Novidades no turismo alem do Oiapoque

As Ilhas da Salvação, ponto turístico imprescindível da Guiana francesa

As Ilhas da Salvação, ponto turístico imprescindível da Guiana francesa

Com novos voos da Azul entre Belém e Caiena, com a abertura (prevista agora em setembro) da ponte sobre o Rio Oiapoque, e com a facilitação dos vistos, os profissionais da Guiana francesa estão acreditando que o turismo entre os dois países deve entrar numa nova fase de desenvolvimento. Dono da mas importante empresa de receptivo da região, a JAL Voyages,  Jean-Louis Antoine acredita que as inovações tecnológicas e os novos produtos turísticos sustentáveis vão criar oportunidades para o turismo amazônico

Eco-lodge da JAL nos pântanos de Kaw

Eco-lodge da JAL nos pântanos de Kaw

Quais são as novidades do turismo na Guiana francesa ?

A região amazônica tem um forte potencial de produtos originais que não podem ser encontrados em outros lugares. São por exemplo os eco-lodges flutuantes ou as hospedagens na canopeia, ou projetos de pequenos barcos movidos a energia solar, com motores elétricos ideais para não poluir e aproveitar a natureza. Os viajantes querem emoção, querem experiências autenticas, podendo mergulhar nas culturas locais . O papel dos guias, em geral índios ou caboclos, é fundamental para valorizar cada descoberta, seja de uma arvore, de um animal ou de uma paisagem. As excursões propostas agradem os turistas, mas o potencial é muito grande, muito alem dos 200.000 visitantes que a Guiana francesa recebe cada ano.

As cataratas Voltaire

As cataratas Voltaire

Quais são os freios ao crescimento?

O turismo sendo uma atividade transversal, os maiores problemas são as dificuldades de coordenação entre todos os envolvidos. As administrações são competentes e querem ajudar, mas são divididas entre os níveis federal, estadual e municipal, cada um com suas orientações, cada um com seu ritmo, e sem coordenação. Assim as coisas podem andar de um lado  e bloquear no outro. ob_72fbbe_fabius-et-jl-antoineResolvem os problemas de vistos – inclusive para os brasileiros-, mas parem na legislação do setor imobiliário ou na insuficiência de capacidade hoteleira. Dentre dos maiores problemas ainda não resolvidos, destaque-se hoje as exigências de vacinas contra a febre amarela bem como as preocupações dos americanos e dos europeus com a zika. A situação é controlado, mas os clientes são muito relutantes para se vacinar, mesmo si as exigências são impostas pela Organização mundial da saúde para todos os países da região . As pesquisas mostram mesmo que 30% deles desistam da viagem, mais ainda quando são famílias com crianças.

A ponte sobre o Rio Oiapoque

A ponte sobre o Rio Oiapoque

Qual é a primeira urgência para um desenvolvimento turístico sustentável?

A grande prioridade é a capacitação profissional. O turismo pode virar na região amazônica o primeiro empregador, direto ou indireto. Tem que ampliar as vagas nos centros de formação hoteleira ou culinária, ou nos centros de artesanato . A formação de guias –  hoje vinte pessoas por ano que recebem um diploma de qualificação em meio-ambiente amazônico – é essencial, não somente para melhorar a experiência do turista, mas também para atrair para o turismo as populações locais e valorizar os seus conhecimentos do meio ambiente natural e do acervo cultural da Guiana. Inovar na Amazônia é não somente uma necessidade tecnológica, mas também um investimento humano.

 

Esse artigo foi traduzido e adaptado de um artigo de Bertrand Figuier na revista profissional on-line La Quotidienne

Trilhas na mata da Guiana

Trilhas na mata da Guiana francesa

A França, do Oiapoque ao Maroni!

DSCN2053

O Brasil, do Oiapoque ao Chuí, isso tudo mundo sabe. Mas além do Oiapoque? Isso, poucos sabem, pelo menos poucos franceses. Là começa a França ou mais exatamente uma região francesa, a Guiana, que se estica da fronteira Brasileira até a beira do Rio Maroni.

