A Accor se firmando no luxo com os míticos Hotéis Raffles

Royal Monceau Rafes em Paris

Royal Monceau Raffles em Paris

Anunciando a compra da Fairmont Raffles Hotels International, Stéphane Bazin, CEO da Accor, confirmou não somente uma aquisição estimada em 2,9 bilhões de dólares, a maior da sua história, mas a entrada do grupo francês no seleto clube dos 5 grandes da hotelaria de luxo. Sebastien Bazin anunciando a compra da FairmontMesmo ficando longe do líder do setor, o Americano Marriott-Starwood, que junta 800.000 quartos, Accor pode contar agora com 100.000 apartamentos divididos em mais de 500 hotéis de luxo. Com três novas marcas, o grupo adquiriu também vários estabelecimentos de prestigio, como o “Palace” Royal Monceau em Paris, o Savoy em Londres ou o Raffles em Singapora, esse mítico estabelecimento aberto em 1887, orgulho do Império britânico, cujos hospedes refinados e fleumáticos chegaram em 1942 a exigir dos  soldados japoneses que invadiram o hotel  de deixar-los acabar o baile antes de ser presos.

O mítico Raffles Hotel de Singapura

O mítico Raffles Hotel de Singapura

Essa operação foi financiada em parte com uma entrada no capital do Qatar (Qatar Investment Authority) e da Arábia Saudita (Kingdom Holding Compagny) que virarão, se as autoridades anti-trust autorizaram, os dois maiores acionistas da Accor. O grupo vai assim reforçar sua posição no setor da hotelaria de luxo, aumentando seus lucros e permitindo uma projeção de 650 hotéis até 2020. O Bar do RafflesA compra da Fairmont vai ajudar a Accor a reequilibrar geograficamente suas atividades, hoje concentrada a 65% na Europa, para a América do Norte e a Ásia onde a Raffles, a Fairmont et a Swissôtel são mais presentes. Segundo o próprio Bazin, essa estratégia focada no luxo é também uma resposta ao crescimento da AirBnb que preocupa todas as grandes empresas hoteleiras, obrigando as marcas mais econômicas a se reposicionar,  mas ainda poupando os segmentos de prestigio menos sensíveis as guerras de tarifas ou aos charmes da Internet.

O Sofitel Copacabana

O Sofitel Copacabana

A aquisição das três marcas e dos 115 hoteis da Fairmont Raffles Hotels International deve então ser um sucesso decisivo na longa caminhada da Accor para se firmar no lucrativo segmento do luxo – com suas diárias acima de 500 dolares e suas margens de rentabilidade superiores a 5%. O grupo superou o fracasso de 1994, quando o então Presidente da Air France se recusou a vender a seus compatriotas os 60 hoteis da sua filial Le Meridien (Incluindo na época o Meridien Copacabana e o Meridien Salvador).Folheto do Le Meridien Copacabana A virada  começou em 2007, quando Accor firmou a escolha de uma cadeia de luxo excluindo 80 dos então 120 Sofitel. A nova estratégia apostou em hotéis definidos pela arte de viver a francesa, seu design, sua gastronomia e sua cultura, mas aproveitando também todas as características das suas localizações. E se na América Latina, o grupo jà conseguiu se posicionar com  hoteis prestigiosos em Cartagena, Buenos Aires, Montevideu, Rio ou Guarujà, a chegada da Raffles abrirá talvez novas perspectivas em São Paulo.

Jean-Philippe Pérol

O SPA "My blend" da Clarins no Royal Monceau

O SPA “My blend” da Clarins no Royal Monceau

Novos investidores nos mais tradicionais hotéis e palaces de Paris!

shangri la

Aproveitando desde 2008 incentivos fiscais muito favoráveis, investidores internacionais estão tomando posse dos mais prestigiosos hotéis e palaces de Paris. Entre os mais dinâmicos, destaquem se as monarquias do Golfo, o sultão de Brunei e recentemente os chineses. Com impressionantes programas de renovação, trazendo novas bandeiras, deixaram as criticas do lado e estão ajudando a consolidar Paris como um dos destinos no mundo com a melhor hotelaria.…

