Gustave Eiffel, muito além da torre

Sempre jovem, a torre só escapou da destruição pela vontade do Eiffel

Mesmo se já atraiu quase dois milhões de cinéfilos, o filme não é completamente fiel a realidade histórica e aos três anos de trabalho realizados pelas equipes de Eiffel para ganhar a licitação da obra. Ele acerta porem quando descreve as dúvidas iniciais sobre o projeto, bem como as inúmeras dificuldades técnicas, financeiras e políticas que teve que enfrentar durante a construção, e até a inauguração no dia 31 de março de 1889. Aproveitando o lançamento, o Escritório de turismo de Paris  criou o roteiro mostrando não somente os locais onde o filme foi realizado, mas também algumas outras obras marcantes do Eiffel.

A ponte Eiffel, no Parque das Buttes Chaumont

Eiffel deixou sua marca em numerosos edifícios parisienses, da sinagoga da rua des Tournelles até a loja “Le Bon Marche”, do “Shack” até a sede do “Crédit Lyonnais”. No coração do  parque das Buttes-Chaumont, o roteiro destaca a Ponte Eiffel, uma passarela de 63 metros de comprimento construída para a Exposição Universal de 1867. Inaugurada pelo Napoleão III, é famosa pela armação metálica verde e os tijolos vermelhos que lembram as cores das arvores do Parque. Prevista no início para o transito de veículos, completamente reconstruída em 1956, ela é hoje aberta exclusivamente aos pedestres querendo  passear nas “Buttes”  Puebla e Fessart.

Paradis Latin - 2020 L'Oiseau Paradis, Paris

Destruído em 1870, o Paradis Latin foi reerguido pelo Eiffel em 1887

Construído durante o Segundo Império, o Paradis Latin é o mais antigo cabaré de Paris. Destruído durante a guerra de 1870, ficou abandonado durante 17 anos. Pensando na Exposição Universal de 1889,  Gustave Eiffel reconstruí o teatro em 1887. A obra ficou famosa pelas colunas metálicas apoiadas nas muralhas das fortificações do rei Philippe Auguste, que ficam no subsolo do edifício, e pelo pé direito excepcionalmente alto. Fala-se que o Eiffel queria esta extraordinária altura da sala não somente para permitir espetáculos de acrobacias, mas ainda para competir tecnologicamente com a ousadia arquitetural das catedrais.

O Printemps foi pioneiro nas estruturas metálicas do Eiffel

Reconstruído em 1882 depois de um incêndio, Le Printemps Haussmann  é considerado como um dos primeiros prédios de Paris a ter estruturas metálicas até na fachada, fazendo do ferro  um material nobre e um componente chave da decoração, tanto nas vigas que nas escadas. A presença dessa grande loja de departamento no roteiro do Escritório de turismo de Paris se deve também ao fato que o fundador do Printemps, Jules Jaluzot, foi um grande apoiador do projeto do Eiffel, conseguindo para a sua loja a exclusividade da venda das medalhas comemorativas .

La Samaritaine, da humildade do Evangelho a audácia do templo do luxo | "Le Blog" do Pérol

Hoje renovada pelo grupo LVMH, a Samaritaine foi mesma inspirada pelo Eiffel

Fundada em 1870 por Ernest Cognacq e Marie-Louise Jaÿ, a Samaritaine é uma loja de departamento mas também uma obra mestre juntando “art nouveau” e “art deco”.  Gustave Eiffel inspirou o arquiteto belgo Frantz Jourdain, fascinado pelo seu trabalho e sua tecnologia. Foram suas oficinas que realizaram as estruturas metálicas e as escadas de ferro bem visíveis, numa composição trazendo espaço e luz. Comprado em 2005 pelo grupo LVMH,  que decide em 2005 de aproveitar a sua exclusiva localização e seu excepcional acervo arquitetural, a Samaritaine reabriu em 2021 e virou um icônico projeto parisiense de renovação.

No mercado municipal de Manaus, a herança de Gustave Eiffel

De 1870 e 1880, a empresa Eiffel encontrou um sucesso mundial, com obras cada vez mais complexas e espetaculares. Se a Estátua da Liberdade, em Nova Iorque, é uma escultura de Bartholdi, toda a estrutura foi elaborada por Gustave Eiffel. A partir de 1872 começaram a surgir propostas de outros países. Foram por exemplo a Estação Ferroviária de Budapeste, ou a Ponte Maria Pia sobre o Douro, no Porto. No Brasil foram realizados  dois faróis em Salinópolis, no Pará, e em Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro. Em Manaus, o Mercado Adolpho Lisboa levou a assinatura do Eiffel, e  poderia ser a última etapa do extraordinário roteiro do genial engenheiro que embelezou Paris.

Juntando tradições e inovações, o Museu da Moda de Paris é também obra do Eiffel