Van Gogh, eterno hóspede de Auvers-sur-Oise

Les bords de l’Oise, de Vincent Van Gogh

Mesmo se Van Gogh passou somente os últimos 70 dias da sua vida nessa pequena cidade dos arredores de Paris, Auvers-sur-Oise ficou profundamente marcada  pela sua estada, ganhando uma projeção internacional que continua até hoje através das paisagens e dos personagens que ele imortalizou nos quase oitenta quadros que ele pintou na região. E se Auvers-sur-Oise atrai também pelo seu castelo, com seus jardins floridos e seus íris, com seus casamentos e seu festival ” Normandia  impressionista “, o turismo aproveita em primeiro lugar a omnipresença do artista gênio.

Castelo de Auvers sur Oise e seus famosos Íris

Castelo de Auvers-sur-Oise e seus famosos Íris

Van Gogh estará presente nas novidades previstas esse ano, como o lançamento da construção de um novo barco de passeio, replica do barco onde trabalhava o pintor  Charles-François Daubigny (1817-1878), um artista que Van Gogh admirava tanto que o homenageou com seu quadro “Le jardin de Daubigny”.    O Jardim de Daubigny, do Vincent Van GoghE para descobrir as beiras do Rio Oise que ele tanto gostava, Auvers-sur-Oise se juntou com dois outros municípios da região para propor um “cruzeiro pique-nique”  onde os turistas poderão aproveitar as paisagens favoritas do pintor enquanto estarão almoçando. Na casa do Doutor Gachet, o famoso benfeitor e amigo,  uma bem sucedida renovação e a uma exposição de obras inéditas fazem o visitante mergulhar no ambiente da época , dando a impressão que o Vincent pode aparecer a qualquer hora.

A Auberge Ravoux em Auvers sur Oise

A Auberge Ravoux em Auvers sur Oise

É porem na Auberge Ravoux, onde Van Gogh se hospedou de maio até julho de 1890, que a emoção de uma visita em Auvers sur Oise é a mais forte. A pequena albergue guardou a decoração e o ambiente dos bares de artistas no final do século XIX. O quarto de 7 metros quadrados, que o pintor alugava e onde ele estocava as suas telas embaixo da cama, guardou toda a sua simplicidade. E no restaurante, ainda é possível sentar e almoçar na mesma mesa onde ele fazia as suas refeições. Dominique-Charles JanssensConservar a alma do lugar é a luta do proprietário do local, Dominique-Charles Janssens, um cidadão belga que encontrou a então chamada “Maison de Van Gogh” por acaso (o caro dele bateu na frente em 1985). E se apaixonou então, ao ponto de comprar-la, restaurar e reabrir, reaproveitando o seu antigo nome de “Auberge Ravoux”. Sem apoio, mas com muita paixão, conseguiu convencer uns bancos, alguns patrocinadores e algumas operadores de turismo (inclusive a Wagons lits quando encontrei com ele pela primeira vez). Hoje ele recebe no local dezenas de milhares de visitantes vindo do mundo inteiro, mas o sonho do Janssens é de poder um dia pendurar na parede do pequeno quarto numero 5 um quadro do Vincent. A 30 milhões de dólares, pode parece impossível, mas sua garra e sua paixão já fizeram alguns milagres em Auvers-sur-Oise …

Jean-Philippe Pérol

Mesa na frente da Auberge Ravoux

Mesa na frente da Auberge Ravoux

 

9 pensamentos sobre “Van Gogh, eterno hóspede de Auvers-sur-Oise

  1. Gostei de mais deste postar! !Já fui a Paris! !e tenho a certeza de que da próxima vez iremos conhecer AUVERS! !Sou eterna admiradora de Van Gogh !!Já pintei quados dele! !também gosto de dar minhas pinceladas! RSRS

    Curtir

  2. Pingback: Van Gogh, eterno hóspede de Auvers-sur-Oise | Blog da Biloka

    • Obrigado pela resposta. Adoro a França, Paris me emociona não importa quantas vezes eu tenha ido ou vá para lá. Li recente um livro escrito por uma americana Ina Caro.”Paris sobre Trilhos” que disseca Paris e seus monumentos, castelos e igrejas próximas através de detalhes históricos. Ousei corrigir por FaceBook da autora no que se refere às relíquias, para ela, “perdidas”, no capítulo sobre a soberba Sainte Chapelle. Nós mesmo participamos, em 2012, de uma cerimônia em respeito a Coroa de Espinhos de Cristo, realizada numa sexta feita na Catedral de Notre Dame. A autora recebeu e agradeceu a colaboração que incluirá nas próximas edições.
      De resto uma boa leitura que recomendo a todos seus seguidores do blog,

      Curtir

  3. Gostei demais deste post. Em maio 2015 minha mulher e eu passamos o dia em Auvers não somente para visitar a sepultura de Van Gogh e Theo como também conhecer aquela bela cidade. Fizemos questão de almoçar no Albergue Ravoux após visitarmos os aposentos do artista. Foi emocionante para nós, eternos admiradores de Van Gogh e sua obra.
    Sérgio M. Egg, Curitiba, Brasil.

    Curtir

Deixar comentario

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s