Os qataris estão liderando com três estabelecimentos. O primeiro é o Le Grand Hotel. Com sua excepcional localização frente ao Opera de Paris, ele foi inaugurado em 1862, junto com o seu Café de la Paix, pela imperatriz Eugenie, esposa do Napoleon III, o imperador que mandou o Barão Haussmann redesenhar Paris e construir a Opera Garnier. cafe_de_la_paix_paris_france_optDepois de varias renovações, o hotel era desde 1982 propriedade e bandeira da Intercontinental. A bandeira vai ficar mais 30 anos com o grupo americano, mas o hotel pertence desde dezembro de 2014 ao Fundo qatari Constellation que pagou 330 milhões de Euro, inclusivo 60 milhões para a renovação dos 400 quartos e das 70 suites. Esse mesmo fundo do Qatar já tinha comprado em 2013 varios grandes hotéis franceses tais como o Concorde Lafayette, o Hotel do Louvre ou o Martinez em Cannes.

Os qataris investiram também em 2010 no Royal Monceau, um “Palace” parisiense construído em 1928. Depois de uma renovação completa assinada pelo grande designer francês Philippe Starck, ele tinha reaberto em 2010 com a bandeira da Raffles Hotels de Singapora. Le_Royal_Monceau_Raffles_Paris_-_Le_Restaurant_Italien_Il_Carpaccio_2-resizeO fundo soberano do Qatar seria também dono do prestigioso Ritz, na praça Vendôme. Atualmente em renovação, esse hotel espera ganhar a prestigiosa distinção de “Palace” que ele ainda não tem. Com a ajuda de uma historia impressionante – destacando-se as figuras de Coco Chanel e Ernest Hemingway- e do grande arquiteto designer Thierry Despont, a reabertura no primeiro semestre 2015 será sem duvidas espetacular.

vendome2

Os sauditas compraram dois dos mais famosos hotéis de Paris. O primeiro é o Crillon, ícone da praça da Concorde e fundador da aventura dos Relais Chateaux. Hoje fechado para obras, deve reabrir esse ano com uma bandeira americana, Rosewood Hotels and Resorts. O segundo é o George V, construído em 1928 perto dos Champs Elysees, que pertence por parte ao príncipe Talal e por parte a Bill Gates. Ele é administrado pela Four Seasons e conseguiu também a distinção de “Palace”.

Muito criticado na imprensa pela sua politica interna muito rigorista, o Sultão de Brunei é outro grande investidor nos “Palaces” de Paris. É hoje dono do Meurice, tradicional estabelecimento aberto em 1835 frente aos Jardins des Tuileries, e do Plazza Athénée, endereço muito querido da alta sociedade brasileira, com seu restaurante do Alain Ducasse e sua adega de 35.000 garrafas. Ambos hotéis fazem parte do Dorchester Group.

MandarinLobby

Em julho 2014, a admissão do Shangri-La e do Mandarin Oriental no fechadíssimo grupo dos “Palaces” parisienses chamou a atenção sobre os investimentos chineses nos hotéis de Paris. Com o outrora Hotel Majestic, que reabriu como Península, são três grandes estabelecimentos parisienses comprados por empresas de Hong Kong.

Com os mais lindos hotéis de Paris pertencendo a esses novos investidores (inclusive 6 dos 8 “Palaces”, o Bristol sendo o único a pertencer a uma família do velho continente), e todos com bandeiras estrangeiras, não faltaram vozes para se preocupar com a autenticidade e/ou o charme francês do serviço oferecido aos turistas. CONCIERGEMas quem teve a sorte de hospedar num desses hotéis pode confirmar que todos eles continuam de oferecer o melhor do “savoir-faire” à francesa, e pode assegurar que cada detalhe, da arquitetura da faixada até as dicas do concierge, respeita o inigualável charme de Paris, o mesmo que atraiu esses novos e bemvindos investidores.

Jean-Philippe Pérol

Esse artigo foi traduzido e adaptado de um artigo original do Serge Fabre publicado no site da Pagtur