No bicentenário da morte do imperador, a “Rota Napoleão” lembra a lendária epopéia

Em Juan les Pins, o exato lugar onde Napoleão desembarcou

O caminho mais rápido da Côte d’Azur até Paris sempre foi via Aix en Provence, Avignon e o vale do Rio Rhône, mas era na época controlada por milícias monarquistas. Napoleão escolheu então o geograficamente difícil, mas politicamente seguro, caminho dos Alpes  com suas populações republicanas ou bonapartistas, e decidiu chegar a Lyon via Grenoble. A rota Napoleão – um itinerário turístico que foi inaugurado em 1932 no traçado de 1815- é esse ano, junto com a cidade de Ajaccio, o palácio de Fontainebleau e o túmulo dos Inválidos em Paris, e também junto com Liege na Bélgica, Santiago do Chile e, claro, a Ilha de Santa Helena, um dos principais lugares onde está se comemorando o bicentenário  da morte do Imperador.

Em Grand Serre, a floresta desenhando uma águia sob o olhar do Napoleão

Foi antes de Grenoble, que o Napoleão selou a epopéia. No campo do Encontro, ele avançou sozinho na frente das tropas monarquistas e falou “Sou eu! Se tem aqui um soldado que quer matar o seu Imperador, que atire agora”. Tremendo de emoção, os soldados dos dois lados se abraçam nos gritos de “Vive l’Empereur”. O momento histórico é lembrado hoje com uma estátua de Napoleão olhando a águia desenhada na floresta da montanha de Grand Serre. Foi mesmo o Imperador que os habitantes receberam em Grenoble carregando as portas da cidade que o prefeito não queria abrir. Indo dormir na albergue dos Trois-Dauphins, tendo agora um exército de 7000 homens, Napoleão anunciou que chegaria em Paris em dez dias. Encerrava a epopéia da Rota Napoleão, passava a História, começava o turismo. Viva o Bicentenário!

De carro, a pé, a cavalo, de moto, a paisana ou com uniformes da época, cada um pode escolher a sua forma de percorrer a Rota Napoleão

Notre Dame de Paris, depois da emoção e do choro, a difícil batalha da reconstrução!

O incêndio pouco antes da queda da flecha de 96 metros

Choramos, e choramos muito. Choramos logo no choque da noticia, quando as primeiras imagens da Catedral em chamas começar a circular em todos os canais de televisão bem como nas mídias sociais. E choramos mais ainda quando a queda da orgulhosa flecha atingiu o coração e a alma de milhões de espectadores que não podiam nem queriam acreditar nessa tragédia. Percebemos nesse instante que Notre Dame de Paris, não era somente uma das mais imponentes igrejas da Fé católica, mas era também um lugar icónico para o povo de Paris e a Nação Françesa. Monumento mais visitado da Europa (14 milhões de turistas o ano passado, sem contar os fieis), celebrado há oito séculos por escritores, pintores, cineastas ou políticos, era cravado na historia da humanidade e na cultura mundial.

A coroação de Napoleão, quadro do Louis David

Erguida a partir do século XII – numa cidade que nem contava 20.000 habitantes-, ela foi guardiã  da fé dos reis “muito católicos” da França. Se a primazia da Gália ficava em Lyon,  a cerimônia da coroação em Reims e os enterros reais em Saint Denis, Notre Dame de Paris sempre ficou mais carregada de símbolos. Foi lá que Saint Louis mandou guardar a coroa de espinhos do Cristo hipoteticamente trazida das Cruzadas, foi lá que Joana d’Arc foi reabilitada, foi lá que Henri IV festejou sua vitoria, foi lá que Napoleão se auto-coroou Emperador dos franceses na frente do então Papa Pio VII. Na Liberação de Paris do invasor alemão, foi lá que de Gaulle veio escutar o Te Deum da vitoria. Foi lá que o mesmo de Gaulle recebeu, no dia 12 de Novembro de 1970, uma última homenagem de uma plateia com mais de 80 imperadores, reis e presidentes vindo do mundo inteiro. E devemos lembrar que se Quasimodo e Esmeralda são personagens de ficção, foi com Notre Dame de Paris que Victor Hugo construiu parte da sua gloria.

A literatura e o cinema contribuíram a gloria de Notre Dame

Frente a emoção universal, o presidente francês já anunciou que o seu governo ia se empenhar para reerguer-la em cinco anos. A impressionante lista de contribuições que começar a chegar -quase um bilhão de Euros em menos de uma semana-, valores pequenas e grandes, doados por gente humildes ou famosos, católicos, muçulmanos, judeus ou ateus, vindo da Franca, dos Estados Unidos, do Marrocos ou do Brasil, deixam pensar que o maior desafio não será financeiro. Alem de encontrar as respostas tecnológicas, os arquitetos deverão também enfrentar a demagogia dos políticos que já iniciaram as polêmicas. Qual planta deve ser seguido, do século XII, XIII, XVIII ou XIX? O novo telhado deve ser ecologicamente correto? A nova flecha terá, assim que falou o Primeiro Ministro,  que se adaptar “aos desafios do século XXI”? A diversidade cultural deve integrar o novo projeto?

As quimeras de Notre Dame vigiando Paris

Notre Dame continua em pé, mas ainda não está salva. A herança milenar dos geniais construtores da Idade Media pode ser desnaturada por incultos marqueteiros do curto prazo. Passada a emoção, ainda tem risco de ver as obras entrar num ciclo sem fim de brigas politicas e de bloqueios de verbas que são a triste realidade de milhares de igrejas ou monumentos históricos esperando concertos ou renovações há anos. A mobilização dos parisienses e de todos aqueles que se emocionaram com eles será então fundamental para acompanhar a reconstrução. Na igreja de madeira que será provisoriamente construída no “Parvis”, na frente do portão de onde saiam simbolicamente todos as estradas ligando Paris ao resto da Franca, moradores e turistas vão poder, juntos, mostrar a sua determinação para que esse monumento da fé, da valentia e da beleza volta a integrar o patrimônio da Humanidade e a nossa própria Historia.

Jean-Philippe Pérol

De Haile Selassié a Nixon, de Senghor ao Shah, uma das maiores concentrações de chefes de estado da Historia

%d blogueiros gostam disto: