Cassoulet, pimentas e Gevrey Chambertin, sugestões brasileiras para a feijoada a francesa

img_1165

Cassoulet com pimentas e Gevrey Chambertin 2004

Cassoulet e Gevrey-Chambertin, uma sugestão para um domingo de noite

de Edson Costa, enólogo, gourmet, musicólogo e poeta.

Reza uma das lendas mais difundidas do cassoulet que Castelnaudary, cidade situada na região de Occitânia, foi cercada durante a Guerra dos Cem Anos pelos ingleses que dominavam o sudoeste desde Bordeaux,  e ficou semanas sem abastecimento. A população, para não passar fome, fazia ensopados com tudo que houvesse a disposição: feijões brancos (típicos da agricultura local), pedaços de carne de porco, aves, legumes… Assim teria nascido um dos pratos mais tradicionais da França. E Castelnaudary ficou conhecida como a capital mundial desta iguaria.

A cidade de Castelnaudary, na beira do Canal do Midi

A cidade de Castelnaudary, na beira do Canal do Midi

A lenda é muito discutida até hoje. Os historiadores lembram que o feijão chegou na Europa vindo das Américas, seja  depois do Cristovo Colombo, e que receitas parecidas, mas a base de favas, são conhecidas na região desde o século X. Mas o cassoulet virou famoso, e é um prato tão importante na cultura local que três cidades desta região disputam a fama de fazer o melhor de todos. Para manter a paz regional, os franceses decidiram que o cassoulet é o Deus da gastronomia, e as três cidades são o Pai (Castelnaudary), o Filho  (Carcassonne) e o Espírito Santo (Toulouse].

A Confraria do Cassoulet de Castelnaudary

A Confraria do Cassoulet de Castelnaudary

Guardadas as devidas e necessárias tradições, cada Chef tem sua receita para a elaboração dessa feijoada a francesa. Nesta proposta, personalizada mas inspirada da receita original da Grande Confraria do Cassoulet de Castelnaudary , foram incluídos: feijão branco, coxa de pato confitada e assada, costela de porco, linguiça calabresa, costeleta de porco defumada, lombo de porco, alho assado, bacon em pedaços, cebola roxa, sal e pimenta do reino moída na hora. Todo servido na “cassole”, o prato de cerâmica tradicional cuja origem vem do século XIV.

O castelo de Gevrey-Chambertin

O castelo de Gevrey-Chambertin na Borgonha

Para harmonizar o cassoulet com um vinho, as escolhas tradicionais são o Cahors ou o Corbières, mas vale a pena de fazer outras experiências. Vale combinar com um Gevrey Chambertin, o vinho que era o favorito do Napoleão, aqui um Racines du temps do René Bouvier, safra 2004.  Com seus vinhedos situado perto de Cluny – sede da famosa abadia e das ruinas da maior catedral do Ocidente cristão-, esse “terroir” caracteriza-se por apresentar vinhos unicamente tintos. São vinhos de longa guarda, potentes, estruturados, tânicos e ao mesmo tempo aveludados, de cor intensa, e com aromas e sabores de cassis, cereja, alcaçuz e couro, mas que também são capazes de desenvolver aromas terciários na maturidade, como de mata e de caça.

img_1168

Gevrey-Chambertin Racines du Temps 2004

O Domaine René Bouvier é uma empresa familiar fundada em 1910 pelo avô de Bernard Bouvier, Henry Bouvier na Côte de Nuits, Borgonha, França. Tem 13 hectares de Pinot Noir e 4 de Chardonnay Noiret 4 para um total de 18 DOCs na Borgonha, Cotes de Nuits Villages, Fixin, Marsannay e Gevrey-Chambertin, todas com Premier cru e Grand Cru. O Gevrey-Chambertin Racines Du Temps René Bouvier 2004, como é determinado na Borgonha, é um vinho varietal Pinot Noir (100%) que envelheceu em barricas novas de carvalho francês por 18 meses.

img_1164

Tempero a brasileira: molho de pimenta  dedo de moça

img_1163

Tempero a brasileiro: molho de pimenta murupi

Um cassoulet servido na "Cassole"

Um cassoulet servido na “Cassole”

Reconstruir monumentos históricos: realizar sonhos para levantar o turismo

A nova biblioteca de Alexandria

A nova biblioteca de Alexandria

Depois da ressurreição em 2002 da biblioteca de Alexandria, o Egito vai agora lançar a reconstrução da sétima maravilha do Mundo Antigo : o farol da ilha de Pharos. PhareAlexandrieConstruído no ano 280 antes do Cristo, alto de 137 metros, ele caiu em 1303 depois de dezessete séculos de funcionamento, quando sua fogueira era visível há 50 quilômetros por causa do jogo dos seus espelhos. Era na época o monumento mais alto jamais construído. As ruínas das suas três partes – a base quadrada, a parte mediana octogonal e a parte de cima redonda – foram utilizada na construção da fortaleza de Qaitbay. Outros vestígios, especialmente estátuas gigantes e pedras esculpidas, foram encontradas no mar em 1994 pelo arqueólogo francês Jean-Yves Lempereur. Se a data de inicio e o prazo de entrega das obras não foram definidos, o Conselho supremo das Antiguidades Egípcias avaliou o projeto que será construído na própria ilha de Pharos, a poucos metros do seu marco histórico, e a poucos quilômetros da biblioteca.  DSCN2461Esse anuncio parece fazer parte da nova estratégia do primeiro ministro, Ibrahim Mahlab, que quer reverter a queda do turismo no seu pais, com as chegadas passando de 15 à 10 milhões  desde a revolução de 2011.  O objetivo agora é de chegar a 20 milhões em 2020 com umas receitas passando os 26 bilhões de dólares. Para o Egito, uma segunda maravilha do mundo antigo (a outra é a Pirâmide de Cheops) seria sem duvidas mais um grande trunfo para seu turismo.

Uma outra maravilha do mundo antigo poderia também ressuscitar. O governador de Rodes, na Grécia, anuncio no ultimo mês de dezembro um estudo para a construção duma copia do famoso Colosso.o Colosso de Rodes O projeto parece porem complicado, lamenta a arqueóloga Maria Michalaki-Kollia, especialista dessa estátua. A Grécia está em crise e as autoridades não teria como achar os 100 milhoes de dólares necessários para reerguer o Colosso de 32 metros de altura. Mas para especialista, a razão é outra. Ninguém sabe onde ficava exatamente a estátua gigante de Helios, o deus do sol, construída em  292 antes do Cristo e destruída durante um terremoto sessenta e seis anos depois. Mesmo se ela inspirou a estátua da Liberdade, sua posição exata, – na entrada de um dos dois portos, ou na cidadela-,  bem como sua forma – de braço erguido ou não, de pernas abertas ou não-, não são comprovadas. E não sobraram também nenhum vestígio já que o comerciante de Homs levou em 673 as vinte de toneladas de ferro e bronze que ainda existiam. Mas as dificuldades não parece desanimar o governador de Rodes que estava levando o projeto para frente, uma estratégia de marketing que já impactou o turismo da ilha.

c-moyen-age-cluny-III-3D-cp

Os grandes sonhos de reconstrução de monumentos históricos tão míticos são difícil de realizar. Na Franca, reerguer a abadia-catedral de Cluny, até o século XVI a maior do Ocidente mas destruída na Revolução, foi um desejo de muitos romeiros. Mas muito bem renovados nas comemorações dos 1100 anos da abadia, os vestígios existantes foram muito bem restaurados, e uma excepcional reconstituição virtual encanta os visitantes. O turismo pode também beneficiar de projetos mais modeA capela do castelostos mas com conteúdos autênticos e apoiados por comunidades locais. Assim também na Borgonha, em Guedelon, um grupo de apaixonados lançou em 1997 a construção de um castelo do século XIII, usando as técnicas e os materiais da época. Com pedra, terra, madeira, areia e argila da região, com pedreiros, carpinteiros, carreteiros, cordeiros e lenhadores profissionais,O castelo de Guedelon com dezenas de voluntários trabalhando no canteiro, com pesquisadores assessorando os engenheiros, o castelo esta se erguendo no ritmo da Idade Media, sendo a inauguração prevista para 2023. Mas o sucesso turístico do empreendimento, e seu impacto na economia da região,  já é impressionante: cada ano, mais de 300.000 pessoas estão visitando Guedelon, atraídos pela Historia levada com autenticidade e sinceridade. Tanto nos pequenos como nos grandes projetos.

Jean-Philippe Pérol

O castelo de Guedelon