que a retomada econômica e a estabilidade monetária  levam a um novo crescimento do turismo tanto emissor que receptivo

Jean Philippe Pérol

Esse artigo foi inicialmente publicado no Blog “Points de vue do autor na revista profissional on line Mercado e Eventos

Em Hong Kong, alem da Liberdade, o turismo ameaçado?

Os protestos para liberdade de Hong Kong

Com o turismo sendo um dos setores mais impactados, as violências que estão acontecendo em Hong Kong têm raízes profundas nas preocupações dos moradores frente o recuo permanente das liberdades enquanto se aproxima o final programado para 2047 do atual acordo “um pais dois sistemas” firmado em 1997 entre a China e o Reino Unido. Mas a permanência dos protestos depois do recuo do governo se devem sem dúvida, às dificuldades da população com o custo de vida, a alta impressionante dos preços imobiliários que triplicaram em dez anos empurrando os aluguéis, e da evolução extremamente desigual dos salários que leva a um recorde mundial de diferencias sociais.

Hong Kong renovando a sua imagem turística

Enquanto o turismo representa 5% da economia da cidade – com 65 milhões de visitantes em 2018, as reservas começaram a cair em junho em quase todos os mercados. A maior parte dos governos tanto na Ásia quanto na Europa ou na Ámerica do Norte já emitiu aviso de prudência ou até desaconselhando viagens para Hong Kong. A queda já foi de 4,8% em julho, nos países vizinhos (menos 20,1% na Coreia do Sul) e nos países distantes (menos 11,8% na Austrália) mas também junto aos chineses do continente e de Taiwan que representam, respectivamente, 67% e 3% do total dos turistas chegando na cidade. Com as reservas de hotel caindo desde junho de até 30%, é provável  que o impacto vai prejudicar com mais forca ainda a economia da cidade.

O CEO da Cathay Pacific, Rupert Hogg, saindo no meio da crise

O transporte aéreo é também atingido. Em julho foram os protestos no aeroporto que levaram ao bloqueio dos voos durante dois dias, em agosto uma greve geral que provocou o cancelamento de mais de 200 voos. A companhia de bandeira da cidade, Cathay Pacific não divulgou números, mas advertiu que seus resultados serão impactados. As consequências foram mais graves ainda sobre a gestão da empresa. O CEO da Cathay Pacific bem como o seu diretor comercial tiveram que pedir demissão e vários funcionários implicados nos protestos foram demitidos ao pedido do governo chinês que ameaçava suspender os direitos aéreos da empresa, e sob pressão das mídias chinesas que espalharam o hashtag #BoycottCathayPacific nas redes sociais.

Shenzen aproveitando a crise para se posicionar?

Essa agitação na terceira praça financeira mundial -Hong Kong só perde de Nova Iorque e Londres- preocupa o setor. Os bancos HSBC, Standard Chartered e East Asia publicaram anúncios no jornais locais chamando para uma saída pacífica do conflito. Temem que as vantagens fiscais, as leis compreensivas e a discrição dos serviços financeiros não sejam mais suficientes para atrair os investidores tanto internacionais quanto chineses. A 27 quilômetros da fronteira com a China, a cidade de Shenzen já está se posicionando, com seus 12 milhões de habitantes, a sua economia apoiada no terceiro porto mundial (depois de Xangai e Cingapura), a sua zona econômica especial mais dinâmica do continente e o seu crescimento duas vezes maior que Hong Kong em 2018.

Macau, concorrente português da inglesa Hong Kong

Mas discreta e querendo ser uma vitrina bem sucedida do lema “um país dois sistemas”, a antiga colônia portuguesa de Macau quer mostrar a relação com a China não prejudicou as suas liberdades locais. Talvez por ser mais conservadora, ou pela herança lusitana, ela também lembra agora discretamente que é um grande destino turístico, paraíso dos cassinos único no país, recebendo mais de 35 milhões de visitantes por ano. Será que, até no turismo, Pequim ainda precisa de Hong Kong?

Esse artigo foi traduzido e adaptado de um artigo original de Serge Fabre na revista on-line La Quotidienne