Viagens de amigas, o turismo só para mulheres!

Viagens de amigas, a especialidade da agência francesa Copines de Voyage

As viagens de amigas foram nos últimos dez anos uma forte tendência, muitas opções para pequenos grupos de mulheres sendo agora oferecidos pelos profissionais: viagens culturais, esportivos, de cocooning ou de shopping, estadas em spa, saídas para eventos musicais ou gastronômicos. Segundo uma pesquisa da American Express, essas viagens atingem desde 2013 números recordes e 56% das mulheres já experimentaram uma viagem de amigas. Nos Estados Unidos, onde quase 2/3 dos pacotes são comprados por mulheres, uma forte proporção de viajantes têm mais de 60 anos e procuram experiências com atividades, encontros com os moradores ou projetos filantrópicos. Para todas, a saúde e a segurança são dois dos critérios chaves nas escolhas tanto do destino que dos serviços.

filles resort ontario

Os resorts do Ontario, no Canada, investem na diversificação das viagens de amigas

Nos Estados Unidos e no Canada os hotéis oferecem há anos pacotes para grupos de amigas, com atividades  como spa e massagens, shopping ou gastronomia. Outras ofertas mais originais incluam trilhas, yoga, jogging, iniciação ao termalismo ou conferencia sobre nutricionismo. Alguns hotéis estão investindo em mais divertimento e até em aventura. Assim os Resorts of Ontario que criaram um site especial onde as atividades para grupos de amigas incluem aulas de poker, cursos de mixologia, palestras sobre jóias. As esportivas podem participar de semi maratona ou até de triathlon, descobrir o paintball ou o Mountain Bike.

Ibiza, Mykonos, Monte-Carlo ou Saint-Tropez, destinos preferidos para festas de amigas

Ibiza, Mykonos, Monte-Carlo ou Saint-Tropez, destinos preferidos para festas de amigas

Muitos destinos já estão fazendo pacotes especiais para grupos de amigas. Na América do Norte destaca-se o Tennessee e a cidade de Chattanooga com ofertas incluindo spa, cursos de bijuteria, visitas de vinhedos, descobertas gastronômicas e dicas para shopping. Toronto é talvez o destino que investiu mais nos  “finais de semana de meninas“, propondo no seu site cinco circuitos incluindo luxo, spa, gastronomia, shopping, museus e saídas noturnas. Na Europa, alem do romantismo de Paris ou Praga,  dos destinos festeiros – de Ibiza a Saint Tropez-,  uma viagem de amigas pode ser a ocasião de descobrir destinos fora das rotas tradicionais. Seguindo as recomendações do Cosmopolitan, Budapest, La Rochelle, Valence ou Calvi são excelentes opções.

Mulheres

Mulheres pelo mundo, agência oferecendo viagens de grupos para mulheres

Algumas agências de viagens e operadoras já começaram a oferecer pacotes para grupos de amigas. Nos Estados Unidos é o caso da Wild Women Expeditions que proponha para mulheres acima de 25 anos viagens com atividades esportivas. É também a história da World Expeditions, especializada em turismo de aventura. Vendo que as mulheres representavam 54% dos seus clientes, essa operadora vai lançar esse ano novos produtos com grupos femininos. Na onda da economia colaborativa, algumas agências especializadas viraram verdadeiras redes sociais conectando mulheres procurando companheiras de viagem. E o caso do site francês Copines de voyage – ja com 80.000 participantes-, ou da agência de viagem brasileira Mulheres pelo mundo que coloca em contato mulheres para preparar, desenhar e viver suas próximas viagens.

Esse artigo foi traduzido e adaptado de um artigo original de Chantal Neault na revista profissional on-line Reseau de veille en tourisme, Chaire de tourisme Transat 
Viagem de amigas das heroínas de Sex and the City

Viagem de amigas das heroínas de Sex and the City

Cartão postal da Île de Ré

Brasil à Francesa

DSCN8441Entre vinhedos e salinas, a Île de Ré, na região Charente-Maritime, frente à La Rochelle, oferece um charme ao qual não resisti! Pequenas ruas cheias de casas enflorescidas cada uma mais linda que outra. As leis de proteção ambiental e arquitetural protegeram o patrimônio e a natureza e reforçaram  o estilo de viver característico do litoral atlântico. Em agosto passado, paramos alguns dias na casa de amigos, localizada no chiquerimo vilarejo de Ars-en-Ré onde se escondem os mais discretos artistas parisienses e os políticos, longe de Saint-Tropez e do tumultuo da Côte d’Azur. Aqui, você troca a Ferrari para a Mehari, e vai na feira de rua comprar ostras de bicicleta.DSCN8464

A ilha foi fortificada no final do século 17 pelo famoso Vauban e os oito quilômetros de muralhas e o porto fortificado de Saint Martin, foram decretadas em 2008 “patrimônio mundial da humanidade”. O farol das baleias é…

Ver o post original 254 mais palavras

Turismo na “Ile de Ré”, o luxo nascendo da simplicidade

Relais Châteaux em Saint Martin en Ré

A sofisticação dos turistas encontrados nos cais da marina, nas praias, nos bares ou nos restaurantes de Ars-en-Ré poderia parecer a mesma que em Saint Tropez, Biarritz ou Deauville. O viajante vai porem logo perceber que a Ile de Ré,  pequena ilha francesa a 200 quilômetros de Bordeaux, tem um ambiente e uma vida social bem diferentes. Bicicleta em Ars en RéChique aqui não é andar de Ferrari mas de bicicleta ou de Mehari (um carro popular fabricado pela Citröen nos anos sessenta), bem sucedido não é mostrar um iate de cem pés com dez marinheiros mas sair sozinho do antigo porto dirigindo o seu pequeno veleiro, gourmet não é correr atrás de restaurante gastronômico mas mostrar a seus amigos seus talentos de chefe amador. E no porto da cidade vizinha de Saint Martin en Ré, o Relais et Châteaux só tem 20 suites e quartos escondidos num prédio do século 17.

As fortificacões de Saint Martin, patrimônio mundial da Unesco

A historia faz parte do charme da ilha. Sede de muitos confrontos durante as guerras de religiões, cobiçada pelos inglês e os holandeses, a ilha foi completamente fortificada no final do século 17. Os oito quilômetros de muralhas e o porto fortificado de Saint Martin, construídos pelo famoso engenheiro militar Vauban, foram decretadas em 2008 “patrimônio mundial da humanidade”. Os viajantes gostam também do imponente Farol das Baleias.Farol das Baleias e arredores Subindo os seus 257 degraus, e seus 57 metros de altura, aproveita-se duma vista excepcional sobre as praias, o antigo farol do Vauban, e as “eclusas”, armadilhas de pedras usadas pelos pescadores desde a Idade Media para pegar peixes e crustáceos . Outrora terminal do trem que percorria a ilha, a parque do Farol é também centro de muitas atividades de lazer, bem como a sede de um simpático e concorrido festival de jazz durante o mês de Agosto.

A Ponte da Ile de Ré para La Rochelle

Hoje ligada ao continente por uma ponte de 3 quilômetros, a Ile de Ré ficou mas acessível. Mas se a população chega em Agosto a 200.000 habitantes, os vilarejos não perdem o seu tão peculiar ambiente onde o luxo sempre combina com a simplicidade.Venelles de Ars en Ré Nas “venelles” (assim se chamam as ruas da Ile de Ré) floridas, atrás das fachadas brancas e das portas discretas, escondem se casas de alto padrão (que podem ser alugadas), com piscinas e pátios arborizados . Nos mercados, nas feiras livres e nas lojas, pouco “show off”, a preferência vai sempre para produtos autênticos,  “Fleur de sel” das salinas da ilha, Pineau des Charentes (vinho branco produzido localmente e fortificado com Cognac), artesanato “rhétais” ou das regiões próximas (sejam Poitou, Bordelais, Vendée ou Britânia), vestuário útil e com muitas referencias ao mar e a marinha. Café du CommerceOs bares e restaurantes participam também do espírito da Ile de Ré. Seja para um café da manha no Café du Commerce ou no Le V, um aperitivo no Pirates ou no La Cabane de la Patache, um jantar no Fleur de Sel ou no Taxi Brousse, o serviço é sempre descontraído e personalizado. A sofisticação e a exclusividade são trazidos pelo próprio publico, vindo do Quartier latin de Paris, mas também do mundo inteiro, criando um “je ne sais quoi”  onde o verdadeiro luxo é gozar da simplicidade.

Jean-Philippe Pérol

Passeio de veleiro

Veleiro na Praia das Portas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Na França, o turismo colaborativo invade o alto luxo!

 

Luxo em Paris

Dar carona num Maserati, co-aluguar um jato particular, trocar lugares em palaces, comprar com amigos reservas de caça ou pesca, fazer compras num brechô, mesmo para quem pode, a moda não é mais aparecer mas dividir, o chique é compartilhar os seus sonhos.Compartindo Jatinho Na França, a chamada “economia colaborativa” está agora chegando ao turismo de luxo. Esse novo trend nasceu de uma verdadeira preocupação econômica,  para gastar menos usando os mesmos bens ou serviços, mas é também fruto de outras tendências, a vontade de não desperdiçar, de não poluir o planeta, ou a procura de convivialidade com negociações diretas de particular a particular. É essa vontade de contatos e de intercâmbios que atraiu os “very rich”, que não estão em falta de dinheiro mas que são tão atraídos quanto os emergentes pela idéia de negócios 2.0 . Para esse público, muitas plataformas, todas proclamando “Mais share, melhor”, se especializaram no “luxo colaborativo”.

Deauville com classe

As vezes apresentada como o AirBnb da alta sociedade, a startup  Le Collectionist  oferece  desde 2013 para seus (muitos) seletos associados casas particulares de altíssimo padrão, as vezes pertencendo a personalidades. verbierPode assim alugar a casa  do Richard Branson em Verbier, mas terá que explicar o motivo. São vetados as festas incontroladas  que podem acabar em « Very Bad Trip », e sempre aprovados os aniversários de casamento. Nesse círculo muito fechado, nada de quartinhos em Miami para surfistas amadores de sanduíches. As ofertas ficam em Deauville ou Saint Tropez, no Caribe em Saint Barth ou Saint Martin. O site oferece também  um serviço de concierge capaz de encontrar um chefe, alugar um helicóptero ou arrumar um iate.Casas em Saint Martin Mais urbano, e menos dispendioso, o site onefinestay.com oferece de viver em Paris feito um parisiense, ou em Londres feito um Londrino. Sendo, claro, um parisiense do Marais ou um Londrino de Covent Garden ! Virou também chiquérrimo de expor umas propriedades nesse site, os descritivos nas telas competido com as paginas dos magazine de decoração.

Iates a compartir

Carros de luxo, jatos particulares ou iates também podem ser encontrados em sites colaborativos. cojetage.com oferece dia 28 de Maio quatro assentos no Cessna Mustang de Genebra para Calví por 600 Euros cada um.ToysClub Com uma assinatura de 7000 a 27 500 euros, o  Toys Club lhe da acesso o ano inteiro aos mais cobiçados carros do mundo. Os sócios – franceses ou estrangeiros- podem assim aproveitar Paris, Cannes ou Megève de Bentley, Ferrari ou Aston Martin, “sem as chateações do proprietário”. No site shareboat.fr  são iates ou veleiros de luxo que são oferecidos a partir de marinas muito seletas como Arcachon, La Baule ou La Rochelle para um pequeno grupo de sócios muito seletos. Seleto, talvez a palavra chave do turismo colaborativo quando se trata de luxo, e as ofertas exageradamente abertas não vão agradar esse público. 

Freepstar, o brechó do luxo

Em todo os setores, o compartilhamento, o aluguel, a troca ou a segunda mão de produtos de luxo estão crescendo de forma impressionante. Pedir uma jóia emprestada ou alugar um vestido longo, encontrar uns sapatos  “vintage” ou trocar bolsas de grandes marcas com amigas, são agora atitudes vanguardistas, pensadas, chiques e colaborativas. É porém claro, vendo a multiplicidade das ofertas que aparecem nas telas, que o turismo está essa vez antecipando as tendências dos consumidores.

Esse artigo foi traduzido e adaptado de um artigo original de Valerie de Saint Pierre no Le Figaro do 22 de Maio de 2015

Ferrari para todos

O Hermione, o novo sonho do Marquês de La Fayette.

SAIDA DE LA ROCHELLE

Não foi somente uma copia do Hermione, o navio que levou em 1780 o Marquês de La Fayette para os Estados Unidos, que zarpou ontem de Rochefort, pequeno porto do oeste da Franca. Foi também um sonho louco, nascido hà 25 anos atrás: reconstruir a partir das plantas do Concorde (o navio irmão do Hermione), e com as técnicas da época, esse veleiro de 65 metros de comprimento e 11 metros de largura, com seus 2200 metros quadrados de velas e seus 26 canhões.

A associação Hermione La Fayette, que conduziu o projeto a partir de 1997, levou 18 anos para ver o sonho virar realidade. OS BARRISFoi necessário encontrar os engenheiros e os artesãos capazes de construir um navio do século XVIII, respeitando as plantas e os materiais da época, mas obedecendo as exigências da navegação moderna – motores auxiliares, radares ou GPS – bem como as normas de conforto do século XXI. Formar a tripulação foi uma outra dificuldade, mesmo se os avanc1os tecnológicos vão permitir de reduzir o numero de marinheiros, 240 na época e somente 80 hoje, sendo 19 profissionais e 61 voluntários – homens e mulheres.

A HERMIONE SAINDO DE ROCHEFORT

O maior desafio foi sem dúvidas financeiro. Precisou juntar 26 milhões de euros, com bastante apoio politico (a região Poitou-Charente doou quase 6 milhões, a cidade de Rochefort também contribui), e mais ainda com muita criatividade. Durante os 17 anos da construção, 4 milhões de visitantes pagaram as suas entradas – um total de quase 9 milhões de euros. Presidida pelo Henry Kissinger, a associação “The friends of Hermione La Lafayette” levantou a metade dos 6 milhões necessários para financiar a viagem que levará o Hermione nos passos do “herói dos dois mundos”. YORKTOWNA primeira escala será dia 5 de junho em Yorktown, no local historico onde as tropas francesas e os insurgentes americanos  assinaram a vitoria decisiva contra o exercito inglês. Depois de duas paradas em Filadélfia e Baltimore, o maior evento será sem duvidas em Nova Iorque onde a presencia do navio do Marquês de La Fayette no dia 4 de Julho não passará despercebida. É prevista uma escorta de centenas de barcos e um espetacular desfile frente a estátua da Liberdade, essa obra de Bartholdi que  também homenageou a amizade entre a França e os Estados Unidos.

4 JULHO EM NOVA IORQUE

Se os Presidentes Francois Hollande e Barack Obama deram para esse viagem uma grande dimensão política, lembrando os valores de liberdade e de coragem que uniam os voluntários franceses de 1780 e os rebeldes liderados por Washington, o turismo deve porem ser o grande beneficiado do projeto do Hermione. O navio estará de volta em Rochefort dia 29 de Agosto. Com uma excepcional projeção no Estados Unidos e no mundo inteiro, o antigo porto militar, e suas vizinhas Cognac e La Rochelle,  devem ser duvidas virar um novo destino para os turistas franceses e internacionais – incluindo brasileiros.

Jean-Philippe Pérol

HERMIONE LA FAYETTE