Turismo e comunidades indigenas: qual caminho seguir?

Manaus-20120512-00275 - copie

Familia Dessana apresentando seus rituais tradicionais Foto: Amazon Santana

Existe num mundo inteiro uma procura importante dos viajantes para encontros autênticos com comunidades e culturas indígenas. ML.tourisme_autochtone_Canada_image_UNE-350x350Se no Brasil, parece as vezes difícil devido as precauções extremas exigidas pela FUNAI ou ao radicalismo de ONG estrangeiras, muitos projetos bem sucedidos foram desenvolvidos no exterior. Em Quebec, durante o 4rto congresso internacional do turismo nativo, foram apresentados dia 25 de Março as melhores praticas de comunidades indígenas no mundo, especialmente no Canada, no Peru e na Nova Zelândia. Esses exemplos mostraram claramente  cinco condições essenciais para oferecer aos visitantes uma experiência de qualidade e para chegar ao sucesso.

O projeto deve ser elaborado pela comunidade, sendo dirigido e explorado por ela. Ele terá que criar empregos no local, gerar benefícios diretos e incentivar outras iniciativas empreendedoras. whale-watch-kaikouraEm Quebec, a pesquisadora Sonya Graci deu o exemplo dos maoris da tribo Kati Kuri de Kaikoura, na Nova Zelandia que desenvolveram cruzeiros de observações de baleias. Começaram com um único barco tipo Zodiac, e com pouca ajuda de banqueiros relutantes.  Mas os turistas aprovaram, e logo conseguiram comprar um barco maior e quatro catamarãs. O sucesso da “Whale Watch” levou a ampliar o porto e estimulou os investimentos da comunidade em restaurantes, hotéis e galerias de artesanato local. Hoje são 90 % da população que vivem do turismo.

O produto turístico apresentado deve ser autentico, fruto da realidade da comunidade, valorizando as suas verdaCN_tourisme_autochtone_bonnes_pratiques_2deiras tradições, a sua língua e a sua cultura, e deixando todos os moradores orgulhosos. Também na Nova Zelândia, a aldeia Whakarewarewa é um excelente exemplo de autenticidade. Desde o inicio do século XIX, a população recebe e hospede os visitantes nas casas e nos jardins, ensinando como pode se aproveitar a geotermia para cozinhar, tomar banho ou experimentar a sauna. Os visitantes são convidados a reviver a historia da aldeia e a conhecer as suas  tradições contadas por guias  cujas famílias fundaram o vilarejo há cinco gerações.

Para ajudar tanto nos financiamentos que no profissionalismo, é necessário uma estreita colaboração entre as comunidades e parceiros experientes da industria turística.posada_amazonas-2 No Peru, o projeto Posada Amazonas dos índios  Ese’Eja em Infierno é uma parceria bem sucedida com a Rainforest Expeditions que administra o lodge e entrega a comunidade 60% das receitas. O acordo, com prazo de vinte anos, estipula que a Rainforest Expeditions deve cuidar da formação profissional dos moradores e assegurar vagas de trabalho tanto na construção e manutenção que no atendimento aos clientes e na diretoria do projeto.  Para o município carente de Infierno, o sucesso do ecolodge levou ao crescimento econômico e social.

CN_tourisme_autochtone_bonnes_pratiques_51

Como qualquer empreendimento empresarial, um projeto de turismo numa comunidade indígena  precisa de lideres convictos, capazes de mobilizar os moradores e de comunicar uma visão de desenvolvimento. Foi assim que os irmãos Mike e Doug Tamaki, na Nova Zelândia, reconstruíram em 1989 uma aldeia maori respeitando a historia e o espírito dos seus ancestrais.globalstoreytellers11 Os visitantes participam a reconstituição de cerimonias tradicionais, conhecem os modos de viver da civilização guerreira anterior a chegada dos ingleses. O sucesso do Tamaki Heritage Group, que conta hoje com 120 funcionarios, levou a abertura duma segunda aldeia em Christchurch e a um terceiro projeto em Auckland.

O sucesso do turismo nas comunidades indígenas só pode ser garantido se tiver preservação  dos recursos naturais, viabilidade econômica e respeito de todos os componentes da cultura local, seja se são seguidos os princípios do desenvolvimento sustentável.CN_tourisme_autochtone_bonnes_pratiques_6 Um excelente exemplo é mostrado pela tribo MoCreebec em Moose Factory, no Canada, que inaugurou em 2000 o seu primeiro “Cree Village EcoLodge” em conformidade com os valores tradicionais, ecológicas e culturais dos índios Cris.    O prédio é moderno, mais foi planejado pelos lideres da comunidade para oferecer em cada detalhe o máximo de conforto e o mínimo de impacto sobre o meio ambiente.

No mundo inteiro, o turismo pode oferecer a essas comunidades estratégias de desenvolvimento econômico e social sustentáveis, com um conteúdo cultural muito forte que ajuda na preservação e na divulgação das línguas, das tradições e dos artesanatos dos grupos envolvidos. dscn0513Os exemplos apresentados no Congresso de Quebec ajudaram a definir os fatores de sucesso. Sendo claro o respeito das condições especificas de cada comunidade é imperativo, o Brasil, que têm um imensa potencial nesse setor, pode se inspirar dos projetos canadenses, neozelandeses ou quebequenses para fazer do turismo não uma ameaça mas uma grande oportunidade . Nas aldeias indígenas do Amazonas, nos quilombos do Nordeste e no pais inteiro, os brasileiros podem encontrar seus próprios caminhos para esse  intercâmbio autentico tão procurado pelos viajantes internacionais.

Esse artigo foi traduzido e adaptado dum artigo original de Chantal Neault para o Globe Veille, Chaire de tourisme Transat 

L1000691 - copie

Por do Sol no Canumã Foto: Amazon Santana

Deixar comentario

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s