Classes emergentes brasileiras: para França, o futuro? para as operadoras, a esperança?

cvc-parisCerta de que o futuro do seu turismo receptivo está se preparando nos BRICS, Atout France está estudando de perto as evoluções das viagens provenientes desses países, que quase dobraram nos últimos cinco anos. Depois da China e da Rússia, foi lançada no mês passado uma pesquisa de mercado sobre o Brasil. Realizada em cooperação com nossos colegas do turismo suíço, ela tem como foco as viagens das novas classes emergentes brasileiras.

Envolvendo profissionais, aproveitando painéis de consumidores, baseada em seiscentas entrevistas de viajantes das classes B e C de seis cidades emissores (SÃO, RIO, BHZ, REC, CWB e ROA), essa pesquisa tem dois grandes objetivos:

avaliar o potencial de viagens para França e a Suíça dessas classes emergentes. Lembramos que o objetivo do turismo francês, 1,5 milhão de turistas brasileiros, só poderá ser atingindo se esses novos clientes continuarem a colocar Paris em primeiro lugar das preferências na Europa. Queremos também saber se eles vão poder ajudar a transformar Marselha, Bordeaux, Nice ou Lyon em grandes destinos turísticos internacionais.

antecipar o comportamento e os hábitos de consumo desses novos clientes para poder oferecer os serviços que eles estarão esperando. Isso ajudará não somente a melhorar a oferta em todos os destinos potenciais, mas também a preparar as promoções e os canais de distribuições certos.

Um ponto chave vai ser o de avaliar a evolução de consumo de pacotes. Marinheiros de primeira viagem, esses consumidores multiplicaram o mercado desses produtos que as clientelas tradicionais mais ricas e mais experientes tinham tendência a desprezar. Foi assim que surgiram oportunidades de crescimento que foram aproveitadas por grandes operadoras. Mas agora que estão se acostumando as viagens internacionais, agora que falam mais inglês ou francês, agora que sabem comparar todas as ofertas, como vão evoluir e onde vão comprar esses clientes?

São as respostas a essas muitas perguntas que vamos tentar encontrar nos resultados dessa pesquisa que serão apresentados no Brasil em fevereiro.

Uma coisa já é certa, o futuro da França como primeiro destino turístico mundial depende da sua capacidade a se adaptar as exigências desses novos consumidores vindo da China, da Rússia, da Índia e do Brasil. E as operadoras tem a mesma problemática.

Jean-Philippe Pérol

2 pensamentos sobre “Classes emergentes brasileiras: para França, o futuro? para as operadoras, a esperança?

Deixar comentario

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s