Na Polinésia francesa, o novo Paradigma do turismo de luxo

Na Ilha do Guy Laliberté, uma redefinição do turismo de luxo

Depois de quase dez anos de obras, o bilionário canadense Guy Laliberté abra agora para o publico sua ilha-refugio, Nukutépipi, um paraíso exclusivo combinando a preservação do ecosistema do Arquipélago das Tuamotu e a homenagem as tradições culturais dos Polinésios. O homem que criou o “Cirque du Soleil”, revolucionou o circo e inventou uma nova forma de lazer artístico, está redefinindo o turismo de luxo, juntando uma beleza natural e cultural exclusiva, com um atendimento excepcional num quadro perfeito reservado a uns “happy few”. A 700 quilômetros no sudeste de Tahiti, o atol quer assim ser um esconderijo autentico único no mundo onde pequenos grupos de até 52 pessoas podem viver juntos uma experiência de humildade e de perfeição frente aos azuis do mar e ao ecosistema da ilha, somente completados por serviços, obras de arte ou até sons cuidadosamente escolhidas.

Nukutépipi é um dos menores atóis da Polinésia

Com somente 2,7 quilômetros de comprimento, sendo um dos menores atóis da Polinésia francesa, e nunca tendo sido habitado de forma permanente,  Nukutépipi seduziu o Guy Laliberté pelos seus recifes de corais, suas praias virgens, sua lagoa protegida, e sua mata primária. Mesmo frágil, o ecosistema foi assim sempre protegido, oferecendo opções privilegiadas para mergulhar com peixes raros, nadar com as baleias, observar os pássaros ou simplesmente olhar a natureza desde um espetacular mirante. Escondidas na vegetação, seguindo a praia num total respeito ao meio ambiente, as construções combinam as tradições da Polinésia com a arte e o design contemporâneo. Concebido como sendo um refugio pessoal, a ilha conta com uma residência master de 647 m2 com quatro quartos, duas residências júnior de 247 m2 com dois quartos, e treze bangalôs de 70 m2, podendo hospedar com absoluto conforto 52 hospedes.

Obras de arte são espalhadas em vários cantos da ilha

Deslumbrante, exclusiva, e pioneira, Nukutépipi está sendo comercializada pela Sunset Luxury Villas, uma cadeia de destinos de exceção pertencendo a Guy Laliberté, e administrada pela SPM, companhia hoteleira representada no Brasil pela Cap Amazon. Para respeitar o espírito de esconderijo, e a sua dedicação a “ricos e famosos”, a ilha só pode ser reservada na sua totalidade. O preço de um milhão de Euros por semana inclui os voos desde e para Papeete, o pessoal, as refeições, as bebidas, as atividades, e os espetáculos. Mesmo se alguns privilegiados já tiveram a oportunidade de hospedar-se na ilha, a inauguração oficial está prevista para o primeiro semestre do ano que vêm, com uns convidados escolhidos a dedo nos principais países onde existem personalidades capazes de querer conquistar esse novo Paradigma do turismo de luxo. Influençiadores brasileiros já estão previstos para participar.
.
.
Ia Ora Na em Nukutépipi!  

.

Jean-Philippe Pérol

 

As construções respeitam as tradições da arquitetura da Polinésia

 

 

Villas e bangalôs têm sempre o seu acesso a praia

 

 

A Residência master e seus bangalôs

 

A mata primária seduziu o Guy Laliberté

 

A fauna do atol é a grande atração dos mergulhos

 

Por do sol em Nekutépipi

A  ilha de Nekutépipi na Polinésia francesa faz parte do portfolio da Sunset Luxury Villas, uma coleção de propriedades exclusivas concebidas pelo Guy Laliberté

Fotos Nukutépipi @ LM Chabot

Para escolher o seu destino, os serviços que você não quer (e provavelmente não vai) usar são fundamentais

O Vale de Papenoo, a beleza selvagem do interior da ilha de Tahiti

Seja para aproveitar em família uma praia num all inclusive, seguir um grupo organizado num circuito continental, explorar  sozinho caminhos  exclusivos, sonhar a dois frente a paisagens românticos,  enriquecer sua cultura – e dos seus filhos-  em sítios marcantes ou eventos excepcionais, ou simplesmente seguir em liberdade a vida de um morador, a escolha de um destino turístico ainda é uma alquimia muito pessoal.  Os desejos e os gostos de cada viajante se misturam com a beleza do lugar, o património, os preços, as infraestruturas, os serviços, os lazeres, a acessibilidade, o imaginário, e, ultimamente, até a facilidade de ser explorado nas mídias sociais. Assim, buscando o destino com o máximo e o melhor dos critérios seus, o turista define o seu destino entre a Riviera maia, Lisboa, Machu Pichu, Tahiti, Paris ou Nova Iorque.

Ministerios das relações exteriores publicam mapas dos riscos por pais

A segurança virou nos últimos trinta anos um critério fundamental, o primeiro para 67% dos viajantes europeus e norte americanos. Um critério que as autoridades e as operadoras estão levando muito a sério. Ele explica em parte tanto as dificuldades dos países do sul do Mediterrâneo e da América Latina (inclusive o Brasil), que o sucesso crescente dos países da Europa do Norte ( Islândia, Noruega, Suécia, Dinamarca) ou da Oceania (Austrália, Nova Zelândia ou Polinésia francesa). A segurança é em primeiro lugar a tranquilidade em relações as agressões e a violência contra as pessoas, mas inclui também o recuso absoluto de enfrentar riscos climáticos ou sanitários. Esses desafios devem hoje ser integrados a qualquer politica de desenvolvimento turístico.

Serviços de urgência integram as preocupações dos profissionais e dos turistas

Mas tem mais um fator essencial que deve ser considerado na escolha de um destino, são as infraestruturas e os serviços de saúde. Tendo sido recentemente colocado frente a um banal mas grave acidente, percebi a que ponto era importante dispor de uma assistência total em termos de urgências, de médicos, ou de hospitais. Participando de um seminário de turismo na Polinésia francesa, e durante uma excursão de bicicleta elétrica, a minha esposa caiu numa descida do vale do Papenoo, e, mesmo usando capacete, teve um traumatismo craniano alem de varias fraturas das costas e da clavícula. Foi um acidente que precisava de tratamento de extrema urgência, uma operação complexa, devendo ser realizada no máximo cinco horas depois do choque, enquanto o local era um vale isolado no final de uma trilha onde os celulares não pegavam.

Do terraço do hotel, olhando para o mar e esperando os pulos das baleias jubarte

O happy end desse drama mostrou toda a importância de uma cadeia completa de serviços funcionando perfeitamente: bombeiros chegando a tempo no local com o material necessário, hospital com todos os equipamentos de neurologia, neurocirurgião altamente qualificado de plantão, UTI de padrão internacional, enfermeiras e médicos competentes e atenciosos. E ainda uma impressionante equipe de Europ Assistance que se encarregou de toda a parte administrativa e financeira, e ainda organizou o repatriamento com conforto e carinho. A eficiência do sistema de saúde francês, a competência e a gentileza dos colegas e atendentes de Tahiti foi apesar do estresse um excepcional reconforto.

O sorriso da criança com seu tambor chamando para gente voltar

Claro que não viajamos pensando em acidente ou em ficar doente. Mas na longa lista de critérios de escolha do destino da nossa próxima viagem, verificar se existe por perto as infraestruturas e as competências para qualquer eventualidade é uma garantia que a sua viagem sempre terá um final feliz. Foi o caso para nos essa vez, talvez ajudado pela força do Mana, esse axé da Polinésia sempre lembrado pelos moradores. Mauruuru Tahiti, voltaremos.
.
.
Jean-Philippe Pérol

