Bilionários inaugurando mais uma vez o turismo espacial?

Dennis Tito, o primeiro turista espacial da história

Em 2002, na abertura da primeira edição do ILTM de Cannes, o Diretor do salão destacou um dos expositores que , segundo ele, mostra o caminho do turismo do futuro: era uma operadora que oferecia por uns 20 milhões de USD o primeiro passeio no espaço. Co-presidindo o evento, o então diretor geral da Maison de la France, fez questão de lembrar que era sem dúvidas um acontecimento, mas que com certeza os viajantes que aceitavam de pagar um tal preço par uma experiência de alguns minutos não representavam mais que uma micro-niche que não ia acrescentar muitas receitas ou muitos empregos ao desenvolvimento sustentável do turismo internacional.

Guerra de egos ou nova era do turismo mundial?

Quase vinte anos e dez clientes depois, o turismo espacial volta a ser noticia, essa vez como competição de ego três bilionários mediatizados, todos com grandes investimentos nos transportes para o espaço: Egon Musk da Tesla- que teria sempre sonhar em abrir a colonização da planeta Mars mas já conseguiu para SpaceX fabuloso contratos com a NASA-, Richard Branson da Virgin – interessado há anos pelas viagens supersônicas e as ascensões em balões através da Virgin Galactic-, e Steff Bezos da Amazon – sonhando desde 2000 com colônias espaciais flutuantes construídas e lançadas pela sua empresa especializada Blue Origin.

A largada do VSS Unity desde seu lançador

Se nenhum dos três poderá alegar ser o primeiro turista espacial ( Dennis Tito no 21 de Abril 2001, e depois dele uns dez milionários pagaram nos últimos vinte anos uns 20 milhões de USD para viajar a bordo de foguetes Soyuz), Richard Branson foi mesmo o primeiro a viajar a bordo do seu proprio navio espacial. No dia 11 de julho, o excêntrico empresário sai na frente com três outros passageiros e dois pilotos no VSS Unity, levado pelo lançador VSS Eve. Depois da largada, subiu até 90 quilômetros de altura -10 quilômetros acima do limite do espaço definido pela Aeronáutica estado-unidense – e foi pousar na base de Spaceport no Novo México onde nada menos que Elon Musk esperava para reservar uma vaga num próximo voo.

No deserto do Texas, o Blue Origin de Steff Bezos

Jeff Bezos saiu nove dias mais tarde, dia 20 de julho, com o seu foguete New Shepard, atingiu 107 quilômetros de altura, e depois de dez minutos voltou abrindo os três paraquedas da capsula para pousar no deserto do Texas. Se não foi na dianteira, Jeff levou vantagem sobre o seu rival. Em primeiro lugar ultrapassou a barreira do espaço, 100 quilômetros de altura segundo as convenções internacionais. Em segundo caprichou no conteúdo emocional, com a presencia a bordo de vários objetos carregados de símbolos fortes: colar da sua mãe, pedaço do avião dos irmãos Wright, medalhão de Montgolfier, e convite a pioneira da aviação americana Wally Funk, hoje com 82 anos.

Olivier Daemen junto com Jeff Bezos, Mark Bezos, e Wally Funk

Jeff Bezos superou também Richard Branson em levar um passageiro pagante – o montante exato, superior a 20 milhões de USD, não foi porem divulgado. O feliz escolhido foi um neerlandês de 20 anos, Oliver Daemen, que foi presenteado pelo pai, dono do hedge fund Somerset Capitol Partners. Oliver tinha chegado em segundo lugar num leilão disputadíssimo de 75 pessoas, mas o vencedor teve que adiar a viagem e seguirá nos outros voos programados, dois em 2021 e vários em 2022. Nessas previsões de turistas espaciais, a Blue Origin tem ambições mais modestas que a Virgin Atlantic que já vendeu mais de 600 passagens de USD 250.000 cada e está programando 400 voos comerciais nos próximos anos.