Explorada no século 17 pelo mesmo Daniel de la Touche que fundou São Luiz do Maranhao, a Guiana teve uma historia difícil. Uma longa disputa territorial com o Brasil (que ocupou a região durante as guerras com Napoleão)  so acabou com a arbitragem do Presidente da Suíça em 1900, por sinal 100% a favor do Brasil. Imagem1Arruinada pela saída dos jesuítas, a economia foi marcada pelas desumanas condições de trabalho, primeiro da mão de obra escrava e depois dos condenados ao famoso ‘bagne’. Uma corrida para o ouro no final do século 19 trouxe um surto de riqueza e novos imigrantes (junto com um tio-bisavô meu), mas o ouro quase acabou até que garimpeiros brasileiros – hoje quase 3000 – se interessassem de novo pelas jazidas esparsas no meio da selva. São muitas historias que foram escritas em comum com o Brasil, desde o roubo do primeiro cafeeiro pelo amante brasileiro da bela governadora até as aventuras da Saraminda tão bem contadas pelo Sarney no seu livro sobre o Contestado.

A uma hora de avião de Belém, IMG00252-20110905-1613ou seis horas de Macapá pela estrada, a Guiana pode ser uma opção para turistas querendo descobrir uma Amazônia diferente, onde os supermercados tem mais ‘camembert’ que açaí, os bares mais Bordeaux que cachaça, onde se anda mais de carro que de canoa e onde os restaurantes oferecem tanto carne de jacaré do que ‘filet au poivre’. Por sinal o melhor restaurante da região é o Paris Cayenne cujo chefe consegue com muitíssimo talento misturar ingredientes e ideias vindo da França metropolitana, da Amazônia e do Brasil.

Uma estadia nesse além-Oiapoque tem que começar no Bar des Palmistes, o mais tradicional de Caiena, num prédio tombado e muito bem renovado, de frente para uma linda praça plantada de palmeiras imperiais. L1040067Nos arredores, vale andar no Mercado municipal onde se fala tanto francês que creole, taki-taki ou (mais ainda) português. Casas e sobrados coloridos da época colonial  dividam as ruas principais com lojas de perfumes ou de jóias de ouro (passar no Jan d’Or, um pequeno artesão creativo e simpático). Se a cidade vale pelo charme do ambiente tropical e francês, o turismo na Guiana tem alguns imperdíveis.

DSCN1284Em primeiro as Iles du Salut, em frente da cidade de Kourou. As três ilhas são famosas porque foram um dos presídios mas duro da Guiana. Na maior, a Ilha Real, ficava o governador e os presos comuns. Sobrou muitos prédios, incluindo os mais importantes onde fica o restaurante e   um pequeno mas simpático hotel onde vale a pena ficar uma noite. Na segunda ilha, São José, ficavam os presos mais perigosos, em condições terríveis ainda visíveis nas ruínas das células a céu aberto. Enfim, na terceira, a Ilha do Diabo, ficavam os presos políticos cujo  mais famoso foi o injustiçado Capitao Dreyfus. IMG-20120705-00504A cidade de Kourou é famosa pela base de lançamento de foguete (que tem por sinal cooperação com Alcântara e Barreira do Inferno no Brasil). Se tiver sorte, pode ter a chance de ver um lançamento de Ariane, Soyouz ou Veja, os três tipos de foguetes lançados quase mensalmente.

Na beira do Rio Maroni, fronteira com o Suriname, Saint Laurent é a segunda cidade da Guiana, e guarda um impressionante acervo da época dos presídios, incluindo o famoso Camp e la Transportation por onde transitou Papillon…DSCN3931 Se hospedando aqui, na Tentiaire, dá para uma interessante excursão pelo rio até a cidade de Apatou, famosa pelas artes quilombolas. E se for là entre  maio e setembro, ai não perca o fabuloso espetáculos das tartarugas de couro pondo na praia de Awala.

Genuinamente amazônica, a Guiana oferece ao turista muitas belezas, muitas atividades e muitas tradições conhecidas também no Norte do Brasil:DSCN30014 banhos em igarapés de agua fresca (experimente Iracubo ou as cataratas de Montmorency), praias (a melhor é do Novotel em Caiena), passeios em trilhas de selva (o Morro dos Macacos não demora duas horas e da uma vista linda sobre Kourou),  focagem de jacarés em Kaw (excursões organizadas pela JAL voyages), bird watching de guarás, ou pesca esportiva nas ilhas para quem gostar de tarpão ou acupá. Não tem boi bumba mas tem um carnaval muito animado e uma tradição muito divertida. Nos maiores bailes da Guiana, as mulheres chegam vestidas de damas do século 18. Elas tem a cara, as mãos e o corpo totalmente escondidos com mascara, luvas, e meias. São as tululús que tem o privilegio de escolher os seus cavalheiros, esses sendo obrigados de aceitar sem saber qual é a mulher que se esconde atrás da mascara. Cuidado que pode até ser a sua! Ainda bem que isso, só além do Oiapoque.

Touloulous

Jean-Philippe Pérol