Em Budapeste, espírito de liberdade e charme da peculiaridade

O Palácio de Buda e a Ponte das Correntes

Chegando em Budapeste, o visitante logo percebe a força da diferença. Se os prédios históricos, as ruas, as lojas ou os passantes lembram uma bela e animada grande capital européia, a cidade e seus habitantes mostram logo as suas peculiaridades. A língua não tem nenhuma ligação com os outros idiomas da Europa, somente um distante parentesco com o finlandês e mais distante ainda com o turco. E nem o inglês, nem o francês ou nem o alemão podem ajudar a entender ou a decifrar o húngaro. A historia do país ainda comemora Átila, lembrando na Europa inteira como o “mangual” de Deus, ele é aqui um herói cujo nome ainda é muito comum. Depois dessas singulares raízes, o reinado foi fundado no século X  por invasores vindo da Ásia central, e ainda ficou durante 380 anos  sob os domínios turcos e austríacos, cujos legados ainda impressionam o viajante.

A Arvore da vida, obra de arte e de memória do escultor Imre Varga

Numa visita a capital magyar, são assim imprescindíveis o Palácio Real e o Morro do Castelo com seus 600 anos de arquitetura e sua vista imponente sobre Pest o a Ponte das Cadeias, o Parlamento onde fica a famosa coroa do primeiro rei cristão – Santo Estevão ,  bem como a Basílica do mesmo nome. Na Praça dos heróis, construída para comemorar os 1000 anos da Hungria, o arcanjo Gabriel domina as estátuas dos construtores da identidade e da liberdade húngara, desde Arpad até os mártires dos dois levantes de 1848 e 1956 contra os invasores austríacos e russos. O passado trágico é também lembrado nos jardins da grande sinagoga onde uma espectacular obra de arte, a Arvore de vida, lembra o extermínio pelos alemães de mais de meio milhão de judeus húngaros em julho 1944.

Rugas fürdö, banho turco herdado da ocupação otomana

Do longo domínio dos Otomanos, e de numerosas fontes de águas quentes, Budapeste herdou a paixão dos banhos e dezenas de piscinas de agua quente, numerosos spas, bem como quatro “banhos turcos”. Assim os Banhos de Rugas, construídos em 1550,  ainda mostram a arquitetura original, e guardam um ambiente que os próprios moradores gostam de aproveitar. Mais recentes, e inspirados da arquitetura austríaca do final do século XIX, os banhos de Széchenyi são também uma excelente opção, especialmente no verão com as suas grandes piscinas quentes a céu aberto. Para comungar com os húngaros, os visitantes podem também dividir uma outra paixão nacional. A  música é sempre presente, seja com pequenos orquestras de rua, muitas vezes ciganos, no emblemático Bastão dos Pescadores, caminhando nas ruas animadas do centro histórico ou ouvindo sinfonias na imponente Ópera inaugurada em 1884.

No Bastião dos Pescadores, encontro com músicos ciganos

 A peculiaridade da Hungria se encontra também no seu culinário e nos seus vinhos. Realçados com páprika e especiarias próprias, repolho recheado, goulash, massas caseiros, sopa de feijão branco, embutidos ou salames são as bases de uma gastronomia que os húngaros apresentam com muito orgulho a seus visitantes. Se eles podem oferecer uns excelentes vinhos tintos – blends de uvas nacionais ou excelente Cabernet Franc – para acompanhar os seus pratos, os húngaros tem um verdadeiro culto pra o mais famoso dos seus vinhos, o Tokay Aszú. Vinho branco reforçado de uvas com alto grão de podridão nobre, com forte sabores de damasco, ele teria sido chamado pelo Louis XIV de “Rei dos vinhos, vinho dos Reis”. Perfeito com uma sobremesa, pode ser pedido para acompanhar um rocambole de sementes de papoula na doceria Gerbeaud, imperdível tradição de Budapeste .

E quando provar lo, para brindar  com o seu anfitrião, é só dizer saúde em húngaro: Eguèshèguèdrè!

Jean-Philippe Pérol

No Mercado Central, o páprika e as peculiares especiarias magiares

 

Repolho recheado e goulash de frango, as delicias da cozinha caseira

Na grandeza de Versalhes, o chefe Ducasse revisitando as refeições do Rei Sol

O patio de hora do palacio de Versailles

O pátio de hora do palácio de Versalhes

Convidado a mesa do Luis XIV, o mais faminto dos gourmets do século XXI teria muitas dificuldades para acompanhar o apetite do Rei, com suas refeições de trinta a cinquenta pratos divididos em cinco a sete “serviços”.  Com muitas carnes de caça, peixes de agua doce, todos os tipos de aves (incluindo pavão ou cisne), e legumes da horta real (o rei era viciado em ervilhas), o culinário da época estranharia hoje pelas especiarias e pelos alimentos, muito cozidos ou super bem-passados. O serviço também era diferente, com a mesa sempre cheia de pratos, os convidados comendo sem garfo e as bebidas sendo servidas separadamente.

Mesas do "Café contemporain" Ore

Mesas do “Café contemporain” Ore

Se o Rei Sol e seu esplendor pertencem ao passado, o famoso chefe estrelado Alain Ducasse decidiu trazer de volta em Versalhes parte das grandes tradições culinárias do século XVII. No ultimo dia 13 de setembro, inaugurou no Pavilhão Dufour, na entrada do Castelo, um Restaurante chamado Ore, palavra latina significando Boca. Durante dia, começando no café da manha, Ore é um elegante “café contemporâneo” com um cardápio oferecendo receitas clássicas do culinário francês inspiradas da época, mas também pratos simples ou rápidos, sobremesas ou doces para acompanhar um simples cafezinho ou um chá da tarde. Num local atraindo muitas famílias, o Alain Ducasse também não esqueceu de oferecer um menú para crianças.

As salas do restaurante

As salas do restaurante, reabilitadas pelo Dominique Perrault

De noite, os salões do restaurante, reabilitados pelo famoso arquiteto Dominique Perrault, podem virar o palco de uma experiência única, um jantar privativo respeitando o cerimonial, os cardápios, a louça, o serviço e a decoração dos tempos do Louis XIV. Levando os convidados para as suas mesas, o maitre grita “Messieurs, à la viande du roi !” (Senhores, vamos para a carne do Rei) como exigia o protocolo. Os garçons de peruca vestem  uniformes da época. A louça da “Manufacture royale de Limoges” foi especialmente reeditado pelo Bernardaud, e os copos de cristais não são  padronizados como era de praxe.

Com pratos, o impressionante cardápio de uma refeição do Rei Sol

Com 44 pratos, o impressionante cardápio de uma refeição de 1757

Alain Ducasse quis, nesse lugar único, oferecer  uma comida francesa contemporânea, mas  inspirada do culinário da época dos reis, não somente um jantar mas uma verdadeira experiência histórica e gastronômica. Os convidados podem assim começar com quatro entradas (caldo de ervas, legumes ao natural, croquetes de rã, lagostinhas com caviar e cogumelos recheados), continuar três pratos principais (peixe pregado ao molho holandês, patê quente de carnes de caça, galinha com lagostinhas), dois pratos menores (tortas de trufas brancas e pretas, guisado de cogumelos selvagens), e acabar com três sobremesas (groselhas com agua de rosa, bolo Fontainebleau com morangos do mato, e o famoso bolo de chocolate Louis XIV).

Alain Ducasse no seu restaurante de Versalhes

Alain Ducasse no seu restaurante de Versalhes

O novo empreendimento do criativo chefe vai alem do Café e do restaurante. O Ore aproveita também uma galeria de recepção de 2.700 m2, um auditório de 150 lugares, salas de seminários, e uma cozinha com equipamentos da ultima geração. A diretora do Palácio de Versalhes, Catherine Pégard, acredita que,  com a chegada do Restaurante Ore, a arte de viver a francesa vai ganhar em Versalhes uma vitrina excepcional junta aos visitantes vindo do mundo inteiro. Obrigado ao Rei Sol e a Alain Ducasse.

Jean-Philippe Pérol

 

ore_cocotepetitepeautre-pierremonetta-2627_opt

ore_vacherin-pierremonetta-3085

O Ritz voltando com seus mitos, sua história e sua excelência

A praça Vendôme e sua coluna comemorando as vitorias do Napoleão

A praça Vendôme e a coluna comemorando as vitórias do Napoleão

Honrando sua lendária discrição, e agora esperando a sua classificação de Palace , o Hotel Ritz reabriu suas portas Place Vendôme no último dia 14 de Junho depois de quatro anos (e de 400 milhões de Euros) de completa renovação. A inauguração do Ritz em 1898Se o mais famoso dos hotéis de Paris não pertence mais, desde 1979, a família do seu fundador, o novo proprietário, o excêntrico empresário britânico Mohamed Al Fayed, fez questão de conservar os valores que o Cesar Ritz exigiu de seguir nas obras de 1897, a elegância do classicismo e o conforto da modernidade. Transformando os então Hotel de Gramont, residência de prestigio do final do século XVIII, num grande hotel de luxo, Ritz respeitou a arquitetura original, mobiliou os salões e os quartos com moveis da época, mas exigiu que não faltassem as novidades tecnológicas de 1898: elevadores, telefones, luz elétrica e banheiros em cada um dos 159 quartos.

O Hotel Ritz renovado abriu com 17 quartos a menos, mas com a mesmo vontade de reinventar uma experiência  combinando seus três séculos de tradições com as mais modernas tecnologias do terceiro milênio. Para entrar no hotel, conservaram a tradicional porta giratória, mesmo se agora automatizada, e o lobby continua localizado na famosa galeria, mas abriu-se um novo espaço, o salão Marcel Proust, uma grande biblioteca onde será servido chá “a francesa” acrescentado com as “madeleines” favoritas do grande escritor. IMG_8501Um novo pátio, o terraço Vendôme, separa dois jardins de inverno com inovadores tetos retráteis que ampliam o bar Vendôme e o restaurante gastronômico L’Espadon. Em volta das mesas, a decoração manteve as tradicionais poltronas Luis XV, com seus ganchinhos de pendurar bolsas que o Cesar Ritz se orgulhava de ter inventado. E no famosíssimo Bar Hemingway, o hotel faz questão de confirmar que tudo foi refeito mas que absolutamente nada mudou, inclusive o bar-tender e sua fama de melhor bar-tender do mundo. Uma fama que o Colin Field merece, tanto pela qualidade dos coquetéis que ele colocou no seu cardápio que pelas historias que ele conta com prazer e talento para os seus visitantes.

O Bar Hemingway

O Bar Hemingway

Para subir para os quartos, a escada monumental do Ritz é impressionante de grandeza com seu corrimão  de ferro forjado e cobre, e seu tapete vermelho estampado com barras de latão . No primeiro andar fica a suite Imperial, com seis metros de pé direito, seus tecidos de seda selvagem e sua cama isolada do resto do quarto com uma balaustrada. A suite Vendôme do RitzNo segundo andar destaque-se a suite Coco Chanel com moveis dos anos 50, e um biombo de laca chinesa. Nas suites, e também nos quartos, peças de arte ou moveis únicos personalizam cada ambiente. A tecnologia é presente em todo os detalhes – luzes, cortinas, televisão, som ou ar-condicionado – mas o designer fez questão de guardar as caixinhas com botão inventadas pelo próprio Ritz para chamar as camareiras.

Coco Chanel num salão do Ritz

Coco Chanel num salão do Ritz

Mas o Ritz não deve somente a sua fama a seus quartos ou aos seus bares ou restaurantes, mas as personalidades que marcaram a sua historia e, em alguns casos, construíram o seu mito. A historia confirma que personalidades famosas como Jean Cocteau, Colette, Vanderbilt, Rockefeller, Hemingway, Scott Fitzgerald, Charlie Chaplin  ou Otto de Habsburg frequentaram o hotel.  HemingwayDurante a Primeira Guerra virou hospital militar, e foi ocupado durante a Segunda pelos alemães, um deles sendo o amante da Coco Chanel que morou mesmo durante 37 anos em varias suites do hotel. O Hemingway contribui ao mito, inventando que tinha pessoalmente liberado o Ritz en agosto 1944 com um grupo da Resistência francesa, deixando uma conta de 51 dry Martinis no Bar que hoje tem o seu nome, e no qual escreveu uma linda declaração de amor para esse hotel fora do comum: “Quando eu sonho do Paraíso, a historia sempre acontece no Ritz de Paris.”

Jean-Philippe Pérol

O Spa agora administrado pela Chanel

O Spa, agora oferecendo produtos da Chanel

Em Versalhes, criatividade e tecnologia no tricentenário da morte do Louis XIV

galerie-glaces-hall-mirrors-chateau-versailles-palace-france-jcl

Comemorando dia 1 de setembro os 300 anos da morte do Louis XIV, o palácio de Versalhes mostrou muita originalidade, ao enriquecer ainda mais os roteiros dos numerosos visitantes – mais de oito milhões esse ano – do mais famoso conjunto arquitectural do século XVII, patrimônio mundial da humanidade.Duguay Trouin no Rio de Janeiro E se o “Rei Sol” tem algumas razões para não ser muito popular no Brasil – suas tropas saquearam duas vezes o Rio de Janeiro e ele tentou empurrar as fronteiras com a Guiana do Oiapoque para o Araguari -, seu deslumbrante palácio é um dos favoritos dos viajantes brasileiros, que representam 4% dos visitantes estrangeiros.

home_domaine

Na riquíssima programação do Tricentenário, alguns eventos merecem ser destacados pela criatividade e a atualidade, mostrando que as homenagens às glorias do passado podem combinar com divertimento e vanguardismo tecnológico. Quarto do Louis XIV no Grand TrianonDuas exposições – o Grande Trianon de Louis XIV até Charles de Gaulle e “Le Roi est mort”–  vão mostrar peças originais, algumas completamente desconhecidas do grande público. Mas para melhor divulgar essa segunda exposição, o Palácio de Versalhes se associou à companhia telefônica Orange para lançar um “MOOC” (Massive Online Open Course), uma formação aberta a todos, com um conteúdo cultural inédito e sete sequências com vídeos, podcasts, quizz lúdicos e o foro de chat com os palestrantes. Com inscrições abertas desde o dia primeiro de setembro, o curso vai entrar no ar no dia 26 de outubro e quem conseguir chegar ao final, dia 4 de janeiro, ganhará um diploma de Versalhes!
th-pichon_funeerailles-royales-de-louis-xiv-site
Um outro evento excepcional será o concerto “Les funérailles du Roi”, dias 2 e 3 de novembro. louisxivInspirados das cerimônias funerárias que começaram no dia 9 de setembro 1715, no Palácio de Versalhes, continuaram durante 40 dias na Basílica de Saint-Denis, e que se entenderem depois na Sainte Chapelle e na catedral Notre-Dame-de-Paris, o maestro Raphaël Pichon e sua orquestra “Ensemble Pygmalion” inventaram um espetáculo único. Na Capela Real do Palácio, serão interpretadas as músicas tocadas e cantadas nos funerais, primeiro na câmara mortuária, depois na procissão. E comemorando as últimas cerimônias em Notre-Dame,  a orquestra fechará o concerto com o “Dies Irae de Delalande”.

Capture d’écran 2015-09-01 à 18.02.03

Quem procurou na terça-feira passada o hashtag #LouisXIV foi surpreendido pela audácia e pela inovação do Palácio de Versalhes. Túmulo do Louis XIVPara recriar a tragédia nacional, que foi a morte do Louis XIV depois de um reinado de 72 anos, os organizadores do Tricentenário não só abriram o site Leroiestmort.com, mas também criaram uma conta Twitter @cversailles e o hashtag especial #leroiestmort, dando assim aos usuários de mídias sociais a possibilidade de seguir, minuto a minuto, o impacto da morte do Rei Sol e os acontecimentos da época através dos meios de comunicação do século XXI.  E o twit “Le Roi est mort, Vive le Roi”, poderia ter sido, nesse 1 de setembro 1715,  o mais visto da história.  

Jean-Philippe Pérol

20071365