Viagens de negócios vão sobreviver a pandemia?

O glamour do Festival de Cannes transferido para 2021

Enquanto no inicio da crise as viagens de negócios pareciam os mais resilientes aos impactos do Covid19, somente 17% doa agentes de viagens brasileiros acham que esse setor está liderando a retomada. Na Europa, uma pesquisa feita pela Global Business Travel Association junto a profissionais do turismo, da hotelaria e do transporte aéreo revelou que 85% deles tiveram que enfrentar o cancelamento de todas ou da grande maioria das viagens corporativos, sendo que somente 12%  acreditava numa retomada das viagens internacionais em 2020, e 59% em 2021. No total, menos da metade dos entrevistados estavam esperando uma volta aos níveis pre-pandemia nos próximos 3 anos!

As reuniões virtuais agora incontornáveis mas nem sempre produtivas

Mesmo se muitas empresas ficaram interessadas pela queda espetacular dessas despesas provocada pela crise, elas acham que podem diminuir as viagens – sejam transportes, hospedagens e restaurantes- mas não podem cancelá-las. Encontros virtuais não sempre suficiente para medir riscos e oportunidades bem como para criar ou consolidar relações de confiança. Olhando o que aconteceu depois da crise financeira mundial de 2008, os consultores da McKinsey pensam assim que a retomada é certa, mas que será muito mais rápida para as viagens de lazer que para o setor corporativo onde poderia levar até cinco anos para ser completa.

As viagens  vão voltar, mas com normas diferentes

Mas se a retomada está chegando, e se os contatos reatados nas primeiras viagens de negócios serão com certeza produtivos, os especialistas são convencidos que ela será lenta e muito diversificada.  Em termos setoriais, as atividades mais atingidas pela crise não terão sempre os recursos necessários. Em termos geográficos, a China e os países do Sudeste da Ásia deveriam ser os primeiros a se abrir pelo seu controle da situação sanitária  e suas oportunidades de negócios. Ao contrário, e sempre segundo a McKinsey, os Estados Unídos e a América do Sul são áreas onde a volta a normalidade deveria demorar mais em função da evolução da luta contre o coronavirus.

O WTM LATAM, adiado para 2021 mas ganhando novas dimensões

Pesquisas e especialistas concordam porém para prever que quando a retomada chegar, as viagens corporativas não vão ser idênticas a aquelas que existiam ante da crise. Muitos encontros físicos serão mesmo transferidos em Skype, Zoom ou MS Team. Quando não for, essas viagens devem ser mais curtas, mais focadas nos centros industriais que nos centros urbanos, com reuniões em grupos menores, muitos cuidados com as normas sanitárias, e encontros sociais reduzidas ao necessário. Os congressos, as feiras e os salões serão os mais lentos a se reerguer, devendo se redimensionar em função dos novos protocolos, e ganhar dimensões virtuais ou multi-localizações. Para todos a sobrevivência necessitará muita criatividade.

Esse artigo foi inspirado de um artigo da revista francesa Courrier Internationsl

Ranking ICCA: Berlim, Paris e Barcelona na liderança dos eventos internacionais

Visto de Paris com o Palais des Congrès

Vista de Paris com o Palais des Congrès

Salientando que 2016 foi um ano excepcional, com mais de 12.000 congressos e convenções internacionais e um crescimento de 5% em relação ao ano anterior, a ICCA publicou hoje os seus esperados rankings dos países e das cidades que receberam esses eventos. Javits Center NYCNa lista dos países, as novidades são poucas: os Estados Unidos continuando a liderar, seguidos da Alemanha. A Inglaterra ficou em terceiro, subindo de uma posição e passando a Espanha. Atrás, a França, a Itália, o Japão e a China se mantiveram. Nos vinte maiores receptores, anota-se o crescimento da Bélgica e da Coreia, bem como a queda da Suíça. Ultrapassado pelo Canada, o Brasil conseguiu porém ficar numa honrosa décima primeira posição com 292 eventos.

O Salão ITB 2016 em Berlin

O Salão ITB 2016 em Berlin

As maiores mudanças foram no ranking das cidades, com Berlim ganhando três posições e chegando ao primeiro lugar, na frente de Paris que ficou em segundo, Barcelona subindo duas posições e ficando em terceiro. O top ten ainda inclui Viena, Londres, Madri, Singapura, e Istambul, entrando também pela primeira vez Lisboa e Copenhague. cidade-de-spMesmo com cautela, lembrando que esses números só se referiam a eventos organizados por associações internacionais, de forma regular, e rodando no mínimo entre três países, o CEO Martin Sirk da ICCA salientou também que os resultados de 2015 mostraram novas tendências. Os eventos estão se espalhando num número crescente de destinos internacionais, cidades menos concorridas conseguindo atrair cada vez mais os organizadores que parecem estar dando mais oportunidades para outsiders – talvez uma chance para São Paulo e Rio. Ao mesmo tempo, os eventos não registrados na contagem da ICCA, seja por não responderem a seus critérios, seja por serem organizados diretamente pelos destinos, estão cada vez mais numerosos.

A prefeitura de Paris

A prefeitura de Paris

Assim, se Paris passou ao segundo lugar desse ranking perdendo 28 eventos ICCA, a cidade recebeu no ano passado um total de 1004 congressos nacionais e internacionais, quase 3% a mais que no ano anterior. Com uma media de 758 participantes, o total de congressistas chegou a 760.000 trazendo para a cidade uma renda global de quase 1,2 bilhão de Euros. 30175Esses eventos são hoje a grande prioridade do turismo parisiense, que vai aproveitar em breve da renovação total do Centro das Exposições da Porte de Versailles, bem como de novas capacidades hoteleiras. E, para reforçar a atratividade de Paris junto aos organizadores, a Prefeitura de Paris, a Câmara de Comercio e o Convention Bureau assinaram com 17 grupos hoteleiros da capital – representando 651 hotéis e 77.000 quartos – um compromisso para segurar bloqueios de quartos e tarifas competitivas, bem como para aumentar os esforços promocionais para buscar novos eventos. Uma estratégia de todos os atores do turismo parisiense para melhorar mais ainda a liderança da cidade luz – incluindo o ranking da ICCA.

Jean-Philippe Pérol

Os ranking cidades e países 2015 da ICCA

Os ranking cidades e países 2015 da ICCA

 

%d blogueiros gostam disto: