No bicentenário da morte do imperador, a “Rota Napoleão” lembra a lendária epopéia

Em Juan les Pins, o exato lugar onde Napoleão desembarcou

O caminho mais rápido da Côte d’Azur até Paris sempre foi via Aix en Provence, Avignon e o vale do Rio Rhône, mas era na época controlada por milícias monarquistas. Napoleão escolheu então o geograficamente difícil, mas politicamente seguro, caminho dos Alpes  com suas populações republicanas ou bonapartistas, e decidiu chegar a Lyon via Grenoble. A rota Napoleão – um itinerário turístico que foi inaugurado em 1932 no traçado de 1815- é esse ano, junto com a cidade de Ajaccio, o palácio de Fontainebleau e o túmulo dos Inválidos em Paris, e também junto com Liege na Bélgica, Santiago do Chile e, claro, a Ilha de Santa Helena, um dos principais lugares onde está se comemorando o bicentenário  da morte do Imperador.

Em Grand Serre, a floresta desenhando uma águia sob o olhar do Napoleão

Foi antes de Grenoble, que o Napoleão selou a epopéia. No campo do Encontro, ele avançou sozinho na frente das tropas monarquistas e falou “Sou eu! Se tem aqui um soldado que quer matar o seu Imperador, que atire agora”. Tremendo de emoção, os soldados dos dois lados se abraçam nos gritos de “Vive l’Empereur”. O momento histórico é lembrado hoje com uma estátua de Napoleão olhando a águia desenhada na floresta da montanha de Grand Serre. Foi mesmo o Imperador que os habitantes receberam em Grenoble carregando as portas da cidade que o prefeito não queria abrir. Indo dormir na albergue dos Trois-Dauphins, tendo agora um exército de 7000 homens, Napoleão anunciou que chegaria em Paris em dez dias. Encerrava a epopéia da Rota Napoleão, passava a História, começava o turismo. Viva o Bicentenário!

De carro, a pé, a cavalo, de moto, a paisana ou com uniformes da época, cada um pode escolher a sua forma de percorrer a Rota Napoleão

Primeiro de Maio na França: dia do Trabalho, do Amor e do Lirio-do-vale!

viewmultimediadocument

Desde 1886, o Primeiro de Maio  começou com um dia de lutas e de lágrimas entre policiais e sindicatos anarquistas para pouco a pouco virar no mundo inteiro o feriado do Trabalho e dos Trabalhadores. Na França, essa festa operária se juntou com uma velha tradiçã0 céltica de oferta de flores as moças solteiras no inicio da primavera, na época o Primeiro de Maio que era também a festa do Amor. O lirio-do-vale  (em francês Lys des Vallées ou Muguet) foi associado ao primeiro de Maio em 1561 quando o Rei Carlos IX, visitando a região de Grenoble, foi presenteado com essa flor e gostou tanto que mandou distribuir buquês a todas as damas da corte.

malheureusement-pour-ce-vendeur-de-muguet-le-cortege-ne-fait-que-passer-rue-jussieu-1974-archives-le-progres

O casamento entre o lirio-do-vale e o Dia do Trabalho só começou depois da segunda guerra, quando os participantes aos desfiles começar a trocar as flores vermelhas pelos “muguets”. As vendas dessas flores nas ruas, autorizadas pelas prefeituras, passaram também a ser uma grande atividade (e uma importante fonte de rendas) para os sindicatos e os partidos políticos de esquerda. Ainda hoje os franceses compram nesse dia mais de dois terços dos  “muguets”do ano, seja um faturamento de mais de 30 milhões de Euros.

Se é pouco conhecido no Brasil, o lirio-do-vale  aqui também tem uma historia. Durante muitos anos a Air France entregava a mais de mil mulheres as preciosas flores na manha do primeiro de Maio.  retard-muguet-inquiete-deja-1268039-616x380 Saindo dois dias antes de Nantes, onde são produzidas, elas chegavam na véspera no Brasil,  passavam milagrosamente pela alfândega, eram colocadas em caixinhas transparentes com fitinhas brancas  pelos funcionários da Air France todos mobilizados, e eram distribuídas de manha em São Paulo e no Rio de Janeiro. Saudades… Mas hoje, se for viajando pela França nesse Primeiro de Maio, não esquece de oferecer a pessoa amada essa florzinha que tem a magia de simbolizar no mesmo tempo o trabalho e o amor. Isso, só na França!

LR_210

%d blogueiros gostam disto: