As camélias da Chanel virando atração turística na França

Coco Chanel nunca explicou a sua paixão pelas camélias

Se a camélia era a flor preferida de Coco Channel, há anos que sua famosa maison de alta costura não a encontrava mais na França. Perto de Biarritz, cidade pela qual Mademoiselle Chanel se apaixonou em 1915 e que inspirou um dos seus perfumes, a Maison Chanel lançou em 2018 um projeto de “fazenda das camélias”.  Na cidade de Gaujacq, famosa pelo seu castelo do século XVII, uma área de 40 ha virou um verdadeiro laboratório, produzindo milhares de flores sem produtos químicos, no respeito dos ecosistemas e da biodiversidade, e sob a direção do viveirista e pesquisador Jean Thoby.

A Camellia japonica Alba Plena introduzida em Gaujacp

Foi Jean Thoby que convenceu a Chanel de escolher Gaujacq, pequeno vilarejo da 450 habitantes onde ele trabalha há vinte anos num excepcional “Plantarium”de 2000 variedades de camélias, inclusive a variedade branca que Coco Chanel tinha escolhido.  Na terra rica dessa região, março é o pique da florada da « Camellia Japonica Alba Plena ». É a época da colheita dessas flores brancas, delicadas mas sem perfume, que devem ser colhidas manualmente. Serão necessárias 2200 flores para cada kilo do ativo hidratante que entram na composição da linha de cremes lançada em 2009.

O Plantarium de Jean Thoby

Jean Thoby gosta de lembrar que a Alba Plena é muito difícil de plantar, e que foi necessário dez anos de trabalho, e que sem o patrocínio da Chanel essa variedade teria desaparecido. O sucesso só chegou depois de muitos testes. Foi necessário encontrar uma região com o clima adequado, e trazer as primeiras mudas. Elas vieram de um viveiro da família em Nantes, onde existiam varios pés adquiridos do fornecedor da Exposição universal de Paris de 1900. Os pais do Thoby contavam que a Coco Chanel teria visto as camélias durante uma visita, ou numa floricultura da rua Cambon em Paris que tinha o mesmo fornecedor.

O castelo de Gaujacq, tombado pelo patrimônio histórico

O projeto da Chanel ainda não aparece nas rotas turísticas,  mas o proprietário do castelo de Gaujacq já está aproveitando a notoriedade internacional que tragam novos turistas para as visitas guiadas desse monumento com arquitetura original e apartamentos mobiliados. Chanel ajudou também nos investimentos, financiou a renovação dos salões de festas que serão em contrapartida exclusivamente utilizados para os eventos do grupo ou para exposições culturais abertas ao público. As obras do caminho de ronda das camélias e uma nova sinalização turística, informando sobre as variedades da flor, vão facilitar as visitas.

Não se sabe porque a Coco Chanel tinha escolhida as camélias  como suas flores favoritas.  Solidariedade com o trágico destino da heroína do livro “La Dame aux camélias” do Alexandre Dumas, homenagem a liberdade associada com essa flor pela Princesa Isabel, saudade do primeiro buquê oferecido pelo seu grande amor Boy Capel, ou referência ao escritor Marcel Proust, Chanel nunca explicou as razões da sua paixão. É porem certo que ela utilizou essas flores em todas as suas coleções tanto de moda que de joalharia. Agora vindo de Gaujacq, as camélias vão continuar a estar presentes nos seus cosméticos e nos seus perfumes.

