Em Lyon, além da gastronomia, a História

O arcanjo de Fourviere vigiando a Catedral São João Batista

Agarrada (com razão) a seu status de capital da gastronomia francesa, Lyon esquece as vezes de lembrar aos apaixonados pela cultura e o patrimônio que ela também carrega com orgulho uma longa história. Fundada pelo gauleses que a chamava de Lugdun (a fortaleza do deus Lug), a cidade atraiu os romanos pela sua posição estratégica. Com uma arquitetura urbana marcada pela Antiguidade, a Idade Media, o Renascimento e a época contemporânea, Lyon teve o privilegio de ver o seu centro histórico tombado pela UNESCO. Juntos com o bairro do Vieux-Lyon, o morro de Fourvière e o morro da Croix-Rousse, são 427 ha, 10% da área urbana da cidade, que foram classificados como Patrimônio da humanidade em 1998, reforçando a atratividade desse grande destino turístico.

O teatro romano do morro de Fourvière

A Lyon romana cresceu rapidamente, e virou capital da Galia em 27 a.C. Teve sua importância confirmada durante o reinado do Imperador Claudio, nascido na cidade onde ele sempre fez questão de voltar, erigindo monumentos as vezes ainda visitados hoje como as termas da rua des Farges. Para os turistas procurando seguir os passos dos romanos, muitos sítios são espalhados na cidade, e cada escavação importante leva a novas descobertas. As construções mais procuradas são o antigo teatro de Lyon, o anfiteatro das três Gálias ou os quatro aquedutos de Mont d’Or, Gier, Yzeron e Brévenne). A procura do Lyon da época romana, o visitante pode também  visitar o muito interessante museu Lugdunum, que possui um dos acervos arqueológicos mais completo da França.

Os traboules, alguns segredos do patrimônio de Lyon

Os “traboules” são o ponto alto de um passeio turística no Lyon da Idade Media. Atalhos urbanos outrora utilizado para chegar rapidamente nas beiras do Rio Saône, eles interligam ruas antigas mostrando, nos patios e nas faixadas, curiosidades arquiteturais da época. O patrimônio medieval e renascentista está muito presente no bairro do Vieux Lyon, com suas ruas de paralelepípedos, sua Catedral  São João Batista construída do século X ao século XV, bem como um espetacular relógio de 1598. A duas quadras, o visitante pode visitar a antiga Casa dos Advogados, prédio do Renascimento perfeitamente restaurado e que hospede hoje um divertido Museu Miniature et Cinéma, piscar de olho das heranças do século XVI para os irmãos Lumière.

No morro da Croix Rousse, a homenagem aos Canuts

O patrimônio do século XIX se concentro nos morros. No morro da Croix Rousse, “traboules” mais recentes, ruas estreitas as vezes cortadas por escadas, e antigos entrepostos com janelas altas por onde passavam as teares dos tecelões, são marcados pela história dos famosos “canuts”.  Operários ou artesões do luxo, mas também revolucionários que foram em 1831 os primeiros a levantar a bandeira preta dos anarquistas, os canuts carregam a tradição do trabalho da seda que continua até hoje com os famosos Carré da Hermès fabricado na região. No morro de Fourvière, onde começou a colonização romana, encontre-se o monumento mais famoso da cidade, a basílica Nossa Senhora de Fourvière, inaugurada em 1896. Para fechar a Historia do patrimônio de Lyon, só faltará então ao viajante descer até o bairro de Confluence para descobrir sua arquitetura inovadora cercando o impressionante Museu.

No encontro dos rios Rhône et Saône, o sucesso do Musée des Confluences de Lyon

No encontro dos Rios, o Musée des Confluences

No encontro dos Rios, o Musée des Confluences

Como já demonstrado em Bilbao, Sidney, ou mas recentemente no Rio de Janeiro ou em Bordeaux, a abertura de um  museu combinando um cenário excepcional, uma arquitetura surpreendente e um acervo original pode representar um novo impulso para o turismo, mesmo para uma cidade com a fama internacional de Lyon. ONLYLYONO Musée des confluences, inaugurado em dezembro 2014 na antiga capital da Gália, confirmou essa teoria com quase um milhão de visitantes -o dobro da previsão inicial- no seu primeiro ano de abertura. Seguindo o exemplo do Guggenheim, ou do Museu do Amanha, o novo museu já faz parte dos roteiros incontornáveis, inclusive para 50.000 turistas internacionais vindo de 181 países.

Localizado perto do encontro das águas do Rio Rhône e do Rio Saône, e brincando assim com seu nome (Musée des confluences pode ser traduzido como Museu dos encontros), o Museu foi desenhado pelos arquitetos da empresa austríaca Coop Himmelb(l)au. Num bairro de Lyon em completa renovação – que já consta com vários edifícios surpreendentes-, ele já foi chamado de nave espacial, de lagarto ou de besouro, mas ganhou no final o apelido de “Nuvem de cristal”. Brasserie-des-Confluences-©Godet_0479-600x398Misturando vidro, aço e concreto, o conjunto de 11.000 metros quadrados agrega três blocos: a base, com a chegada dos grupos, os auditórios e os espaços técnicos, o cristal, com a entrada do publico e os espaços de circulação, e a nuvem, com 4 salas de exposições permanentes e 5 de temporárias. No térreo, olhando para o jardim e para as águas do rio, a Brasserie des Confluences do chef Guy Lassaussaie lembra ao visitante que Lyon é também sempre a capital da gastronomia.

Vista geral do quarto das maravilhas

Vista geral do quarto das maravilhas

Mesmo se muitos novos museus brilham mais pela arquitetura e a pedagogia que pelo acervo, o Musée des Confluences teve a sorte de herdar quatro coleções sobre zoologia, etnologia, e historia da humanidade, vindo do antigo museu de historia natural de Lyon (fundado em 1772 e fechado em 2007), do museu Guimet (1879-1978), do museu colonial de Lyon (1927-1968)  e da fundação dos missionários católicos da Propagacão da Fé. IMG_8638Um total de dois milhões de peças  dentre das quais três mil são expostas, junto com algumas compras espetaculares como um esqueleto de Camarasaurus, um dinosauro de 155 milhões de anos que foi encontrado no Wyoming e comprado por um milhão de euros, ou outros esqueletos de mamute, de lobo de Tasmânia ou de dodô. A diversidade do acervo aparece com toda a sua riqueza no “Quarto das Maravilhas” onde são expostos, com harmonia de cores e de apresentações, peças de marfim, troféus de caças e animais raros. Já reconhecida como grande destino de turismo gastronômico, a cidade de Lyon deve encontrar no sucesso desse espetacular Musée des Confluences a confirmação de uma vocação cultural  que atrai agora novos viajantes franceses e internacionais.

Jean-Philippe Pérol

A Praça Bellecour e a estatua do Luis XIV

A Praça Bellecour e a estátua do Luis XIV

 

 

A Instagram desenhando novos roteiros nas cidades francesas

ph1483-067_4961-20100325_atout_france-phovoir

O espelho d’agua de Bordeaux

O site de turismo Busbud, especializado em viagens de ônibus, divulgou em setembro umas listas com os lugares preferidos pelos usuários do Instagram em vários países do mundo, inclusive na França. Os resultados não deixaram de surpreender, mostrando talvez que as medias sociais e suas exigências em comunicação visual estão mudando os roteiros dos viajantes, favorecendo os destinos com as imagens mais espectaculares, e as cidades mais “instagramadas”. Efeito neblinaNo pódio das tendências , se Paris e a Torre Eiffel são a dupla vencedora, Bordeaux e Lyon se destacam com atrações mais inovadoras. Na beira da Garonne, venceu o espelho d’agua concebido em 2006 pelo paisagista Michel Corajaud. Inspirado pelo fenômeno da “acqua alta” da Praça San Marco em Veneza, ele usou uma pedra de granito coberta de dois centímetros de agua para gerar dois visuais diferentes, primeiro um espelho e depois  uma “neblina” subindo até dois metros de altura. Os 3450 metros quadrados da obra refletem o brilho da Praça da Bourse e as luzes dos cais num espetáculo que seduz tanto os moradores que os turistas.

Lyon-musee-des-confluences-lyon-france-museum

O Museu das Confluences de Lyon

Outrora considerada como muito conservadora, burguesa e convencional, Lyon atraiu os fãs de Instagram com seu novo Museu das Confluences, localizado no Encontro das águas do Rhône e da Saône. Se o museu tem um acervo de 2,2 milhões de objetos referentes a cinco séculos de historia da humanidade, foi sem duvidas a sua arquitetura revolucionaria  que atraiu as mídias sociais com mais de 50% dos “compartilhar” sobre as imagens de Lyon . O projeto da agencia austríaca CoopHimmelblau, juntando numa modernidade inédita  o Cristal e as Nuvens, o mineral e o aéreo, ajudou a criar uma nova aérea turística fora dos tradicionais bairros da Tête d’Or ou do Vieux-Lyon.

O centro dos correios de Lille

O Museu de Arte Moderno de Lille

No Top 10 dos destinos preferidos pelos fãs de Instagram, aparecem outras surpresas, atrações que não constavam das rotas tradicionais do turismo internacional, e pouco conhecidas dos turistas brasileiros com exceção talvez dos mais jovens. Assim o Museu de Arte Moderna de Lille, instalado num antigo centro de triagem dos correios, com instalações coloridas e auditório de musica eletrônica. O elefante do %22Voyage à Nantes%22Assim a Praça da Comédie em Montpellier, no coração da velha cidade medieval, frente a Opera Comédie. Assim a cidade de Nantes, com seu estádio mítico – La Beaujoire- e seu criativo roteiro “Le voyage”. Assim também as beiras do Rio Garonne em Toulouse onde moradores e turistas gostam de olhar o por do sol atrás da ponte Saint Pierre.

