Além do Oiapoque, as tartarugas de couro atraiam científicos e turistas

Tartaruga de couro pondo na praia de Awala-Yalimapo

Além do Oiapoque, nas praias de Caiena, de Remire-Montjoly ou da reserva natural de Amana, sombras gigantes saiam das ondas do mar e subam na areia.  De abril até agosto,  as tartarugas de couro andam com dificuldades para procurar o melhor lugar para por seus ovos. Com suas nadadeiras traseiras, ela cava a areia até o buraco ter a profundidade certa. Começa então um esforço intenso, no ritmo de uma respiração forte, para expulsar e depois enterrar uma centena de ovos. Exausta, a tartaruga de mais de meia tonelada vai então fazer três vezes a volta do seu ninho antes de de arrastar até as águas do oceano.

Tortue Luth © Anaele Sacchettini

A tartaruga volta para a água depois de por

Parte francesa da Amazônia, a Guiana é considerada um dos mais importantes lares de três tartarugas marinhas muito emblemáticas mas muito ameaçadas: a tartaruga olivácea, a tartaruga verde (ou aruanã) e a tartaruga de couro. Também chamada de tartaruga luth, essa última é um gigante do mar, o maior reptil depois dos crocodilos, o macho podendo medir até dois metros e meio e pesar mais de 900 quilos. Capazes de percorrer milhares de quilômetros no mar para se alimentar de medusas e águas-vivas, elas tem pontos de desovas tanto no Pacifico (Australia, Malásia e Costa Rica) que no Atlantico (Flórida, Africa, Caribe e mesmo nas margens da Foz do Rio Doce no Espírito Santo).

A corrida para o mar depois da eclosão é outro momento emocionante

O litoral da Guiana Francesa é porem o lugar privilegiado onde as fêmeas voltam para fazer seus ninhos, com até 18.000 desovas em 2018, principalmente nos cinco quilômetros da praia de Awala-Yalimapo, perto da foz do Rio Maroni e da fronteira com o Surinam. Desde os anos setenta, a importância destes sítios levou os científicos a chamar a atenção sobre a necessidade de uma politica de preservação frente as fortes ameaças de extinção que pesam sobre as tartarugas marinhas da Guiana, seja pelo recuo do litoral, pela caça descontrolada, e pelas perturbações animais ou humanas durante os momentos cruciais da desova e da eclosão dos ovos. 

A desova das tartarugas de couro atrai agora centenas de turistas, com um impacto importante sobre a economia e os empregos da região. Frente ao riscos ecológicos, a Rede tartarugas marinhas da Guiana coordena  os quarenta principais atores da fileira trabalhando seja nos projetos científicos de conservação seja no acompanhamento dos turistas. Na reserva natural de Amana os guardas da reserva organizam visitas em grupos, ensinando os bons comportamentos para viver essa experiência excepcional sem perturbar os animais. Voluntários da associação Kwata organizam também durante a temporada animações e conferencias de sensibilização para os mais jovens.