Da França para Suíça, as novas surpresas dos velhos caminhos!

saline-royale-arc-et-senans©cg25_lg

A França e a Suíça iniciaram no Brasil uma campanha para promover as muitas opções de viagens conjugando a Torre Eiffel e a Jungfrau, a Bahnhofstrasse e o Boulevard Haussmann, ou o Reno e o Rhône. Bale e Paris, o Reno e a SenaApoiada pelas empresas ferroviárias  francesas e suíças,  aproveitando o clima do Dia dos Namorados, a promoção “Paris- Suiça, c’est l’amour” oferece descontos e roteiros especiais para quem quer combinar os dois países durante esse verão. Mas alem das rotas tradicionais, será também para os brasileiros a ocasião de descobrir a região francesa fronteiriça , Castelo de Jouxo Franco Condado de Borgonha, que está inaugurando novos caminhos turísticos. Irmão caçula do Ducado de Borgonha – rico do seus vinhos – , o Franco Condado tem um patrimônio arquitectural surpreendente, herdado tanto do seu passado militar – como o famoso Fort de Joux onde foi encarcerado Toussaint Louverture, herói da independência haitiana – , que da sua riqueza mineira – o  sal, o outrora “ouro branco”.

A VIA SALINA

A Via Salina turística

Seguindo a antiga trilha dos vendedores de sal, a Via Salina que ligava as minas de Salins a capital da Suíça – Berna -, a associação Terra Salina recriou um itinerário turístico que pode ser percorrido de carro, de bicicleta, ou melhor ainda a pé, aproveitando. Atravessando as montanhas do Jura,  eles levem dos centro de produção (Arc et Senans ou Salins) até as cidades compradoras, (Berna ou Neuchâtel), passando pelos mercados, as vias comerciais, os lugares de transito e os centros termais onde eram utilizadas as águas salgadas.

A casa do diretor das salinas reais de Arc et Senans

O ponto mais espetacular do roteiro turístico é Arc et Senans, um pequeno Versalhes no meio do nada, aprovado em 1772 pelo Rei Luis XV e construído pelo arquiteto Claude Nicolas Ledoux. Salinas reais de Arc en senanNum lugar escolhido pela proximidade das minas e de grandes florestas, prédios industriais, escritórios, casa grande do diretor e senzalas de operários desenham um majestoso meio circulo de edifícios neoclássicos. Inspirado das grandes ideias dos filósofos do século das luzes, o projeto inicial incluía também uma cidade utópica, mas a Revolução de 1789 prendeu o Ledoux e parou as obras. SALINS LES BAINSMais majestosas que rentáveis, as Salinas Reais foram fechadas em 1895, e foram aberto para o turismo nos anos setenta. Primeiro sitio industrial declarado patrimônio da humanidade pela UNESCO em 1982, elas abrigam hoje um hotel, um restaurante, uma residência de artistas e muitos eventos culturais. O roteiro da Via Salina segue por Salins les Bains, também patrimônio mundial da UNESCO pelas suas minas de sal, suas fortalezas onde eram recolhidas as impopulares taxas ( a “gabelle”), e sua igreja coberta de telhas amarelas. Aproveitando as fontes de agua salgada, um centro termal oferece vários tratamentos a base de sal, grandes momentos de descanso para quem está fazendo a trilha caminhando…

640px-Gustave_Courbet_-_A_Burial_at_Ornans_-_Google_Art_Project_2

Antes de chegar em Pontarlier e de passar do lado suíço, o viajante ainda tem que fazer uma imperdível parada em Ornans. Esse linda vilarejo fique um pouco fora da rota, mas além de ser um notável conjunto de edifícios tombados, Restaurante O Courbet em Ornanscom casas e sobrados alinhados na beira do rio Loue, ele é o lugar onde nasceu e viveu o Gustave Courbet. O mestre pintou não somente a polêmica “Origem do Mundo”, mas também muitas telas retratando as paisagens e os moradores da região. E no restaurante da cidade, o “Courbet”, claro, não se deve esquecer de provar o famoso “vin jaune”, o vinho amarelo , o famoso vinho do Jura que acompanha com perfeição o Comté, o queijo dessas montanhas que unem a França e sua amada vizinha Suíça.

Jean Philippe Pérol

Vinho Amarelo e Queijo Comté