O Ritz voltando com seus mitos, sua história e sua excelência

A praça Vendôme e sua coluna comemorando as vitorias do Napoleão

A praça Vendôme e a coluna comemorando as vitórias do Napoleão

Honrando sua lendária discrição, e agora esperando a sua classificação de Palace , o Hotel Ritz reabriu suas portas Place Vendôme no último dia 14 de Junho depois de quatro anos (e de 400 milhões de Euros) de completa renovação. A inauguração do Ritz em 1898Se o mais famoso dos hotéis de Paris não pertence mais, desde 1979, a família do seu fundador, o novo proprietário, o excêntrico empresário britânico Mohamed Al Fayed, fez questão de conservar os valores que o Cesar Ritz exigiu de seguir nas obras de 1897, a elegância do classicismo e o conforto da modernidade. Transformando os então Hotel de Gramont, residência de prestigio do final do século XVIII, num grande hotel de luxo, Ritz respeitou a arquitetura original, mobiliou os salões e os quartos com moveis da época, mas exigiu que não faltassem as novidades tecnológicas de 1898: elevadores, telefones, luz elétrica e banheiros em cada um dos 159 quartos.

O Hotel Ritz renovado abriu com 17 quartos a menos, mas com a mesmo vontade de reinventar uma experiência  combinando seus três séculos de tradições com as mais modernas tecnologias do terceiro milênio. Para entrar no hotel, conservaram a tradicional porta giratória, mesmo se agora automatizada, e o lobby continua localizado na famosa galeria, mas abriu-se um novo espaço, o salão Marcel Proust, uma grande biblioteca onde será servido chá “a francesa” acrescentado com as “madeleines” favoritas do grande escritor. IMG_8501Um novo pátio, o terraço Vendôme, separa dois jardins de inverno com inovadores tetos retráteis que ampliam o bar Vendôme e o restaurante gastronômico L’Espadon. Em volta das mesas, a decoração manteve as tradicionais poltronas Luis XV, com seus ganchinhos de pendurar bolsas que o Cesar Ritz se orgulhava de ter inventado. E no famosíssimo Bar Hemingway, o hotel faz questão de confirmar que tudo foi refeito mas que absolutamente nada mudou, inclusive o bar-tender e sua fama de melhor bar-tender do mundo. Uma fama que o Colin Field merece, tanto pela qualidade dos coquetéis que ele colocou no seu cardápio que pelas historias que ele conta com prazer e talento para os seus visitantes.

O Bar Hemingway

O Bar Hemingway

Para subir para os quartos, a escada monumental do Ritz é impressionante de grandeza com seu corrimão  de ferro forjado e cobre, e seu tapete vermelho estampado com barras de latão . No primeiro andar fica a suite Imperial, com seis metros de pé direito, seus tecidos de seda selvagem e sua cama isolada do resto do quarto com uma balaustrada. A suite Vendôme do RitzNo segundo andar destaque-se a suite Coco Chanel com moveis dos anos 50, e um biombo de laca chinesa. Nas suites, e também nos quartos, peças de arte ou moveis únicos personalizam cada ambiente. A tecnologia é presente em todo os detalhes – luzes, cortinas, televisão, som ou ar-condicionado – mas o designer fez questão de guardar as caixinhas com botão inventadas pelo próprio Ritz para chamar as camareiras.

Coco Chanel num salão do Ritz

Coco Chanel num salão do Ritz

Mas o Ritz não deve somente a sua fama a seus quartos ou aos seus bares ou restaurantes, mas as personalidades que marcaram a sua historia e, em alguns casos, construíram o seu mito. A historia confirma que personalidades famosas como Jean Cocteau, Colette, Vanderbilt, Rockefeller, Hemingway, Scott Fitzgerald, Charlie Chaplin  ou Otto de Habsburg frequentaram o hotel.  HemingwayDurante a Primeira Guerra virou hospital militar, e foi ocupado durante a Segunda pelos alemães, um deles sendo o amante da Coco Chanel que morou mesmo durante 37 anos em varias suites do hotel. O Hemingway contribui ao mito, inventando que tinha pessoalmente liberado o Ritz en agosto 1944 com um grupo da Resistência francesa, deixando uma conta de 51 dry Martinis no Bar que hoje tem o seu nome, e no qual escreveu uma linda declaração de amor para esse hotel fora do comum: “Quando eu sonho do Paraíso, a historia sempre acontece no Ritz de Paris.”

Jean-Philippe Pérol

O Spa agora administrado pela Chanel

O Spa, agora oferecendo produtos da Chanel