O impacto do turismo espacial já preocupa os ambientalistas

Mesmo se os três bilionários insistam na dimensão sustentável e social desses projetos, as reações da imprensa bem como das mídias sociais foram pelo menos cautelosas, pouco jornalistas ou influenciadores sendo convencidos que os bilhões gastos nesses voos ajudaram ou ajudarão a encontrar soluções as crises de curto ou longo prazo, e muitos deles achando que essas viagens não se encaixa nas novas tendencias de sustentabilidade e de responsabilidade social. Para os profissionais, mesmo nas hipóteses mais favoráveis de algumas centenas de passageiros nos próximos anos, o turismo espacial,  continua pertencendo ao distante futuro.

Jean-Philippe Pérol

Esse artigo foi inicialmente publicado no Blog “Points de vue” do autor na revista profissional on line Mercado e Eventos

Clubhouse, a vingança áudio das mídias sociais

 

Fã do Clubhouse, Elon Musk convidou até Putin para uma conversa

É em tempo de crise que aparecem as inovações. Isso parece ser o caso do Clubhouse, uma mídia social 100% áudio que foi lançada em março 2021 e que está explodindo desde o inicio do ano. Aplicativo disponível exclusivamente com convite e acessível somente com iphone, o Clubhouse é uma nova mídia utilizando exclusivamente a voz. Abrindo o aplicativo, o usuário pode “entrar” em “salas” (room) cheias de pessoas conversando ou ouvindo, podendo entrar como público ou levantar a mão para ser autorizado a falar.  É também possível de criar sua própria “sala”, escolhendo o assunto para contar histórias, fazer perguntas, aprender, conversar, encontrar velhos amigos ou fazer novas amizades.

clubhouse_gonzalo

Crescimento dos usuários da Clubhouse

O Clubhouse é mesmo uma loucura. Em menos de um ano já passou de 6 milhões de participantes, 4 milhões dos quais se juntaram no último mês de fevereiro. Valendo “somente” USD 100 milhões em maio de 2020, a empresa está sendo avaliada hoje em mais de um bilhão.  Comparado pelos analistas com o sucesso da Twitter, essa popularidade é muito ligada as experiências incríveis que são oferecidas, momentos “WOW”, conversas enriquecedoras ou intercâmbios intensos.  O Clubhouse  ficou também famoso pelos encontros com executivos ou artistas famosas. Assim Elon Musk, Oprah Winfrey, Ashton Kutcher, Mark Zuckerberg ou Meek Mill já entraram sem avisar em algumas “salas” para conversar com usuários anónimos.

Facebook prepara um áudio chat para competir com o Clubhouse

Alem da exclusividade e da espontaneidade, a plataforma deve também sua atratividade ao áudio. Em tempos de saturações de Zoom, Google Meet, Microsoft Teams, Skype ou Facebook Live, é gostoso de não precisar se mostrar. O audio já estava a todo vapor com a crescente popularidade dos  podcasts, e existem analistas apostando que as mídias sociais audio são o novo Eldorado da economia digital. O Clubhouse tem a vantagem de ser o primeiro ator a atingir um sucesso mundial, mas a concorrência  está chegando. Twitter já lançou uma funcionalidade chamada Spaces. Facebook e Microsoft estão trabalhando para lançar seus proprios aplicativos, ambos aparentemente com o nome Fireside.

Paul Davison, um dos dois fundadores do Clubhouse

Uma outra especificidade do Clubhouse seduz os seus fãs, a ausência de gravações ou de arquivos das discussões na “salas”. Isso libera a palavra, dando para os participantes a esperança de escutar uma confidência ou um anuncio exclusiva sobre os milhares de assuntos dado pelos inúmeros participantes.  Essa liberdade é porem também uma preocupação para os fundadores Paul Davison e Rohan Seth, acusados de não controlar declarações racistas, machistas ou homofóbicas eventuais dos seus usuários. Afirmando os valores da empresa para resolver esses problemas, eles estão trabalhando para uma outra ameaça trazida pelo sucesso: como não perder a dinâmica exclusiva do Clubhouse quando o número de usuários passará de 6 à 50 milhões.

Este artigo foi traduzido e adaptado de um artigo original de Frederic Gonzalo de TourismExpress. nrevista profissional on-line Reseau de veille en tourisme, Chaire de tourisme Transat  

%d blogueiros gostam disto: