Na Polinésia francesa, o novo Paradigma do turismo de luxo

Na Ilha do Guy Laliberté, uma redefinição do turismo de luxo

Depois de quase dez anos de obras, o bilionário canadense Guy Laliberté abra agora para o publico sua ilha-refugio, Nukutépipi, um paraíso exclusivo combinando a preservação do ecosistema do Arquipélago das Tuamotu e a homenagem as tradições culturais dos Polinésios. O homem que criou o “Cirque du Soleil”, revolucionou o circo e inventou uma nova forma de lazer artístico, está redefinindo o turismo de luxo, juntando uma beleza natural e cultural exclusiva, com um atendimento excepcional num quadro perfeito reservado a uns “happy few”. A 700 quilômetros no sudeste de Tahiti, o atol quer assim ser um esconderijo autentico único no mundo onde pequenos grupos de até 52 pessoas podem viver juntos uma experiência de humildade e de perfeição frente aos azuis do mar e ao ecosistema da ilha, somente completados por serviços, obras de arte ou até sons cuidadosamente escolhidas.

Nukutépipi é um dos menores atóis da Polinésia

Com somente 2,7 quilômetros de comprimento, sendo um dos menores atóis da Polinésia francesa, e nunca tendo sido habitado de forma permanente,  Nukutépipi seduziu o Guy Laliberté pelos seus recifes de corais, suas praias virgens, sua lagoa protegida, e sua mata primária. Mesmo frágil, o ecosistema foi assim sempre protegido, oferecendo opções privilegiadas para mergulhar com peixes raros, nadar com as baleias, observar os pássaros ou simplesmente olhar a natureza desde um espetacular mirante. Escondidas na vegetação, seguindo a praia num total respeito ao meio ambiente, as construções combinam as tradições da Polinésia com a arte e o design contemporâneo. Concebido como sendo um refugio pessoal, a ilha conta com uma residência master de 647 m2 com quatro quartos, duas residências júnior de 247 m2 com dois quartos, e treze bangalôs de 70 m2, podendo hospedar com absoluto conforto 52 hospedes.

Obras de arte são espalhadas em vários cantos da ilha

Deslumbrante, exclusiva, e pioneira, Nukutépipi está sendo comercializada pela Sunset Luxury Villas, uma cadeia de destinos de exceção pertencendo a Guy Laliberté, e administrada pela SPM, companhia hoteleira representada no Brasil pela Cap Amazon. Para respeitar o espírito de esconderijo, e a sua dedicação a “ricos e famosos”, a ilha só pode ser reservada na sua totalidade. O preço de um milhão de Euros por semana inclui os voos desde e para Papeete, o pessoal, as refeições, as bebidas, as atividades, e os espetáculos. Mesmo se alguns privilegiados já tiveram a oportunidade de hospedar-se na ilha, a inauguração oficial está prevista para o primeiro semestre do ano que vêm, com uns convidados escolhidos a dedo nos principais países onde existem personalidades capazes de querer conquistar esse novo Paradigma do turismo de luxo. Influençiadores brasileiros já estão previstos para participar.
.
.
Ia Ora Na em Nukutépipi!  

.

Jean-Philippe Pérol

 

As construções respeitam as tradições da arquitetura da Polinésia

 

 

Villas e bangalôs têm sempre o seu acesso a praia

 

 

A Residência master e seus bangalôs

 

A mata primária seduziu o Guy Laliberté

 

A fauna do atol é a grande atração dos mergulhos

 

Por do sol em Nekutépipi

A  ilha de Nekutépipi na Polinésia francesa faz parte do portfolio da Sunset Luxury Villas, uma coleção de propriedades exclusivas concebidas pelo Guy Laliberté

Fotos Nukutépipi @ LM Chabot

Bordeaux liderando o Top 10 Lonely Planet das cidades a visitar em 2017

A Cité do vin, umas das novidades que ajudou Bordeaux a sair vencedora

A Cité do vin, umas das novidades que ajudou Bordeaux a sair vencedora

Foram divulgadas hoje as sempre esperadas listas dos “Best of” da Lonely Planet, os lugares mais atrativos e mais “tendência” do mundo, nas categorias cidades, regiões e países, umas seleções  sempre muito procuradas, vindo também acompanhadas de centenas ideias, de sugestões ou de endereços que justificam as escolhas e ajudam o viajante a preparar suas viagens para o ano que vem. O júri, composto por cinco jornalistas e editores da Revista, seleciona os vencedores em função da riqueza da sua oferta turísticas, do respeito do patrimônio natural e/ou histórico, mas também das novidades  e das iniciativas oferecidas aos viajantes.

O Best of Travel 2017, destacando Canada, e Bordeaux

O Best of Travel 2017, destacando Canada, Peru e Bordeaux

Pela primeira vez, uma cidade francesa está liderando o ranking das dez cidades a visitar em 2017. Bordeaux ficou na frente da cidade do Cabo (África do Sul), de Los Angeles (Estados Unidos), de Mérida (México), de Ohrid (Macedônia), de Pistoia (Itália) , de Seul ( Coreia), de Lisboa (Portugal),  de Moscou (Rússia) e de Portland (Estados Unidos). A Lonely Planet encontrou muitas boas razões para justificar essa escolha: “A partir de junho, a nova linha de trem com alta velocidade, TGV, vai por Bordeaux a somente duas horas de Paris. A Cité du Vin, recém inaugurada, vai completar com chave de ouro a renovação das beiras do Rio Garonne . Os restaurantes da cidade não param de reinventar o rico acervo gastronômico da região. E na margem direita, muito tempo esquecida, novas construções e ousadias urbanísticas estão desenhando o futuro da cidade.”

A Praça da Bolsa de Valores e seu famoso espelho d'agua

A Praça da Bolsa de Valores e seu famoso espelho d’agua

Para Lonely Planet, Bordeaux era mesmo uma Bela Adormecida que acordou para virar um grande destino turístico do momento. E agora com uma magnifica oferta hoteleira, tanto na cidade  (o Grand Hotel Intercontinental , a Grande Maison ou o Yndo Hotel),  que nos arredores (as Sources de Caudalie ou a Hostellerie de Plaisance), a cidade está pronta para receber em 2017 todos os apaixonados de lugares excepcionais – e de vinhos únicos!  Para ajudar os viajantes a preparar os seus itinerários, o Guia propõe também aos viajantes umas quinze temáticas a escolher entre aventura, família, bicicleta, turismo sustentável ou orçamentos modestos.

O restaurante La Grand Vigne, duas estrelas nos arredores de Boreaux

O restaurante La Grand’Vigne, duas estrelas nos arredores de Bordeaux

Alem de Bordeaux na categoria “cidade”, os outros dois vencedores foram o Canadá na categoria pais (na frente da Colômbia e da Finlândia), e  Choquequirao no Peru na categoria região (na frente dos Açores, ficando as Tuamotu na Polinesia francesa em sétimo lugar). O Nepal foi escolhido como “Best value for Money”.