Petite France em Estrasburgo

O bairro da Petite France em Estrasburgo

Inovadores, os “instagramadores” são também as vezes mais rotineiros. Colocaram na lista dos seus lugares favoritos alguns destinos franceses que os turistas internacionais já consagraram. Gostaram de Estrasburgo e do bairro da “Petite France”, tombado pela UNESCO, dos seus canais e das suas casas medievais. Calanques de MarselhaGostaram de Marselha. Mas se a cidade está se renovando, foram as suas  enseadas – as famosas Calanques- que foram mais fotografadas, combinando as indicações da Instagram com a escolha dos 2 milhões de moradores e de turistas que vão passear, nadar ou velejar cada ano nesses barrancos brancos e nessas águas turquesa. A lista dos dez mais da Busbud na França fecha com um dos mais tradicionais clichê do turismo francês, a famosa Baie des Anges em Nice, com seus sete quilômetros de glamour. As novas mapas da Instagram também gostam de antigos roteiros.

A “Baie des Anges” em Nice

 

 

Da devoção a Nossa Senhora a magia da tecnologia, a festa das luzes de Lyon

10629539_10154927158405188_6377349974802907086_o

Padroeira da cidade desde 1643, quando os habitantes fizeram uma promessa para afastar uma epidemia de peste, a Virgem Maria era homenageada em Lyon com um evento solene. Cada dia 8 de Setembro, uma procissão popular saia da Catedral Saint Jean até os edifícios religiosos do morro de Fourvière. Fourviere_3612-2Em 1852, na véspera da inauguração duma nova estátua  da “Virgem dourada de Fourvière”, um forte enchente do Rio Saone obrigou o arcebispo de Lyon (e Cardeal Primaz das Gálias) a adiar o evento para dia 8 de dezembro, dia da Imaculada Conceição.

Seguindo a proclamação do Segundo império francês, a festa virou um evento mais excepcional ainda. Lumignons_fete_des_Lumieres_Lyon_8-12-2013A Igreja e as autoridades de Lyon quiseram ampliar a participação popular pedindo a todos os lionenses de iluminar suas casas com velas e círios. Milhares de “lumignons” foram colocadas nas janelas das residências e dos edifícios públicos, nas ruas e nos cais dos dois rios que cercam a cidade. Tinha nascida a Festa das Luzes.

hi-striker_muriel-chaulet_dsc_3378

Esse evento de fé, católico e popular, tomou um novo impulso a partir de 1989 quando o novo prefeito decidiu reforçar-lo com uma festa artística profana, entregando durante quatro dias os edifícios da cidade a artistas e técnicos da iluminação. Hoje a Festa das Luzes, “Fêtes des Lumières”, virou uma referencia mundial, um grande espetáculo visto por milhões de turistas vindo para admirar as realizações de artistas que competem em beleza e criatividade nas iluminações da cidade. Esse ano varias obras de arte vão chamar a atenção dos visitantes. A catedral Saint Jean vai ser transformada com um jogo de luzes multicolor de Yves Moreaux. Na famosa praça dos Terreaux, a faixada do palácio Saint-Pierre, sede do Museu das Belas Artes, vai virar uma exposição gigante de obras de arte animada pelos bailarinos da Opera de Paris, criação de Gilbert Coudène.

10849065_10154927158630188_1814431416554783193_o (1)

Na praça dos Jacobins, o monumento das fontes será transformado numa lâmpada gigante, obra do artista Christophe Mayer, enquanto as arvores da praça Sathonay, pela magia das luzes brancas de Antoine Le Gougouecterao, terão a aparência  duma turma de dançarinos.

Nesses quatro dias, todos os cantos e recantos de Lyon, a burguesa capital francesa da gastronomia, serão invadidos pela frenesia criativa desses artistas das luzes. As obras virtuais são a mostra na Estação Saint-Paul, no Teatro des Célestins, no anfiteatro das Galias, nos cais do Rhone ou na praça Bellecour onde é também prestado uma homenagem ao Antoine de Saint-Exupéry. As novas tecnologias empurraram ao infinito as inovações de cores, de imagens e de fantasias.

10841938_10154927159145188_88237080045348853_o

Lyon espera esse ano de 3 a 4 milhoes de visitantes para essa Festa cada vez mais procurada. Muitos franceses, e italianos, espanhóis, suiços, russos ou chineses. Brasileiros também, cuja fé em Nossa Senhora poderia ajudaram a reencontrar o espírito original dum evento, hoje feira de alta tecnologia das iluminações, mas que começou feito um Círio de Nazaré gaulês. 

Jean Philippe Pérol

color-or-not_muriel-chaulet_dsc_3303

Esse artigo foi adaptado dum artigo original de  Raphael de Gubernatis 
%d blogueiros gostam disto: