A ilha de Páscoa dos turistas voltando a ser também a Rapa Nui dos moradores?

Ilha de Páscoa, nos confins do mundo uma experiência que mexe com o viajante!

IMG_1789

Desde que foi descoberta em 1722 , essa Ilha perdida, a 3600 km das costas chilenas e a 4000 km de Tahiti, sempre fascinou os seus visitantes.IMG_1625 Se sua gente, sua língua e parte da sua cultura são, sem dúvida, oriundas da Polinésia, a beleza das suas paisagens, o gigantismo imponente e tranquilo dos seus Moai, e a força das suas tradições que vencerem massacres e etnocídios, fazem de “Rapa Nui” um destino único, um lugar “onde sopra o espírito”.

Esperando uma paisagem quase deserta depois do desastre ecológico que marcou o fim da era dos Moai, o viajante fica surpreso com as plantações de eucaliptos, com a onipresença das flores e com o trabalho de preservação das espécies nativas nos três vulcões da  ilha. Surpresa também é a pequena praia, a mesma onde desembarcaram o rei Hotu Matua e os primeiros polinésios. Os seis moai que dominam as dunas estão virando as costas, mas, com areia branca e ondas turquesa, o lugar é o convite ao mergulho para quem não tem medo de água fria. IMG_1808Do alto da cidade sagrada de Orongo, outra vista excepcional espera os visitantes: os ilhotes isolados onde os guerreiros mais valentes iam buscar o primeiro ovo de Manutara para que o vencedor se tornasse o “homem pássaro”, senhor do ano novo.

Os momentos mais fortes para o viajante são os encontros com os Moai. Nos arredores da “fábrica”, eles parecem um exército de gigantes saindo do solo para enfrentar um inimigo vindo do mar. Ainda deitados na pedreira, outros nos deixam imaginar a violência da crise ecológica e humana que varreu esse período da civilização Rapa Nui. IMG_1664Dois outros lugares são, sem dúvida, imperdíveis. Em Tonga Riki fica o mais impressionante dos alinhamentos: quinze moai nesse Ahu reconstruído em 1990 depois de um terrível tsunami. A 15 km da “fábrica”, o sítio de de Ahu Akivi só tem sete moai, mas uma historia ainda mais comovente: eles representam os sete primeiros navegadores que chegaram na Ilha, os únicos gigantes a olhar para o mar. Viram chegar o rei, mas depois as ondas só trouxeram sofrimentos e horrores, os saques dos marinheiros americanos ou alemães, a escravidão dos piratas peruanos e a segregação das companhias inglesas.IMG_1942

Cercado por esse passado de grandezas e de tragédias – em 1900, só tinham sobrevivido 111 ilhenos-,  o visitante fica impressionado pela sobrevivência e a força da cultura Rapa Nui. Reforçados com imigrantes vindos da Polinésia francesa, os pascuanos mantiveram a sua língua, seu artesanato e muitas das suas tradições. Se o sentido dos petroglifos se perdeu, a História tão peculiar da Ilha é um patrimônio que os habitantes dividam com prazer e orgulho.

Com muitas opções de hospedagem – do muito bem pensado Hanga Roa Eco village and Spa, com sua arquitetura inspirada de Orongo e das ocas tradicionais, até um acampamento de barracas-,  a Ilha oferece também uma grande escolha de pequenos bares e restaurantes, incluindo dois franceses, o “Au bout du monde” e a “Taverne du Pêcheur”, todos com uma qualidade surpreendente considerando as dificuldades de abastecimento. IMG_2102Em um destino com uma História e tradições tão ricas , o viajante deverá dar uma atenção muito especial a seu guia. Se cada encontro com o patrimônio da Ilha de Páscoa é um choque de emoções, ele vira mágico quando os comentários ajudam a  conhecer melhor a trajetória desses polinésios que conseguiram, nesses confins do mundo, construir monumentos dignos de virar patrimônio da Humanidade.

Jean-Philippe Pérol

 IMG_1622