Presepios na França: tradições seculares e brigas contemporaneas.

Les-santons-de-Provence

Referência católica  ao nascimento de Jesus numa gruta de Belém, talvez inventados no final da Idade Media no reinado de Napoli, os presepios tiveram a partir do seculo XVIII um sucesso espetacular na Provence. Na epoca do Natal, cada familia devia – e ainda deve-  montar o seu, utilizando pequenos figurinos de barro chamadas “santons”. No presépio de cada lar, alguns personagens vão sempre aparecer, seja o São José, a Nossa Senhora e o pequeno Jesus, os Reis Magos, ou o boi e o jumento cujas imprescindíveis presencias foram lembradas pelo próprio Papa Benedito XVI no seu livro “A infância de Jesus”.

CRECHE

Mas na Provence aparecem também milhares de figuras. São as profissões típicas da região – os pastores com suas ovelhas, o padeiro, o moleiro, ou os pescadores. Os “santonniers”(fabricantes de santons) estão também inovando com floristas, bombeiros, pedreiros, cozinheiros ou políticos, e teriam hoje mais de 18.000 modelos diferentes.Santons_à_peindre De 2 a 30 cm, simples ou sofisticados, todos eles devem ser fabricados de forma artesanal. Concebido e esculpido a mão pelo artesão, o primeiro “santon” serve para fabricar o primeiro molde. Esse molde será depois enchido com barro vermelho da Provence, lixado e secado. Depois de passar no forno a 900 graus, será pintado a mão com muita paciência e dedicação.

avignon-marche-noel-2008-760

Em Aix en Provence, em Marselha ou em Avignon, em toda França, os presépios são uma tradição muito forte que os moradores, católicos ou não, são sempre orgulhosos de mostrar para os visitantes. SANTONS D AUVERGNEOs “santons” têm suas feiras, suas exposições e suas lojas onde são comprados por turistas ou colecionadores. E nas semanas que antecedem o Natal, os presépios e as tradições natalinas invadem não somente as casas, mas as vitrinas, as praças, as ruas e os espaços públicos.

4369111_creche-vendee_545x460_autocropNesse quadro que deveria ser de paz, um juiz da cidade de Nantes detonou uma guerra religioso exigindo, em nome da laicidade, que seja retirada um presépio colocada na sede do governo da Vendée. Com o governo apoiando o juiz, a oposição defendendo que se trata mais de  artes, de cultura e de tradições que de religião, a briga virou politica. Um famoso humorista escreveu para o tribunal pedindo se ia também acabar com o feriado de Natal, a ceia e as tradicionais bûches!

Mas os visitantes não precisam se preocupar. 71% dos Franceses continuam apoiando a presencia dos presépios nos espaços públicos. 0-ANIM-Cre-ches-du-Monde-a--Landogne-2Os “santons” da Provence, bem como os mercados de Natal da Alsácia ou de Avignon, ou a inesperada exposicão de presepios do vilarejo de Landogne na Auvergne  mostram a força do patrimonio cultural, incluindo religioso das regiões da França. A guerra dos presepios não deve vigorar, e essas tradições vão continuar a encantar tanto os moradores como os turistas vindo do mundo inteiro para viver a alegria dum Natal ou dum Reveillon a francesa.

Joyeux Noel na França!

Jean-Philippe Pérol.

massive-luminous-figure-of-7e26-diaporama

Refeições a francesa: alem da Unesco, prazer, alegria e convivialidade!

TEMPLIERS6

Relais & Châteaux Auberge des Templiers ©Photo Eric Dudan

Dentre dos novos impulsos que a França quer dar a seu turismo, a gastronomia tem um lugar de destaque, sendo escolhida como a primeira temática valorizada pelo recém criado Conselho nacional da promoção do turismo. A presença no grupo de trabalho de três dos mais respeitados chefes franceses – Alain Ducasse, Guy Savoy e Joel Robuchon – , o envolvimento do ministro das relações exteriores, e a escolha do 19 de Março como dia mundial dos “goûts de France” – Sabores da França- mostraram que o assunto é sério.

É claro que os 610 restaurantes estrelados pelo prestigioso Guia Michelin são um grande atrativo,  e os brasileiros frequentam as mesas dos mais famosos “trois étoiles” como o Relais Bernard Loiseau na Borgonha, a Maison Pic em Rhône-Alpes e a Assiette Champenoise em Reims. 1377098324equipeChefes mais novos, com cozinha alegre e criativa, também se promoverem recentemente no Brasil, o Michael Nizzero da Briqueterie na Champanha, ou o Jean Sulpice de Val Thorens.

Mas a gastronomia na França vai agora muito além do sucesso desses mestres talentosos. Desde o reconhecimento pela Unesco da “refeição gastronômica à moda francesa”em 2010, o foco não é mais uma receita francesa em particular, ou um formalismo extremo restrito a uma elite. tableÉ hora do prazer, ou melhor, dos prazeres da mesa. Comer, na França, é um ritual cultural marcando momentos importantes da vida, mas com uma mistura original de convivialidade e gastronomia, que reúne os franceses ao redor duma mesa bem colocada, para dividir pratos de qualidade acompanhados de um vinho adequado. Uma refeição é antes de tudo um momento de prazer, não um pit-stop numa correria desajeitada.

20122567A força da gastronomia francesa (para 20% dos brasileiros, o primeiro motivo de viagem para França) é que esse prazer e essa alegria podem ser vividos nos 78.000 restaurantes das 26 regiões francesas. Um bom “repas a francesa”, com seu aperitivo, seus pratos a base de produtos locais, seus queijos e sua combinação de vinhos, pode ser encontrado em todas as regiões, e cada francês tem seus favoritos. Toubana-053Pode ser uma “brasserie” em Paris a Closerie des lilas, ou a Coupole tão querida dos brasileiros, ou na Ile de la Cité o tranquilo Restaurant Paul. Em Lille, no surpreendente norte onde a cerveja acompanha o culinário “Chti”, a tradicional Chicorée é uma grande opção. Mas pode ser a Ferme Saint Sebastien em Charroux, na Auvergne, o criativo Côté cour na cidade de Aix en Provence ou o caribenho Toubana na Guadalupe. Pode ser um desses simpáticos e agitados “bouchons” de Lyon, o “Tire-bouchon” ou o “Les Lyonnais”. DSCN0193Ou pode ser também uma “table d`hôtes” de um pequeno vilarejo, por exemplo perto de Auzances, na minha terra, o maravilhoso “Au petit creusois” que tem as vezes cogumelos frescos (“girolles”) e serve um menu completo por menos de 30 euros.

É esse espírito de convivialidade e prazer, enraizado na sua gente e na sua terra, que faz o turista amar a gastronomia francesa. Mas na terra da liberdade, alem desses rituais, pode aproveitar refeições bem simples, por exemplo um prato em volta dum vinho no L’écluse em Paris ou no bar de la Poste em Saint Emilion. DSCN3797 - copieE se não poder parar o tempo necessário, lembre-se que um Jambon Beurre (sanduiche de presunto e manteiga numa “baguette”), com um copo de Saint-Amour no balcão do barzinho da esquina, não é um “repas à la française” mas também representa um excelente momento de prazer e de alegria à francesa.

Jean-Philippe Pérol

MOULIN4

Relais & Châteaux Moulin de l’Abbaye ©Philippe Schaff

 

TOSCANA OU PROVENCE?

IMG_1128

 

Na hora de escolher um destino romântico, acolhedor, rico em heranças culturais e arquiteturais, generoso na mesa e no vinhedo, onde a luz do sol sempre alegrou os artistas, o viajante coloca em primeiro lugar a Toscana e a Provence. E quando tiver que escolher uma dessas duas regiões irmãs ou rivais, é muito difícil encontrar alguém capaz de dar um conselho imparcial. É impossível escolher entre as paisagens, as colinas toscanas com seus pinheiros e seus ciprestes, e a imponente beleza da Montagne Sainte Victoire. DSCN0246 2Ambos oferecem as cores lilás dos campos de alfazema e o amarelo  dos girassóis. Os alinhamentos de vinhedos anunciam tanto o Chianti como o Côtes de Provence, tintos, brancos ou rosés cheios de sol, vinhos com duas longas historias e que foram muito melhorados nos últimos anos.  Nas cidades, Florença, Siena ou Pisa, Marselha, Avignon ou Aix-en- Provence, encontram se acervos culturais excepcionais que misturam nas duas regiões época romana, idade media, renascimento e tempos modernos, tanto pelos monumentos que pelos artistas.DSCN0267 Os “bem viver” toscano e provençal explicam que ambas desenvolverem uma gastronomia alegre, simples e aproveitando a riqueza dos produtos mediterrâneos – azeite, azeitonas, tomate, berinjelas, queijos de cabra ou de ovelha, massas, peixes, cordeiro, presuntos ou salsichão…..

A Toscana leva sem duvidas a força da sua capital, Florença, com sua imperdível Galeria e com as lojas do Ponte Vecchio, bem como a beleza da cidade rival de Pisa com sua torre agora completamente restaurada. Os centros históricos de Siena, Pienza e San Gimignano, também constam como patrimônios mundiais da humanidade. Mesmo invadidos de mochileiros e repletos de camelôs, são paradas obrigatórias para todos aqueles que dividam essa herança cultural. IMG_1171A Toscana surpreende também pelo seu vinho. Há cinquenta anos, o Chianti era um simpático vinho de ferias com uma folclórica garrafa numa embalagem de palha. Hoje, com a mesma base de uva Sangiovese,  a região produz vários grandes vinhos, por exemplo os produtos da San Felice agrícola, com uma qualidade reconhecida. Nessa mesmo vinícola, encontre se um dos melhores hotéis da Toscana, o Borgo San Felice, um deslumbrante Relais Chateaux construído num vilarejo abandonado, em cima duma colina. Respeitando a pedra, a terra-cota, a madeira, os carvalhos e os pinheiros, a pouca distancia de Siena, ele é o perfeito ponto de partida para descobrir a região.

U0cz63mZYwFkzFF0sOPXLdSEBvxmvLP9QqVQIm2R3LQ,ZPt69pKN9Jg_JykLPwISr3eEMjiymZ9IcEZNR9KPc1s,H3P1qY9IuNg19PLrwdvWFcdPPJUJzmQP0IRBwtgN8qg

Nessa amigável competição, a Provence se orgulha também de vantagens que explicam o sucesso que leva junta aos turistas brasileiros. IMG_1094A primeira é uma grande facilidade de acesso, seja pelo TGV para Avignon, Aix en Provence ou Marselha, seja pelas autopistas indo para Paris, Italia, ou Espanha. Pequenas estradas secundarias muito bem sinalizadas pode lhe levar até esses pequenos vilarejos que são um dos maiores atrativos da Provence. E nesses lugares que se pode tomar um “pastis” no barzinho da praça, ver os jogadores de bocha, visitar as lojas dos pequeno artesãos, escutar esse patuá provençal tão parecido com o português, andar pelas feiras livres sem se sentir um turista esperado ou experimentar uma gastronomia local porem diversificada… IMG_1069Centenas desses vilarejos tem um Logis de France (pequenos hotéis de 2 ou 3 estrelas), 22 tem a chance de ter um Relais Chateaux, e tem também muitas novidades como o surpreendente 4 estrelas Les lodges de Sainte Victoire, perto de Aix en Provence….Os vinhedos também estão se renovando. Assim o Chateau La Coste que não somente realçou a qualidade dos seus brancos, rosés e tintos, mas espalhou nos seus vinhedos umas obras de arte criadas por artistas do mundo inteiro, incluindo três portais do brasileiro Tunga .

carbone-place-albertas-nuit-h_jpg_0

Se as principais cidades, começando por Marselha e Aix en Provence, têm um grande acervo arquitetural, elas brilham hoje pela vida cultural e a animação. Museu Granet em Aix en Provence ou MUCEM em Marselha, festivais de musica ou de teatro. E nos pequenos vilarejos,  na sombra da Montagne Sainte Victoire ou dos Baux de Provence, novos espetáculos e novas atrações oferecem para os habitantes e os visitantes uma cultura que vive.

Toscana ou Provence? Sem duvidas as duas quando puder, mas se tiver que escolher, e se a autenticidade for um critério maior, a segunda tem talvez a vantagem de deixar o viajante não se sentir um turista, mas um visitante …

Jean-Philippe Pérol

1269_chateau-des-baux

Trip Advisor: novas tendências, muitas surpresas, mas pouca transparência nos ranking 2014…

DSCN0899

Seguindo Mastercard, CNN e Google na onda de ranking das preferências dos consumidores, a Trip Advisor publicou a sua própria lista para 2014, uma lista cheia de surpresas. E que surpresas! Paris e Nova Iorque, as duas praças plebiscitada pelos visitantes do mundo inteiro, incluindo os brasileiros, estão despencando, a cidade luz perdendo seis lugares (da primeira para sétima) e a Big Apple sumindo do Top Ten para parar numa triste décima segunda posição… DSCN0117A lista inteira é surpreendente. Se as primeiras posições deixam a liderança para Istambul, Rome e Londres, três destinos turísticos de peso, encontra se Paris atrás de Praga ou Marrakech, e Nova Iorque ultrapassada por Siem Reap ou Hanoi. Ou ainda, Barcelona em décimo quinto lugar, Miami ou Las Vegas excluídas duma lista que inclui Chiang Mai.
Não se trata, claro, de tentar comparar o interesse ou a qualidade de cada destino, isso sendo também meramente pessoal, mas de tentar entender como pode ser feita uma classificação objetiva, e Trip Advisor parece ter feito dois erros voluntários ou não.
O primeiro foi de esquecer os critérios quantitativos. Acima de 30 milhões de visitantes internacionais – o caso de Paris e Londres-, ou mesmo de 15 milhões no caso de Nova Iorque, é difícil esse critério , que traduz a verdadeira preferência viajantes, não ser levado em consideração.DSCN2813 E isso que faz por exemplo a classificação da Mastercard – que considera também o volume de despesas- a onde a liderança é divida entre Bangkok, Londres e Paris, seguidos de Sidnei, Nova Iorque, Istambul e Dubai.
O segundo erro é de não publicar a grade exata que gerou essa lista tão esdrucha. Trip advisor so anunciou que utilizou um algoritmo levando em consideração a opinião dos internautas sobre as atracões turísticas, as belezas naturais, os hotéis e os restaurantes desses lugares, e que não levou em consideração o numero de visitantes. Mas se o porta voz da empresa reconheceu que o resultado final ficou privilegiando os destinos exóticos, a lista completa dos critérios bem como os respectivos pesos não foram divulgados. Uma falha grave num mundo onde a transparência é um critério chave, e onde internautas, profissionais ou viajantes precisam saber o porque das recomendações feitas para fazer os seus próprios julgamentos.

miroir eau

Junto com a lista das preferências mundiais, a Trip Advisor publicou também o top ten dos destinos turísticos de vários países, incluindo a Franca. atrás do trio vencedor, Paris, Nice e Lyon, deve se anotar o pulo impressionante de Bordeaux que recebe o fruto de grandes investimentos urbanos nos últimos vinte anos. e aprece diretamente no quarto lugar. morzine1 (1)As surpresas são a posição de Bayeux  e mais ainda da pequena (e charmosa) estação de esqui de Morzine. As ausências de Marselha – que recebeu 13 milhões de visitantes o ano passado com o sucesso do Ano Europeu da Cultura, ou do Mont Saint Michel – fabulosamente renovado- são parte dos mistérios que a Trip Advisor poderia explicar.

Mucem

A melhor reação as decepções causadas por essa lista será sem duvida de trabalhar para melhorar os serviços, o atendimento e a comunicação dos destinos que se sentiram prejudicados. Para mim, francês, latino e brasileiro de coração, terei porem muita dificuldade para aceitar um ranking dos melhores destinos mundiais onde não somente não aparecem nem Veneza, nem Machu Pichu , nem Taiti ou nem Petra, mas alem de tudo onde não consta nada no Brasil….

Jean-Philippe Pérol

Top 25 dos destinos mundiais segundo a Trip Advisor

1- Istambul
2 – Roma
3 – Londres
4 – Beijing
5 – Praga
6 – Marrakech
7 – Paris
8 – Hanoi
9 – Siem Reap
10 – Shanghai
11 – Berlin
12 – NYC
13 – Firrenze
14 – Buenos Aires
15 – Barcelona
16 – Sao Petersburgo
17 – Dubai
18 – Chicago
19 – Cape Town
20 – Bangkok
21 – Budapeste
22 – Sidnei
23 – Lisboa
24 – Chiang Mei
25 – Sao Francisco

Top ten dos destinos Franca segundo a Trip Advisor

1 – Paris
2 – Nice
3 – Lyon
4 – Bordeaux
5 – Bayeux
6 – Lourdes
7 – Cannes
8 – Chamonix
9 – Morzine
10 – Aix en Provence