Street Art: São Paulo, claro, mas também Paris ou Lille!

1 ok

Recebendo há pouco tempo um amigo francês e perguntando o que ele queria ver em São Paulo, fiquei surpreso pela sua resposta: Street Art, porque nessa arte os paulistanos são uns dos líderes mundiais. Na verdade, ver os murais e os prédios pintados de São Paulo era mesmo o principal motivo da sua viagem. Valeu então recordar que se a capital paulista virou mestre nessa arte, outras cidades no mundo se destacam, inclusive na França não somente Paris mas também Lille.

A arte de rua virou hoje parte essencial das paisagens urbanas, e até integrou os pacotes turísticos dos profissionais do setor. As vezes politizadas, as vezes reivindicativas, as obras podem ser legais ou ilegais, quase sempre temporárias e integradas a construções urbanas. Não precisando da bilheteria de um museu, elas são oferecidas a toda população (e a todos os turistas).

2 ok

As prefeituras reagiram de formas diferentes a essa nova expressão artística e a suas perspectivas para o turismo. Filadélfia por exemplo decidiu há 30 anos valorizar tanto as criações (são 3000 obras na cidade) como os próprios artistas nos tours da cidade. Em Montreal a galeria Fresh Paint expõe obras de artistas nacionais e internacionais, e o Festival ‘Under Pressure’ tenta levar a arte de rua para a população.

Paris virou uma cidade pioneira no acesso do Street Art para os visitantes.3 ok O projeto Tour Paris 13, maior exposição de arte urbano do mundo, atraiu dezenas de milhares de turistas em outubro do ano passado durante o mês que antecipou a destruição programada do prédio onde as obras tinha sido pintadas. Um aplicativo específico, ‘My Paris Street Art‘, indica a localização das novas obras, dando as explicações necessárias e ajuda o visitante a enriquecer a base com suas próprias descobertas. A arte de rua ajuda também a levar o turista fora dos lugares tradicionais. Num subúrbio de Paris, ‘Vitry sur Seine’ virou assim um destino vedeta da cultura urbana, esbanjando modernidade, poesia e abertura nas fachadas até então cinzas e tristes.

4 ok

Desde 2004, quando foi premiado como Capital europeia da Cultura, a cidade de Lille está oferecendo espaços de criação para a arte de rua. E a partir de 2013 começaram a integrar essas obras nos roteiros turísticos. Acompanhado ou não de um guia profissional, um passeio de bicicleta ajuda a descobrir as maiores realizações de vários artistas de rua, franceses, japoneses ou australianos. No ano passado a cidade recebeu também a primeira Bienal internacional de Arte Mural que deu um impulso ainda maior a produção artística local.

xxxx

O turismo e a arte de rua podem então ter uma relação intensa e proveitosa, com novos produtos e novas motivações de viagens, emocionante interações com a população, e um forte impacto de renovação das imagens de destinos tradicionais. É porem importante que esse trabalho seja feito com transparência e sinceridade, respeitando o ambiente especifico dessa arte, sua marginalidade e seu caráter único que não podem ser banalizado num produto turístico comum.

Jean-Philippe Pérol

Esse artigo usou como uma das suas fontes um trabalho de Camille Derelle publicado no Réseau de veille en Tourisme da Chaire de tourisme transat de l ESG UQAM. Para ler o artigo original sobre esse assunto, um analise feito em parceria entre Tourisme Montreal e Réseau de Veille en  Tourisme, fazer seguir o link: http://veilletourisme.ca/2014/02/03/lart-de-la-rue-dynamise-les-destinations-touristiques/

Um pensamento sobre “Street Art: São Paulo, claro, mas também Paris ou Lille!

Deixar comentario

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s