Em Tóquio, depois do Mundial de rugby, que venham os Jogos Olímpicos!

O Japão brilhou no campo e nas arquibancadas do Mundial de Rugby

Além de uma brilhante participação da sua seleção nacional, o Japão mostrou durante a última Copa do Mundo de Rugby que era um perfeito organizador de grande eventos esportivos. Pela enormee satisfação dos observadores do Comitê Olímpico, os organizadores souberam gerenciar as perturbações e os cancelamentos de jogos trazidos pelo furacão Hagibis. O Comité de Organização japonês constatou com satisfação que todas as entradas foram vendidas e que os estádios ficaram sempre cheios, mesmo nos jogos de menor expressão. Os jornalistas ficaram impressionados pelo fair-play dos espectadores que chegaram até a cantar os hinos nacionais dos adversários, e a policia conseguiu evitar qualquer distúrbio, resolvendo com tranquilidade os poucos casos de excesso de torcedores baderneiros.

O beisebol vai voltar nos JO depois de 12 anos

A abertura oficial dos Jogos Olímpicos de 2020 será no dia 24 de Julho (mesmo se os primeiros jogos de futebol serão dia 22), e as provas serão divididas entre nove áreas, sendo as duas mais importantes em Tóquio: a “Heritage Zone”,  que utilizou os prédios e as instalações renovados dos Jogos de 1964, e a “Bay Zone” que foi projetada para ser um modelo de desenvolvimento urbano criativo e inovador. Fora da capital, os sítios olímpicos incluem o Sapporo Dome na ilha de Hokkaido e o famoso Azuma Baseball Stadium de Fukushima que deve receber as provas de baseball/ softball, um dos cinco novos esportes destas olimpíadas – os outros são o skateboarding, o “sports climbing,” o surfe e o localmente esperadíssimo karaté.

Nove sítios olímpicos vão receber as provas

Sobre um total de 7,8 milhões de entradas, as primeiras vendas foram reservadas aos moradores, mas nesse último mês de agosto mais de 2 milhões já foram colocadas à venda nos mercados internacionais por meio de revendedores autorizados.  No Brasil foi nomeada a Match Hospitality,  com três subdistribuidores, a Ambiental Travel Experience, a Century Travel e a Quickly Travel.  Muito atento a transparência das compras e vendas, o Comité Olímpico proibiu completamente a revenda de entradas a não ser num site oficial que será aberto exclusivamente para este fim em abril de 2020, com os preços limitados aos valores faciais e um handling-fee predeterminado. E para quem não conseguir entradas, 30 Live Site” serão abertos aos tprcedores no Japão inteiro, com retransmissão ao vivo das provas, dos eventos culturais e das animações esportivos

Os preços dos hotéis capsula vão aumentar de até cinco vezes durante os JO

Com a expectativa de receber 10 milhões de turistas, as disponibilidades e as tarifas de hospedagem são as maiores preocupações de todos. Até nos “hotéis capsula”, com seis quartos de menos de quatro metros quadrados, as tarifas explodiram, passando de uma média de US$ 20 a mais de US$ 100 por noite. Nos hotéis tradicionais, os preços subiram também, e a estritas regras de segurança impossibilitam de prever três ou quatro hóspedes em quartos vendidos em single ou double. Para resolver a falta de apartamentos, a AirBnb aumentou muito a sua oferta, e alguns navios de cruzeiros deverão ser usados como hotéis flutuantes: a JTB já fretou o Sun Princess e negocia coma MSC o fretamento o MSC Lírica. Alternativas originais já estão sendo aproveitadas, como os “Love hotels” (os seguros e confortáveis motéis japoneses), ou até os Internet cafés, que oferecem normalmente pacotes de pernoites baratos para os moradores que perdem o seu último trem. 

Paris e 7 cidades francesas receberão a Copa de Rugby 2023

Copa do Mundo de Rugby e Jogos Olímpicos, o desafio de organizar dois eventos tão importantes dois anos seguintes vai atrair as atenções de turistas, esportistas, jornalistas e profissionais do mundo inteiro. Com a mesmo sequência chegando em 2023/2024, Paris vai com certeza tentar aproveitar da experiencia (certamente bem sucedida) dos dois comités organizadores japoneses, com o múltiplo desafio de uma perfeita organização esportiva, da satisfação dos visitantes, de um controle de custos eficiente, e da apropriação dos eventos pelos moradores- hoje japoneses e amanhã parisienses .

Depois de Tóquio, Paris será pela terceira vez a capital olímpica