A guerra do 5G chega nos aeroportos

Fator chave da guerra comercial entre as super potencias do século XXI, o 5G já começou a mexer com todos os setores econômicos. Trazendo imensas opções de comunicação ilimitadas para os atores do transporte e do turismo internacional, oferece assim para os aeroportos a possibilidade de virar verdadeiras cidades inteligentes. Veículos, funcionários, maquinas e passageiros serão todos interligados para ser acompanhados em tempo real, facilitando processos e controles. As autoridades aeronáuticas estão porem cautelosas, e um relatório da Direção da Aviação Civil da França enfureceu há duas semanas as operadoras telefônicas depois de levantar suspeitas sobre um risco trazido pelas antenas 5G.

As autoridades francesas estão cautelosas com as antenas 5G

Retomando acusações publicadas há dois meses num  relatório  americano, o comunicado das autoridades francesas afirma que a banda hertziana utilizada pelo 5G levanta um risco importante para o funcionamento dos radio altímetros dos aviões, aparelhos de bordo medindo as distâncias em relação ao solo que precisam dessa mesma frequências. Sem levar em consideração as prováveis dimensões políticas do relatório americano cujas empresas precisam de tempo para recuperar seu atraso tecnológico em relação a Europa e a China, foram assim pedidos mais análises técnicas, atrasando assim as autorizações das instalações das necessárias antenas.

O Brasil quer a maior concorrência entre os 4 grandes da 5G

A preocupação das operadoras telefônicas francesas vão alem dos aeroportos. Avisaram que a posição das autoridades  pode não somente prejudicar a chegada de novas tecnologias nos aeroportos, mas também impedir o acesso ao 5G das áreas urbanas próximas. Segundo um especialista, “as precauções são legitimas, mas 7% da população mundial já vive com o 5G, e nunca teve nenhum problema com os aviões. O maior risco, com essas dúvidas, é de ver as teorias complotistas, alimentadas pelo concorrência e por setores políticos extremos,  voltar com mais força. “Cientes do problema, as autoridades lembram que 96% das antenas necessárias a nível nacional já foram autorizadas e que uma solução para os aeroportos vai com certeza ser encontrada, assim como já foi na Alemanha.

Helsinki foi o primeiro aeroporto a ficar pronto para 5G

Quem quer que seja o vencedor da guerra tecnológica, as novas exigências operacionais e securitárias dos aeroportos vão precisar do 5G. Não terá mais cartão de embarque, mas câmeras com reconhecimento facial, as informações  poderão ser mandadas para cada passageiro de forma individualizada. Os tempos de espera e as filas nos controles – de policia, saúde, alfândega ou segurança- devem também ser muito reduzidos com os projetos de “One ID” com informações biométricas divididas entre os vários países do itinerário do viajante . Em Helsinki, Bruxelas, Londres, Bangkok, ou em Seul- pioneira nesse setor-, os aeroportos está trabalhando nesse sentido, aproveitando os recursos do 5G para melhorar a qualidade da experiência do passageiro bem como a segurança de todos.

O aeroporto de Seul é um pioneiro da tecnologia “One ID”

Esse artigo foi traduzido e adaptado de um artigo original de Serge Fabre na revista francesa profissional on-line Mister Travel