Esse artigo foi inicialmente publicado no Blog “Points de vue” do autor na revista profissional on line Mercados e Eventos

Há 40 anos, o último Lima-Papeete-Tóquio da Air France

 

Ilha de Tahiti

A beleza da ilha de Tahiti vista pouco antes da aterrissagem

Nos meados de 1975, quando a Air France começou a estudar a abertura de uma rota inovadora entre Paris e Lima, apoiada na escala francesa de Caiena e pousando em Manaus, ela já tinha aberto há dois anos uma outra rota revolucionária na América do Sul. Era um voo Lima Papeete Tóquio, atravessando duas vezes por semana o Pacífico, e dando assim à Air France a possibilidade de chegar pela primeira vez no Tahiti – na época, área exclusiva da então outra grande companhia francesa, a UTA. Nas projeções dos marqueteiros que analisavam a abertura de Manaus, as duas linhas iam se reforçar mutuamente, tanto com os fluxos de passageiros viajando da Zona Franca para o Japão, quanto com as cargas dos intercâmbios entre a Amazônia e o Extremo Oriente – peixes ornamentais indo ou peças industriais  vindo.

Mas, as duas rotas nunca chegaram a operar juntas. Enquanto o primeiro B747 pousava em Manaus no dia 31 de março 1977, o B707 do Lima Papeete Tóquio parava de voar. Anunciada em janeiro pelo então Diretor Geral da Air France, Gilbert Pérol, essa decisão tinha sido uma imensa decepção para o pessoal da companhia. Pela sua rota excepcional – mais de vinte horas em cima do Pacifico -, pelo seu itinerário – sendo um dos últimos exigindo um navegador na tripulação técnica -, pela integração de Tahiti à “maior rede do mundo”, pelas tripulações com base em Lima e rotações de 15 dias em Tóquio e Papeete, o vôo tinha integrado em menos de quatro anos a história mítica da Air France, e os pilotos fizeram imediatamente uma greve de repúdio.

O Being 707 A, obsoleto logo no meio dos anos 70

O Boeing 707 A, obsoleto logo no meio dos anos 70

Mas a decisão foi mantida porque o prejuízo era muito importante, e porque não tinha perspectivas de equilíbrio a médio ou longo prazo com os Boeing 707 A obsoletos. A ocupação dos aviões era alta (mais de 80%, uma taxa excepcional na época), porém as receitas eram fracas com os maiores fluxos provenientes de imigrantes uruguaios indo para Austrália ou de coreanos vindo para o Brasil. Mas, no final, foram mesmo os custos que selaram o destino do Lima Papeete Tóquio. As tripulações reforçadas e dedicadas eram pouco aproveitadas, e os B707 A tinham um consumo de combustível insuportável depois da alta dos preços consecutivo ao primeiro choque petroleiro.

Xangai, agora com voos charters para Papeete

Xangai, agora com voos charters para Papeete

40 anos depois, o mito do vôo transpacífico via a Polinésia Francesa ainda perdura, não somente pela memória do Lima Tóquio da Air France, mas também pelos projetos que continuam aparecendo. Tendo sempre a ligação China América Latina – e às vezes China Brasil – como fonte de tráfego, esses projetos são por enquanto inviáveis, mas poderiam num futuro próximo se consolidar, mostrando assim que Air France tinha sido somente pioneira demais.

Jean-Philippe Pérol

selo-tyo-lim

Em abril 1973, o selo peruano comemorativo da inauguração

 

Cartaz promocional do voo

Cartaz promocional do voo TYO PPT LIM

Polinésia francesa: na ilha de Taiti, também muito para aproveitar!

Ponto Venus, as areias negras da Ilha de Tahiti

Ponto Vênus, as areias negras da Ilha de Tahiti

Quando perguntamos ao viajante quais são as Ilhas da Polinésia francesa que o faz sonhar, ele se lembra de Bora Bora, o cartão postal e seus bangalôs sobre as águas turquesa, de Moorea, com seus cinquenta tons de azul, de Rangiroa, a ilha sagrada, e de Huahiné, com seus segredos de “ilha-mulher”. voyagers_csg069_bounty_entering_matavai_bay_tahitiPoucos colocam a Ilha de Taiti nos seus roteiros, a não ser como trânsito de chegada ou as vezes de saída. Foi porém em Taiti, mais precisamente na Baia de Matavai, que chegaram os primeiros exploradores, Bougainville, Cook ou os famosos revoltosos do Bounty imortalizados pelo Marlon Brando. Foi a família da rainha de Pare -perto da atual Papeete – que fundou a dinastia dos Pomaré, conquistando uma parte da Polinésia, aceitando o cristianismo e construindo um estado moderno que um dos seus descendentes, Pomaré V, entregou para a França em 1880.

French Polynesian Lifestyle - Hero

Fazer a volta da ilha seguindo pela beira mar é ser surpreendido por uma sucessão de paisagens inesperadas, das praias de areia negra do Ponto Vênus até as ondas míticas de Teahupoo que podem chegar a 15 metros de altura, sede do Billabong, uma etapa do campeonato mundial de surfe . TeahupooTaiti tem também a sua lagoa e seus corais em Tahiti-Iti, lugares ideais para mergulho. E  se for olhar para o mar na Ponta dos Pescadores de manhã ou no final da tarde, pode ter a sorte de ver uma baleia e seu filhote. Passando de um lado da ilha para o outro, o viajante pode parar em Taharaa para aproveitar de um panorama deslumbrante cobrindo as duas partes do Taiti – Tahiti Nui e Tahiti Iki – e a ilha irmã de Moorea.

Islands - Hero

Taiti não é só azul, é também uma ilha verde onde existem algumas florestas primárias. A poucos quilômetros de Papeete, dominado pelo Monte Orohena, o vale do Fautaua oferece um espetáculo de barrancos cobertos de vegetação e de cachoeiras que parecem mergulhar nas matas. Percorridas por várias trilhas de diferentes níveis, o vale abriga vários pontos de interesses culturais ou históricos, DSCN1242seja alguns dos maiores “marae” (altares dos antigos deuses dos polinesianos) da região, ou o Forte de Fachoda onde as tropas francesas e seus aliados venceram em 1846 os últimos partidários da independência. Perto de uma cachoeira onde os taitianos gostam de tomar banho, uma estátua do escritor Pierre Loti lembra o fascínio que Taiti  provocou em muitos artistas franceses.

O mercado central de Papeete

Nas ruas da capital, Papeete, os cheiros de baunilha e as cores dos panos estampados do Mercado municipal são alguns dos imperdíveis. Mas para quem tem poucas horas, a prioridade será com certeza descobrir a pérola negra, com sua cor, seu tamanho, sua forma, seu lustro, e sua superfície, que será a melhor lembrança dessa estada em Taiti. roulottes em papeeteE a noite, para comemorar, as “roulottes” oferecem a melhor opção para encontrar os papeetianos. Para o viajante vindo do luxo de Bora Bora ou do requinte de Tetiaroa , a simplicidade e a convivialidade desses food-trucks agrupados nos estacionamentos da beira-mar são uma agradável maneira de descobrir a comida local e o autêntico jeito de viver de Taiti, a “Ilha Rainha”.

Jean-Philippe Pérol

lBlack lip oyster shell with black pearl. Studio shot isolated on white background.

O sonho do Marlon Brando, a sustentabilidade reinventando o turismo de luxo

Piscina e acesso a praia dos bungalows

Anunciado no Brasil durante a Travel Week do ano passado, o mais esperado lançamento hoteleiro de 2014, o The Brando, já cumpriu depois de seis meses todas as suas promessas. BUNGALÔ JPPInaugurado dia 1ero de Julho – dia aniversario da morte do Marlon Brando- , esse resort único na Polinésia Francesa abriu respeitando a risco a visão pioneira em inovação tecnológica e desenvolvimento sustentável do seu inspirador. A menos de 20 minutos de Papeete, o   avião da Air Tetiaroa pousa numa picada na mata de coqueiros e lhe deixa no “motu” Onetahi, ilhota de 78 hectares onde ficam os 35 bungalôs de um, dois ou três quartos, cada um com acesso a praia. Aqui, tudo é feito para o conforto, o bem estar e a privacidade dos hóspedes, com uma perfeição nos mínimos detalhes.APERITIVO É a beleza da arquitetura que mistura tradições polinésias e audácias contemporâneas, o requinte do design interno, a criatividade do “Varua polinesian Spa”, ou a escolha muito esperta dos vinhos da adega do restaurante de gastronomia francesa. Do aperitivo “Dirty Old Bob” ao “Maurice”, hipocampo mascote em vidro de Murano, do nome do restaurante “Les mutinés” aos produtos de beleza da marca Algotherm, cada detalhe contribui a surpreender e agradar o hospede.

O banheiro aberto dos bungalôs

Mas a maior novidade trazida pelo The Brando não de ser um resort de altíssimo luxo. É de ser um projeto completo, pioneiro de tecnologia sustentável e de preservação dos eco-sistemos trazendo beneficios diretos para o turista na qualidade dos serviços e do atendimento.Bicicleta no resort O SWAC, um sistema de ar condicionado utilizando a água do mar chegando a 4 graus das profundezas, ajuda a refrigerar em ótimas condições os quartos e as partes comuns. A agua dessalinizada, e depois remineralizada, é oferecida em garrafas de vidro. Os geradores utilizando o óleo de coco afasta qualquer poluição de diesel. A horta orgânica vai ajudar o chefe a se abastecer em produtos frescas e em ervas ou temperos. Assim que desejado pelo Marlon Brando, os projetos desenvolvidos na “universidade do mar”, estudos sobre os oceanos, proteção dos peixes tropicais ou das tartarugas, são abertos aos hospedes que podem visitar o centro de pesquisas científicas e conversar com os pesquisadores. A preservação do meio ambiente chega a todos os doze “motu” do atol de Tetiaroa, o visitante sendo sempre mais fascinado pelo Motu Reiono , com sua mata primaria e seus caranguejos gigantes, o Motu Rimatu’u e seus milhares de pássaros ou o Motu Horotera e seus banhos de lama.OS ATOLS DE TETIAROA Acompanhando os passeios e explicando o projeto, os guias do resort brilham pela paixão, a competência, a gentileza e a discrição. A qualidade do relacionamento humano, o orgulho e a alegria dos funcionários pela sua participação a esse projeto único, a sua vontade de convencer da sua importância e do seu pioneirismo explicam também o ambiente muito especial criado pelo The Brando.

MULHER DOS PÁSSAROS

Outrora terra sagrada, propriedade exclusiva da família real de Tahiti, Tetiaroa virou com o The Brando não somente um destino único demonstrando a capacidade de excelência e de inovação da Polinésia francesa, mas também um projeto revolucionario transformando a relação entre turismo e sustentabilidade,  agora fator incontornável de qualidade de serviço e de bem estar para o viajante.

Jean-Philippe Pérol

Tartaruga

Tahiti, pelo menos uma vez na vida!

DSCN0981

Desde 2013 e a Copa das Confederações, quando o seu time fez história no Recife ao marcar o seu primeiro gol oficial fora do seu continente, Tahiti está olhando cada vez mais para o Brasil. Já são quase três mil brasileiros que viajaram para lá esse ano, e as ambições dos taitianos são de dobrar esse numero nos próximos anos. Com uma imagem tão especial, especialmente mas não somente para lua-de-mel, com suas 118 ilhas cercadas de areias brancas ou negras, e suas águas declinando todos os tons de azul, a Polinésia francesa é um destino que já faz sonhar quase todos os viajantes. Difícil talvez é escolher um roteiro, e decidir como chegar lá.

Com uma estadia média de nove ou dez dias, a primeira decisão importante e de escolher as suas ilhas prediletas. Duas já são imprescindíveis. Bora Bora é o clichê que não pode ser perdido. Imortalizada pelos aviadores americanos que tiveram aí uma base militar durante a segunda guerra, ela é o cartão postal da Polinésia. presidential-overwaterNos seus hotéis com quartos de palafitas (O Hilton é espetacular), pode-se mergulhar no lagão, nadar com as arraias ou dar comida para os tubarões. As pequenas ilhotas – mutu- são lugares ideais para um piquenique ou um churrasco de peixes. Alugar um Buggy para uma volta da ilha é uma ocasião de descobrir não somente os antigos centros religiosos hoje abandonados (mesmo se nem sempre bem cuidados), mas também uma multidão de lojas de artesanato. A ilha principal, DSCN1262Tahiti, é muitas vezes esnobada pelos turistas, talvez por ser a capital. Mas é um ponto obrigatório já que todos os voos chegam em Papeete, e merece ser aproveitada em qualquer roteiro. As suas praias de areia negra podem agradar não somente os surfistas e a ilha oferece paisagens surpreendentes, jardins românticos, e os sortudos poderão talvez ver uma ou duas baleias se aproximar do litoral. Na cidade, duas visitas são paradas obrigatórias: visitar uma “bijouterie” para sonhar frente as pérolas negras, e conhecer as “roulottes”, as barraquinhas da Praça Vaiete onde turistas e moradores se encontram no final do dia para tomar um drinque ou ter um jantar descontraído.

A dúvida do viajante vai começar então na escolha da terceira ilha. Huahine é uma excelente opção porque além dos clichês de praia e de mar, de lindas paisagens e de uma vegetação luxuriante, ela tem uma das mais ricas heranças culturais e arqueológicas.DSCN0869 Com a indispensável ajuda de um guia qualificado, o visitante poderá descobrir os marae (antigos altar de sacrifícios humanos) ou as armadilhas de pescaria e suas estranhas anguilhas domesticadas com olhos azuis. Os nativos explicam que esse  clima de segredos e de descobertas,  junto com a forma muito especial da sua montanha principal, deram origem ao nome desse ilha: a ilha mulher.

Para quem está procurando os hotéis de altíssimo padrão, a terceira ilha dum roteiro tahitiano pode ser escolhida entre Tahaa, ilha sagrada dos antigos polinésios onde se esconde um requintado Relais Chateaux Taha’a Resort and Spa, e Tetiaroa , a ilha do Marlon Brado onde foi construído o hotel The Brando, o mais luxuoso resort dos mares do sul, milagre de design, de conforto, de tecnologia e de respeito ao meio ambiente.

letahaa-spa-1-gd

©R&C Le Taha’a Island Resort & Spa

Na espera duma ligação aérea entre São Paulo e Papeete (se fala há anos dum voo direto que continuaria depois até Xangai), a primeira opção de voo para Tahiti é o voo semanal da LAN Chile via Santiago de Chile. Uma viagem de somente 16 horas e que oferece a opção de combinar com a Ilha de Páscoa, mas com uma conexão muito demorada em Santiago e o risco dum único voo. A rota via Los Angeles é um pouco mais demorada, mas tem a vantagem de ter mais de um voo por dia, a Air Tahiti Nui e a Air France tendo conexões com os voos da American Airlines.

Tahiti é sem duvida uma viagem excepcional, romântica e sensual, o destino por excelência duma lua de mel fora do comum ou de comemoração dum grande momento da vida. DSCN1107E se tiver a oportunidade de poder repetir para um segundo roteiro, aproveite as ilhas esquecidas na primeira viagem, não perca Moorea, ou tente viver a experiência diferente das Ilhas Marquezas que tanto fascinaram os artistas Jacques Brel ou Paul Gauguin,

 DSCN1161